Relacionamento entre Multinacionais e Parceiros na Perspectiva de Inovações em Gestão na Cadeia de Valor Outros Idiomas

ID:
52780
Resumo:
Este estudo teve como objetivo analisar as possíveis relações entre competências territoriais e inovações em gestão na cadeia de valor, em polos econômicos formados nos entornos de corporações multinacionais. Inovação em gestão, nesse contexto, concentra-se na evolução dos processos decorrentes da interação entre as empresas, na perspectiva de quatro dimensões: relações eficazes entre empresas; flexibilidade nas práticas de gestão internas e externas; preservação de recursos esgotáveis e do meio ambiente; geração de conhecimento e aprendizagem interativa. Trata-se de estudo teórico-empírico, exploratório, essencialmente qualitativo. Inicialmente foi construído um modelo teórico-metodológico que fundamentou as análises da pesquisa empírica, em que foram utilizadas duas abordagens metodológicas em três etapas distintas. Os resultados apontam que as relações entre as multinacionais e seus parceiros vêm se consolidando, especialmente na dimensão geração de conhecimento e aprendizagem interativa. O modelo conceitual mostrou-se adequado para análises de comportamento inovativo na cadeia de valor e pode ser adotado em estudos futuros para se efetuar análises comparativas entre as regiões.
Citação ABNT:
PITTERI, S.; FELDMANN, P. R. Relacionamento entre Multinacionais e Parceiros na Perspectiva de Inovações em Gestão na Cadeia de Valor. Desenvolvimento em Questão, v. 17, n. 46, p. 25-44, 2019.
Citação APA:
Pitteri, S., & Feldmann, P. R. (2019). Relacionamento entre Multinacionais e Parceiros na Perspectiva de Inovações em Gestão na Cadeia de Valor. Desenvolvimento em Questão, 17(46), 25-44.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2019.46.25-44
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52780/relacionamento-entre-multinacionais-e-parceiros-na-perspectiva-de-inovacoes-em-gestao-na-cadeia-de-valor/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARAUJO, L.; DUBOIS, A.; GADDE, L. The Multiple Boundaries of the Firm. Journal of Management Studies, v. 40, n. 5, p. 1.255-1.277, jul. 2003.

ARGYRES, N. S. Evidence on the role of firm capabilities in vertical integration decisions. Strategic Management Journal, v. 17, n. 2, p. 129-150, 1996.

BARNEY, J. B.; CLARK, D. N. Resource-Based Theory: Creating and Sustaining Competitive Advantage. Oxford; Nova York: Oxford University Press Inc., 2007. 316p.

BESANKO, D. et al. A economia da estratégia. Trad. Christiane de Brito. Revisão Herbert Kimura e Leonardo Fernando Cruz Basso. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2012. 592 p.

BRESCIANI, L. P. et al. Mecanismos de articulação territorial e a formação de polos de inovação na aglomeração industrial espacial (AIE) de São Paulo. Apoio Fapesp. Relatório final do projeto de auxílio pesquisa, processo n. 2011/51267-1.2013. Disponível em: .

CAMAGNI, R. On the Concept of Territorial Competitiveness: sound or misleading? Urban Studies, v. 39, n. 13, p. 1-23, 2002.

CARNEIRO, R. Direito ambiental: uma abordagem econômica. Rio de Janeiro: Forense, 2003. 162p.

CASTRO, A. C. Construindo pontes: inovação, organizações e estratégia como abordagens complementares. Revista Brasileira de Inovação, v. 3, n. 2, p. 449-473, 2004.

CAVALCANTI, B. S. O gerente equalizador. Estratégias de gestão no setor público. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2005. 280p.

CONNER, K. R. A historical comparison of resource-based theory and five schools of thought within industrial organization economics: do we have a new theory of the firm? Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 121-154, 1991.

DANTAS, V.; VIALLI, A. Preocupação social nas compras. O Estado de São Paulo, B18, Negócios, 24 jan. 2007.

DEDECCA, C.; MONTALI, L.; BAENINGER, R. Regiões metropolitanas e pólos econômicos do Estado de São Paulo: desigualdades e indicadores para as Políticas Sociais. São Paulo: Finep; NEPP; Nepo; IE; Unicamp, mar. 2009.

DICKEN, P. Mudança global: mapeando as novas fronteiras da economia mundial. 5. ed. Trad. Teresa Cristina Felix de Souza. São Paulo: Bookman, 2010.

FLEURY, M. T. L.; FLEURY, A. C. C. Alinhando estratégias e competências. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 44, n. 1, p. 44-57, 2004.

FOSS, Nicolai J. The Resource-Based Perspective: An assessment and diagnosis of problems. Scandinavian Journal of management, v. 14, n. 3, p. 133-149, 1998.

