Os Desafios dos Gestores na Carreira Contábil: A Perspectiva das Gerações Baby Boomer, X, Y e Z Outros Idiomas

ID:
52076
Resumo:
A carreira contábil passou por diversas mudanças, tendo os profissionais de idades diferentes acompanhado tais evoluções ao longo destas épocas. Diante disso, o objetivo deste trabalho é averiguar os desafios encontrados por gestores de diferentes grupos etários que convivem na profissão contábil. Para isso, utilizou-se os grupos Baby Boomer, X, Y e Z. Teoricamente, adotou-se a corrente que a percepção do indivíduo não é definida apenas pela idade, mas construída com base nas experiências sociais e culturais vividas por cada grupo geracional. Em termos metodológicos, trabalhou-se com entrevistas individuais em profundidade com gestores contábeis de diferentes grupos geracionais, totalizando mais de 67 horas de áudio, transcritos na íntegra em 1.913 páginas de texto. A interpretação desses dados ocorreu por meio da análise de conteúdo categorial, realizada com o auxílio do programa ATLAS TI®. A análise dos resultados foi erguida em três categorias: desafios individuais, coletivos e organizacionais. Em suma, as conclusões identificaram termos como a experiência, encontrada em certos grupos, mas inexistente em outros, expondo, ainda, as expressões tempo, obrigações e normas, sugerindo esses como alguns dos desafios mais recorrentes nessa carreira. Essa perspectiva reduz uma lacuna em relação aos estudos anteriores, ao observar empiricamente a existência de conflitos intergeracionais ‘para’ e ‘entre’ os gestores especificamente no contexto da carreira contábil - investigando, ao mesmo tempo, os quatro grupos mencionados. Essa proposição não foi encontrada nas publicações anteriores, nem mesmo nos Journals internacionais.
Citação ABNT:
ALMEIDA, G. T.; SILVA, C. A. R. Os Desafios dos Gestores na Carreira Contábil: A Perspectiva das Gerações Baby Boomer, X, Y e Z. Enfoque Reflexão Contábil, v. 37, n. 4, p. 105-120, 2018.
Citação APA:
Almeida, G. T., & Silva, C. A. R. (2018). Os Desafios dos Gestores na Carreira Contábil: A Perspectiva das Gerações Baby Boomer, X, Y e Z. Enfoque Reflexão Contábil, 37(4), 105-120.
DOI:
10.4025/enfoque.v37i4.37052
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52076/os-desafios-dos-gestores-na-carreira-contabil--a-perspectiva-das-geracoes-baby-boomer--x--y-e-z/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2015.

BOOKLAKY, P.; JALLOW, K. A historical analysis of the accounting development in Madagascar between 1900 to 2005: The journey from accounting plan to IFRS. Applied Accounting Research, v. 9, n. 2, 2008. p. 126-144.

BRUSCA, I.; MARTÍNEZ, J. C. Adopting International Public Sector Accounting Standards: a challenge for modernizing and harmonizing public sector accounting. International Review of Administrative Sciences, v. 82, n. 4, 2016. p. 724-744.

CARNEGIE, G. D.; NAPIER, C. J. Accounting’s past, present and future: the unifying power of history. Accounting, Auditing & Accountability, v. 25, n. 2, 2012. p. 328-329.

COMEAU, J. D.; TUNG, L. C. Re-defining the Concepts of Generational Labelling. Science and Technology, v. 3, n. 3, 2013. p. 259-276.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos de Pesquisa em Administração. 12. ed. São Paulo: Bookman, 2016.

CSOBANKA, Z. The Z Generation. Acta Technologica Dubnicae, v. 6, n. 2, 2016. p. 63-76.

DWYER, R. J.; AZEVENDO, A. Preparing leaders for the multi-generational workforce. Enterprising Communities: People and Places in the Global Economy, v. 10, n. 3, 2016. p. 281-305.

FEIL, A. A. Análise das variáveis intervenientes na tomada de decisão ética do profissional contábil. Enfoque Reflexão Contábil, Paraná, v. 35, n. 1, 2016. p. 75-93.

