Percepções de Tutores sobre o Assédio Sexual Sofrido por Jovens Trabalhadores nas Organizações Outros Idiomas

ID:
52304
Resumo:
Os estudos sobre assédio sexual nas organizações ainda são poucos explorados na área da Administração e carecem de problematização quanto ao consentimento, submissão e liberdade dos indivíduos. Assim, o objetivo deste artigo é analisar como são percebidas situações de assédio sexual vivenciadas por jovens trabalhadores sob a perspectiva dos profissionais da Associação Alfa que os assistem e contribuem para sua inclusão no mundo do trabalho. Para tanto, realizou-se um estudo de caso, de natureza exploratória e abordagem qualitativa. A coleta de dados se deu por meio de entrevistas com roteiro semiestruturado com 21 profissionais da Associação, cujos dados foram submetidos à análise de conteúdo. Inicialmente, tentou-se entrevistar os jovens trabalhadores, mas a Associação negou terminantemente qualquer contato com eles. Percebeu-se que os jovens que sofreram assédio sexual são predominantemente do gênero feminino e que a situação vivida traz consequências de natureza pessoal e profissional. Esse tratamento foi percebido como necessário para a desmistificação do tema, assim como para uma compreensão mais clara e desnaturalizada dessa prática nas relações de trabalho, evitando-se a culpabilização da vítima e a banalização da agressão, de modo que experiências dessa natureza não comprometam a desses futuros profissionais.
Citação ABNT:
OLETO, A. F.; PALHARES, J. V.; PAIVA, K. C. M.; GUIMARÃES, L. R. Percepções de Tutores sobre o Assédio Sexual Sofrido por Jovens Trabalhadores nas Organizações . GESTÃO.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 16, n. 1, p. 43-56, 2018.
Citação APA:
Oleto, A. F., Palhares, J. V., Paiva, K. C. M., & Guimarães, L. R. (2018). Percepções de Tutores sobre o Assédio Sexual Sofrido por Jovens Trabalhadores nas Organizações . GESTÃO.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 16(1), 43-56.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/1679-18272018v16n1.p43-56
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52304/-percepcoes-de-tutores-sobre-o-assedio-sexual-sofrido-por-jovens-trabalhadores-nas-organizacoes-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRAMO, H. W. Condição juvenil no Brasil contemporâneo. In: ABRAMO, H. W.; BRANCO, P. P. M. Retratos da Juventude Brasileira. São Paulo: Instituto Cidadania, Editora Fundação Perseu Abramo, p. 417, 2005.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Editora 70, 2011.

BARROS, A. M. O assédio sexual no direito do trabalho comparado. Gênesis – Revista de Direito do Trabalho, v. 70, p. 503, 1998.

BOURDIEU, P. Pascalian Meditations. Cambridge: Polity Press, 2000.

BRASIL. Decreto Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal Brasileiro. Diário Oficial da União. Brasília, 08 de dezembro de 1940.

BRUNNER, L. K.; DEVER, M. Work, Bodies and Boundaries: Talking Sexual Harassment in the New Economy. Gender, Work & Organization, v. 21, p. 459–471, 2014.

CERVO, A, L.; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2002.

CORSEUIL, C. H. L.; FRANCA, M. A. P. Inserção dos jovens no mercado de trabalho brasileiro: evolução e desigualdades no período 2006-2013. Organização Internacional do Trabalho. Brasília: OIT, 2015.

CRESWELL, J. W. Qualitative inquiry and research design: choosing among Five traditions. Thousand Oaks, California: Sage Publications, 1998.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Bookman e Artmed, 2007.

DIAS, I. Violência contra as mulheres no trabalho: o caso do assédio sexual. Sociologia, Problemas e Práticas [online]. n.57, p.11-23, 2008.

FELKER, R. D. H. O dano moral, o assédio moral e o assédio sexual nas relações do trabalho. São Paulo: LTr, p. 221-259, 2006.

