O Desempenho Organizacional de uma Instituição de Ensino Superior: Uma Análise da Capacidade Absortiva Potencial e da Inovação Outros Idiomas

ID:
52580
Resumo:
A Capacidade Absortiva Potencial é uma variável não observável importante, tendo em vista que define a influência das estruturas cognitivas em um contexto de aprendizagem organizacional. Como se trata de uma temática de estudo muito recente, foi evidente a presença de inúmeras lacunas teóricas com relação ao histórico de publicações referentes a esse tema. Com isso, a presente pesquisa teve como objetivo geral analisar o impacto da Capacidade Absortiva Potencial Percebida na Inovação Percebida e no Desempenho Organizacional Percebido, tendo como foco de análise as percepções dos alunos de Administração acerca da universidade. Para tal, realizou-se uma pesquisa com 150 respondentes mediante uma análise quantitativa utilizando a técnica multivariada de Modelagem de Equações Estruturais em sua abordagem exploratória (PLS-SEM). Como principais achados da pesquisa, notou-se que a Capacidade Absortiva Potencial Percebida impacta positivamente a Inovação Percebida e o Desempenho Organizacional Interno e Externo Percebidos. A Inovação percebida mediou de forma parcial a relação entre a Capacidade Absortiva Potencial Percebida e o Desempenho Organizacional Interno e Externo Percebidos. A sugestão de um framework com integração dos construtos analisados, buscando a Inovação Percebida como variável mediadora da relação entre a Capacidade Absortiva Potencial Percebida e o Desempenho Organizacional Percebido pode ser vista como uma contribuição desse estudo, bem como a validação de uma escala de medida de desempenho organizacional voltada para instituições de ensino superior.
Citação ABNT:
OLIVEIRA, R. S.; RABÊLO NETO, A.; NASCIMENTO, J. C. H. B.; MELO, R. S. O Desempenho Organizacional de uma Instituição de Ensino Superior: Uma Análise da Capacidade Absortiva Potencial e da Inovação. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, v. 15, n. 4, p. 292-306, 2018.
Citação APA:
Oliveira, R. S., Rabêlo Neto, A., Nascimento, J. C. H. B., & Melo, R. S. (2018). O Desempenho Organizacional de uma Instituição de Ensino Superior: Uma Análise da Capacidade Absortiva Potencial e da Inovação. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 15(4), 292-306.
DOI:
10.4013/base.2018.154.04
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52580/o-desempenho-organizacional-de-uma-instituicao-de-ensino-superior--uma-analise-da-capacidade-absortiva-potencial-e-da-inovacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDREEVA, T.; KIANTO, A.(2011). Knowledge processes, knowledge-intensity and innovation: a moderated mediation analysis. Journal of Knowledge Management, 15(6), 1016-1034. Doi: https://doi.org/10.1108/13673271111179343

ARGENTI, P.A. (2014). Comunicação empresarial. 6ª ed.; Rio de Janeiro, Elsevier, 327 p.

BATISTA, M.A.; PAULA, M.F.F; OLIVEIRA, M.I.A.; ALMEIDA, E.E. (2013). Avaliação institucional no ensino superior: construção de es-calas para discentes e docentes. Avaliação, 18(1), 201-218. Doi: https://doi.org/10.1590/S1414-40772013000100011

CAMISÓN, C.; FORÉS, B. (2010). Knowledge absorptive capacity: new insights for its conceptualization and measurement. Journal of Business Research, 63(7), 707-715. Doi: https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2009.04.022

CHENHALL, R.H.; LANGFIELD-SMITH, K. (2007). Multiple perspectives of performance measures. European Management Journal, 25(4), 266-282. Doi: https://doi.org/10.1016/j.emj.2007.06.001

COHEN, J. (1988). Statistical Power Analysis for the Behavioral Sci-ences. 2ª ed. New York, Psychology Press, 490 p.

COHEN, W.M.; LEVINTHAL, D.A. (1990). Absorptive Capacity: A New Perspective on Learning and Innovation. Administrative Scien-ce Quality, 35(1), 128-152. Doi: https://doi.org/10.2307/2393553

CORRAR, J.; PAULO, E.; DIAS FILHO, J. (2009). (coords.). Análise multi-variada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. 1ª ed.; São Paulo, Atlas, 568 p.

COSTA, E. A. (2007). Gestão Estratégica: da empresa que temos para a empresa que queremos. 2ª ed.; São Paulo, Saraiva, 424 p.

COSTA NETO, P.L.O. (2002). Estatística. 3ª ed.; São Paulo, Blucher, 280 p.

DARROCH. J. 2005. Knowledge management, innovation and firm performance. Journal of Knowledge Management, 9(3), 101-115. Doi: https://doi.org/10.1108/13673270510602809

DÁVILA, G.A. (2016). Relações entre práticas de gestão do conheci-mento, capacidade absortiva e desempenho: evidências do sul do Brasil. Florianópolis, SC. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina. https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/172550. Acesso em: 16/03/2017.

