Composição do Conselho de Administração e Sensibilidade da Remuneração Executiva ao Desempenho de Mercado

ID:
52282
Resumo:
Este artigo investiga, no mercado de capitais brasileiro, o efeito da composição do conselho de administração na sensibilidade da remuneração dos executivos ao desempenho de mercado, conhecida como pay-performance sensitivity (PPS). Devido aos potenciais conflitos de agência entre acionistas controladores e minoritários e entre acionistas e gestores, os membros do conselho de administração da diretoria executiva ou indicados pelo acionista controlador teriam menos independência, o que pode comprometer a eficiência do monitoramento e, por consequência, reduzir a PPS. Pretende-se contribuir com o entendimento dos conflitos de agência ocorridos no mercado de capitais brasileiro e com a definição da configuração dos mecanismos de monitoramento e compensação que minimizam os custos totais de agência, maximizando a riqueza dos acionistas. Os resultados da pesquisa trazem implicações para a compreensão das relações de agência e para a governança corporativa no mercado de capitais brasileiro. Conclui-se que a relação entre o monitoramento exercido pelo conselho de administração e a compensação dos gestores é condição para sua eficácia como mecanismo de governança no mercado de capitais brasileiro. Analisaram-se dados do período de 2013 a 2015 de 92 empresas participantes do Índice Brasil 100 (IBRX 100) da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBOVESPA). Além de testes de diferença entre médias e correlação, processaram-se estimações por meio da modelagem mínimos quadrados generalizados viáveis (feasible generalized least squares). A independência do conselho de administração em relação ao acionista controlador e à diretoria executiva pode funcionar como mecanismo de governança corporativa complementar à compensação dos executivos. Os resultados deste estudo indicam que a proporção de executivos e de membros independentes no conselho de administração reduz a PPS, medida de eficácia da compensação dos executivos operacionalizada pela relação contemporânea entre incremento da remuneração dos gestores e incremento de valor de mercado da empresa.
Citação ABNT:
BRANDÃO, I. F.; VASCONCELOS, A. C.; LUCA, M. M. M.; CRISÓSTOMO, V. L. Composição do Conselho de Administração e Sensibilidade da Remuneração Executiva ao Desempenho de Mercado. Revista Contabilidade & Finanças - USP, v. 30, n. 79, p. 28-41, 2019.
Citação APA:
Brandão, I. F., Vasconcelos, A. C., Luca, M. M. M., & Crisóstomo, V. L. (2019). Composição do Conselho de Administração e Sensibilidade da Remuneração Executiva ao Desempenho de Mercado. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 30(79), 28-41.
DOI:
10.1590/1808-057x201806610
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52282/composicao-do-conselho-de-administracao-e-sensibilidade-da-remuneracao-executiva-ao-desempenho-de-mercado/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aguiar, A. B.; Pimentel, R. C. (2017). Remuneração de executivos e desempenho no mercado brasileiro: relações contemporâneas e defasadas. Revista de Administração Contemporânea, 21(4), 545-568.

Aguilera, R. V.; Desender, K.; Castro, L. R. K. (2011). Perspectives on comparative corporate governance. In T. Clarke, & D. Branson (Ed.), Sage handbook of corporate governance. New York: Sage.

Andrade, L. P.; Salazar, G. T.; Calegario, C. L. L.; Silva, S. S. (2009). Governança corporativa: uma análise da relação do conselho de administração com o valor de mercado e desempenho das empresas brasileiras. Revista de Administração Mackenzie, 10(4), 4-32.

Bebchuk, L. A.; Fried, J. M. (2003). Executive compensation as an agency problem. The Journal of Economic Perspectives, 17(3), 71-92.

Bertucci, J. L. O.; Bernardes, P.; Brandão, M. M. (2006). Políticas e práticas de governança corporativa em empresas brasileiras de capital aberto. Revista de Administração, 41(2) 183-196.

Black, B. S.; Carvalho, A. G.; Sampaio, J. O. (2014, setembro). The evolution of corporate governance in Brazil. Emerging Markets Review, 20, 176-195.

Blume, D.; Alonso, F. (2007). Institutional investors and corporate governance in Latin America. Financial Market Trends, 2007(2), 93-131.

Boyd, B. K. (1994). Board control and CEO compensation. Strategic Management Journal, 15(5), 335-344.

Brandão, I. F.; Crisóstomo, V. L. (2015). Concentração de propriedade e qualidade da governança da empresa brasileira. Revista Brasileira de Finanças, 13(3), 438-448.

Brooks, C. (2014). Introductory econometrics for finance. (2a ed.). Cambridge: Cambridge University Press.

Bruce, A.; Skovoroda, R. (2015). The empirical literature on executive pay: context, the pay-performance issue and future directions [Working Paper]. High Pay Centre. http://highpaycentre.org/f

Chhaochharia, V.; Grinstein, Y. (2009). CEO compensation and board structure. The Journal of Finance, 64(1), 231-261.

Claessens, S.; Yurtoglu, B. B. (2013). Corporate governance in emerging markets: a survey. Emerging Markets Review, 15, junho, 1-33.

Conyon, M. J. (1997). Corporate governance and executive compensation. International Journal of Industrial Organization, 15(4), 493-509.

Core, J. E.; Holthausen, R. W.; Larcker, D. F. (1999). Corporate governance, chief executive officer compensation and firm performance. Journal of Financial Economics, 51(3), 371-406.

