Abordagens Teóricas no Campo de Política Pública no Brasil e no Exterior: Do Fato à Complexidade Outros Idiomas

ID:
52499
Resumo:
Análise da trajetória do campo de política pública no Brasil e de seus principais desafios, a partir de um de seus subcampos, o de estudos de políticas públicas. O artigo considera a vertente de estudos que se desenvolveu com foco no processo. Após apresentar as principais teorias de política pública, analisa-se a trajetória dos estudos de políticas no Brasil. O artigo destaca, nas teorias contemporâneas, a incorporação da complexidade e da presença de atores não estatais; o deslocamento dos estudos do processo decisório (da formulação) para outras “etapas” do processo; e o reconhecimento da importância de instituições, da política e de ideias e valores na determinação da ação estatal. Mostra ainda como, na expansão recente da produção nacional sobre políticas, apesar da tendência à dispersão e à fragmentação, foram incorporadas abordagens teóricas contemporâneas. E destaca, dentre os desafios, fatores do ambiente político-institucional que podem comprometer a institucionalização do campo.
Citação ABNT:
FARAH, M. F. S.Abordagens Teóricas no Campo de Política Pública no Brasil e no Exterior: Do Fato à Complexidade. Revista do Serviço Público, v. 69, n. Espec., p. 53-84, 2018.
Citação APA:
Farah, M. F. S.(2018). Abordagens Teóricas no Campo de Política Pública no Brasil e no Exterior: Do Fato à Complexidade. Revista do Serviço Público, 69(Espec.), 53-84.
DOI:
https://doi.org/10.21874/rsp.v69i0.3583
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52499/abordagens-teoricas-no-campo-de-politica-publica-no-brasil-e-no-exterior--do-fato-a-complexidade/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Dagnino, Evelina (Org.). Sociedade civil e espaços públicos no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

Abrucio, Fernando Luiz. A Coordenação federativa no Brasil: a experiência do período FHC e os desafios do governo Lula. Revista de Sociologia Política, Curitiba, v. 24, p. 41-67, 2005.

Allison, Graham. Emergence of schools of public policy. In: Moran, Michael; Rein, Martin; Goodin, Robert F. (Eds.). The Oxford handbook of public policy. Nova York: Oxford University Press, 2008. p. 58-79.

Andrade, Jackeline Amantino de. Redes de atores: uma nova forma de gestão das políticas públicas no Brasil? Gestão e Regionalidade, n. 64, p. 52-66, 2006.

ARQUIVO_ABCP_final.pdf. Acesso em: 14 abr. 2015. Bueno, Luciano. Controle de armas: um estudo comparativo de políticas públicas entre Grã-Bretanha, EUA, Canadá, Austrália e Brasil. Dissertação apresentada ao Curso de Pós Graduação em Administração Pública e Governo da FGV-EAESP. São Paulo, FGV-EAESP, 2001.

Arretche, Marta. Democracia, federalismo e centralização no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV; Editora Fiocruz, 2012. p. 145-173.

Arretche, Marta. Dossiê agenda de pesquisa em políticas públicas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 18, n. 51. p. 7-9, 2003.

Baumgartner, Frank.; Jones, Bryan D.; Mortensen; Peter B. Punctuated equilibrium theory: explaining stability and change. In: Sabatier, Paul; Weible, Christopher m. (Eds.). The policy process. 3. ed. Westview: Westvies Press, 1999. p. 59-104.

Berkley and Los Angeles: University of California Press, 1984. (first edition, 1973). Radin, Beryl A. Beyond Machiavelli: Policy Analysis comes of age. Washington D.C.: Georgetown University Press, 2000.

Bichir, Renata. Novos instrumentos de coordenação federativa: reflexões a partir do Programa Bolsa Família. Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais, v. 1, n. 1, p. 49-78, 2016.

Bourdieu, Pierre. Le champ scientifique. Actes de la recherche en sciences sociales, v. 2, n. 2-3, p. 88-104, 1976.

Brasil Felipe; Capella, Ana Claudia. Subsistemas, comunidades e redes: articulando ideias e interesses na formulação de políticas públicas. Revista do Serviço Público, v. 66, n. 3, p. 449-474, 2015.

