Ressonância Estratégica e Inovação em Serviço de Segurança Pública no Brasil Outros Idiomas

ID:
52205
Resumo:
O objetivo do estudo foi testar, com a construção de duas escalas, uma contribuição exploratória de um modelo da relação entre ressonância estratégica (RE) e inovação em serviço de segurança pública (ISSP). O objeto de análise são os Postos Comunitários de Segurança (PCSs) da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF). O modelo da relação foi testado utilizando structural equation modeling de variáveis explicativas de ISSP e RE. Os resultados mostram que as relações estruturais postuladas entre as variáveis são corroboradas pelas análises da amostra global, obtendo-se evidências de validação das escalas. Conclui-se que os PCSs são uma ISSP na qual é possível perceber que o policiamento está atrelado às interações entre população e PMDF, em uma relação composta por características humanas, estruturais e operacionais do serviço. Destacam-se como principais contribuições desta pesquisa a proposição da relação entre RE e ISSP e o desenvolvimento e a validação de duas escalas que medem esses dois constructos.
Citação ABNT:
MENELAU, S.; AKUTSU, L.; ISIDRO FILHO, A.; FERNANDES, A. S. A. Strategic Resonance and Innovation in Public Security Services in Brazil. Organizações & Sociedade, v. 26, n. 88, p. 50-71, 2019.
Citação APA:
Menelau, S., Akutsu, L., Isidro Filho, A., & Fernandes, A. S. A. (2019). Strategic Resonance and Innovation in Public Security Services in Brazil. Organizações & Sociedade, 26(88), 50-71.
DOI:
10.1590/1984-9260883
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52205/ressonancia-estrategica-e-inovacao-em-servico-de-seguranca-publica-no-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
ADORNO, S.; DIAS, C. Monopólio estatal da violência. In: LIMA, R. S.; RATTON, J. L.; AZEVEDO, R. G. (Org. ). Crime, polícia e justiça no Brasil. São Paulo: Contexto, p. 187-197, 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisbon: Edições 70, 2009.

BAYLEY, D. H.; SKOLNICK, J. H. Nova polícia: Inovações nas polícias de seis cidades norte americanas. 2 ed. São Paulo: Edusp, 2002.

BEATO FILHO, C. C. (1999).Políticas públicas de segurança e a questão policial. São Paulo em Perspectiva, 13(4), 13-27.

BENGOCHEA, J. L. P et al. (2004). A transição de uma polícia de controle para uma polícia cidadã. São Paulo em Perspectiva, 18(1), 119-131.

BONDARUK, R. L.; SOUZA, C. A. Polícia comunitária: Polícia cidadã para um povo cidadão. 4 ed. Curitiba: Comunicare, 2012.

BREWER, J.; HUNTER, A. Foundations of multimethod research: Synthesizing styles. Thousand Oaks: London: Sage, 2006.

BRODEUR, J. P. Como reconhecer um bom policiamento. São Paulo: Edusp, 2002.

BROWN, S. (1998). Manufacturing strategy, manufacturing seniority and plant performance in quality. International Journal of Operations & Production Management, 18(6), 24-39.

BROWN, S. Manufacturing the future: Strategic resonance for enlightened manufacturing. Lon-don: Prentice Hall, 2000.

BROWN, S. Strategic reconfiguration-manufacturing's key role in innovation. Production and Inventory Management Journal, Third/Fourth Quarter, p. 9-16, 2001.

BROWN, S.; BESSANT, J. (2003). The manufacturing strategy-capabilities links in mass customisa-tion and agile manufacturing - an exploratory study. International Journal of Operations & Production Management, 23(7), 707-730.

BROWN, S.; BLACKMON, K. (2005). Aligning manufacturing strategy and business-level competi-tive strategy in new competitive environments: The case for strategic resonance. Journal of Management Studies, 42(4), 793-815.

BROWN, S.; COUSINS, P. D. Supply and operations: Parallel paths and integrated strategies. British Journal of Management, 15, p. 303-320, 2004.

BROWN, S.; FAI, F. Strategic resonance between technological and organisational capabili-ties in the innovation process within firms. Technovation, 26, p. 60-75, 2006.