Correia, L. F.; Amaral, H. F.; Louvet, P. (2014). Remuneração, composição do conselho de administração e estrutura de propriedade: evidências empíricas do mercado acionário brasileiro. Advances in Scientific and Applied Accounting, 7(1), 2-37.

Cunha, A. S. L.; Martins, O. S. (2015). Reflexo das características do conselho de administração no endividamento de companhias abertas no Brasil. Revista de Governança Corporativa, 2(1), 37-65.

Fama, E. F.; Jensen, M. C. (1983). Separation of ownership and control. The Journal of Law and Economics, 26(2), 301-325.

Fernandes, F. C.; Mazzioni, S. (2015). A correlação entre a remuneração dos executivos e o desempenho de empresas brasileiras do setor financeiro. Contabilidade Vista & Revista, 26(2), 41-64.

Guthrie, K.; Sokolowsky, J.; Wan, K. M. (2012). CEO compensation and board structure revisited. The Journal of Finance, 67(3), 1149-1168.

Hair, J. F.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L.; Black, W. C. (2005) Análise multivariada de dados. (5a ed.). Porto Alegre, RS: Bookman.

Hallock, K. F.; Madalozzo, R.; Reck, C. G. (2010). CEO pay-for-performance heterogeneity using quantile regression. Financial Review, 45(1), 1-19.

Hart, O.; Holmstrom, B. (1986). The theory of contracts. [Working Paper]. Massachusetts Institute of Technology. https://dspace.mit.edu/bitstream/handle/1721.1/64265/theoryofcontract00hart.pdf%3Bjs

Hassen, R. B.; Ouakdi, J. El.; Omri, A. (2015). Executive compensation and ownership structure. The Journal of Applied Business Research, 31(2), 5-93.

Holmstrom, B. (1979). Moral hazard and observability. The Bell Journal of Economics, 10(1), 74-91.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2015). Código das melhores práticas de governança corporativa (5a ed.). São Paulo, SP: IBGC.

Jensen, M. C.; Meckling, W. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360.

Jensen, M. C.; Murphy, K. J. (1990). Performance pay and topmanagement incentives. Journal of Political Economy, 98(2), 225-264.

Kerr, J. L.; Kren, L. (1992). Effect of relative decision monitoring on chief executive compensation. Academy of Management Journal, 35(2), 370-397.

Krause, R.; Semadeni, M.; Cannella, A. A., Jr. (2014). CEO duality: a review and research agenda. Journal of Management, 40(1), 256-286.

Krauter, E. (2013). Remuneração de executivos e desempenho financeiro: um estudo com empresas brasileiras. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 7(3), 259-273.

La Porta, R.; Lopez-de-Silanes, F.; Shleifer, A.; Vishny, R. W. (1998). Law and finance. Journal of Political Economy, 106(6), 1113-1155.

Lippert, R. L.; Moore, W. T. (1994). Compensation contracts of chief executive officers: determinants of pay-performance sensitivity. Journal of Financial Research, 17(3), 321-332.

Lippert, R. L.; Porter, G. (1997). Understanding CEO pay: a test of two pay-to-performance sensitivity measures with alternative measures of alignment and influence. Journal of Business Research, 40(2), 127-138.

Machado, D. G.; Beuren, I. M. (2015). Política de remuneração de executivos: um estudo em empresas industriais brasileiras, estadunidenses e inglesas. Gestão & Regionalidad

Murphy, K. J. (1998). Executive compensation. Handbook of Labor Economics, 3(Part 2), 2485-2563.

Nd. Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976.(1976, 17 de dezembro).Dispõe sobre as Sociedades por Ações. http:// www.planalto.gov.br/Ccivil_03/leis/L6404consol.htm

O’Reilly, C. A.; Main, B. G. M. (2007). Setting the CEO’s pay: it’s more than simple economics. Organizational Dynamics, 36(1), 1-12.

Ozerturk, S. (2005). Board independence and CEO pay. Economics Letters, 88(2), 260-265.

Rossetti, J. P.; Andrade, A. (2012). Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Shleifer, A.; Vishny, R. W. (1997). A survey of corporate governance. The Journal of Finance, 52(2), 737-783.

Silveira, A. D. M.; Barros, L. A. B. C.; Famá, R. (2003). Estrutura de governança e valor das companhias abertas brasileiras. Revista de Administração de Empresas, 43(3), 5064.

Sonza, I. B.; Kloeckner, G. O. (2014). A governança corporativa influencia a eficiência das empresas brasileiras? Revista Contabilidade & Finanças, 25(65), 145-160.

Tirole, J. (2006). The theory of corporate finance. Princeton, NJ: Princeton University Press.

Três, G.; Serra, F.; Ferreira, M. P. (2014). O tempo de mandato do CEO e o desempenho das empresas: um estudo comparativo de empresas familiares e não familiares brasileiras. Revista Gestão & Tecnologia, 14(3), 5-31.

Víctor, F. S. (2013). Estrutura de propriedade e remuneração executiva: efeitos diretos e indiretos da regulamentação. (Tese de doutorado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Wooldridge, J. M. (2002). Econometric analysis of cross section and panel data. Cambridge, MA: MIT Press.

Young, M. N.; Peng, M. W.; Ahlstrom, D.; Bruton, G. D.; Jiang, Y. (2008). Corporate governance in emerging economies: a review of the principal-principal perspective. Journal of Management Studies, 45(1), 196-220.