Fatores Determinantes da Intangibilidade em Companhias Abertas Familiares Outros Idiomas

ID:
52679
Resumo:
O objetivo do estudo consistiu em analisar os fatores determinantes da intangibilidade em companhias abertas familiares listadas na B3. Para tal, realizou-se pesquisa descritiva, conduzida por meio de análise documental e abordagem quantitativa dos dados, que se referem ao período de 2010 a 2015, de uma amostra composta por 154 companhias familiares. Os resultados demonstraram que as empresas do setor de telecomunicações foram as que apresentaram o maior índice médio de intangíveis no ano de 2010 a 2013, enquanto as empresas do setor de bens industriais se destacaram nos anos de 2014 e 2015. Observou-se ainda que dentre os fatores governança, competitividade, tamanho e crescimento, descritos na literatura como influenciadores do nível de intangibilidade das empresas, somente a governança e o tamanho influenciaram positivamente, enquanto a competitividade e o crescimento não. Ao final, concluiu-se que quanto melhor forem as práticas de governança e maior o tamanho das empresas, consequentemente, maior será o nível de intangibilidade.
Citação ABNT:
ALBUQUERQUE FILHO, A. R.; MACÊDO, F. F. R. R.; MOURA, G. D.; FANK, D. R. B.; HEBERLE, E. L. Fatores Determinantes da Intangibilidade em Companhias Abertas Familiares . Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, v. 23, n. 2, p. 37-52, 2018.
Citação APA:
Albuquerque Filho, A. R., Macêdo, F. F. R. R., Moura, G. D., Fank, D. R. B., & Heberle, E. L. (2018). Fatores Determinantes da Intangibilidade em Companhias Abertas Familiares . Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 23(2), 37-52.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52679/fatores-determinantes-da-intangibilidade-em-companhias-abertas-familiares-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDERSON, R. C., REEB, D. M. Founding-Family ownership and firm performance: evidence from the S&P 500. The Journal of Finance, v. 58, n. 3, P. 1301-1328, 2003.

ANTUNES, M. T. P. A influência dos Investimentos em Capital Intelectual no desempenho das empresas: Um estudo baseado no entendimento de gestores de grandes empresas brasileiras. 2004. Tese de doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil, 2004.

ARRIGHETTI, A.; LANDINI, F.; LASAGNI, A. Intangible assets and firm heterogeneity: Evidence from Italy. Research Policy, v. 43, n. 1, p. 202-213, 2014.

ASTAWA, I. P.; SUDIKA, I. P.; YULIARMI, N. N. Intangible Capital and Leverage to Improve Financial Performance of LPG Agents in Bali. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 211, p. 149-156, 2015.

BACK, M. A.; MAZON, F. S. Family business management: sustainability, growth and succession. Perspectiva, Erechim, v. 36, n. 134, p. 137-150, jun. 2012.

BASCO, R. Tipo de orientación familiar y prácticas de dirección y gobierno. Un estudio aplicado a las empresas familiares españolas. Revista Europea de Dirección y Economía de la Empresa, Madri, v. 19, n. 2, p. 129-144, 2010.

BORGES, A. F.; BRITO, M. J.; LIMA, J. B.; CASTRO, C. L. C. Empreendedorismo em empresas familiares: a pesquisa atual e os desafios futuros. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 17, n.2, p. 93-121, 2016.

BRASIL, Lei n. 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera e revoga dispositivos da Lei n. 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei n. 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras.

BRIGHENTI, J.; CHIARELLO, T. C.; ROSA, F. S. Divulgação de Ativos Intangíveis: um estudo em empresas familiares listadas na BM&FBovespa. In: CONGRESSO DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, São Paulo, 2014. Anais... São Paulo: USP.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Pronunciamento Técnico CPC 04 – Ativo intangível. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016.

COUTO, P. B. Ativos intangíveis e o desempenho econômico das empresas do novo mercado. 134 f. 2009. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2009.

DECKER, F.; ENSSLIN, S. R.; REINA, D. R. M.; REINA, D. A relação entre os ativos intangíveis e a rentabilidade das empresas listadas no índice Bovespa. Reuna, v.18, n. 4, p. 75-98, Belo Horizonte - MG, Brasil, out/dez. 2013.

DONNELLEY, R. G. A empresa familiar. Revista de Administração de Empresas, v.7, n.23, p. 161198, 1967.

