'O Show Tem Que Continuar': Encalços e Percalços do Ser/Estar Prostituta Outros Idiomas

ID:
52275
Resumo:
Em seus tempos áureos, a zona de prostituição da Guaicurus (Belo Horizonte, MG) era comparada com outras “renomadas” do mundo, dentre as quais a região parisiense de Moulin Rouge. No entanto, as mulheres que ali trabalham, as prostitutas, sempre foram estigmatizadas como alvos de discriminação e violência. Assim, o objetivo deste estudo foi analisar relações entre o sentido do trabalho e a construção da identidade de prostitutas, fazendo-se um paralelo com o filme Moulin Rouge. Para tal, uma pesquisa exploratória qualitativa foi operacionalizada por meio de entrevistas, pautadas em história oral temática, com 17 prostitutas da referida região; seus dados foram submetidos à análise do discurso (vertente francesa). As análises indicaram sentidos frágeis e identidades fragmentadas e multifacetadas. Sofrimento diário, prazer próprio silenciado e sonhos imaturos retratam que, custe o que custar, “o show tem que continuar”.
Citação ABNT:
PEREIRA, J. R.; PAIVA, K. C. M.; SANTOS, J. V. P. D.; SOUSA, C. V. 'O Show Tem Que Continuar': Encalços e Percalços do Ser/Estar Prostituta . Contextus - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, v. 16, n. 3, p. 151-180, 2018.
Citação APA:
Pereira, J. R., Paiva, K. C. M., Santos, J. V. P. D., & Sousa, C. V. (2018). 'O Show Tem Que Continuar': Encalços e Percalços do Ser/Estar Prostituta . Contextus - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 16(3), 151-180.
DOI:
http://dx.doi.org/10.19094/contextus.v16i3.32642
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52275/-o-show-tem-que-continuar---encalcos-e-percalcos-do-ser-estar-prostituta-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ASHFORTH, B. E.; KREINER, G. E. How Can You Do It?: Dirty Work and the Challenge of Constructing a Positive Identity. The Academy of Management Review, v. 24, n. 3, p. 413434, 1999.

AVELAR, V. L. L. M.; PAIVA, K. C. M. Configuração identitária de enfermeiros de um serviço de atendimento móvel de urgência. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 63, n. 6, p. 1010-1018, 2010.

BARROS, L. A. Mariposas que trabalham: uma etnografia da prostituição feminina na região central de Belo Horizonte. Jus Navigandi, v. 827, 2005.

BAUMAN, Z. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BENDASSOLLI, P. F.; COELHO-LIMA, F.; PINHEIRO, R. A.; GÊ, P. C. S. The Brazilian Scientific Production on Sense and Meaning of Work: Review of Use of Terminology and Current Thematic Classifications. Avances en Psicología Latinoamericana, v. 33, n. 2, p. 203-221, 2015.

BENDASSOLLI, P. F.; FALCÃO, J. T. R. Psicologia social do trabalho sujo: revendo conceitos e pensando em possibilidades teóricas para a agenda da psicologia nos contextos de trabalho. Universitas Psychologica, v. 12, n. 4, 2013.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

BORGES, L. O.; ALVES FILHO, A.; TAMAYO, A. Motivação e significado do trabalho. In: SIQUEIRA, M. M. M. (Org.). Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 215-248.

BORGES, L. O.; MOURÃO, L. O trabalho e as organizações: atuação a partir da psicologia. Porto Alegre: Artmed, 2013.

BOURDIEU, P. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BRASIL. Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) – Relatório de família, ano 2002. Brasília: Ministério do Trabalho, 2002.

BROWN, A. D. Identities and Identity Work in Organizations. International Journal of Management Reviews, v. 17, n. 1, p. 20-40, 2015.

BUTLER, J. Undoing gender. New York: Routledge, 2004.