Capella, Ana C. N.; Soares, Alessandra G.; Brasil, Felipe G. Pesquisa em políticas públicas no Brasil: um mapeamento da aplicação de modelos internacionais recentes na literatura nacional. In: Encontro da ABCP, 9., 2014 Brasília. Anais eletrônicos. Brasília: Associação Brasileira de Ciência Política, 2014. Disponível em:
Capella, Ana Claudia. Perspectivas teóricas sobre o processo de formulação de políticas públicas. In: Hochman, Gilberto; Arretche, Marta; Marques, Eduardo (Orgs.). Políticas públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008. p. 87-124.

Capella, Ana Claudia; Soares, Alessandra Guimarães; Brasil, Felipe Gonçalves. Pesquisa em políticas públicas no Brasil: um mapeamento da aplicação de modelos internacionais recentes na literatura nacional. In: Encontro da ABCP, 9., 2014, Brasília, DF. Anais... Brasília: ABCP, 2014.

Castro, Camila Moreira. Public hearings as a tool to improve participation in regulatory policies: case study of the National Agency of Electric Energy. Revista de Administração Pública, v. 47, n. 5, p. 1069-1087, 2013.

Cohen, M.; March, J.; Olsen, J. A garbage can model of organizational choice. Administrative Science quarterly, 17, n. 1, p.1-25, 1972.

Cortes, Soraya. Sociologia e políticas públicas. In: Marques, Eduardo; Faria, Carlos A. P. de (Orgs.). A política pública como campo multidisciplinar. São Paulo: Editora Unesp; Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013. p. 47-68.

Cortes, Soraya. Viabilizando a participação em conselhos de política pública: arcabouço institucional, organização do movimento popular e policy communities. In: Hochman, Gilberto; Arretche, Marta; Marques, Eduardo (Orgs.). Políticas públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007. p. 125-144.

Costa, Bruno Lazzarotti Diniz; Bronzo, Carla. Intersetorialidade no enfrentamento da pobreza: o papel da implementação e da gestão. In: Faria, Carlos Aurélio Pimenta de (Org.). Implementação de políticas públicas: teoria e prática. Belo Horizonte: PUC Minas, 2012. p. 50-81.

Costa, Nilson Rosário da. Comunidade epistêmica e a formação da reforma sanitária no Brasil. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 809-829, 2014.

Cunill-Grau, Núria. La intersetorialidad em las nuevas políticas sociales: um acercamiento analítico-conceptual. Gestión y Políticas Públicas, v. 23, n. 1, p. 5-46, 2014.

Draibe, Sonia Miriam. Brasil: o sistema de proteção social e suas transformações recentes. Santiago, Chile: Cepal, 1983.

Drèze, Jean; Sen, Amartya. Hunger and public action. Oxford: Oxford University Press, 1997 (primeira edição: 1989).

Fadul, Élvia et al. Administração pública no Brasil: reflexões sobre o campo de saber a partir da Divisão Acadêmica da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (2009-2013). Revista de Administração Pública, v. 48, n. 5, p. 1329-1354, 2014.

Farah, Marta F. S. Administração pública e políticas públicas. Rev. Adm. Pública, v. 45, n. 3, p. 813-836, 2011.

Farah, Marta F. S. Análise de políticas públicas no Brasil: de uma prática não nomeada à institucionalização do “campo de públicas”. Revista de Administração Pública, v. 50, n. 6, p. 959-979, 2016.

Farah, Marta F. S. Formação em política pública no Brasil. Das iniciativas pioneiras dos anos 60 à institucionalização do “campo de públicas”. Estudios políticos, v. 49, p. 192-215, 2016b.

Farah, Marta Ferreira Santos et al. Gênero e política pública: panorama da produção acadêmica no Brasil (1983-2015). Cadernos Ebape, v. 16, n. 3, p. 428-443, jul./set. 2018.

Faria, Carlos Aurélio Pimenta de. Ideias, conhecimento e políticas públicas: um inventário sucinto das principais vertentes analíticas recentes. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 18, n. 51, p. 21-29, 2003.

Faria, Carlos Aurélio Pimenta de. Implementação de políticas públicas: teoria e prática. Belo Horizonte: Ed. PUC Minas, 2012b.

Faria, Carlos Aurélio Pimenta de. Implementação: ainda o “elo perdido” da análise de políticas públicas no Brasil? In: Faria, Carlos Aurélio Pimenta de. Implementação de políticas públicas: teoria e prática. Belo Horizonte: Ed. PUC Minas, 2012a. p. 123153.

FGV/EAESP. 2016. Peters, Guy; Pierre, Jon. Multi-level governance: a view from the garbage can. Manchester Papers in politics: EPRU series, 1, [s.p.], 2002.

