Os Serviços Socioassistenciais como Mecanismos de Proteção: Explorando Efeitos e Limites os Serviços Socioassistenciais como Mecanismos de Proteção: Explorando Efeitos e Limites Outros Idiomas

ID:
52583
Resumo:
O artigo é fruto de uma pesquisa que buscou explorar os efeitos dos serviços socioassistenciais no fortalecimento da dimensão sociorrelacional de indivíduos e famílias em situação de vulnerabilidade, tendo a dimensão do território como variável interveniente. Foram visitados seis Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), em quatro municípios de Minas Gerais, entre urbanos e rurais, sendo estes de pequeno porte a metrópole. Foram entrevistados 12 técnicos e 20 usuárias dos serviços do CRAS, na tentativa de mapear os tipos de interação, o perfil do público e a incidência dos serviços socioassistenciais na alteração de trajetórias ou ampliação de capacidades dos indivíduos e famílias atendidas pela rede de proteção básica. Os achados apontam para a diversidade de trajetórias e, ao mesmo tempo, histórias comuns. Os distintos territórios sinalizam para a precariedade da infraestrutura social, marcados pela oferta precária de serviços e por situações de violência e de violação de direitos. Os encontros entre famílias e CRAS e as relações que são aí estabelecidas são de distintos tipos e graus de intensidade. Os relatos das mulheres expostas de maneira mais sistemática aos efeitos dos serviços são mais claros quanto a alterações nas trajetórias e subjetividades a partir do encontro com o CRAS.
Citação ABNT:
BRONZO, C.; MENDES, M. C.; REZENDE, E. Os Serviços Socioassistenciais como Mecanismos de Proteção: Explorando Efeitos e Limites os Serviços Socioassistenciais como Mecanismos de Proteção: Explorando Efeitos e Limites. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 24, n. 77, p. 1-17, 2019.
Citação APA:
Bronzo, C., Mendes, M. C., & Rezende, E. (2019). Os Serviços Socioassistenciais como Mecanismos de Proteção: Explorando Efeitos e Limites os Serviços Socioassistenciais como Mecanismos de Proteção: Explorando Efeitos e Limites. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 24(77), 1-17.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52583/os-servicos-socioassistenciais-como-mecanismos-de-protecao--explorando-efeitos-e-limites-os-servicos-socioassistenciais-como-mecanismos-de-protecao--explorando-efeitos-e-limites/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alwang, J., Siegel, P. B., & Jorgesen, S. (2001). Vulnerability: A view from different disciplines [Social Protection Discussion Paper Series n. 0115]. World Bank.

Busso, G. (2001, Junio 20-21). Vulnerabilidad social: Nociones e implicancias de políticas para Latinoamérica a inicios Del siglo XXI. Seminario Internacional “Las diferentes expresiones de la vulnerabilidad social en América Latina y el Caribe”. Comisión Económica para América Latina y el Caribe, Santiago, Chile.

Glennerster, H., Lupton, R., Noden, P., & Power, A. (1999). Poverty, social exclusion and neighbourhood: Studying the area bases of social exclusion [Case Paper 22]. London School of Economics, Centre for Analysis of Social Exclusion. London School of Economics and Political Science, London, UK.

Kaztman, R. (1999) Marco conceptual sobre activos, vulnerabilidad y estructura de oportunidades. In R. Kaztman, Activos y estructuras de oportunidades: Etudios sobre as raíces de la vulnerabilidad social en Uruguay. Montevideo: Cepal.

Kaztman, R., & Filgueira, C. (1999). Marco conceptual sobre activos, vulnerabilidad y estructura de oportunidades. Comisión Económica para América Latina y el Caribe-Cepal. Oficina de Montevideo. LC/

Lupton, R., & Power, A. (2002). Social exclusion and neighbourhoods. In J. Hills, J. Le Grand, & D. Piachaud (Eds.), Understanding social exclusion (pp. 118-140). Oxford, UK: Oxford University Press.

Moser, C. (1998) The asset vulnerability framework: Reassessing urban poverty reduction strategies. World Development, 26(2), 1-19.doi:10.1016/S0305-750X(97)10015-8

MVD/R.176.Rev.1. Kleinman, M. (1998). Include me out? The new politics of place and poverty [Case Paper 11]. London School of Economics, Centre for Analysis of Social Exclusion.

Raczynski, D. (2002). Equidad, inversion social y pobreza: Innovaren como se concibe, diseña y gestionalas politicas y los programas sociales. Mimeo. Documento preparado para el Seminario Perspectivas Innovativas en Política Social. Desigualdades y Reducción de Brechas de Equidad, Mideplan – Chile: Cepal.

Rego, W. D. L., & Pinzani, A. (2013). Vozes do Bolsa Família. São Paulo, SP: Unesp.

Richardson, L., & Mumford, K. (2002). Community, neighbourhood, and social infrastructure. In J. Hillset al. (Eds.), Understanding social exclusion (pp. 202-225). Oxford,

Torres, H. da G., & Marques, E. (2004). Políticas sociais e território: Uma abordagem metropolitana. São Paulo Perspectiva,18(4), 2838. doi:10.1590/S0102-88392004000400005

USA: Oxford University Press. Sen, A. (2010). Desenvolvimento como liberdade (Tradução Laura Teixeira Motta). São Paulo, SP: Companhia das Letras.