A Prática Estratégica de Pesquisa de Mercado no Processo de Internacionalização de uma Pequena Cervejaria do Sul do Brasil Outros Idiomas

ID:
52243
Resumo:
O objetivo deste estudo foi compreender como ocorre a integração entre os níveis intra e extraorganizacionais na prática estratégica de pesquisa de mercado no processo de internacionalização, considerando o diagrama de Whittington (2006). Foi adotada a metodologia qualitativa por meio do estudo de caso único. A seleção do caso ocorreu de forma não aleatória, por acessibilidade e intencional pelo fenômeno que se buscou analisar. Foi selecionada uma empresa do ramo cervejeiro localizada em Santa Catarina (SC), sul do Brasil, que contratou um serviço de consultoria para inserir-se no mercado internacional. As técnicas de coleta de dados incluíram entrevista semiestruturada, análise documental e observação direta, assegurando a triangulação para a interpretação dos dados. Os dados foram analisados por meio da análise da narrativa e técnica pattern matching. Os resultados confirmam que a integração entre os níveis intra e extraorganizacionais na prática estratégica ocorre por meio de práxis estratégicas pontuais e situadas, nos contatos frequentes e constante envolvimento entre os praticantes com a promoção de ações (dos consultores) que influenciam positivamente nas estratégias da organização, evidenciando que os praticantes são capazes de sintetizar novas práticas e abrirem novos horizontes, eles podem ainda introduzir mais praticantes e novas práxis, em linha com o que propõe Whittington (2006).
Citação ABNT:
BELLUCCI, C. F.; LAVARDA, R. B.; ROCZANSKI, C. R. M. A Prática Estratégica de Pesquisa de Mercado no Processo de Internacionalização de uma Pequena Cervejaria do Sul do Brasil. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 8, n. 1, p. 24-51, 2019.
Citação APA:
Bellucci, C. F., Lavarda, R. B., & Roczanski, C. R. M. (2019). A Prática Estratégica de Pesquisa de Mercado no Processo de Internacionalização de uma Pequena Cervejaria do Sul do Brasil. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 8(1), 24-51.
DOI:
https://doi.org/10.14211/regepe.v8i1.893
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52243/a-pratica-estrategica-de-pesquisa-de-mercado-no-processo-de-internacionalizacao-de-uma-pequena-cervejaria-do-sul-do-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alves, L. C. (1996). Estratégias de internacionalização: uma abordagem à gestão internacional de negócios. SEG - Serviço de Economia e Gestão.

Andersen, T. J. (2000). Strategic planning, autonomous actions and corporate performance. Long Range Planning, 33(2), 184-200.

Andersson, S. (2000). The Internationalization of the Firm from an Entrepreneurial Perspective. International Studies of Management & Organization, 30(1), 63-92.

Bauer, M. W.; Gaskell, G. (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis, RJ: Vozes.

Coase, R. (1937). The nature of the firm. Economica, N. 4, p. 386-405.

Cometti, J. P. (2010). Qu’est-ce que le pragmatisme? Gallimard, Paris.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto; tradução Magda Lopes. 3. ed. Porto Alegre: ARTMED.

Dewey. J. (1974). Experiência e Educação. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Douglas, S.; Craig, C. S. (2006). On Improving the Conceptual Foundations of International Marketing Research. Journal of International Marketing, 14(1), 1-22.

Dunning, J. H. (1988). The ecletic paradigm of international production: a restatement and some possible extensions. Journal of International Business Studies, 19(1), 1-31.

Dunning, J. H.; Lundan, S. M. (2008). Multinational Enterprises and the Global Economy. 2 ed. Edward Elgar Cheltenham: UK Northampton, MA, USA.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. The Academy of Management Review, 14(4), 532-550.

Ferreira, M. P.; Serra, F. A. R.; Reis, N. R. (2011). Motivações para a internacionalização e modos de entrada nos mercados externos. Instituto Politécnico de Leiria. GlobAdvantage. Center of Research in International Business and Strategy.

Fleury, A.; Fleury, M. T. L. (2012). Multinacionais brasileiras: competências para internacionalização. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Floriani, D. E. (2010). O grau de internacionalização, as competências e o desempenho da PME brasileira. Tese de Doutorado de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

Godoi, C. K.; Mattos, P. (2006). Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: Paradigmas, Estratégias e Métodos. São Paulo: Saraiva.

Godoi, C.; Bandeira-De-Melo, R.; Silva, A. (2006). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, 35(2), 57-63.

Golsorkhi, D. et al. (Ed.). (2015). Cambrigde handbook of strategy as practice. 2. ed. Cambrigde: Cambrigde University Press.

Hautz, J.; Seidl, D.; Whittington, R. (2017). Open Strategy: Dimensions, dilemmas, dynamics. Long Range Planning, 30(1), 1-12.

Hitt, M. A.; Ireland, R. D.; Hoskisson, R. E. (2002). Administração estratégica. São Paulo: Pioneira, Thompsons Learning.

Hymer, S. H. (1976). The international operations of national firms: a study of direct foreign investment. Cambridge: MIT Press.

James, W. (1890). The principles of psychology. vol. I and II. New York: Henry Hold and Company. . Acesso em: 20 fev. 2018.

Jarzabkowski, P. et al. (2016). On the risk of studying practices in isolation: Linking what, who, and how in strategy research. Strategic Organization, 14(3), 248-259.

Jarzabkowski, P. J. (2005). Strategy as Practice: An Activity-Based Approach. London, Uk: Sage.

Jarzabkowski, P. J.; Balogun, J.; Seidl D. (2007). Strategizing: The Challenges of a Practice Perspective. Human Relations, 60(1), 5-27.