Fischer, Frank. Beyond Empiricism: policy inquiry in post positivist perspective. Policy Studies Journal, v. 26. n. 1, p. 129-146, 1998.

Fischer, Frank; Forester, John (eds.). The argumentative turn in policy analysis and planning. 2. ed. Durham: Duke University Press, 1996.

Fischer, Frank; Miller, Gerald J.; Sidney, Mara (Eds.). Handbook of public policy analysis: theory, politics, and methods. Boca Raton: CRC Press, Taylor and Francis, 2007.

Fischer, Tânia. Administração pública como área de conhecimento e ensino: a trajetória brasileira. Revista de Administração de Empresas, v. 24, n. 4, p. 278-288, 1984.

Frederickson, H. George. John Gaus Lecture – The repositioning of American Public Administration. PS: Political Science and Politics, v. 32, n. 4, p. 701711, dec. 1999.

Fuks, Mario. Definição da agenda, debate público e problemas sociais: uma perspectiva argumentativa da dinâmica do conflito social. In: Bib, n.49, p. 79-94, 2000.

Grau-Solés, Marc; Íñiguez-Rueda, Lupicinio; Subirats, Joan. ¿Cómo gobernar la complejidad? Invitación a una gobernanza urbana híbrida y relacional. Athenea Digital, v. 11, n.1, p. 63-84, 2011.

Haas, Peter M. Introduction: epistemic communities and international policy coordination. International Organization, v. 46, n. 1, p. 1-35, 1992.

Hajer, Maarten A. Discourse coalitions and the institutionalization of practice: the case of acid rain in Britain. In: Fischer, Frank; Forester, John (Eds.). The argumentative turn in policy analysis and planning. Durham: Duke University Press, 1996. p. 43-75

Hall, Peter A. Policy paradigms, social learning, and the State: the case of economic policymaking in Britain. Comparative Politics, v. 25, n. 3, p. 275-296, 1993.

Head, Brian W. Wicked problems in public policy. Public Policy, v. 3, n. 2, p. 101-118, 2008.

Heclo, Hugh. Issue networks and the executive establishment. In: McCool, Daniel C. (Ed.). Public policy theories, models, and concepts: an anthology. Prentice Hall, 1995. p. 268-287. (Artigo original de 1978)

Henry, Nicholas. Paradigms of Public Administration. Public Administration Review, v. 35, n. 4, p. 378-386, 1975.

Jobert, Bruno; Muller, Pierre. L’Etat en action: politique publiques et corporatismes. Presses Universitaires de France, 1987.

Jordan, Grant. Policy community realism versus ‘new’ institutionalist ambiguity. Political Studies, n. 38, 470-484, 1990.

Kingdon, John W. Agenda setting. In: Theodoulou, Stella Z.; CAHN, Matthew A. Public policy: the essential readings. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall, 1995. p. 105-112.

Laswell, Harold D. The emerging conception of the Policy Sciences. Policy Sciences, v. 1, p. 3-14, 1970.

Lima Júnior, Olavo Brasil de; Santos, Wanderley Guilherme dos. Esquema geral para a análise de políticas públicas: uma proposta preliminar. Revista de Administração Pública. v. 10, n. 2, 1976.

Lindblom, Charles E. The science of muddling through. Public Administration Review, v. 19, n. 2, p. 79-88, 1959

Lipsky, Michael. Street-level bureaucracy: dilemmas of the individual in public services. New York: Russell Sage Foundation, 2010 (1st edition, 1980).

Lotta, Gabriela S.; Pavez, Thais R. Agentes de implementação: mediação, dinâmicas e estruturas relacionais. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 15, n. 56, p. 109125, 2010.

Lukic, Melina Rocha; Tomazini, Carla. Abordagens cognitivas na análise de política públicas na América Latina: um novo olhar sobre velhas questões? In: Encontro da

Marques, Eduardo. As políticas públicas na Ciência Política. In: Marques, Eduardo; Faria, Carlos A. P. de (Orgs.). A política pública como campo multidisciplinar. São Paulo: Editora Unesp; Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013. p. 23-47.

Marques, Eduardo. Redes sociais e instituições na construção do Estado e da sua permeabilidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 14, n. 41, p. 45-67, 1999.

Marques, Eduardo. State institutions, power, and social networks in Brazilian urban policies. Latin American Research Review, v. 47, n. 2, p. 27-50, 2012.

