Redes Sociais e Difusão de Conhecimento em um Arranjo Produtivo Local de Saúde Outros Idiomas

ID:
52473
Resumo:
A importância dos Arranjos Produtivos Locais (APL) ou Clusters é algo já consolidado no meio acadêmico, político e empresarial, devido ao seu papel econômico e social para o desenvolvimento regional. Este trabalho pretende analisar as redes de relacionamentos dentro do APL de saúde da cidade de Ceres, Estado de Goiás, Brasil, entendendo como isso se dá entre seus atores e as ligações entre eles. Para tanto, foi levantado informações documentais e bibliográficas sobre o APL da saúde de Ceres e será elaborado e aplicado questionários com os atores. Para analisar os dados obtidos, foi utilizado o software livre Pajek para gerar uma rede de relacionamentos dos atores envolvidos esboçada de forma gráfica. Para entender como se dão essas relações, será aplicado um questionário com os empresários e médicos das empresas pesquisadas. Os resultados preliminares são que rede do APL saúde de Ceres tem 34 organizações / atores, dos quais 31 se relacionam pelo menos uma vez com outro ator, assim formando uma “teia” interligando-os. Até o momento, foram identificadas as redes de relacionamento a serem estudadas na segunda parte da pesquisa.
Citação ABNT:
CARDOSO, F. M. C. B.; SOUSA, M. M.; ARAÚJO, P. H. R. Redes Sociais e Difusão de Conhecimento em um Arranjo Produtivo Local de Saúde. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, v. 7, n. 3, p. 207-219, 2018.
Citação APA:
Cardoso, F. M. C. B., Sousa, M. M., & Araújo, P. H. R. (2018). Redes Sociais e Difusão de Conhecimento em um Arranjo Produtivo Local de Saúde. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 7(3), 207-219.
DOI:
https://doi.org/10.5585/rgss.v7i3.361
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52473/redes-sociais-e-difusao-de-conhecimento-em-um-arranjo-produtivo-local-de-saude/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aldrich, H. E.; Zimmer, C.( 1986). Entrepreneurship through social networks. In: SEXTON, Donald L. e SMILOR, Raymond W. (Eds.) The Art and Science of Entrepreneurship. Cambridge: Ballinger, p. 3-23.

Alemão, M. M.; Gonçalves, C. A.; Cabral, B. C. O.; Muylder, C. F. (2015). Análise da cooperação, aprendizado e política relacional em redes estratégicas: Um estudo no setor de hospitalar público. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 12(1), 1-16.

Balassiano, M. Estudos confirmatórios e exploratórios em administração (2006). In Botelho, D.; Zouain, D. M. (org.). Pesquisa quantitativa em administração. São Paulo: Atlas, p. 109-128.

Barbastefano, R. G.; Souza, C.; Costa, J de S.; Teixeira, P. M. (2013). Impactos dos nomes nas propriedades de redes sociais: um estudo em rede de coautoria sobre sustentabilidade. Perspectivas em Ciência da Informação, 18(3), 78-95.

Best, M. H. (1990). The new competition: institutions of industrial restructuring. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

Bittencourt, O. N. S.; Kliemann Neto, F. J. (2009). Rede social no sistema de saúde: Um estudo das relações interorganizacionais em unidades de serviços de HIV/AIDS. Revista de Administração Contemporânea, 13, 87-104.

Cardoso, F. M. C. B. (2005). Cluster de saúde de CERES (GO): um resgate do seu processo de formação e expansão. Dissertação (Mestrado em Administração) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Cardoso, F. M. C. B.; Guimarães, L. O. (2011). Processo de formação e expansão de cluster: O caso do aglomerado de Ceres, GO. Revista de Gestão, 18(4), 549-568.

DATASUS - Departamento de Informática do SUS. (2010) Cadernos de informações de saúde. http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/cadernos/cadernosmap.htm .

Ferreira, G. C. (2011). Redes sociais de informação: uma história e um estudo de caso. Perspectivas em Ciência da Informação, 16(3), 208-231.

Freitas, M. C. (2006). Fluxos de informações e conhecimentos para inovações no arranjo produtivo local de confecções em Salvador-Ba. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil.

García, M. S.; Méndez, P. N. (2004). Los sistemas productivos regionales desde la perspectiva del análisis de redes. Revista Hispana para El análisis de redes sociais, 6(3), jun. Disponível em: http://revistaredes.rediris.es.

Garcia, Renato C. (2001). Vantagens competitivas de empresas em aglomerações industriais: um estudo aplicado à indústria brasileira de calçados e sua inserção na cadeia produtiva. Tese (Doutorado em Economia) UNICAMP-IE, Campinas, Brasil.

Gómes, D.; Gonzáles-Araguena, E.; Manuel, C.; Owen, G.; del Pozo, M.; Tejada, J. (2003). Centrality and power in social networks: a game theoric approach. Mathematical Social Sciences, 46, 27-54.

Grandori, A.; Soda, G. (1995). Inter-firm networks: antecedents, mechanisms and forms. Organization Studies, 16(2), p.183- 214.

Granovetter, M. (1973). The strength of weak ties. American Journal of Sociology, 78(6), 1360-80.