CAMPOS, V. P. O conceito de reflexividade de Margaret Archer na compreensão da relação entre as mulheres e o valor estrutural da beleza feminina. In: J. A. BURITY, C. M. L. RODRIGUES; M. A. SECUNDINO (Org.). Desigualdades e Justiça Social: diferenças culturais e políticas de identidade. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2010. p. 57-70.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DIDI-HUBERMAN, G. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

DUBAR, C. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

ESTRAMIANA, J. L. Á. Psicología social: perspectivas teóricas y metodológicas. Siglo XXI de España Editores, 1995.

FISKE, S. T. Thinking is for doing: portraits of social cognition from daguerreotype to laserphoto. Journal of personality and social psychology, v. 63, n. 6, p. 877-889, 1992.

FONSECA-SILVA, M. D. Materialidades Discursivas: A fronteira ausente (Matérialités Discursives: La frontière absente). Estudos da Língua(gem), v. 1, n. 1, p. 91-97, 2005.

FREITAS, M. E. Identidade e identidades: somos o branco e o arco-íris. In: CARRIERI, A. P.; SARAIVA, L. A.; ENOQUE, A. G.; GANDOLFI, P. E. (Org.). Identidade nas organizações. Curitiba: Juruá, 2010. p. 11-14.

GABRIEL, Y. Organizations in a state of darkness: Towards a theory of organizational miasma. Organization Studies, v. 33, n. 9, p. 1137-1152, 2012.

GARCIA, T. M. A análise do discurso francesa: uma introdução nada irônica. Working Papers em Linguística, v. 7, n. 1, p. 121-140, 2003.

GOFFMAN, E. The Presentation of Self in Everyday Life. New York: Anchor Books, 1959.

GREER, G. The female eunuch. Londres: Flamingo, 1970.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HIRATA, H. Reestruturação produtiva, trabalho e relações de gênero. Revista latinoamericana de estudios del trabajo, v. 4, n. 7, p. 5-27, 1998.

KATZELL, R. Contemporary meta-trends in industrial and organizational psychology. In: H. C. TRIANDIS; M. D. DUNNETE; L. M. HOUGH (Org.). Handbook of industrial and organizational psychology. California: Consulting Psychology Press, 1994. p. 1-94.

LEITE, T. J. C.; OLIVEIRA, A. A.; PAULA E, P. P. A saúde e cidadania dos agentes da limpeza urbana de Belo Horizonte sob a perspectiva da psicodinâmica do trabalho. In: I COLÓQUIO INTERNACIONAL DE PSICOSSOCIOLOGIA DO TRABALHO. Anais… Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 2012.

LHUILIER, D. L’invisibilité du travail réel et l’opacité des liens santé-travail. Sciences sociales et santé, v. 28, n. 2, p. 31-63, 2010.

LIMA, M. P.; TAVARES, N. V.; BRITO, M. J.; CAPPELLE, M. C. A. O sentido do trabalho para pessoas com deficiência. RAM – Revista de Administração Mackenzie, v. 14, n. 2, p. 42-68, 2013.

LIMA, T. M. M. L. A prostituição feminina no Brasil: da “questão de polícia” à conquista de direitos. Dissertação (mestrado em Serviço Social) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil, 2011.

LUHRMANN, B. Moulin Rouge: Amor em Vermelho [DVD]. United States of America: Twentieth Fox Century, 2001.

MACHADO, H. V. A identidade e o contexto organizacional: perspectivas de análise. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. 2, p. 51-73, 2003.

MARRA, A. V.; FONSECA, J. A.; MARQUES, A. L. O processo de identificação organizacional ante a reforma administrativa: um estudo exploratório. RAM – Revista de Administração Mackenzie, v. 15, n. 1, p. 49-72, 2014.

MEIHY, J. C. S. B. Manual de História Oral. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

MEIHY, J. C. S. B. Prostituição à brasileira. São Paulo: Contexto, 2015.

MORIN, E. M. The meaning of work in modern times. In: 10th WORLD CONGRESS ON HUMAN RESOURCES MANAGEMENT. Anais… Rio de Janeiro, Brazil, 2004.

