'Copacabana' e 'E Se Vivêssemos Todos Juntos?': Um Ensaio sobre as Contribuições do Cinema acerca da Velhice na Contemporaneidade Outros Idiomas

ID:
52603
Resumo:
A velhice é um tema que tem povoado as produções cinematográficas, contribuindo para a disseminação de determinadas representações sociais, legitimando comportamentos e modos de vida. Mas qual é realmente o lugar do velho na sociedade contemporânea? A criação recente de categorias como a Terceira Idade revela um discurso positivo sobre a velhice, destacando um ideal de sujeito ativo, saudável e produtivo. As organizações, sejam elas governamentais, empresas ou da sociedade civil constroem discursos e práticas a partir dessas representações, (re)produzindo-as. Nesse sentido, temos como objetivo neste ensaio analisar como a velhice é apresentada e problematizada nos filmes "Copacabana" e "E se vivêssemos todos juntos?", tendo como pano de fundo a crítica sobre o lugar ocupado pelo velho na sociedade contemporânea. As discussões trazidas visam refletir sobre quem são esses sujeitos e as especificidades que lhes são características, as quais escapam de categorizações genéricas e abstratas como a de Melhor Idade.
Citação ABNT:
BARRETO, R. O.; CARRIERI, A. P. 'Copacabana' e 'E Se Vivêssemos Todos Juntos?': Um Ensaio sobre as Contribuições do Cinema acerca da Velhice na Contemporaneidade . Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, v. 5, n. 14, p. 1218-1264, 2018.
Citação APA:
Barreto, R. O., & Carrieri, A. P. (2018). 'Copacabana' e 'E Se Vivêssemos Todos Juntos?': Um Ensaio sobre as Contribuições do Cinema acerca da Velhice na Contemporaneidade . Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 5(14), 1218-1264.
DOI:
https://doi.org/10.25113/farol.v5i14.4398
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52603/-copacabana--e--e-se-vivessemos-todos-juntos----um-ensaio-sobre-as-contribuicoes-do-cinema-acerca-da-velhice-na-contemporaneidade-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Debert, G. G. (1997). A reinvenção da terceira idade e a rearticulação de formas de consumo e demandas políticas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 12(34), 39-56.

Arendt, H. (1997). A condição humana (8a ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Barreto, R. O. & Paula, A. P. P. (2015). Envelhecer ou não envelhecer, não é a questão: os desafios subjetivos inerentes ao trabalho com idosos. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Belo Horizonte, MG, Brasil, XXXI.

Beauvoir, S. (1990). A velhice: realidade incômoda (2a ed.). São Paulo: Difel. [1970]

Belchior, C. G. & Santana, C. S. (2013). A velhice nas telas do cinema: um olhar sobre a mudança dos papéis ocupacionais dos idosos. Revista Kairós Gerontologia, 16(2), 93116.

Birman, J. (2009). Mal-estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação (2a ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Bosi, E. (1983). Memórias e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: T. A. Queiroz.

Brasil. (2016). Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico HIV/AIDS. v. 48. Recuperado em 20 janeiro, 2018, de: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/janeiro/05/2016_034Aids_publicacao.pdf.

Cabrera, J. (2006). O cinema pensa. Rio de Janeiro: Rocco.

COPACABANA. (2001). Direção: Carla Camurati. [Brasil]: Europa filmes; Imagem filmes. 1 DVD (92 min.).

Debert, G. G. (1999). A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: EDUSP.

Debert, G. G. (2008). A antropologia e o estudo dos grupos e das categorias de idade. In: M. M. L. Barros (Ed.) Velhice ou terceira idade? Rio de Janeiro: FGV.

Deleuze, G. (1992). Conversações. São Paulo: 34. Doll, J. (2006). Bem-estar na velhice: mitos, verdades e discursos, ou a gerontologia na pós-modernidade. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, 3(1), 9-21.

Dornelas Neto, J., Nakamura, A. S., Cortez, L. E. R., & Yamaguchi, M. U. (2015). Doenças sexualmente transmissíveis em idosos: uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva, 20(12), 3853-3864. E se vivêssemos todos juntos? Direção: Stéphane Robelin. [França, Alemanha]: Imovision. 1 DVD. (92 min.)

Foucault, M. (2010). Nascimento da biopolítica: Lisboa: Edições 70.

Huczynski, A. & Buchanan, D. (2004). Theory from fiction: a narrative process perspective on the pedagogical use of feature film. Journal of Management Education, 28(6), 707-726.

Lasch, C. (1983). A cultura do narcisismo: a vida americana numa era de esperanças em declínio. Rio de Janeiro: Imago.

Machado, R. (2009). Deleuze, a arte e a filosofia. Rio de janeiro: Jorge Zahar.

Marques, S. C. A. (2009). O cinema da paixão: cultura espanhola na mídia. Tese de doutorado, Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, Sp, Brasil.

Marques, S. C. A. (2013). O cinema como ferramenta de análise e transformação cultural: o franquismo em Bigas Luna. Semeiosis: Semiótica e Transdisciplinaridade em Revista. Recuperado em 20 janeiro, 2018, de: http://www.semeiosis.com.br/u/64.

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, 22(37), 7-32.

Mucida, Â. (2006). O sujeito não envelhece: psicanálise e velhice (2a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Nascimento, F. D. S. (2011). Velhice feminina: emoção na dança e coerção do papel de avó. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, 10(30), 457-505.

Oliveira, M. L., Oliveira, S. R., & Iguma, L. T. (2007). O processo de viver nos filmes: velhice, sexualidade e memória em Copacabana. Texto Contexto Enfermagem, 16(1), 157-162.

Peixoto, C. E. (1999). As imagens da velhice nas telas do cinema documentário. Cadernos Pagu, 13, 357-369.

Peres, M. A. C. (2007). Velhice, trabalho e cidadania: as políticas da terceira idade e a resistência dos trabalhadores idosos à exclusão social. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Pesavento, S. J. (2003). História e história cultural. Belo Horizonte: Autêntica.

Rosenberg, R. L. (1992). Envelhecimento e morte. In: M. J. Kovács. Morte e desenvolvimento humano (pp. 58-89). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Sais, A. P. (2011). Dispositivo da velhice: uma analítica interpretativa. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Santos, E. G. & Araújo, M. C. (2016). A velhice no século XXI e o cinema – relações com o ensino de biologia. Revista da SBEnBio, 9, 1263-1274.

Santos, M. C. (2013). Construções imaginárias da velhice no cinema brasileiro. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Santos, S. S. (2006). Sexualidade e a velhice: uma abordagem psicanalítica. In: E. V. Freitas, L. Py, F. A. X. Cançado, J. Doll, & M. L. Gorzoni. (Orgs.). Tratado de geriatria e gerontologia (2a ed.) (pp. 1302-1306).. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Tótora, S. (2013). Genealogia da velhice. Anais do Simpósio Nacional de História, Natal, RN, Brasil, XXVII.

Wanderley, A. A. R. (1999). Narcisismo contemporâneo: uma abordagem laschiana. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 9(2), 31-47.

Wong, L. L. R. & Carvalho, J. A. (2006). O rápido processo de envelhecimento populacional do Brasil: sérios desafios para as políticas públicas. Revista Brasileira Estudos Populacionais, 23(1), 5-26.