Possíveis Combinações de Gênero no Processo Sucessório em Empresas Familiares: Um Estudo Comparativo no Contexto Brasileiro Outros Idiomas

ID:
52229
Resumo:
Este artigo tem como objetivo analisar as possíveis combinações de gênero no processo sucessório em empresas familiares das cidades de Uberlândia e Monte Carmelo, no estado de Minas Gerais, Brasil. A pesquisa foi desenvolvida no nível exploratório e utilizou abordagem metodológica qualitativa por meio de estudo comparativo de doze casos. Os dados foram coletados por intermédio de entrevistas estruturadas em profundidade e analisados pelo método de análise de conteúdo e a técnica de análise categorial, cujas categorias foram definidas a posteriori (preparação da sucessão, processo de sucessão e pós-sucessão). Os resultados evidenciam falta de planejamento na preparação da sucessão, conflitos entre irmãos que ficaram à parte do processo e mudanças na gestão após a saída do sucedido. As combinações de gênero são destacadas, principalmente, nas gestões dos sucedidos/sucedidas, onde a atuação feminina é evidenciada.
Citação ABNT:
OLIVEIRA, M. F.; VASCONCELOS, A. C. V. H.; FERNANDES, V. D. C.; MARITAN, R. F. Possíveis Combinações de Gênero no Processo Sucessório em Empresas Familiares: Um Estudo Comparativo no Contexto Brasileiro. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 7, n. 3, p. 167-189, 2018.
Citação APA:
Oliveira, M. F., Vasconcelos, A. C. V. H., Fernandes, V. D. C., & Maritan, R. F. (2018). Possíveis Combinações de Gênero no Processo Sucessório em Empresas Familiares: Um Estudo Comparativo no Contexto Brasileiro. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 7(3), 167-189.
DOI:
https://doi.org/10.14211/regepe.v7i3.803
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52229/possiveis-combinacoes-de-genero-no-processo-sucessorio-em-empresas-familiares--um-estudo-comparativo-no-contexto-brasileiro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Avloniti, A., Iatridou, A., Kaloupsis, I., & Vozikis, G. S. (2014). Sibling rivalry: implications for the family business succession process. International Entrepreneurship and Management Journal, v. 10(4), pp. 661-678.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bauer, M. W. (2002). Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: Bauer, M. W., & Gaskell, G (Eds.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (pp. 189-217). Petrópolis: Vozes.

Bork, D. (1986). Family business, risky business: how to make it work. New York: American Management Association.

Campos, L. J., & Mazzilli, C. (1998, setembro). Análise do processo sucessório em empresa familiar: um estudo de caso. Anais do Encontro da Associação Nacional de PósGraduação em Administração ANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 22.

Constantinidis, C. (2010). Entreprise familiale et genre: les enjeux de la succession pour les filles. Reveu fraçaise de gestion, v. 1(200), pp. 143-159.

Constantinidis, C., & Nelson, T. (2009). Integrating Succession and Gender Issues from the Perspective of the Daughter of Family Enterprise: A Cross-National Investigation. Management international, v. 14(1), pp. 43-54.

Davel, E., & Colbari, A (2003, setembro). Organizações familiares: desafios, provocações e contribuições para a pesquisa organizacional. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração – ANPAD. Atibaia, SP, Brasil, 27.

Donneley, R. G. (1967). A empresa familiar. Revista de Administração de Empresas, v. 7(23), pp. 161-198.

Flores Jr., J. E., & Grisci, C. L. I. (2012). Dilemas de pais e filhos no processo sucessório de empresas familiares. Rev. Adm., v. 47(2), pp. 325-337.

Frezatti, F., Bido, D. S., Mucci, D. M., & Beck, F. (2017). Estágios do ciclo de vida e perfil de empresas familiares brasileira. Revista de Administração de Empresas, v. 57(6), pp. 601-619.

Goffee, R. (1996). Understanding family businesses: issues for further research. International Journal of Entrepreneurial Behavior & Research, v. 2(1), pp. 36-48.

Grzybovski, D. (2002) O administrador na empresa familiar: uma abordagem comportamental. Passo Fundo: UPF.

Grzybovski, D., & Tedesco, J. C. (1998). Empresa familiar x competitividade: tendências e racionalidades em conflito. Revista Teoria e Evidência Econômica, v. 6(11), pp. 37-68.

Haberman, H., & Danes, S. M. (2007). Father-Daughter and Father-Son Family Business Management Transfer Comparison: Family FIRO Model Application. Family Business Review, v. 20(2), pp. 163-184.

Kubícek, A., & Machek, O. (2018). Gender-related factors in family business succession: a systematic literature review. Review of Managerial Science. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2018.

Lam, W. (2011). Dancing to two tunes: Multi-entity roles in the family business succession process. International Small Business Journal: Researching Entrepreneurship, v. 29(5), pp. 508533.

Lodi, J. B. (1998). A empresa familiar. 5. ed. São Paulo: Pioneira.

Machado, R. M. C., Wetzel, U., & Rodrigues, M. E. (2008). A experiência de sucessão para herdeiras de empresas familiares do Rio de Janeiro. Cadernos EBAPE.BR, v. 6(3), pp. 1-24.

Mussolino, D., & Calabrò, A. (2014). Paternalistic leadership in family firms: Types and implications for intergenerational succession. Journal of Family Business Strategy, v. 5(2), pp. 197-210.

Nelson, T., & Constantinidis, C. (2017). Sex and Gender in Family Business Succession Research: A Review and Forward Agenda From a Social Construction Perspective. Family Business Review, v. 30(3), pp. 219-241.

Neubauer, F., & Lank, A. G. (1999). La empresa familiar: como dirigirla para que perdure. Bilbao: Deusto.

Otten-Pappas, D. I. M. (2013). The female perspective on family business successor commitment. Journal of Family Business Management, v. 3(1), pp. 8-23.

Overbeke, K. K., Bilimoria; D., & Perelli, S. (2013). The dearth of daughter successors in family businesses: Gendered norms, blindness to possibility, and invisibility. Journal of Family Business Strategy, v. 4(3), pp. 201-212.

Pyromalis, V. D., & Vozikis, G. S. (2009). Mapping the successful succession process in family firms: evidence from Greece. International Entrepreneurship and Management Journal, v. 5(4), pp. 439-460.

Scheffer, A. B. B. (1995). Fatores dificultantes e facilitadores ao processo de sucessão familiar. Revista de Administração, v. 30(3), pp. 80-90.

Silva, E. L., & Menezes, E. M. (2005). Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. 4. ed. Florianópolis: UFSC.

Silva, R. G., Fernandes, V. D. C., Oliveira, M. F., Camargo, C., Rodrigues, G. M., & Garcia, L. M. (2013, setembro). Conatus e o Processo Sucessório: Limites e Possibilidades à Continuidade da Empresa Familiar. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pósgraduação em Administração ANPAD, Rio de Janeiro, RJ, 37.

St-Cyr, L., & Richer, F. (2005). La planification du processus de transmission dans les

Triviños, A. N. S. (2007). Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Vera, C. F., & Dean, M. A. (2005). An Examination of the Challenges Daughters Face in Family Business Succession. Family Business Review, v. 18(4), pp. 321-345.

Vozikis, G. S., Weaver, K. M., & Gibson, B. (2009). Family business succession: emphasis on the family not the business. Indian Journal of Economics and Business, special issue, pp. 139-153.

Wright, M., & Kellermanns, F. W. (2011). Family firms: A research agenda and publication guide. Journal of Family Business Strategy, v. 2(4), pp. 187-198.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed.Porto Alegre: Bookman.