FISHMAN, A. F. How generational differences will impact America’s aging workforce: strategies for dealing with aging Millennials, Generation X, and Baby Boomers. Strategic HR Review, v. 15, n. 6, 2016. p. 250-257.

GASSNER, F. P. et al. Percepções e preferências dos estudantes de ciências contábeis, em relação ao ensino, à luz de Paulo Freire. Enfoque Reflexão Contábil, Paraná, v. 29, n. 2, 2010. p. 9-26.

HENDI, Y. P. Better, faster, smarter: developing a blueprint for creating forensic accountants. Money Laundering Control, v. 16, n. 4, 2013. p. 353-378.

HILSENRATH, P.; EAKIN, C.; FISCHER, K. Price-Transparency and Cost Accounting. Journal of Health Care Organization, Provision, and Financing, n. 52, 2015.

IBGE. Informações panorama cidades. 2017. Disponível em Acesso em 08 de mar. 2017.

JORDÃO, R. V. D.; OLIVEIRA, G. R. Gestão tributária nas atividades de reorganização societária em empresas de reorganização societária em empresas de Minas Gerais. Enfoque Reflexão Contábil, Paraná, v. 35, n. 3, 2016. p. 139-157.

KHERA, S. N.; MALIK, S. Conceptualizing and measuring life priorities of Generation Y: evidences from Indian context. Industrial and Commercial Training, v. 49, n. 2, 2017. p. 80-86.

LAWRENCE, S.; LOW, M.; SHARMA, U. Prem Sikka and the media: using the media to hold accountants to account. Qualitative Research in Accounting & Management, v. 7, n. 3, 2010. p. 249-269.

MANNHEIM, K. Le problème des générations. Paris: Natha, 1928.

PYÖRIÄ, P. et al. The Millennial Generation. Sage Open, v. 7, n. 1, 2017. p. 1-14.

RANI, N.; SAMUEL, A. A study on generational differences in work values and person-organization fit and its effect on turnover intention of Generation Y in India. Management Research Review, v. 39, n. 12, 2016. p. 1695-1719.

SAFARI, M.; MANSORI, S.; SESAIAH, S. Generation difference in hiring financial planners in Malaysia. International Journal of Bank Marketing, 35, n. v. 4, 2017. p. 1-16.

SARRAF, A. R. A. et al. Generational differences in job engagement: a case study of an industrial organization in Iran. Industrial and Commercial Training, v. 49, n. 3, 2017. p. 106-115.

SEBOLD, M. et al. Evolução da contabilidade brasileira: do governo eletrônico ao sistema público de escrituração digital – SPED. Enfoque Reflexão Contábil, v. 31, n. 2, 2012. p. 23-32.

SHARMA, S.; JOSHI, M.; KANSAL, M. IFRS adoption challenges in developing economies: an Indian perspective. Managerial Auditing, v. 32, n. 4/5, 2017. p. 406-426.

SICA, A. Debt to Society: Accounting for Life under Capitalism. Contemporary Sociology, v. 46, n. 2, 2017. p. 191-192.

SMITH, D.; JACOBS, K. Breaking up the sky: The characterisation of accounting and accountants in popular music. Accounting, Auditing & Accountability, v. 24, n. 7, 2011. p. 904-931.

SOX, C. B. et al. Technology use within meetings: a generational perspective. Hospitality and Tourism Technology, v. 7, n. 2, 2016. p. 158-181.

WALL, A.; PETERS, L.; BROEKHUIZEN, M. Do different generations look differently at high performance organizations? Strategy and Management, v. 10, n. 1, 2017. p. 86-101.

WEEKS, K. P.; WEEKS, M.; LONG, N. Generational perceptions at work: in-group favoritism and out-group stereotypes. Equality, Diversity and Inclusion, v. 36, n. 11, 2017. p. 33-53.

WESTHAUSEN, H. U. The escalating relevance of internal auditing as anti-fraud control. Financial Crime, v. 24, n. 2, 2017.

ZHANG, T. C.; OMRAN, B. A.; COBANOGLU, C. Generation Y’s positive and negative eWOM: use of social media and mobile technology. Contemporary Hospitality Management, v. 29, n. 2, 2017. p. 732-761.