BURGELMAN, R. A.; GROVE, A. S. Dissonância estratégica. In: BURGELMAN, R. A.; CHRISTENSEN, C. M.; WHEELWRIGTH, S. C. Gestão estratégica da tecnologia e da inovação: Conceitos e soluções. 5 ed. Porto Alegre: AMGH. p. 277-289, 2012.

BYRNE, B. Structural equation modeling with EQS: Basic concepts, applications and pro-gramming. Washington: SAGE. 2011.

CARDOSO, M. Obstáculos para o sucesso de projetos de policiamento comunitário. In: CON-GRESSO LUSO AFRO-BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, 11. Salvador, 2011. Anais. . . Salvador: UFBA. 2011.

CARLBORG, P.; KINDSTRÖM, D.; KOWALKOWSKI, C. (2014). The evolution of service innovation research: A critical review and synthesis. Service Industries Journal, 34(5), 373-398

CHALOM, M. et al. Urban safety and good governance: The role of the police. Safer Cities Programme/International Centre for the Prevention of Crime: Nairobi, 2001.

CHOI, J. N.; CHANG, J. Y. (2009). Innovation implementation in the public sector: An integration of institutional and collective dynamics. Journal of Applied Psychology, 94(1), 245-253.

CHURCHILL, G. A. Marketing research: Methodological foundation. 7 ed. Orlando: Dryden Press, 1999.

COELHO, E. C. (1986). A administração do sistema de justiça criminal. Dados, 29(1), 61-81.

COUSINS, P.; STANWIX, E. (2001). It’s only a matter of confidence! A comparison of relationship management between Japanese and UK non-Japanese owned vehicle manufacturers. International Journal of Operations & Production Management, 21(9/10), 1160-1179.

CRAIG, S. G.; HEIKKILA, E. J. (1989). Urban safety in Vancouver: Allocation and production of a congestible public good. The Canadian Journal of Economics/Revue Canadienne d'Econo-mique, 22(4), 867-884.

CRUZ, M. V. G. Modelos de policiamento para a gestão da segurança pública. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, Recife, 2002. Anais. . . Recife: ENEO, 2002.

CRUZ, M. V. G.; BARBOSA, A. C. Q. Uma abordagem organizacional na segurança pública: Notas para discussão. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, Recife, 2002. Anais. . . Refice: ENEO, 2002.

DAMÁSIO, B. F. (2012). Uso da análise fatorial explicatória em psicologia. Avaliação Psicológica, 11(2), 213-228.

DEVRIES, H. A.; BEKKERS, V. J. J. M.; TUMMERS, L. G. Innovation in the Public Sector:A systematic review and future research agenda. Speyer: EGPA conference, 2014.

DJELLAL, F. Two decades of research on innovation in services: which place for public services? In: INTERNATIONAL EIBURS-TAIPS CONFERENCE ON: INNOVATION IN THE PUBLIC SECTOR AND PUBLIC SERVICES,1st. , 2012. Anais. . . Urbino: Italie, 2012.

DJELLAL, F.; GALLOUJ, F. (2012). L'innovation dans les services publics. Revue Française D'écono-mie, 2(XXVII), 97-142.

FIELD, A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FIGUEIREDO FILHO, D. B.; SILVA JÚNIOR, J. A. (2010). Visão além do alcance: Uma introdução à análise fatorial. Opinião Pública, 16(1), 160-185.

FONSECA, J. S.; MARTINS, G. A. Curso de estatística. 6 ed. São Paulo: Atlas, 1996.

FORMIGA, N. S. (2011). Valoração da família e condutas desviantes: Testagem de um modelo teórico. Psico, 42(3), 383-392.

GAINES, L. K.; TROJANOWICZ, R.; KAPPELER, V. K. Community policing: A contemporary perspective. Cincinnati: Anderson Publishing, 2009.