Johanson, J.; Vahlne, J. E. (1977). The internationalization process of the firm: a model of knowledge and increasing foreign market commitment. Journal of International Business Studies, 8(1), 23-32.

Johanson, J.; Vahlne, J. E. (2009). The Uppsala internationalization process model revisited: from liability of foreignness to liability of outsidership. Journal of International Business Studies, 40(1), 1411-1431.

Johanson, J.; Wiedersheim-Paul, F. (1975). The Internationalization of the firm - four Swedish cases. Journal of Management Studies, 12(3), 305-322.

Johnson, G.; Langley, A.; Melin, L.; Whittington, R. (2007). Strategy as Practice: Research Directions and Resources. London: Cambridge.

Johnson, G.; Melin, L.; Whittington. R. (2003). Micro-strategy and strategizing towards an activity-based view. Journal of Management Studies, 40(1), 3-22.

Kerlinger, F. N. (1979). Metodologia da pesquisa em ciências sociais: um tratamento conceitual. São Paulo: EPU/EDUSP.

Kogut, B.; Singh, H. (1988). The effect of national culture on the choice of entry mode. Journal of International Business Studies, 19(1), 411–432.

Kovacs, E. P.; Moraes, W. F. A. (2005). Modos de entrada e teorias de internacionalização: uma análise crítica. In: Asamblea Anual de Cladea. 40. Santiago de Chile. Anais... Santiago de Chile: Cladea.

Melin, L. (1992). Internationalization as a strategy process. Strategic Management Journal, 13(1), 99-118.

Mintzberg, H. (1975). The manager’s job: Folklore and fact. Harvard Business Review, n. 53, p. 49-61.

MRE. Ministério das Relações Exteriores. (2011). Exportação Passo a Passo. Brasília: MRE, 268 p.

Oviatt, B. M.; McDougall, P. P. (1997). Internationalization Processes - New Perspectives for a Classical Field of International Management. MIR: Management International Review, 37(1), 85-99.

Pierce. C. S. (1878). How to Make Our Ideas Clear. Popular Science Monthly, n. 12, p. 286-302. .

Porter, M. E. (1980). Competitive Strategy, Free Press, New York.

Salvador, D. W.; Rese, N. (2017). O sensegiving no processo de elaboração de sentido da estratégia em pequenas empresas caracterizadas como organizações híbridas. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 6(1), 128-159.

Silva, L. N.; Cabral, J. E. O.; Oliveira, M. C. (2008). Estratégia de internacionalização de empresas: evolução e determinantes do canal de distribuição utilizado. In: Costa, B. K.; Almeida, M. I. R de. Estratégia contemporânea: Internacionalização, cenários e redes. Campinas, SP: Akademica.

Smircich, L.; Stubbart, C. (1985). Strategic Management in an Enacted World. Academy of Management Review, 10(4), 724-736.

Spers, R. G.; Wright, J. T. C, Novas, E.; Tischler, G.; Jodar, K. (2008). PMEs estrangeiras no Brasil: Um estudo sobre os motivos para internacionalizar, formas de entrada e os desafios. XI SEMEAD, Empreendedorismo em Organizações.

Trochim, W. M. K. (1989). Outcome Pattern Matching and Program Theory. Evolution and Program Planning, 12(4), 355-66.

Vahlne, J. E.; Jonsson, A. (2017). Ambidexterity as a Dynamic Capability in the Globalization of the Multinational Business Enterprise (MBE): Case Studies of AB Volvo and IKEA. International Business Review, 26(1), 57-70.

Vasconcelos, E. (2008). Internacionalização, estratégia e estrutura: o que podemos aprender com o sucesso da Alpargatas, Azaleia, Fanem, Voith e Volkswagen. São Paulo: Atlas.

Vergara, S. (2010). Métodos de Pesquisa em Administração. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Vernon, R. (1966). International Investment and International Trade in the Product Cycle. The Quarterly Journal of Economics, n. 80, pp. 190-207.

Welch, L. S.; Loustarinen, R. (1988). Internationalization: evolution of a concept. Journal of General Management, 14(2), 34-55.

Whittington, R. (1996). Strategy as practice. Long Range Planning, London, UK, 29(5), 731-735.

Whittington, R. (2003). The Work of Strategizing and Organizing: For a Practice Perspective. Strategic Organization, 1(1), 117-125.

Whittington, R. (2006). Completing the practice turn in strategy research. Organization Studies, 27(5), 613-634.

Whittington, R. (2007). Strategy Practice and Strategy Process, Family Differences and the Sociological Eye. Organization Studies, 28(10), 1575-1586.

Williamson, O. (1975). Markets and Hierarchies: Analysis and Antitrust Implications. New York: Free Press.

Yin, R. K. (2001). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

Alonso, C. M. A.; Tanaka, T. H, Junior, A. M. Q.; Maccari, E. A. (2010). O processo de internacionalização das operações de venda de produtos de uma indústria de louças sanitárias. Future Studies Research Journal, São Paulo, 2(2), 162-185.

Ansoff, H. I. (1965). Corporate strategy: an analytic approach do business policy for growth and expansion. New York: McGraw-Hill.

Hemais, C.; Hilal, A. (2004). Teorias, paradigma e tendências em negócios internacionais: de Hymer ao empreendedorismo. In: Hemais, C. (org.). O desafio dos mercados externos. Rio de Janeiro: Mauad.

Whittington, R. (2014). Making strategy: the hard work of institutional innovation in an open professional field. 14th EURAM. Waves and wings of strategic leadership for sustainable competitiveness, Valencia.