Percepção de Colaboradores Sobre As Ações de Treinamentos em uma Indústria Têxtil Outros Idiomas

ID:
52320
Resumo:
A preparação dos colaboradores é um fator decisivo para a qualidade dos processos produtivos e dos produtos gerados por eles e consequentemente, para o sucesso das empresas do ramo têxtil, um constante desafio. O objetivo deste trabalho foi o de identificar a percepção de colaboradores, relativas a treinamentos, desenvolvidas pela educação corporativa, nas unidades produtivas de uma indústria têxtil localizada na região oeste catarinense. Trata-se de uma pesquisa descritiva com abordagem mista, pois trata os dados de maneira quantitativa e qualitativa, quanto aos procedimentos caracteriza-se como um estudo de caso. O estudo envolveu a totalidade dos colaboradores e supervisores das duas unidades produtivas que receberam o maior número de horas treinamento, configurando-se como censo e envolvendo 219 pessoas. Sobre os resultados, destaque para o estilo de gestão, com alinhamento entre os gestores de fábrica e a equipe de gestão de pessoas. A totalidade de colaboradores afirmam ter passado pelo processo de treinamento, 82,9% afirmam que os treinamentos ministrados atendem suas necessidades de aprendizado e desenvolvimento nas atividades e 92,6% afirmam que os treinamentos recebidos ajudam a melhorar sua avaliação de desempenho e feedback . Os colaboradores também apontam que os treinamentos oferecidos pela empresa, proporcionam integração em suas áreas específicas de atuação. A junção de esforços relativos aos processos de educação corporativa vem sendo percebida pela maior parte dos colaboradores e demonstram alinhamento com a gestão estratégica. Destarte, é possível compreender a percepção dos colaboradores frente às ações, relativas a treinamentos, desenvolvidas pela educação corporativa da empresa.
Citação ABNT:
MENEGON, E. M. P.; ZAMBARDA, A. B. Percepção de Colaboradores Sobre As Ações de Treinamentos em uma Indústria Têxtil. NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, v. 9, n. 1, p. 7-20, 2019.
Citação APA:
Menegon, E. M. P., & Zambarda, A. B. (2019). Percepção de Colaboradores Sobre As Ações de Treinamentos em uma Indústria Têxtil. NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, 9(1), 7-20.
DOI:
http://dx.doi.org/10.22279/navus.2019.v9n1.p7-20.720
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52320/percepcao-de-colaboradores-sobre-as-acoes-de-treinamentos-em-uma-industria-textil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA, M. I. R.; TEIXEIRA, M. L. M.; MARTINELLI, D. P. Por que administrar estrategicamente recursos humanos? Revista de Administração de Empresas, v. 33, n. 2, p. 12-24, 1993.

ALPERSTEDT, C. Universidades corporativas: discussão e proposta de uma definição. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 5, n. 3, p. 149-165, 2001.

ALVES, G. O novo (e precário) mundo do trabalho: reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Boitempo Editorial, 2000.

ANDRADE, R. J. F.; RODRIGUES, M. V. R. Educação corporativa: prática de treinamento na sociedade do conhecimento. In : CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO, 4., 2008, Niterói. Anais [...]. NiteróiRJ, 2008.

APPELBAUM, E. et al . Manufacturing competitive advantage: the effects of high performance work systems on plant performance and company outcomes. Manufacturing advantage: Why high-performance work systems pay off. NY: Cornell University Press, 2000.

BARNEY, J. B.; HESTERLY, W. S. Administração e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

BEER, M. et al . Managing human assets: I. a general manager's perspective. Personnel Administrator, 1985.

BOSQUETTI, M. A. Gestão de pessoas, estratégia e performance organizacional: um estudo internacional de casos múltiplos. 2009. 251 p. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

BRUNO, F. S. Do mercado interno à globalização: governo, instituições e empresários, planejando o futuro do setor. In: SENAI CETIQT. Globalização da economia têxtil e de confecção brasileira: empresários, governo e academia unidos pelo futuro do setor. Série Desafios para a competitividade: cadeia têxtil, 2007. p. 247-321.

CAON, K. D. et al . Fatores determinantes da evolução da aprendizagem e educação corporativa: de treinamento e desenvolvimento para universidade corporativa. 2007. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

CARVALHO, R. P. Universidade corporativa: uma nova estratégia para a aprendizagem organizacional. 2001. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

COLBARI, A. Educação corporativa e desenvolvimento profissional na dinâmica sócio-cultural das empresas. Civitas-Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 9-34, 2007.

COSTA, A. C. R.; ROCHA, E. R. P. Panorama da cadeia produtiva têxtil e de confecções e a questão da inovação. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 29, p. 159-202, 2009.

DRUCKER, P. F. Sociedade pós-capitalista. São Paulo: Pioneira; São Paulo: Publifolha, 1999.

EBOLI, M. Educação corporativa no Brasil. Mitos e verdades. São Paulo: Gente, 2004.

FIESC, Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina. Santa Catarina em dados: Têxtil & Confecção / Observatório da Indústria Catarinense. Florianópolis: 2017.

