Um Olhar Acolhimento Colonial Vicentino: Uma Proto-História da Hospitalidade e seus Meios de Hospedar na América Portuguesa Outros Idiomas

ID:
52765
Periódico:
Resumo:
Este estudo trata das primeiras maneiras de hospedagem do visitante (viajante diverso) e seu papel referencial com o equipamento e a formação físico-territorial resultante da hospitalidade no interior da América portuguesa. Esta pesquisa tem forte apelo exploratório, buscando apresentar valores conceituais das primeiras formas de hospitalidade no continente sul-americano. Assim, realiza-se levantamento bibliográfico acerca do modo como a residência bandeirista, a viagem, a visitação e a hospedagem são tratadas nos séculos XVI e XVII. Estende-se para outras possibilidades de hospedagem protocomercial disponíveis para o visitante, confrontando-as com a formação dos núcleos urbanos estabelecidos nas capitanias de São Vicente e Santo Amaro (área inicial do atual estado de São Paulo). Entretanto, poucas referências sobre esses núcleos contribuem para os questionamentos propostos. Desta maneira, contrastando com essas bases bibliográficas, esquemas das divisões espaciais das edificações são utilizados, realizando estudo específico fundamentado na história da arquitetura brasileira. Portanto, parte da casa do bandeirante é reconhecida como espaço independente de hospedagem, atendendo assim o objetivo de pontuar esta possibilidade no início do período colonial, ainda pouco tratada na literatura brasileira. Um panorama acerca da questão é também apresentado.
Citação ABNT:
CÉSAR, P. A. B.; DIÓGENES, C. M. Um Olhar Acolhimento Colonial Vicentino: Uma Proto-História da Hospitalidade e seus Meios de Hospedar na América Portuguesa. Turismo em Análise, v. 29, n. 1, p. 144-163, 2018.
Citação APA:
César, P. A. B., & Diógenes, C. M. (2018). Um Olhar Acolhimento Colonial Vicentino: Uma Proto-História da Hospitalidade e seus Meios de Hospedar na América Portuguesa. Turismo em Análise, 29(1), 144-163.
DOI:
http://dx.doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v29i1p144-163
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52765/um-olhar-acolhimento-colonial-vicentino--uma-proto-historia-da-hospitalidade-e-seus-meios-de-hospedar-na-america-portuguesa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abreu, J. C. (1988). Capítulos de história colonial: 1500-1800 (7ª ed. rev.). Belo Horizonte,

Agê Junior, A. G. (1979). São José dos Campos e sua história. São José dos Campos, SP: Prefeitura Municipal.

Alfred A. Knopf. Mayumi, L. (2008). Taipa, canela-preta e concreto: estudo sobre o restauro de casas bandeiristas. São Paulo, SP: Romano Guerra.

Andrade, N., Brito, P. L., & Jorge, W. E. (2000). Hotel: planejamento e projeto (2ª ed.). São Paulo, SP: Senac.

Biblioteca Nacional da França.(2012). Carta corográfica da parte da Capitania de S. Paulo que confina com a Capitania de Minas Geraes em que se mostram as diversas divisões que em differentes tempos se tem feito entre estas duas Capitanias (c. 1749). Recuperado de https://bit.ly/2JyXWhb

Blainey, G. (2012). Uma breve história do cristianismo. Curitiba, PR: Fundamento.

Brunet, R.(1992). Les mots de la géographie. Paris, França: Reclus-Documentation Française.

Buarque de Holanda, S. B. (Org.). (1989). História geral da civilização brasileira (8ª ed., Tomo 1: A época colonial). Rio de Janeiro, RJ: Bertrand.

Buarque de Holanda, S. B. (Org.). (1993). História geral da civilização brasileira (7ª ed., Tomo 1: A época colonial, Vol. 2). Rio de Janeiro, RJ: Bertrand.

Calixto, B.(1924). Capitanias paulistas: São Vicente, Itanhaém, São Paulo. São Paulo, SP: s.n.

Candido, A. (2010). Os parceiros do rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista (11ª ed.). Rio de Janeiro, RJ: Ouro sobre Azul.

Cavenaghi, A. J. (2011). Hotéis paulistanos: das razões da hospedagem urbana na cidade de São Paulo e as notícias em almanaques e memoriais do século XIX. Turismo em Análise, 22(1), 119-145. Recuperado de https://bit.ly/2JtTMUs

César, P. A. B., Machado, D. F. C. (2011). Para aguçar o paladar: discussões iniciais sobre a relação entre alimentação e o espaço social. In A. M. P. Possamai, & R. Peccini, Turismo, história e gastronomia: uma viagem pelos sabores (pp. 75-94). Caxias do Sul, RS: Educs.