Granovetter, M. (1985). Economic Action and social structure: The problem of embeddedness. American Journal of Sociology, 91, p. 481-510.

Greve, H. R.; Seidel, M.D. L. (2014). The thin red line between success and failure: path dependence in the diffusion of innovative production technologies. Strategic Management Journal, 36(4), 475-496.

Gulati, R.; Nohria, N.; Zaheer, A. (2000). Strategic networks. Strategic Management Journal, 21(3), 203-15.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2017). Cidades. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/go/ceres/panorama.

Junqueira, L. A. P. (2000). Intersetorialidade, transetorialidade e redes sociais na saúde. Revista de Administração Pública, 34(6), 35-45.

Laville, C.; Dionne, J. (2008). A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre : Artmed; Belo Horizonte: Editora UFMQ.

Lipnack, J.; Stamps, J. (1992). Networks - redes de conexões: pessoas conectando-se com pessoas. São Paulo: Aquariana.

Lopes, H. E. G. (2001) A força dos contatos: estudo das redes interpessoais de profissionais da região metropolitana de Belo Horizonte. Tese (Doutorado em Administração) CPEAD/FACE/UFMG Belo Horizonte, Brasil.

Marshall, A. (1985). Princípios de Economia. São Paulo: Nova Cultural. Coleção Os Economistas.

Mena-Chalco, J. P.; Digiampietri, L. A.; Cesar Jr, R. M. (2012). Caracterizando as redes de coautoria de currículos Lattes. In Brazilian Workshop on Social Network Analysis and Mining (BraSNAM). pp. 1-12.

Miles, M. B.; Huberman, A. M. (1994) Qualitative data analysis: an expanded sourcebook. 2 ed. Thousand Oaks, USA: Sage.

Molina-Morales, F. X.; Capó-Vicedo, J.; Tomás-Miquel, J. V.; Expósito-Langa, M. (2012). Análisis de las redes de negocio y de conocimiento en un distrito industrial. Una aplicación al distrito industrial textil valenciano. Cuadernos de Economía y Dirección de la Empresa, 15(2), 94-102.

Moraes, L. B. de. (2006). A espiral do conhecimento interorganizacional: a força dos valores sócio-culturais dos Arranjos produtivos locais (APLs) - o caso das confecções do Prado/BH. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação), UFMG, Belo Horizonte, Brasil.

Porter, M. (1999). Competição: On Competition: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus.

Provan, K. G.; Fish, A.; Sydow, J. (2007). Interorganizational Networks at the Network Level: A Review of the Empirical Literature on Whole Networks. Journal of Management, 33(3), 479-516.

Pyke, F.; Sengenberger, W. (1992). Industrial districts and local economic regeneration: research and policy issues. In: Pyke, F.; Sengenberger, W. Industrial districts and local economic regeneration. Geneva: International Institute for Labour Studies.

Randelli, F.; Lombardi, M. (2014). The Role of Leading Firms in the Evolution of SME Clusters: Evidence from the Leather Products Cluster in Florence. European Planning Studies, 22(6), 1199-1211.

Reyes Jr, E.; Borges, M. De. (2008). A comparação da estrutura social de turmas de graduação e pós-graduação: Um entendimento da cartografia dos grupos. Revista Redes, 14(8), 1-21.

Sant’ana, L. F. (2012). Análise de redes sociais como metodologia para a comunicação no contexto das organizações. In: OLIVEIRA, Ivone de Lourdes e MARCHIORI, Marlene (Orgs.). Redes Sociais, Comunicação, Organizações. São Caetano do Sul, SP: Difusora Editora.

Schmitz, H. (2000). Does local co-operation matter?Evidence from industrial clusters in South Asia and Latin America. Oxford Development Studies, 28(3), 323-336.

Schultz-Jones, B. (2009). Examining information behavior through social networks. Journal of Documentation, v. 65, n. 4, p. 592-631.

Silva, A. S.; Avelar, A. B. A.; Farina, M. C. (2013). Transferência de responsabilidade de pacientes: Uma aplicação da análise de redes sociais. Revista de Gestão Em Sistemas de Saúde, 2(2), 103-123.

Souza, Q. R. & Quandt, C. O. (2008) Metodologia de Análise de Redes Sociais. In Duarte, F.; Quandt,C.; Souza, Q. (Org.). O Tempo das Redes. São Paulo: Perspectiva, p. 31-63.

Sugahara, C. R.; Vergueiro, W. D. C. S. (2010). Apectos conceituais e metodológicos de redes sociais e sua influência no estudo de fluxos de informação. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, 7(2), 102-117.

Suzigan, W.; Furtado, J.; Garcia, R.; Sampaio, S. E. (2001). Aglomerações industriais no estado de São Paulo. Economia Aplicada, 5(4), 695-717.

Tomaél, M. I.; Marteleto, R. M. (2006). Redes sociais: posições dos atores no fluxo da informação. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação. (Especial 1).

Wasserman, S.; Faust, K. (1999) Social Network Analysis: methods and applications. Cambridge : University Press.

Yamagishi, T.; Gillmore, M. R.; Cook, K. S. (1988). Network connections and the distribution of power in exchange networks. American Journal of Sociology, 93(4), 83-351, Jan.