Melo, Marcus A. Estado, governo e políticas públicas. In: Miceli, Sergio (Org.). O que ler na Ciência Social brasileira (1970-1995). Ciência Política, Vol.III. São Paulo: Ed. Sumaré; Brasília: Anpocs/Capes, 1999. p. 59-100.

Muller, Pierre. L’analyse cognitive des politiques publiques: vers une sociologie politique de l’action publique. Revue française de science politique, v. 50, n. 2, p. 189-208, 2000.

Muller, Pierre. Réferentiél. In: Dictionnaire des politiques publiques. Paris: Presses de Sciences Po (P.F.N.S.P.), 2010 (3e éd.). p. 555-562. NEPP/Unicamp. 1986. Brasil 1985: Relatório sobre a situação social do País. Campinas, 2 vols.

Ospina-Bozzi, Sonia M. La administración pública como “comunidad discursiva”: algunas lecciones del caso estadounidense para América Latina. Reforma y Democracia, n. 10, p. 85-112, 1998.

Pacheco, Regina Silvia. Administração Pública nas revistas especializadas – Brasil, 1995-2002. Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 4, p. 63-71, 2003. Palavras do diretor. Revista de Administração Pública, v. 10, n, 2, p. 3-4, 1976.

Palier, Bruno; Surel, Yves. Les “trois I” et l’analyse de l’État en action. Revue française de science politique, v. 55, n. 1, p. 7-32, 2005.

Papa, Fernanda de Carvalho. Transversalidade e políticas públicas para mulheres no Brasil: percursos de uma pré-política. Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Administração Pública e Governo da FGV-EAESP. São Paulo, 2012.

Pereira, Maria Cecília Gomes. Água e convivência com o semiárido: múltiplas águas, distribuições e realidades. Tese de doutorado em Administração Pública e Governo.

Petinelli, Viviane. As conferências públicas nacionais e a formação da agenda de políticas públicas do Governo Federal (2003-2010). Opinião Pública, Campinas, v. 17, n. 1, p. 228-250, junho 2011.

Pires, Roberto Rocha C. Intersetorialidade, arranjos institucionais e instrumentos da ação pública. In: Macedo, Juliana Macedo; Xerez, Flávia Helena Saraiva; Lofrano, Rodrigo (Orgs.). Intersetorialidade nas políticas sociais: perspectivas a partir do programa Bolsa Família. Cadernos de Estudos Desenvolvimento Social em Debate, n. 26, p. 67-80, 2016.

Pollack, Mark A.; Hafner-Burton, Emile. Mainstreaming gender in the European Union. Journal of European Public Policy, v. 7, n. 3, Special Issue, p. 432456, 2000.

Pressman, L.; Wildavsky, Aaron. Implementation: how great expectations in Washington are dashed in Oakland. 3. ed.

Rein, Martin. Reframing problematic policies. The oxford handbook of Public Policy. In: Moran, Michael; Rein, Martin; Goodin, Robert F. (Eds.) The Oxford Handbook of Public Policy. New York: Oxford University Press, 2008. p. 389-409.

Rein, Martin; Schon, Donald. Frame-critical policy analysis and frame-reflective policy practice. Knowledge and Policy: The International Journal of Knowledge Transfer and Utilization, v. 9, n. 1, p. 85-104, 1996.

Reinach, Sofia. A “transversalidade” brasileira: uma construção própria que vai além das influências internacionais. In: Encontro Fazendo Gênero, 10., 16 a 20 de set. 2013, Florianópolis. Anais... Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2013. Reis, Fábio. Política e políticas. Revista de Administração Pública. v. 10, n. 2, p. 5263, 1976.

Rhodes, R. A. W. Policy network analysis. In: Moran, Michael; Rein, Martin; Goodin, Robert E. (Eds.). The Oxford Handbook of public policy. New York: Oxford University Press, 2008. p. 425-448.

Rittel, Horst W. J.; Webber, Melvin M. Dilemmas in a General Theory of Planning. Policy Sciences, v. 4, n. 2, p. 155-169, 1973.

Roe, Emery M. Narrative analysis for the policy analyst: a case study of the 19801982 Medfly Controversy in California. Journal of Policy Analysis and Management, v. 8, n. 2, p. 251273, 1989.

Roth Deubel, André-Noël. Políticas Públicas: formulación, implementación y evaluación. Bogotá: Ediciones Aurora, 2014.

