'Pop-Management': 15 Anos Depois – A Incorporação do 'Pop-Management' no Trabalho de Executivos de Grandes Empresas Outros Idiomas

ID:
52645
Periódico:
Resumo:
Análise sobre a forma como os executivos de alto escalão de grandes empresas nacionais e estrangeiras atuantes no Brasil, de setores variados, constroem seus argumentos para justificar a incorporação de elementos da literatura de pop-management no seu trabalho. Para alcançar nosso objetivo, revisamos a literatura sobre o pop-management e as críticas dirigidas a esse fenômeno. Quanto aos procedimentos de pesquisa, realizamos entrevistas com 12 executivos e empregamos a análise argumentativa. Nossa análise identificou quatro linhas argumentativas: (1) O pop-management é um mecanismo de apoio à tomada de decisão; (2) O pop-management fornece orientações práticas sobre como alcançar resultados; (3) O pop-management é uma ferramenta para disseminar conhecimentos às redes de relacionamento; (4) O pop-management é uma fonte para aprimoramento pessoal. Nossos achados oferecem pistas sobre como os executivos incorporam o conhecimento veiculado na literatura pop-management na realização de suas atividades, bem como sobre suas implicações. Com base nessas informações, gestores e executivos podem tomar decisões a respeito da utilização dessa literatura no seu trabalho.
Citação ABNT:
DUARTE, M. P. F. C.; MEDEIROS, C. R. O. 'Pop-Management': 15 Anos Depois – A Incorporação do 'Pop-Management' no Trabalho de Executivos de Grandes Empresas. Cadernos EBAPE.BR, v. 17, n. 1, p. 185-198, 2019.
Citação APA:
Duarte, M. P. F. C., & Medeiros, C. R. O. (2019). 'Pop-Management': 15 Anos Depois – A Incorporação do 'Pop-Management' no Trabalho de Executivos de Grandes Empresas. Cadernos EBAPE.BR, 17(1), 185-198.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395169212
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52645/-pop-management---15-anos-depois-----a-incorporacao-do--pop-management--no-trabalho-de-executivos-de-grandes-empresas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARNARD, C. As funções do executivo. São Paulo: Atlas, 1971.

BERTUOLO, C. Literatura de Autoajuda: aproprio-me, logo existo! Revista do Mestrado em Letras Linguagem, Discurso e Cultura, v. 2, n. 1, p. 77-94, 2011.

BIDERMAN, I. Fórmulas simplistas “empobrecem” livros de autoajuda. Folha de S. Paulo, São Paulo, 06 maio 2004. .

CARVALHO, J. L. F.; CARVALHO, F. A. A; BEZERRA, C. O monge, o executivo e o estudante ludibriado: uma análise empírica sobre leitura eficaz entre alunos de administração. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 535-549, 2010.

CHACON, K; MAGAN, R. O Monge e o Executivo: liderança, massificação ou disciplinarização? Pensamento Realidade, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 140-154, 2007.

CHIES, P. Z.; MARCON, S. R. Literatura de Pop-Management: a religião do trabalhador pós-moderno. Contemporânea – Psicanálise e Transdisciplinaridade, Porto Alegre, n. 6, p. 131-152, 2008.

CLARCK, T; GREATBATCH, D. Management fashion as image-spectacle: the production of best-selling management books. Management Communication Quarterly, v. 17, n. 3, p. 396-424, 2004.

CLARK, T.; SALAMAN, G. The management guru as organisational witchdoctor, Organisation, v. 3, n. 1, p. 85-107, 1996.

COOKE, B.; MACAU, F.; WOOD JUNIOR, T. Brazilian management gurus as reflexive soft-HRM practitioners: an empirical study. The International Journal of Human Resource Management, v. 24, n. 1, p. 110-129, 2013.

COSTA, A. M.; BARROS, D. F.; MARTINS, P. E. M. A alavanca que move o mundo: o discurso da mídia de negócios sobre o capitalismo empreendedor. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 357-375, 2012.

COSTA, A. S. M.; BARROS, D. F.; SARAIVA, L. A. S. Management Industry. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v.12, n. 1, p. 1-6, 2014.

CROSBY, P. B. Liderança: a arte de tornar-se um executivo. São Paulo: MccGraw-Hill, 1991.

DEEKS, J. Business and the culture of enterprise society. Westpost: Quorum Books, Connection, 1993.

DEMO, P. Auto-ajuda: uma sociologia da ingenuidade como condição humana. Petrópolis: Vozes, 2005.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 15-41.

FLICK, W. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FOLLET, M. P. Profeta do gerenciamento. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1997.

FURUSTEN, S. Popular management books: how they are made and what they mean for organizations. London: Routledge, 1999.

GAULEJAC, V. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo: Ideias & Letras, 2007.

GERMANO, I. M. P.; SÁ, D. R. O discurso pastoral-gerencial em o Monge e o Executivo. Psicologia em Estudo, v. 18, n. 1, p. 103-113, 2013.