DRUCKER, P.F. (2016). Inovação e Espírito Empreendedor: (entrepre-neurship), práticas e princípios. São Paulo, Cengage Learning, 378 p.

DUTRA, A. (2003). Metodologia para avaliar e aperfeiçoar o desempenho organizacional: incorporando a dimensão integrativa à MCDA construtivista-sistêmico-sinergética. Florianópolis, SC. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina

EVANS, N.; BOSUA, R. (2014). Knowledge Absorption in Organisations – Development of a Conceptual Process Model. In: European Conference on Knowledge Management, Santarém, 2014. Anais… Santarém, PT, 1, 321-329.

FERRARESI, A.A.; SANTOS, S.A.; FREGA, J.R.; QUANDT, C.O.( 2014). Os impactos da gestão do conhecimento na orientação estratégica, na inovatividade e nos resultados organizacionais: uma survey com empresas instaladas no Brasil. Revista de Administração Mackenzie, 15(2), 199-231. Doi: https://doi.org/10.1590/S1678-69712014000200008

FIGUEIREDO, P.N. (2011). The Role of Dual Embeddedness in the Innovative Performance of MNE Subsidiaries: Evidence from Brazil. Journal of Management Studies, 48(2), 417-440.

FIGUEIREDO, P.N.; ANDRADE, R.F.; BRITO, K.N. (2010_. Aprendizagem tecnológica e acumulação de capacidades de inovação: evidências de contract manufacturers no Brasil. Revista de Administração, 45(2), 156-171. Doi: https://doi.org/10.1016/S0080-2107(16)30535-0

FORNELL, C.; LARCKER, D.F. (1981). Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of Marketing Research, 18(1), 39-50. Doi: https://doi.org/10.1177/002224378101800104

GEBAUER, H.; WORCH, H.; TRUFFER, B. (2011). Absorptive capacity, learning process and combinative capabilities as determinants of strategic innovation. European Management Journal, 30(1), 57-73. Doi: https://doi.org/10.1016/j.emj.2011.10.004

GIL, A.C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª ed. São Paulo, Atlas, 175 p.

GONÇALVES, R.B.; VIEIRA, G.B.B.; STALLIVIERI, L. (2016). Os recursos estratégicos e as instituições de ensino superior: estudo de caso em uma universidade do sul do Brasil. Revista Gestão Universitária na América Latina, 9(3), 89-107. Doi: https://doi.org/10.5007/1983-4535.2016v9n3p89

GRANT, R. (1996). Toward a knowledge-based theory of de firm. Strategic Management Journal, 17:109-122. Doi: https://doi.org/10.1002/smj.4250171110

GUJARATI, D.N. (2000). Econometria Básica. 3ª ed.; São Paulo, Pearson Makron Books, 844 p.

HAIR, J.F.; HULT, T.M.; RINGLE, C.M.; SARSTEDT, M. (2014). A Primer on Partial Least Squares Structural Equation Modeling (PLSSEM). Los Angeles, SAGE, 390 p.

HAIR, J.F. SARSTEDT, M.; RINGLE, C.M.; MENA, J.A. (2012). An assessment of the use of partial least squares structural equation modeling in marketing research. Journal of the Academy of Marketing Science, 40(3), 414-433. Doi: https://doi.org/10.1007/s11747-011-0261-6

HAIR, J.J.F.; BLACK, W.C.; BABIN, B.J.; ANDERSON, R.E.; TATHAM, R.L. 2009. Análise multivariada de dados. 6ª ed.; Porto Alegre, Bookman, 688 p.

HENSELER, J.; RINGLE, C.M.; SINKOVICS, R.R. (2009). The use of partial least squares path modeling in international marketing. Advances in International Marketing, 20:277-319. Doi: https://doi.org/10.1108/S1474-7979(2009)0000020014

JANSEN, J.J.P. et al. (2005). Managing potential and realized absorptive capacity: How do organizational antecedents matter? Academy of Management Learning, 48(6), 999-1015. Doi: https://doi.org/10.5465/amj.2005.19573106

KIANTO, A.; ANDREEVA, T. (2014). Knowledge management practices and results in service-oriented versus product-oriented companies. Knowledge and Process Management, 21(4), 221-230. Doi: https://doi.org/10.1002/kpm.1443

KOTLER, P. (2003). Marketing de A a Z: 80 conceitos que todo profissional precisa saber. Rio de Janeiro, Elsevier, 251 p.

LAKATOS, E.M.; MARCONI, M.A. (2009). Metodologia Científica. 5ª ed. São Paulo, Atlas, 310 p.

LIM, K. 2009. The many faces of absorptive capacity: spillovers of copper interconnect technology for semiconductor chips. Industrial and Corporate Change, 18(6), 1249-1284. Doi: https://doi.org/10.1093/icc/dtp044

MALHOTRA, N. (2012). Pesquisa de Marketing. 3ª ed.; Porto Alegre, Bookman, 720 p.