FIGUEIREDO, J. M. et al . Educação corporativa na contemporaneidade: investigações à luz do materialismo histórico dialético. 2016. p. 84. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.

FLEURY, M. T. L. A gestão de competência e a estratégia organizacional. In : Fleury, M. T. L (org.). As pessoas na organização. São Paulo: Editora Gente, 2002, v. 01, p. 51-61.

FLEURY, M. T. L.; FISCHER, R. Gestão de pessoas: os desafios de aproximar a teoria da prática e vice-versa. Revista de Administração, São Paulo v. 33, n. 2, p. 90-94, 1998.

FRANCO, J. O. Recursos humanos: fundamentos e processos. Curitiba: IESDE BRASIL SA, 2012.

GARVIN, D. A. Learning in action: a guide to putting the Learning Organization to Work. Massachusetts. Boston: Harvard Business School Press, 2000.

GEREFFI, G.; MEMEDOVIC, O. The global apparel value chain: what prospects for upgrading by developing countries? Vienna: United Nations Industrial Development Organization. 2003.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa industrial anual 2014 (PIA). http://www.ibge.gov.br/home/. 2014.

IEMI. Brasil Calçados 2013: relatório setorial da indústria de calçados no Brasil. São Paulo: IEMI, 2013.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. Mapas estratégicos Balanced scorecard: convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

MADRUGA, R. Treinamento e desenvolvimento com foco em educação corporativa. Editora Saraiva, Rio de Janeiro: 2018.

MEISTER, J. C. Educação corporativa: a gestão do capital intelectual através das universidades corporativas. São Paulo: Makron Books, 1999.

QUARTIERO, E. M.; BIANCHETTI, L. Educação corporativa. Mundo do trabalho e do conhecimento: aproximações. São Paulo: Cortez, 2005.

RIBEIRO, A. R. S.; MARTINS, P. L.; NETA, M. C. S. Metas organizacionais e gestão estratégica de pessoas: estudo de caso em uma instituição financeira. Revista de Carreiras e Pessoas (ReCaPe), São Paulo, v. VII, n. 02, p. 544-563. 2017.

RUAS, R. Desenvolvimento de competências gerenciais e contribuição da aprendizagem organizacional. In: FLEURY, M.T.L.; OLIVEIRA Jr., M.M. (org.). Gestão estratégica do conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas, 2001. p. 242-269.

SANTOS, A. F. T. Teoria do capital Intelectual e teoria do capital humano: estado, capital e trabalho na política educacional em dois momentos do processo de acumulação. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 27., 2004, Caxambu. Anais da 27a Reunião anual da ANPED, 2004. GT 09 trabalho e educação.

SCHULER, R. S. Strategic human resources management: Linking the people with the strategic needs of the business. Organizational dynamics, v. 21, n. 1, p. 18-32, 1992.

SILVA FRANCO, D. et al . A andragogia na educação corporativa: o caso de uma empresa metalúrgica. Revista de Administração da UNIMEP, Piracicaba, v. 13, n. 2, p. 74-99, 2015.

SVEIBY, K. E. A nova riqueza das organizações: gerenciando e avaliando patrimônios de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

TACHIZAWA, T. FERREIRA, V. C. P.; FORTUNA, A. A. M. Gestão com pessoas: uma abordagem aplicada às estratégias de negócios. 5. ed. Editora FGV, Rio de Janeiro, 2006.

TARAPANOFF, K. Aprendizado organizacional: panorama da educação corporativa no contexto internacional. In: TARAPANOFF, K. (org.). Inteligência, informação e conhecimento em corporações. Brasília: IBICT, UNESCO, 2006. p. 12-84.

ULRICH, D.; JICK, T.; VON GLINOW, M. Ann. High-impact learning: Building and diffusing learning capability. Organizational dynamics, v. 22, n. 2, p. 52-66, 1993.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 16. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA TÊXTIL E DE CONFECÇÃO. O poder da moda: Cenários, Desafios e Perspectivas. Agenda de Competitividade da Indústria Têxtil e de Confecção Brasileira 2015 a 2018. 2015. http://www.abit.org.br/conteudo/links/Poder_moda-cartilhabx.pdf.

BEUREN, I. M. et al . (org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

IBGE.Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa industrial mensal de produção física Brasil. www.ibge.gov.br/Industrias_Extrativas_e_de_Transformacao/Pesquisa_Industrial_Mensal_Producao_Fisica/ Fasciculos/Fasciculo_Indicadores_IBGE_Brasil/pim-pf-br_201608caderno.pdf. 2016.

MENEGON, Elizangela Maria Pas; POLI, Odilon Luiz; MAZZIONI, Sady. Inovação na indústria do segmento têxtil: um estudo sobre o perfil da produção científica nacional e internacional/Innovation in the textile industry: a study on the profile of national and international scientific production. Brazilian Journal of Development, v. 4, n. 4, p. 1093-1115, 2018.

VIANNA, F. L. E. A indústria têxtil e de confecções no Nordeste:características, desafios e oportunidades. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2005.