GOLDMAN, G. The fascination with management gurus: an exploratory argument. African Journal of Business Management, v. 6, n. 3, p. 1119-1123, 2012.

GRAEBIN, F. O discurso do trabalho na literatura de autoajuda: os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes, de Stephen R. Covey, em análise. EID&A – Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, n. 5, p. 89-107, 2013.

HUCZYNSKI, A. Management gurus. New York: Routledge Kegan Paul, 1993.

ITUASSU, C. T.; TONELLI, M. J. Sucesso, mídia de negócios e a cultura do management no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 86-111, 2014.

JACKSON, B. Art for management’s sake?The new literary genre of business books. Management Communication Quarterly, v. 14, n. 3, p. 484-490, 2001.

KIESER, A. Rhetoric and myth in management fashion. Organization, v. 4, n. 1, p. 49-74, 1997.

LEITE, L.; PAIVA, K. Gestão e subjetividade: a fala dos gerentes (re)velando aspectos da função gerencial contemporânea. Revista Gestão e Tecnologia, Pedro Leopoldo, v. 9, n. 2, p. 1-19, 2009.

LIAKOPOULOS, M. Análise argumentativa. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2004.

LUCENA, R. L.; CENTURIÓN, W. C.; VALADÃO, J. A. D. Contribuições da pedagogia freireana na formação de administradores empreendedores. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 8, n. 1, p. 1-16, 2014.

MCGOVERN, P. Management gurus: the secret of their success? Business Strategy Review, v. 8, n. 3, p. 52-60, 1997.

MICKLETHWAIT, J.; WOOLDRIDGE A. Os bruxos da administração: como entender a babel dos gurus empresariais. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

MINTZBERG, H. Managing: desvendando o dia a dia da gestão. Porto Alegre: Bookman, 2010.

MINTZBERG, H. Trabalho do executivo: o folclore e o fato. São Paulo: Nova Cultural, 1986. p. 5-37.

MOURA, G. L. Hipergeneralizações: organizações são quase qualquer coisa em bestsellers de introdução à Administração. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 62-85, 2014.

OLTRAMARI, A. P.; FRIDERICHS, B. P.; GRZYBOVSKI, D. Carreira, família e a dialógica do assujeitamento: o discurso vigente em uma revista popular de negócios. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 112-130, 2014.

PAULA, A. P.; WOOD JUNIOR, T. Pop-management: tales of passion, power and profit. International Journal of Organization Theory and Behavior, v. 12, n. 4, p. 595-617, 2009.

PAULA, A. P.; WOOD JUNIOR, T. Viagem epistemológica às livrarias dos aeroportos. Administração em Diálogo, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 77-86, 2003.

PEREIRA, R. S. et al. Ensino de inovação na formação do administrador brasileiro: contribuições para gestores de curso. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 16, n. 1, p. 101-139, 2015.

PICANÇO, M. O poder da solução: a construção do mercado de literatura de autoajuda (voltada a negócios). 2013. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

PINTO, P. R. M. Iniciação ao silêncio: uma análise argumentativa do “Tractatus” de Wittgenstein. São Paulo: Loyola, 1998.

PUBLISHNEWS. Ranking anual 2015. 2015. .

RÜDIGER, F. R. Literatura de auto-ajuda e individualismo. Porto Alegre: Universidade do Rio Grande do Sul, 1996.

SARRIERA, J. C.; SILVA, M. A. O executivo pós-moderno: transformações no trabalho e subjetividade. Revista Psicologia, Organizações e Trabalho, v. 3, n. 2, p. 35-62, 2003.

SINEMMA, P. W. Self-Help. Samuel Smiles. Oxford world’s classics. Paperback. Oxford University Press, 2008.

THIERY-CHERQUES, H. R. Saturação em pesquisa qualitativa: estimativa empírica de dimensionamento. Revista PMKT, v. 2, n. 2, p. 20-28, 2009.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2008.

WOOD JUNIOR, T. Organizações espetaculares. Rio de Janeiro: FGV, 2001.

WOOD JUNIOR, T.; PAULA, A. P. P. Pop-management: a literatura popular de gestão no Brasil. São Paulo: EAESP/FGV/NPP, 2002. (Relatório de Pesquisa, n. 03/2002). p. 1-127.

WOOD JUNIOR, T.; PAULA, A. P. P. A mídia especializada e a cultura do management, Organizações & Sociedade, v. 13, n. 38, p. 91-105, 2006.

WOOD JUNIOR, T.; PAULA, A. P. P. Pop-management literature: popular business press and management culture in Brazil. Canadian Journal of Administrative Sciences, v. 25, n. 3, p. 185-200, 2008.

WOOD JUNIOR, T.; PAULA, A. P. P. Pop-management. In: Encontro Nacional de cursos de pós-graduação em Administração, 25, 2001. Anais... Campinas: ANPAD, 2001.

WOOD JUNIOR, T.; PAULA, A. P. P. Pop-management: contos de paixão, lucro e poder. Organizações & Sociedade, v. 9, n. 29, p. 39-51, 2002.