Os princípios de economia substantiva de Karl Polanyi em relações de economia solidária: o caso do povoado Cruz (Currais Novos/RN) Outros Idiomas

ID:
5240
Resumo:
Este estudo aborda relações econômicas e sociais em uma comunidade de fruticultores à luz dos princípios expostos por Polanyi (2000) na obra “A Grande Transformação” e dos pressupostos básicos da Nova Sociologia Econômica (NSE) e da Economia Solidária. A unidade de observação foi o Povoado Cruz, no município de Currais Novos (RN). A técnica utilizada foi a observação não participante, com abordagem qualitativa na análise de dados. Em uma aproximação com a realidade buscou-se identificar como, e se, relações sociais não capitalistas, balizadas nos princípios de reciprocidade, domesticidade e redistribuição, sobrevivem em meio a relação capitalista. Percebeu-se que, mesmo dentro da realidade de mercado, predominam princípios elencados por Polanyi e pela Economia Solidária. Tais princípios têm base em valores como solidariedade, integração, respeito, ajuda mútua, cooperação e autonomia.
Citação ABNT:
SILVA, F. A. G.; CALAZANS, D. L. M. S.; GONZÁLEZ, J. M. R.; SOUZA, W. J. Os princípios de economia substantiva de Karl Polanyi em relações de economia solidária: o caso do povoado Cruz (Currais Novos/RN). Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 10, n. 2, p. 93-106, 2011.
Citação APA:
Silva, F. A. G., Calazans, D. L. M. S., González, J. M. R., & Souza, W. J. (2011). Os princípios de economia substantiva de Karl Polanyi em relações de economia solidária: o caso do povoado Cruz (Currais Novos/RN). Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 10(2), 93-106.
DOI:
10.5329/826
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/5240/os-principios-de-economia-substantiva-de-karl-polanyi-em-relacoes-de-economia-solidaria--o-caso-do-povoado-cruz--currais-novos-rn-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abramovay, R. (2004). Entre Deus e o Diabo: mercados e interação humana em Ciências Sociais. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, 16(2), 35-64.

Acevedo, C. R.; Nohara, J. J. (2004). Monografia do curso de administração . São Paulo: Atlas.

Ambrosini, L. B.; Filippi, E. E. (2008). Da era do desenvolvimento ao desenvolvimento rural: sistemas produtivos localizados sob a perspectiva de Karl Polanyi. REDES, 13(3), 121-139.

Amorim, L. S. B.; Staduto, J. A. R. (2007). Desenvolvimento Territorial Rura l: estudo empírico sobre Agroindústria Familiar Rural no oeste do Paraná . Paper presented at the Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, conhecimentos para agricultura do futuro, Londrina.

Andrade, M. M. (1994). In trodução a metodologia do trabalho cientifico . São Paulo: Atlas.

Azambuja, L. R. (2007). Os sentidos do trabalho autogerido: um estudo a partir dos trabalhadores de cooperativas de Economia Solidária. Mestrado Dissertação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Castanheira, M. E. M.; Pereira, J. R. (2008). Ação Coletiva no âmbito da economia solidária e da autogestão. Revista Katálysis, 11(1), 116-122.

Denzin, N. K.; Lincoln, Y. (2006). A disciplina e a pratica da pesquisa qualitativa. In N. K. Denzin & Y. Lincoln (Eds.), Planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2ª ed. Porto Alegre: ARTMED.

França Filho, G.; Laville, J. L. (2004). Economia Solidária: Uma abordagem internacional . Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Gil, A. C. (1994). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de empresas, v. 35, n. 33.

Leite, M. P. (2009). A economia solidária e o trabalho associativo - Teorias e Realidades. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 24(69), 31-51. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092009000100003.

Mattar, F. N. (1996). Pesquisa em Marketing. São Paulo: Atlas.

Mior, L. C. (2005). Agricultores familiares, agroindústrias e redes de desenvolvimento rural. Chapecó: Argos.

Polanyi, K. (2000). A grande Transformação – As origens da nossa época. Rio de Janeiro: Campus.

Radomsky, G. F. W.; Schneider, S. (2007). Nas teias da economia: o papel das redes sociais e da reciprocidade nos processos locais de desenvolvimento. Sociedade e Estado, 22(2), 249-284. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922007000200003.

Sabourin, E. (2000). Ação coletiva, reciprocidade e organização dos produtores no Nordeste semi-árido. Antropolítica, v. 8, p. 41-58.

Sabourin, E. (2000). Estratégias coletivas e lógicas de construção das organizações de agricultores no Nordeste semi-árido. Antropolítica, 9.

Sabourin, E.; Duque, G.; Diniz, P. C. O.; Oliveira, M. S. L.; Florentino, G. L. (2006). Reconhecimento público dos atores coletivos da agricultura familiar no Nordeste. Cadernos de Ciência e Tecnologia, v. 22, p. 293-307.

Sethas. (2009). Programa Desenvolvimento Solidário . Natal: Retrieved from http://www.sethas.rn.gov.br/prodesenvolvimento.htm.

Singer, P. (1999). Uma utopia militante: repensando o socialismo. Petrópolis: Vozes.

Singer, P. (2002). Introdução à economia solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Temple, D. (1997). L’économie humaine. La revue du MAUSS, v. 10, p. 103-109.

Temple, D. (1998). Le Principe du contradictoire et les structures élémentaires de réciprocité. La revue du MAUSS, 12(2), 234-242.

Vergara, S. C. (2004). Projetos e Rela tórios de Pesquisa em Administração. 5ª ed. São Paulo: Atlas.

Vinha, V. (2001). Polanyi e a Nova Sociologia Econômica: uma Aplicação Contemporânea do Conceito do Enraizamento Social. Revista Econômica, v. 3, n. 2.