FASB – Financial Accounting Standards Board. FAS 142 – Goodwill and Other Intangible Assets. Emitido em junho de 2001.

HENDRIKSEN, E. S.; VAN BREDA, M. F. Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 1999.

KAYO, E. K. A estrutura de capital e o risco das empresas tangível e intangível intensivas. 2002. Tese (Doutorado em Administração) Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, São Paulo, 2002.

KAYO, E. K.; KIMURA, H.; MARTIN, D. M. L.; NAKAMURA, W. T. Ativos intangíveis, ciclo de vida e criação de valor. Revista de Administração Contemporânea, v. 10, n. 3, p. 73-90, 2006.

KAYO, E. K.; TEH, C. C.; BASSO, L. F. C. Ativos intangíveis e estrutura de capital: a influência das marcas e patentes sobre o endividamento. Revista de Administração da Universidade de São Paulo RAUSP, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 158-168, 2006.

LA PORTA, R.; LOPEZ-DE-SILANES, F.; SHLEIFER, A. Corporate ownership around the world. Journal of Finance, v. 54, n. 2, p. 471–517, 1999.

LEITE, T. S.; SANTOS, D. F. L. A relação dos ativos intangíveis e o valor de mercado na indústria de materiais básicos do brasil. Revista Brasileira de Administração Científica, v. 4, n. 1, Aquidabã, Jan/jun, 2013.

LEONE, N. A sucessão não é tabu para os dirigentes da PME. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO – ENANPAD, 1991. Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte – MG: ANPAD.

LEONE, N. G. Sucessão na empresa familiar: preparando as mudanças para garantir sobrevivência no mercado globalizado. São Paulo: Atlas, 2005.

LEV, B. Intangibles: management, measurement, and reporting. Washington: Brookings, 2001.

LODI, J. B. A, Empresa Familiar. 5. ed. São Paulo: Pioneira, 1998.

MACHADO, J. H.; FAMÁ, R. Ativos intangíveis e governança corporativa no mercado de capitais brasileiro. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 8, n. 16, p. 89-110, Florianópolis, Brasil, jul./dez., 2011.

MARIN, J. K.; LISZBINSKI, B. B.; KRONBAUER, C. A. Análise do reconhecimento contábil de ativos intangíveis em empresas brasileiras do setor financeiro. ReCont: Registro Contábil, v. 6, n. 2, Ufal, Maceió/AL, mai./ago., 2015.

MARTIN-REYNA, J. M. S., DURAN-ENCALADA, J. A. The relationship among family business, corporate governance and firm performance: evidence from Mexican stock exchange. Journal of Family Business Strategy, 3, 106-117, 2012.

MARTINS, E. Contribuição à Avaliação do Ativo Intangível. 1972. Tese (Doutorado em Economia e Administração) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1972.

MOK, H. M. K., LAM, K., CHEUNG, I. Family control and return covariation in Hong Kong’s common stocks. Journal of Business & Accounting, v.19, n.2, p. 277-293, 1992.

MORAIS FILHO, A. C. T. D., BARONE, F. M.; PINTO, M. D. O. A produção científica em empresas familiares: um enfoque conceitual. Revista de Administração Pública, v.45, n.6, p. 19711991, 2011.

MOURA, G.D. Conformidade do disclosure obrigatório dos ativos intangíveis e práticas de governança corporativa: Uma análise de empresas listadas na Bovespa. 102f. 2011. Dissertação de Mestrado. Universidade Regional de Blumenau, SC, 2011.

MOURA, G . D.; DALCHIAVON, A.; SCHEREN, G.; ZANIN, A. Influência da competitividade no nível de intangibilidade de companhias abertas. Revista Reunir, v. 8, n. 2, p. 1-11, 2018.

MOURA, G. D.; FANK, O. L.; VARELA, P. S. Evidenciação dos ativos intangíveis pelas empresas do setor de energia elétrica listadas na BM&FBovespa. Revista contabilidade, gestão e governança, Brasília, v. 15, n. 1, p. 17-32, 2012.

MOURA, G. D.; MECKING, D. V.; SCARPIN, J. E. Competitividade de mercado, ativos intangíveis e eficiência na combinação dos ativos fixos em companhias abertas listadas na BM&Fbovespa. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 32, n. 3, p. 19-35, 2013.