MAÑAS, A.V. (1999). Administração de Sistemas de Informação. São Paulo, Érica, 282 p.

MORÉ, R.P.O.; VARGAS, S.M.L.; CEMBRANEL, P. (2012). Capacidade absortiva no contexto da inovação: um estudo bibliométrico. Revista de Gestão do Unilasalle, 3(1), 113-126.

NASCIMENTO, J.C.H.B.; MACEDO, M.A.S. 2016. Modelagem de Equações Estruturais com Mínimos Quadrados Parciais: um Exemplo da Aplicação do SmartPLS® em Pesquisas em Contabilidade. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 10(3), 289-313. Doi: https://doi.org/10.17524/repec.v10i3.1376

NASCIMENTO, S.; BORTOLUZZI, S.C.; DUTRA, A.; ENSSLIN, S.R. (2011). Mapeamento dos indicadores de desempenho organizacional em pesquisas da área de Administração, Ciências Contábeis e Turismo no período de 2000 a 2008. Revista de Administração, 46(4), 373-391. Doi: https://doi.org/10.5700/rausp1018

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. (1997). Criação de Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro, Elsevier, 358 p.

O’BRIEN, J.A. (2013). Administração de sistemas de informação. 15ª ed.; Porto Alegre, AMGH, 590 p.

OLIVEIRA, S.R.; BALESTRIN, A. (2015). Cooperação universidade-empresa: um estudo do projeto Unisinos – HT Micron para o desenvolvimento de capacidade absortiva na área de semicondutores. Gestão & Produção, 25(3), 595-609. Doi: https://doi.org/10.1590/0104-530x1018-13

PENROSE, E. (1959). The theory of the growth of the firm. New York, Oxford University Press, 272 p. Disponível em: https://organizationsandmarkets.files.wordpress.com/2009/10/kor.pdf. Acesso em: 25/03/2017.

PETRI, S.M. (2005). Modelo para apoiar a avaliação das abordagens de gestão de desempenho e sugerir aperfeiçoamentos: sob a ótica construtivista. Florianópolis, SC. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina, 236 p.

PUNNIYAMOORTHY, M.; MURALI, R. (2008). Balanced score for the balanced scorecard: a benchmarking tool. Benchmarking: An International Journal, 15(4), 420-443.

QUISHIDA. A. (2017). Gestão estratégica de pessoas e capacidade de inovação no setor industrial. São Paulo, SP. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 171 p. Disponível em: http:// www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-17092015100724/pt-br.php. Acesso em: 10/04/2017.

RIEG, D.L.; FILHO, A.G. (2013). Esforço tecnológico e desempenho inovador das empresas do setor médico-hospitalar localizadas em São Carlos, SP. Gestão & produção, 10(3), 203-310.

RINGLE, C.M. (2014). Modelagem de equações estruturais com utilização do SMARTPLS. Revista Brasileira de Marketing, 13(2), 54-71.

SOBEL, M.E. (1982). Asymptotic confidence intervals for indirect effects in structural equation models. Sociological Methodology, 13:290-312. Doi: https://doi.org/10.2307/270723

SZNITOWSKI, A.M.; SOUZA, Y.S. (2016). Capacidade de assimilação de conhecimentos e tecnologias no setor primário: estudo de casos em grandes propriedades rurais produtoras de soja. Organizações Rurais & Agroindustriais, 18(2), 171-185.

VASCONCELOS, F.C.; CYRINO, Á.B. (2000). Vantagem Competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. RAE – Revista de Administração de Empresas, 40(4), 20-37.

VEGA-JURADO, J.; GUTIÉRREZ-GRACIA, A.; FERNÁNDES-DE-LUCIO, I. (2008). Analyzing the determinants of firm’s absorptive capacity: beyond R&D. R&D Management, 38(4), 392-405. Doi: https://doi.org/10.1111/j.1467-9310.2008.00525.x

VERSIANI, Â.F.; CRUZ, M.A.; CASTRO, FERREIRA, J.M.; TAVARES, M.A.; GUIMARÃES, L.O. (2010). Mensuração da capacidade absortiva: até que ponto a literatura avançou? In: Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração -ENANPAD, Rio de Janeiro, 2010. Anais... p. 1-17.

ZAHRA, S.A.; GEORGE, G. (2002). Absorptive Capacity: A Review, Re-conceptualization and Extension. Academy of Management Review, 27(2), 707-715. Doi: https://doi.org/10.5465/amr.2002.6587995

ZHANG, Y.; SHAW, J.D. (2012). From the Editors Publishing in AMJ— Part 5: Crafting The Methods And Results. Academy of Man-agement Journal, 55(1), 8-12. Doi: https://doi.org/10.5465/amj.2012.4001