GALLOUJ, F. (1994). Cycles économiques et innovations de service: À la lumière de la pensée schumpéterienne. Revue Française d'Économie, Programme National Persée, 9(4), 169-213

GALLOUJ, F. (1997). Towards a neo-Schumpeterian theory of innovation in services? Science and Public Policy, 24(6), 405-420

GALLOUJ, F. Economia da inovação: Um balanço dos debates recentes. In: BERNARDES, R.; ANDREASSI, T. (orgs. ). Inovação em serviços intensivos em conhecimento. São Paulo: Saraiva, 2007, p. 3-27.

GALLOUJ, F. Knowledge-intensive business services: Processing knowledge and producing innovation. In: GADREY, J.; GALLOUJ, F. (eds. ). Productivity, innovation and knowledge in services: New economic & socio-economic approaches Great Britain: Edward Elgar Publishing, 2002, p. 256-284.

GALLOUJ, F.; SAVONA, M. Towards a theory of innovation in services: A state of the art. In GALLOUJ, F.; DJELLAL, F. The handbook of innovation in services: A multi-disciplinary perspective. UK/USA: Edward Elgar, 2010, p. 27-48.

GALLOUJ, F.; WEINSTEIN, O. (1997). Innovation in services. Research Policy, 26(4-5), 537-556.

GALLOUJ, F.; WINDRUM, P. (2009). Services and services innovation. Journal of Evolutionary Economics, 19(2), 141-148.

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL. Portaria n. 30, de 28 de fevereiro de 2005. Diretriz de segurança comunitária: estabelece a atuação específica dos órgãos, unidades e Conselhos de que trata o Decreto nº 24. 316, de 23 de dezembro de 2003. Governo do Distrito Federal, Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social, Brasília, DF. 2005.

HAIR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. 6 ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

LEONARD-BARTON, D. Swedish entrepreneurs in manufacturing and their sources of information. Centre for Policy Application, MIT: Boston, 1982.

LIMA, D. H; VARGAS, E. R. (2012). Estudos internacionais sobre inovação no setor público: Como a teoria da inovação em serviços pode contribuir? Revista Administração Pública, 46(2), 385-401.

LIMA, R. S.; RATTON, J. L.; AZEVEDO, R. G. Introdução. In: LIMA, R. S.; RATTON, J. L.; AZE-VEDO, R. G. (orgs. ). Crime, polícia e justiça no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014, p. 13-15.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: Uma orientação aplicada. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MANN, D. (2002). Manufacturing technology evolution trends. Integrated Manufacturing Systems, 13(2), 86-90.

MARÔCO, J. P. Análise de equações estruturais: Fundamentos teóricos, software e aplicações. Pêro Pinheiro: Report Number, 2010.

MARX, G. T. The interweaving of public and private police undercover work. In: SHEARING, C. D.; STENNING, P. C. (eds. ). Private Policing. Newbury Park, California: Sage Publications, 1987.

MCKENNA, P. F. Tiered policing: An alternative model of police service delivery. CPC Discussion Paper Series. Canadian Police College, p. 1-19, 2014.

MENELAU, S. et al. Facilitadores e barreiras à inovação em serviço nos Postos Comunitá-rios de Segurança do Distrito Federal. In: ENCONTRO ANPAD, 39, Belo Horizonte, 2015. Anais. . . Belo Horizonte: ANPAD, 2015.

MESQUITA NETO, P. (2004). Policiamento comunitário e prevenção do crime: A visão dos coronéis da Polícia Militar. São Paulo em Perspectiva, 18(1), 103-110.

MINTZBERG, H.; LAMPEL, J.; GHOSHAL, S. O processo da estratégia. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MULGAN, G.; ALBURY, D. Innovation in the public sector, Prime Minister’s strategy Unit. v. 1. 9. London: Cabinet Office. 2003 (UK cabinet office discussion paper).

NAQSHBANDI, M.; KAUR, S. (2011). A study of organizational citizenship behaviours, organizatio-nal structures and open innovation. International Journal of Business and Social Science, 2(6), 182-19.

NARANJO-GIL, D. The influence of environmental and organizational factors on innovation adoptions: Consequences for performance in public sector organizations. Technovation, n. 29, p. 810-818, 2009.

OECD. Manual de Oslo: Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3 ed. FINEP, 2005.