MOURA, G. D.; THEISS, V.; CUNHA, P. R. Ativos intangíveis e gerenciamento de resultados: uma análise em empresas brasileiras listadas na BM&FBovespa. Revista Base (Administração e Contabilidade) da UNISINOS, v. 11, n. 2, abril-junho, 2014.

MOURA, G. D.; VARELA, P. S. Análise da conformidade das informações divulgadas sobre ativos intangíveis em empresas listadas na BM&FBovespa. Revista de administração, contabilidade e economia, v. 13, n. 2, p. 637-662, maio/agosto, 2014.

MOURA, G. D.; VARELA, P. S.; BEUREN, I. M. Conformidade do disclosure obrigatório dos ativos intangíveis e práticas de governança corporativa. Revista de Administração Mackenzie, v. 15, n. 5, p. 140-170, 2014.

NASCIMENTO, E. M.; MARQUES, Vagner Antônio; OLIVEIRA, Marleide Cerqueira de; CUNHA, Jacqueline Veneroso Alves da. Ativos intangíveis: análise do impacto do grau de intangibilidade nos indicadores de desempenho empresarial. Ref. Cont., v. 31, n. 1, p.37-35, UEM Paraná, Janeiro/abril, 2012.

PEREZ, M. M.; FAMÁ, R. Ativos intangíveis e desempenho empresarial. Revista Contabilidade e Finanças. São Paulo, v. 1, n. 40, p. 7-24, 2006.

PEREZ, M. M.; FAMÁ, R. Características estratégicas dos ativos intangíveis e o desempenho econômico da empresa. In: ENANPAD, Curitiba, 2004. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD.

RITTA, C. O.; ENSSLIN, S. R. Investigação sobre a relação entre ativos intangíveis e variáveis financeiras: um estudo nas empresas brasileiras pertencentes ao Índice IBovespa nos anos de 2007 e 2008. In: CONGRESSO DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, São Paulo, 2010. Anais... São Paulo: USP.

RITTA, C.O.; ENSSLIN, S.R.; RONCHI, S.H. A evidenciação dos ativos intangíveis nas empresas brasileiras: Empresas que apresentaram informações financeiras à Bolsa de Valores de São Paulo e Nova York em 2006 e 2007. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, Campo Largo, v. 9, n.1, p. 6275, 2010.

ROLIM, M.V. Estudo do nível de disclosure dos ativos intangíveis das empresas britânicas pertencentes ao índice FTSE.100f. 2009. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, 2009.

SHYU, J. Family ownership and firm performance: evidence from Taiwanese firms. International Journal of Managerial Finance, v.7, n.4, p. 397-411, 2011.

SILVA, F., MAJLUF, N. Does family ownership shape performance outcomes? Journal of Business Research, v.61, n.6, p. 609-614, 2008.

SILVA, M. D. L. R. D., RODRIGUES, A. M. G.; DUEÑAS, M. D. P. (2012). Disclosure of intangible assets: an empirical study of financial corporations in the Iberian Peninsula. Facoltà di Economia dell'Università di Salerno. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/jspui/handle/10316/21287. Acesso em: 07 dez. 2016.

SILVEIRA, A. M. Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade. Determinantes e Correlação com o Desempenho das Empresas no Brasil. Tese de Doutorado. São Paulo, 2004.

SRIRAM, R. S. Relevance of intangible assets to evaluate financial health. Journal of Intellectual Capital, v.9, n.3, p. 351-366. http://dx.doi.org/10.1108/14691930810891974

STEWART, T.A. Capital intelectual: A nova vantagem competitiva das empresas. Rio de Janeiro, Campus, 237 p, 1998.

SURROCA, J.; TRIBÓ, J. A.; WADDOCK, S. Corporate responsibility and financial performance: The role of intangible resources. Strategic management journal, v. 31, n. 5, p. 463-490, 2010.

SVEIBY, K.E. A Nova Riqueza das Organizações: Gerenciando e Avaliando Patrimônios de Conhecimento. Rio de Janeiro, Campus, 260 p, 1998.

TAVARES, M. F. N. Reconhecimento, mensuração e evidenciação contábil: Um estudo sobre o nível de conformidade das empresas listadas na Bovespa com o CPC 01 – Redução ao valor recuperável de ativos. 128f. 2010. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, PE, 2010.

TSAI, C.; LU, Y.; YEN, D. C. Determinants of intangible assets value: The data mining approach. Knowledge-Based Systems, v. 31, p. 67-77, 2012.