FIRESTONE, J. M.; HARRIS, R. J. Perceptions of Effectiveness of Responses to Sexual Harassment in the US Military, 1988 and 1995. Gender, Work and Organization, p. 42–64, 2003.

FITZGERALD, L. F. Sexual harassment: Violence against women in the workplace. American Psychologist, v. 48, n. 10, p. 1070-1076, 1993.

FITZGERALD, L. F.; SHULLMAN, S. L., BAILEY, N; RICHARDS, M; SWECKER, J; GOLD. Y. The incidence and dimensions of sexual harassment in academia and the workplace. Journal of Vocational Behavior, p. 152– 175, 1988.

FORD, R. C.; MCLAUGHLIN, F. S. Sexual harassment at work. Business Horizons, v. 31, n. 6, p. 14-19, 1988.

FORSTER, P. Sexual Harassment at Work. BMJ: British Medical Journal. p. 944-946, 1992.

FREITAS, M.E. Assédio moral e assédio sexual: faces do poder perverso nas organizações. Revista de Administração de Empresas, v. 41, n. 2, p. 8-19, 2001.

GETTMAN, H. J.; GELFAND, M. J. When the customer shouldn’t be king: Antecedents and consequences of sexual harassment by clients and customers. Journal of Applied Psychology, v. 92, 7p. 57-770, 2007.

GIALDINO, I. V. Los fundamentos ontológicos y epistemológicos de la investigación cualitativa. Forum: Qualitative Social Research, Berlin, v. 10, n. 2, Art. 30, 2009.

GRECO, R. Curso de direito penal. 9 ª ed. –. São Paulo: Impetus, 2012. Parte especial – Volume III. HIGA, F. C. Assédio sexual no trabalho e discriminação de gênero: duas faces da mesma moeda?. Revista Direito

HIRIGOYEN, M. F. Assédio moral: a violência perversa no cotidiano. 14 ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

HOULE, J. N.; STAFF, J.; MORTIMER, J. T., UGGEN, C.; BLACKSTONE, A.The impact of sexual harassment on depressive symptoms during the early occupational career. Society and Mental Health, p. 89-105, 2011.

INTERNATIONAL LABOUR OFFICE. World Employment Social Outlook: Trends for Youth 2016. International Labour Organization. Geneva: ILO, 2016.

LOUGHLIN, C.; LANG, K. Young workers. In: BARLING, J.; KELLOWAY, E. K.; FRONE, M. R. (eds.), Handbook of work stress. Thousand Oaks: Sage, 2005. p. 405-430.

MCDONALD, P. Workplace sexual harassment 30 years on: a review of the literature. International Journal of Management Reviews, v.14, p. 1–17, 2012.

MEGRANAHAN, M. Counselling: a practical guide for employers. London: Institute of Personnel Management, p.116-27, 1989.

MESQUITA, M. R.; JÚNIOR, G. M.; SIMÕES, A. A. A Juventude brasileira e a educação. Revista Juventude.Br, v. 6, p. 38-46, 2012.

NUNES, T. S.; TOLFO, S. R.; ESPINOSA, L. M. C. Assédio moral no trabalho: a compreensão dos trabalhadores sobre a violência. Revista de Gestão e Secretariado, v. 9, n. 2, p. 205-219, 2018.

NUNES, T. S.; TOLFO, S. R.; NUNES, L. S. Assédio moral em universidade: a violência identificada por servidores docentes e técnico-administrativos. Revista Organizações em Contexto, v. 9, n. 18, p. 25-61, 2013.

O'REILLY, A.; GARRETT, P. M. “Playing the Game?”: The sexual harassment of female social workers across professional workspaces. International Social Work, p. 1-14, 2017.

OIT ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Trabalho decente e juventude no Brasil. Brasília: OIT, 2012.

OLIVEIRA, S. R. Ponto de Partida: a juventude e o ingresso no mercado de trabalho. In: FERRAZ, D. L. S.; OLTRAMARI, A. P.; PONCHIROLLI, O. (org.). Gestão de pessoas e relações de trabalho. São Paulo: Atlas, p. 89-112, 2011.

