Razão e Administração: Revisitando Alguns Elementos Fundamentais Outros Idiomas

ID:
52635
Periódico:
Resumo:
As ações e os processos administrativos parecem estar em um período pós-racional, no qual a racionalidade se tornou uma palavra mal compreendida, sendo a ação racional comumente associada ao cientificismo e à tecnocracia. Acreditamos que esse estereótipo pode ter um fundo de verdade, mas é, sobretudo, baseado em um mal-entendido fundamental que buscamos esclarecer. Assim, o objetivo deste ensaio teórico é revisitar o conceito de razão, base de toda ciência social, a partir da argumentação de que ela é una e indivisível, sendo denominada aqui razão lúcida. Após um resgate da concepção clássica de razão e sua transavaliação do período moderno, essa contextualização forneceu bases para responder a seguinte pergunta: “como formular uma razão da práxis apta a guiar a própria práxis pelos caminhos de um procedimento racional?”. Sugerimos que a resposta se encontra na razão lúcida, constituída pela unidade entre a prudência (phrónesis), pautada por uma lógica contextual e instrumental, e as intenções, baseadas na razão em seu sentido substantivo. É a partir desse conceito que podemos compreender a tensão experimentada nas organizações, inerente à vida da razão, por meio de uma atitude parentética. Concluímos que, assim como a razão enquanto característica humana é única, a discussão da racionalidade no contexto das organizações também deve ser pautada pela não separação literal entre duas ou mais racionalidades, mas reconhecendo a ação administrativa como racional, em seu sentido singular, com as múltiplas faculdades que a compõem.
Citação ABNT:
SANTOS, L. S.; SERAFIM, M.; PINHEIRO, D. M.; AMES, M. C. F. D. C. Razão e Administração: Revisitando Alguns Elementos Fundamentais. Cadernos EBAPE.BR, v. 17, n. 1, p. 37-48, 2019.
Citação APA:
Santos, L. S., Serafim, M., Pinheiro, D. M., & Ames, M. C. F. D. C. (2019). Razão e Administração: Revisitando Alguns Elementos Fundamentais. Cadernos EBAPE.BR, 17(1), 37-48.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395169791
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52635/razao-e-administracao--revisitando-alguns-elementos-fundamentais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALEXANDER, E. R. Rationality revisited: planning paradigms in a post-postmodernist perspective. Journal of Planning Education and Research, v. 19, n. 3, p. 242-256, 2000.

AMES, M.; COSTA, A.; SERAFIM, M. O arcabouço metodológico da teoria do desenvolvimento moral de Lawrence Kohlberg em pesquisas sobre a racionalidade nas organizações: uma análise dos resultados obtidos com o uso do Defining Issues Test-2. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. 40. 2016, Mata de São João. Anais... Mata de São João: [s.n], 2016.

ANDRIOTTI, F.; FREITAS, H.; MARTENS, C. Proposição de um protocolo para o estudo da intuição e o processo de tomada de decisão. Revista de Gestão, v. 21, n. 2, p. 163-181, 2014.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. São Paulo: Atlas, 2009.

AZEVEDO, A.; ALBERNAZ, R. A Razão d’a nova ciência das organizações. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 13, n. esp.; p. 593-604, 2015.

BOLAN, R. S. Rationality revisited: An alternative perspective on reason in management and planning. Journal of Management History, v. 5, n. 2, p. 68-86, 1999.

CAITANO, D. Phrónesis: uma saída para os limites da razão. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE EPISTEMOLOGIA E SOCIOLOGIA DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO, 6.; 2017, Florianópolis, Anais... Florianópolis: [s.n], 2017.

CEIA, C. Metonímia. In: CEIA, C. (Coord.). E-dicionário de termos literários (EDTL). [2017]. . Acesso em: 11 abr. 2017.

COSTA, A. E. Desenvolvimento moral nas organizações: um estudo na associação de alcoólicos anônimos. 2015. 355 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

COSTA, A. et al. Revisitando os estudos da análise da racionalidade nas organizações no Brasil (2013-2016): como se apresentaram as tendências nestes últimos anos? In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE EPISTEMOLOGIA E SOCIOLOGIA DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO, 6.; 2017, Florianópolis, Anais... Florianópolis: [s.n], 2017.

DOMENICO, S.; PIMENTEL, F. Phrónesis nas organizações: um caminho para a mudança emergente. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE EPISTEMOLOGIA E SOCIOLOGIA DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO. 7. 2017. Florianópolis. Anais... Florianópolis: [s.n], 2017.