Cortesão, J. (1958). Raposo Tavares e a formação territorial de Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Ministério da Educação e Cultura.

Ellis Junior, A. (1934). O bandeirismo paulista. São Paulo, SP: Nacional

Ellis Junior, A. (1948). Meio século de bandeirismo. São Paulo, SP: Nacional.

Evans, S., & Silva, S. D. (2017). Crossing the Green Line: frontier, environment and the role of bandeirantes in the conquering of Brazilian territory. Fronteiras, 6(1), 120-142. Recuperado de https://bit.ly/2M8OTlv

Franco, F. A. C. (1940). Bandeiras e bandeirantes de São Paulo. São Paulo, SP: Nacional.

Fundação Biblioteca Nacional. (2017). Mapa dos confins do Brazil com as terras de coroa de Espanha na América Meridional (1749). Recuperado de https://bit.ly/2JsLuMR

Grinover, L. (2007). A hospitalidade, a cidade e o turismo. São Paulo, SP: Aleph.

Leite, A. (1954). Subsídio para a história da civilização paulista. São Paulo, SP: Saraiva.

Lemos, C. A. C (1974). Casa colonial paulista. São Paulo, SP: EdUSP.

Lemos, C. A. C. (1976). Cozinha, etc.: um estudo sobre as zonas de serviço da Casa Paulista. São Paulo, SP: Perspectiva.

Lemos, C. A. C.(1999). Casa paulista: história das moradias anteriores ao ecletismo trazido pelo café. São Paulo, SP: EdUSP.

Machado, A. (1980). Vida e morte do bandeirante. Belo Horizonte, MG: Itatiaia; São Paulo,

Mendes, C., Veríssimo, C., Bittar, W. (2009). A arquitetura no Brasil: de Cabral a Dom João II. Rio de Janeiro, RJ: Imperial Novo Milênio.

Mesgravis, L.(2004). Capítulo 3. In P. Porta (Org.), História da cidade de São Paulo, a cidade colonial (Vol. 1, pp. 115-144). São Paulo, SP: Paz e Terra.

MG: Itatiaia; São Paulo, SP: EdUSP. Abreu, M. A. (2014). Escritos sobre espaço e história. Rio de Janeiro, RJ: Garamond.

Morse, R. M.(Ed.).(1965). The bandeirantes: the historical role of the Brazilian Pathfinders. New York, NY: Alfred A. Knopf.

Raminelli, R.(1994). Da vila ao sertão: os mamelucos como agentes da colonização. Revista de História, (129-131), 209-219. Recuperado de https://bit.ly/2JjFkCv

Ribeiro, D. (1995). O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil (2ª ed.). São Paulo,

Saia, L. (1995). Morada paulista (3ª ed.). São Paulo, SP: Perspectiva.

Setubal, M. A. (Org.). (2004). A formação do estado de São Paulo, seus habitantes e os usos da terra. São Paulo: Cempec, Ioesp.

Shirley, R.(1977). O fim de uma tradição: cultura e desenvolvimento no município de Cunha. São Paulo, SP: Perspectiva.

Silva, M. B. N. (Org.). (2009). História de São Paulo colonial. São Paulo: Unesp.

Silva, V. A.(2004). Paulista em movimento: bandeira, monções e tropas. In M. C. B. Carvalho (Coord.), Terra paulista: história, artes, costumes (pp. 55-102). São Paulo, SP: Ioesp.

Simmel, G. (2004). Sociologia da refeição. Estudos históricos, (33), 159-166.

SP: Companhia das Letras. Rocha-Peixoto, G. (2000). Reflexos das luzes na terra do sul. São Paulo, SP: ProEditores.

SP: EdUSP. Machado, J. A. (1965). Life and death of the bandeirante. In R. M. Morse (Ed.), The bandeirantes: the historical role of the Brazilian Pathfinders.New York:NY:

Taunay, A. E. (1975). História das bandeiras paulistas (Vol. 1-3, 3ª ed.). São Paulo, SP: Melhoramentos.

Telles, A. C. S.(2008).Ocupação do litoral, entradas para o interior do continente e definição das fronteiras. In B. E. P. Bricca, & P. R. S. Bricca (Orgs.), Arquitetura na formação do Brasil (2ª ed., pp. 18-77). Brasília, DF: Unesco: Iphan

Toledo, R. P. (2003). A capital da solidão: uma história de São Paulo das origens a 1900. Rio de Janeiro, RJ: Objetiva.

Zequini, A.(2004). A fundação de São Paulo e os primeiros paulistas: indígenas, europeus e mamelucos. In M. A. Setubal (Org.), A formação do estado de São Paulo, seus habitantes e os usos da terra (pp. 29-54). São Paulo, SP: Cempec, Ioesp.