NOGUEIRA, C. M. O trabalho duplicado: a divisão sexual no trabalho e na reprodução. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

PAIVA, K. C. M.; PEREIRA, J. R.; GUIMARÃES, L. R.; BARBOSA, J. K. D. “Mulheres de Vida Fácil”? Conexões entre Tempo, Prazer e Sofrimento no Ofício de Prostitutas de Belo Horizonte (MG). In: XLI ENCONTRO DA ANPAD, Anais… São Paulo, Brasil, 2017.

PEREIRA, J. R.; SOUSA, C. V.; MATOS, E. B.; PRATA, F. S. Onde se ganha o pão não se come a carne: entradas e saídas dos territórios e territorialidades da zona de prostituição da Guaicurus em Belo Horizonte. In: IX ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS DA ANPAD / ENEO, Anais… Belo Horizonte, Brasil, 2016.

QUEEN. The show must go on. UK: Parlophone, 1991.

RITCHIE, D. The Oxford Handbook of Oral History. Oxford: Oxford University Press, 2011.

ROGALY, B. Disrupting migration stories: reading life histories through the lens of mobility and fixity. Environment and Planning D: Society and Space, v. 33, n. 3, p. 528-544, 2015.

SÁ, J. G. S.; LEMOS, A. H. C. Sentido do Trabalho: Análise da Produção Científica Brasileira. Revista ADM. MADE, v. 21, n. 3, p. 21-39, 2017.

SILVA, K. A.; CAPELLE, M. C. A. Sentidos do trabalho apreendidos por meio de fatos marcantes na trajetória de mulheres prostitutas. RAM – Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 6, p. 19-47, 2015.

SILVA, M. B. Profissionais do sexo e o Ministério do Trabalho. Âmbito Jurídico 2008.

SILVA, S. G. Preconceito e discriminação: as bases da violência contra a mulher. Psicologia: ciência e saúde, v. 30, n. 3, p. 556-571, 2010.

SILVEIRA, R. A.; MEDEIROS, C. R. O. O Herói-Envergonhado: Tensões e Contradições no Cotidiano do Trabalho Policial. In: XL ENCONTRO DA ANPAD, Anais… Costa do Sauipe, Brasil, 2016.

SLOAN, W. D.; STAMM, M. Historical methods in communication. Northport: Vision Press, 2010.

SOUSA, C. V. et al. When intimacy walks up the stairs: space configurations, territories and territoriality of a Brazilian prostitution zone. In: EGOS, Anais… Denmark, 2017.

SOUTHGATE, E.; SHYING, K. Researchers as dirty workers: cautionary tales on insideroutsider dynamics. Qualitative Research in Organizations and Management: An International Journal, v. 9, n. 3, p. 223-240, 2014.

SOUZA, M. M. P.; CARRIERI, A. P. Identidades, práticas discursivas e os estudos organizacionais: uma proposta teórico-metodológica. Cadernos Ebape. BR, v. 10, n. 1, p. 40-64, 2012.

SOUZA, S. D. O corpo legal, o corpo religioso e o corpo das cidadãs religiosas. In: BURITY, J. A.; RODRIGUES, C. M. L.; SECUNDINO, M. A. (Org.). Desigualdades e Justiça Social: diferenças culturais e políticas de identidade. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2010. p. 155166.

STARK, R.; BAINBRIDGE, W. S. Religion, deviance, and social control. Routledge, 2013.

TEIXEIRA, J. C.; SARAIVA, L. A. S.; CARRIERI, A. P. Os lugares das empregadas domésticas. Organizações & Sociedade, v. 22, n. 72, p. 161-178, 2015.

THOMSON, A. Four paradigm transformations in oral history. Oral History Review, v. 34, n. 1, p. 49-70, 2007.

TOLFO, S. R.; PICCININI, V. Sentidos e significados do trabalho: explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros. Psicologia e Sociedade, v. 19, n. 1, p. 28-46, 2007.

VANNUCHI, M. L. Gênero, trabalho e subjetividade: relações de poder para além das fronteiras ocupacionais e territoriais. In: M. F. SOUZA (Org.). Desigualdades de gênero no Brasil: novas ideias e práticas antigas. Belo Horizonte: Fino Traço, 2010. p. 127-149.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2009.