ENDERLE, G. The ethics of conviction versus the ethics of responsibility: A false antithesis for business ethics. Journal of Human Values, v. 13, n. 2, p. 83-94, 2007.

FREUND, J. Sociologia de Max Weber. São Paulo: Forense, 1970.

GUERREIRO RAMOS, A. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: FGV, 1989.

GUERREIRO RAMOS, A. A redução sociológica. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.

GUERREIRO RAMOS, A. Administração e contexto brasileiro: esboço de uma teoria geral da administração. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 1983.

GUERREIRO RAMOS, A. Modelos de homem e teoria administrativa. Caderno de Ciências Sociais Aplicadas, v. 3, p. 1-16, 2001.

HARVEY, P. Dicionário Oxford de literatura clássica grega e latina. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

HOBBES, T. Leviatã: ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

HORKHEIMER, M. Eclipse da razão. São Paulo: Centauro, 2002.

KAVANAGH, D. Problematizing practice: MacIntyre and management. Organization, v. 20, n. 1, p. 103-115, 2013.

KEKES, J. Rationality and the social sciences. Philosophy of the Social Sciences, v. 9, n. 1, p. 105-113, 1979.

LAPINTIE, K. Rationality revisited: from human growth to productive power. Nordic Journal of Architectural Research, v. 15, n. 1, p. 29-40, 2002.

MANNHEIM, K. O homem e a sociedade: estudos sobre a estrutura social moderna. Rio de Janeiro: Zahar, 1962.

MARCH, J. G.; SIMON, H. A. Teoria das organizações. Rio de Janeiro: FGV, 1975.

MARÍAS, J. Introdução à filosofia. São Paulo: Duas Cidades, 1966.

MEDEIROS, J.; SOUZA, W. A racionalidade na gestão do setor social: estudos em organizações de caráter solidário. Revista de Gestão, v. 18, n. 2, p. 145-158, 2011.

MINOGUE, K. Rationalism. In: BALTES, P. B.; SMELSER, N. J. (Ed.). International encyclopedia of the social & behavioral sciences. Oxford: Elsevier, 2001. p. 12775- 12778.

PINTO, J. Gobierno de trabajo y racionalidad práctica: fundamentos para una teoría de la dirección de empresas a partir del concepto de prudencia de Tomás de Aquino. Revista Empresa Y Humanismo, v. 16, n. 1, p. 27-52, 2013.

PIZZA JUNIOR, W. Razão substantiva. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 7-14, 1994.

RAZ, J. The myth of instrumental rationality. Journal of Ethics and Social Philosophy, v. 1, n. 1, p. 1-28, 2005.

SANTOS, M. F. Filosofia e cosmovisão. São Paulo: É Realizações, 2015.

SERAFIM, M. C. A Ética no espaço de produção: contribuições da economia de comunhão. 2001. 146 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

SERVA, M. et al. A análise da racionalidade nas organizações: um balanço do desenvolvimento de um campo de estudos no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, v. 13, n. 3, p. 414-437, 2015.

SIMON, H. A. Rationality in society. In: BALTES, P. B.; SMELSER, N. J. (Ed.). International encyclopedia of the social & behavioral sciences. Oxford: Elsevier, 2001. p. 12782- 12786.

SIQUEIRA, G. Epistemologia da razão substantiva de Guerreiro Ramos. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE EPISTEMOLOGIA E SOCIOLOGIA DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO. 4.; 2014, Florianópolis. Anais... Florianópolis: [s.n], 2014.

SOUTO-MAIOR, J. Racionalidades: alguns esclarecimentos. Estudos Avançados em Administração, v. 6, n. 2, p. 967-991, 1998.

SPOHN, W. The many facets of the theory of rationality. Croatian Journal of Philosophy, v. 2, p. 247-262, 2002.

STARK, R. A vitória da razão: como o cristianismo gerou a liberdade, os direitos do homem, o capitalismo e o sucesso do Ocidente. Lisboa: Tribuna da História, 2007.

VAZ, H. C. L. Escritos de filosofia II: ética e cultura. São Paulo: Loyola, 1993.

VOEGELIN, E. On readiness to rational discussion. In: HUNOLD, A. (Ed.). Freedom and serfdom. Dordrecht: D. Reidel. 1961. p. 269-284.

WEBER, M. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília, DF: UnB, 1991.

WEBER, M. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: LTC, 2002.