Sabatier, Paul A. An advocacy coalition framework of policy change and the role of policy-oriented learning therein. Policy Sciences, v. 21, p. 129-168, 1988.

Sabatier, Paul A. Toward better theories of the policy process. PS: Political Science and Politics, v. 24, n. 2, p. 147-156, 1991.

Sabatier, Paul A.; Schlager, Edella. Les approches cognitives des politiques publiques: perspectives américaines. Revue française de science politique, v. 50, n. 2, p. 209-234, 2000.

Simielli, Lara Elena R. Coalizões em educação no Brasil: relação com o governo e influência sobre o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE). Revista de Administração Pública, v. 47, n. 3, p. 568-586, 2013.

Simon, Herbert A. Theories of bounded rationality. In: McGuire, C. E.; Redner, Roy (Eds.). Decision and organization. Amsterdam: North0Holland Publishing Company, 1972. p. 161-176.

Skocpol, Theda. Bringing the State back in: strategies of analysis in current research. In: Evans, Peter; Rueschemeyer, Dietrich; Skocpol, Theda. Bringing the State back in. 7. ed. New York: Cambridge University Press, 1997. (1º edição de 1985)

SOUZA, Celina. “Estado do campo” da pesquisa em políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 18, n. 51, p. 15-20, 2003.

Souza, Celina. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, n. 16, p. 20-45, jul./dez. 2006.

Souza, Luiz Ricardo de; Secchi, Leonardo. A Política Científica e Tecnológica de Santa Catarina: análise a partir do modelo de coalizões de defesa. Revista de Administração Pública, v. 48, n. 4, p. 939-960, 2014.

Souza, Wanderson; Farah, Marta Ferreira Santos. Concepções em disputa: ideias e discursos na constituição do campo e na formação das políticas de juventude no Brasil. In: Encontro Anual da ANPOCS Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, 41., 23 a 27 de out. 2017, Caxambu. Anais... Caxambu: ANPOCS, 2017.

Spink, Peter K. Institutions, Civil Society and Social Capital: the dangers of the post Washington Consensus. In: International Congress of Latin American Studies Association (LASA), 6 a 7 de set. 2007, Montreal, Canadá. Anais… Montreal: LASA, 2007.

Station, Elizabeth; Welna, Christopher J. Da administração pública à participação democrática. In: OS 40 ANOS da Fundação Ford. Brooke, Nigel; Witoshynsky, Mary (Orgs.). São Paulo/Rio de Janeiro: EDUSP/Fundação Ford, 2002. p. 167-200.

Subirats, Joan et al. Análisis y gestión de políticas públicas. Barcelona: Editorial Planeta, 2008.

Taylor, Rosemary C. R.; Hall, Peter A. As três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova, v. 58, p. 193-223, 2003.

Théret, Bruno. As instituições entre as estruturas e as ações. Lua Nova, v. 58, p. 226-255, 2003.

Trojbicz, Beni. Ideias e economia nas reformas das políticas públicas do setor de petróleo brasileiro: 1995 a 2010. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 51, n. 5, p. 767-787, 2017.

Trottmann, Paula et al. A produção científica em Políticas Públicas no Brasil: descrição e análise de alguns resultados de uma investigação sobre a primeira década dos anos 2000. Revista de Discentes de Ciência Política da UFSCAR, v.5, n. 2, p. 223–253, 2017.

Vaitsman, Jeni et al. (Ed.). Policy Analysis in Brazil. Bristol: Policy Press at University of Bristol, 2013.

Valladares, Lícia do P. Estudos recentes sobre a habitação no Brasil: resenha da literatura. In: Valladares, Lícia do P. (Org.). Repensando a habitação no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

Veiga, Laura da; Bronzo, Carla. Estratégias intersetoriais de gestão municipal de serviços de proteção social: a experiência de Belo Horizonte. Revista de Administração Pública, v. 48, n. 3, p. 595-620, 2014.

Velloso, João P. R. Depoimento. In: D’Araújo, Maria Celina; Farias, Ignez Cordeiro de; Hippolito, Lucia (Orgs.). Ipea: 40 anos apontando caminhos. Depoimentos ao CPDOC, 2004, p. 21.

Wagenaar, Hendrik. Meaning in action: interpretation and dialogue in policy analysis. New York: Routledge, 2015.

Wampler, Brian; Avritzer, Leonardo. Participatory publics: civil society and new institutions in democratic Brazil. Comparative Politics, v. 36, n. 3, p. 291-312, 2004.