OLIVEIRA JÚNIOR, A.; SILVA, E. B. As polícias estaduais brasileiras: O desafio da reforma. In: IPEA. Brasil em desenvolvimento: Estado, planejamento e política pública. v. 3, Brasília: IPEA, p. 628-646, 2010.

OLIVEIRA, P. A atividade de inteligência na Polícia Militar do Distrito Federal como orien-tadora do emprego do policiamento ostensivo para a Copa do Mundo de 2014. Monograph presented to the Department of Studies at the War College, Advanced Studies Course on Policy and Strategy, 2011.

PASQUALI, L. Instrumentação psicológica: Fundamentos e práticas. Porto Alegre: Artmed, 2010.

PMDF. Plano de Ação - Postos Comunitários de Segurança. Brasília: Federal District Military Police, 2007.

PONCIONI, P. O caso da educação policial no Brasil. Civitas, v. 13, n. 1, p. 48-55, 2013.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. A competência central da empresa. In: BURGELMAN, R. A.; CHRISTENSEN, C. M.; WHEELWRIGTH, S. C. Gestão estratégica da tecnologia e da inova-ção: Conceitos e soluções. 5 ed. , p. 34-45, Porto Alegre: AMGH, 2012.

RIBAS, J. R.; VIEIRA, P. R. C. Análise multivariada com uso do SPSS. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2011.

RIBEIRO, L. Policiamento comunitário. In: LIMA, R. S.; RATTON, J. L.; AZEVEDO, R. G. (orgs. ). Crime, polícia e justiça no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014, p. 527-538.

ROBERTSON, D. Public and private policing: Issues and options for collaboration within Australia. In: Conference Partnerships in Crime Prevention, Australian Institute of Criminolo-gy and the National Campaign Against Violence and Crime, Hobart, p. 25-27, 1998.

ROLIM, M. Caminhos para a inovação em segurança pública no Brasil. Revista Brasileira de Segurança Pública, v.1, n. 1, p. 32-47. 2007

SAPORI, L. F. A inserção da polícia na Justiça Criminal brasileira: Os percalços de um sistema fracamente articulado. In: FREITAS, I.; MARIANO, B. D. (orgs.). Polícia: Desafio da democracia brasileira. Porto Alegre: Corag, 2002.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: Uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. 3 ed. São Paulo: Nova Cultural, 1982.

SILVEIRA, A. M. A prevenção do crime e segurança comunitária. In: LIMA, R. S.; RATTON, J. L.; AZEVEDO, R. G. (orgs. ). Crime, polícia e justiça no Brasil. São Paulo: Contexto. 2014, p. 539-546.

SLACK, N.; LEWIS, M. Estratégia de operações. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

SPARROW, M. K. Managing the boundary between public and private policing. Washington, DC: U. S. Department of Justice, National Institute of Justice. New Perspectives in Policing Bulletin. , september 2014.

SPETIC, W.; MARQUEZ, P.; KOZAK, R. Critical areas and entry points for sustainability-rela-ted strategies in the sugarcane-based ethanol industry of Brazil. Business Strategy and the Environment, n. 21, p. 370-386, 2012.

TABACHNICK, B. G.; FIDELL, L. S. Using multivariate analysis. Needham Heights: Allyn & Bacon, 2007.

TCDF. Auditoria operacional no sistema de segurança pública do Distrito Federal. Federal District: Federal District Court of Auditors, 2009.

UAG. Ofício nº 148/2010. Federal District: Department of Public Safety (SSPDF). General Administration Unit. 2010.

UNODC. Brazil and the Southern Cone. Gestão e governança da segurança pública no Distrito Federal e entorno. United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC), 2011.

VARGAS, E. R. et al. (2013). A pesquisa sobre inovação em serviços no Brasil: Estágio atual, desafios e perspectivas. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 2, n. 1, 3-21.

WAGNER III, J. A.; HOLLENBECK, J. A. Comportamento organizacional: Criando vantagem competitiva. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

WANG, J.; CAO, D. Relationships between two approaches for planning manufacturing strategy: A strategic approach and a paradigmatic approach. Int. J. Production Economics, 115, p. 349-361, 2008.