A Função da Capacidade Dinâmica na Construção da Inovação Disruptiva: um Estudo de Caso da Primeira Empresa de Mediação 100% Online no Brasil Outros Idiomas

ID:
52123
Periódico:
Resumo:
Este artigo tem o objetivo descrever o processo da criação da primeira empresa de mediação online do Brasil – MEDIAÇÃO ONLINE (MOL) e as etapas do processo de mediação online de conflitos, como exemplo do uso da inovação como forma de desafogar o poder judiciário e estimular a solução rápida de lides, através do processo de mediação de conflitos num negócio digital. Através da sanção da lei 13.140/2015 a mediação foi regulamentada e este processo ganhou uma nova escala de eficiência com a aplicação das ferramentas de mediação através do uso da plataforma digital. Foi utilizado o método qualitativo de caráter exploratório, optando por um estudo de caso único através de entrevistas à fundadora e cofundadora, observação e avaliação documental. O artigo potencialmente contribui para demonstrar como o uso de algumas capacidades dinâmicas da empresa podem ser direcionadas para a construção da inovação disruptiva aplicadas ao negócio digital.
Citação ABNT:
SILVEIRA JUNIOR, M. J.; COSTA, P. R.; RIBEIRO, L. D. R. A Função da Capacidade Dinâmica na Construção da Inovação Disruptiva: um Estudo de Caso da Primeira Empresa de Mediação 100% Online no Brasil. Gestão & Conexões, v. 8, n. 1, p. 100-118, 2019.
Citação APA:
Silveira Junior, M. J., Costa, P. R., & Ribeiro, L. D. R. (2019). A Função da Capacidade Dinâmica na Construção da Inovação Disruptiva: um Estudo de Caso da Primeira Empresa de Mediação 100% Online no Brasil. Gestão & Conexões, 8(1), 100-118.
DOI:
10.13071/regec.2317-5087.2019.8.1.21892.100-118
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52123/a-funcao-da-capacidade-dinamica-na-construcao-da-inovacao-disruptiva--um-estudo-de-caso-da-primeira-empresa-de-mediacao-100--online-no-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Creswell, J.W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Barney, J. (1986). Types of competition and the theory of strategy: toward an integrative framework. Academy of Management Review, 11(4), p. 791-800

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), p. 99-120.

Charitou, C. D., & Markides, C. C. (2003). Responses to disruptive strategic innovation. MIT Sloan Management Review, 44(2), p. 55-63.

Christensen, C. M. & Overdorf, M. (2000). Meeting the challenge of disruptive change. Harvard Business Review. Retrieved from

Christensen, C. M. (1997). The Innovator’s Dilemma: When New Technologies cause Great Firms to Fail. Cambridge: Harvard Business Review Press.

Conselho Nacional De Justiça (2017). Justiça em números. Recuperado de

Constantinos, M. (1998). Strategic Innovation in Established Companies. Sloan Management Review, 39(3). p. 31-42.

Karimi, J., & Walter, Z. (2015). The role of dynamic capabilities in responding to digital disruption: A factor-based study of the newspaper industry. Journal of Management Information Systems, 32(1), p. 39-81.

Meirelles, D. S., & Camargo, A. B. (2014). Capacidades dinâmicas: o que são e como identificá-las? Revista de Administração Contemporânea, 18(Ed.Esp.), p. 41-64.

Nagy, D., Schuessler, J., & Dubinsky, A. (2016). Defining and Identifying Disruptive Innovation. Industrial Marketing Management, 57, p. 1-8.

Rodrigues, L.C., Ciupak, C., & Riscarolli, V. (2017). Inovação digital disruptiva: um conceito paradoxal à teoria da inovação disruptiva? Anais do Simpósio internacional de Gestão de Projetos, Inovação e Sustentabilidade. São Paulo,

SP, Brasil, 6. Schumpeter, J. A. (1942). Capitalism, Socialism and Democracy. London: Routledge

Teece, D. J., Pisano, G., & Shuen, A. (1997). Dynamic capabilities and strategic management, Strategic Management Journal, 18(7), p. 509-533.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Artmed.