PAIVA, K. C. M. et al. Estresse ocupacional e burnout de jovens trabalhadores. Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, XXXVII, 2013. Anais..., Rio de Janeiro: ANPAD, 2013.

PAMPLONA FILHO, R. M. V. O assédio sexual na relação de emprego. 2005. 343 f. Tese (Doutorado em Direito) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.

POCHMANN, M. A inserção ocupacional e o emprego dos jovens. São Paulo: ABET, 1998.

PRATA, M. Assédio moral e assédio sexual: noções distintivas. In: Jus Navigandi. Abril de 2010. Disponível em https://jus.com.br/artigos/14675/assedio-moral-e-assedio-sexual-nocoes-distintivas/1. Acesso em 23 de abr. 2017.

REIS, M. Uma análise da transição dos jovens para o primeiro emprego no Brasil. Revista Brasileira de Economia, v. 69, n. 1, p. 125-143, 2015.

SALVADOR, L. Assédio moral. Direito e justiça.: O Estado do Paraná S/A, Curitiba, p. 8-9, 2002.

SANTOS, A. Assédio Sexual nas Relações Trabalhistas e Estatuárias. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

SCHATZMAM. M; GOSDAL, T. C.; SOBOLL, L. A.; EBERLE, A. D. Aspectos definidores do assédio moral. In:

SCHMIDT, M. H. F. M. O assédio moral no direito do trabalho. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, Curitiba, Serviço de Biblioteca e Jurisprudência, v. 27, n. 47, p. 177-227, 2002.

SCHNEIDER, K. T.; SWAN, S.; FITZGERALD, L. F. Job-related and psychological effects of sexual harassment in the workplace: Empirical evidence from two organizations. Journal of Applied Psychology, v. 82, n. 3, p. 401415, 1997.

SETTLES, I. H.; HARRELL, Z. A. T.; BUCHANAN, N. T.; YAP, S. C. Y. Frightened or bothered: Two types of sexual harassment appraisals. Social Psychological and Personality Science, p. 600-608, 2011.

SILVA, E. R. A. (coord.). Juventude e trabalho informal no Brasil. Organização Internacional do Trabalho. Brasília: OIT, 2015.

TANGRI, S. S.; BURT, M. R.; JOHNSON, L. B. Sexual Harassment at Work: Three Explanatory Models. Journal of Social Issues, v. 38, p. 33–54, 1982.

TEIXEIRA, J. C.; RAMPAZO, A. da S. Assédio sexual no contexto acadêmico da administração: não dito por que não vivenciado? Farol–Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, v.4, n.11, p.1151-1235, 2017.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, Atlas, 1987.

TUCKER, S.; LOUGHLIN, C. Young workers. In KELLOWAY, E. K., BARLING, J. & HURRELL, J. (eds.). Handbook of Workplace Violence. Thousand Oaks: Sage, p. 417-444, 2006.

UNFPA. Direitos da população jovem: um marco para o desenvolvimento. 2ª ed. Brasília: UNFPA Fundo de População das Nações Unidas. 2010.

VELHO, G.; DUARTE, L. F. D. (org.). Juventude contemporânea: culturas, gostos e carreiras. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2010.

VENTURI, G.; TORINI, D. Transições da escola para o trabalho dos jovens homens e mulheres no Brasil. Organização Internacional do Trabalho. Genebra: OIT, 2014.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2006.

VERIGUINE, N. R.; BASSO, C.; SOARES, D. H. P. Juventude e Perspectivas de Futuro: A Orientação Profissional no Programa Primeiro Emprego. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 34, n. 4, p. 1032-1044, 2014.

WICKERT, L. F. Desemprego e juventude: jovens em busca do primeiro emprego. Psicologia: ciência e profissão, v. 26, n. 2, p. 258-269, 2006.