FOSS, Nicolai J.. Strategy, economic, organization and knowledge economy: The coordination of firms and resources. Oxford: Oxford University Press, 2005.

HAMEL, Gary. O laboratório de inovação em gestão. HSM Management, n. 58, p. 121-124, set./out. 2006.

LANGLOIS, R. N. Transaction-cost Economics in Real Time. Industrial and Corporate Change, v. 1, n. 1, p. 99-127, 1992.

MAKADOK, R. Toward a synthesis of the resource-based and dynamic-capability views of rent creation. Strategic Management Journal, v. 22, p. 387-401, 2001.

MANUAL DE OSLO. Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. OECD; Finep, 2005.

PEREIRA, A. J.; DATHEIN, R. Sistema Nacional de Inovações e comportamento inovativo das grandes empresas nacionais e estrangeiras da indústria de transformação brasileira. Porto Alegre: UFRGS; FCE; Deri, 2012. Ordem alf.

PESQUISA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA (Pintec). Pesquisa de Inovação. Bancos de Dados. 2000, 2003, 2005. Disponível em: .

PETERAF, Margaret A. The Cornerstones of Competitive Advantage: A Resource-Based View. Strategic Management Journal, v. 14, p. 179-191, 1993.

PIKE, Andy; RODRÍGUEZ-POSE, Andrés; TOMANEY, John (Ed.). Handbook of Local and Regional Development. London and New York: Routledge, 2011.

PIKE, Andy; RODRÍGUEZ-POSE, Andrés; TOMANEY, John. Local and Regional Development. New York: Routledge, 2006. 310 p.

PITTERI, S.; BRESCIANI, L. P. Competências territoriais em perspectivas teóricas e empíricas: o caso do Complexo Portuário de Santos, SP. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 11, n. 1, p. 243-272, jan./abr. 2015, Taubaté, SP, Brasil.

PITTERI, S.; FELDMANN, P. R.; BRESCIANI, L. P. As condições globais-locais e os grupos transnacionais: uma análise do cenário pós-industrial e suas implicações para a internacionalização de empresas. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 35, n. 1, p. 101-122, jun. 2014.

PORTER, M. E. Clusters and the New Economics of Competition. Harvard Business Review, Reprint 98.609, p. 77-90, 1998.

PORTER, M. E. Competição = On Competition: estratégias competitivas essenciais. Trad. Afonso Celso Serra. 10. ed. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 1999. 515 p.

PORTER, M. E. How Competitive Forces Shape Strategy. Harvard Business Review, p. 137-156, mar./abr. 1979.

PORTER, M. E.; STERN, S. Inovação e localização de mãos dadas. HSM Management, n. 30, p. 118-125, jan./fev. 2002.

PRAHALAD, C. K; HAMMEL, G. A competência essencial da corporação. In: MONTGOMERY, C. A.; PORTER, M. E. (Org.). Estratégia: a busca da vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1998. p. 293-316.

SAES, M. S. M. Diferenciação e apropriação da quase-renda na agricultura: a cafeicultura de pequena escala. Tese (Livre Docência) – Faculdade de Economia e Administração, Universidade de São Paulo, 2008. 162 p.

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (Sebrae). Micro e pequenas empresas geram 27% do PIB do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2015b.

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (Sebrae). Onde estão as micro e pequenas empresas no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2015a.

SILVA, M. S. Desenvolvimento econômico versus meio ambiente: um conflito insustentável. Economic Development versus Environment: one Conflict Unbearable. Hiléia: Revista do Direito Ambiental da Amazônia, n. 16, p. 143-157, jan./jun. 2011.

STORPER, Michael. The regional world: territorial development in a global economy. New York; London: The Guilford Press, 1997. 338p.

TEECE, D. J.; PISANO, G.; SHUEN, A. Dynamic Capabilities and Strategic Management. Strategic Management Journal, v. 18, n. 7, p. 509-533, ago. 1997.

THIRY-CHERQUES, H. R. Saturação em pesquisa qualitativa: estimativa empírica de dimensionamento. Af-Revista PMKT, p. 20-27, 2009.

VARGAS, E. R.; ZAWISLAK, P. A. Inovação em serviços no paradigma da economia do aprendizado: a pertinência de uma dimensão espacial na abordagem dos sistemas de inovação. RAC, v. 10, n. 1, p. 139-159, jan./mar. 2006.

WERNERFELT, B. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, v. 5, p. 171-180, 1984.

ZARIFIAN, Philippe. La compétence en débat: Présentation de l’ouvrage de Philippe Zarifian, Objectif compétence [note critique]. Damien Brochier. Formation Emploi, v. 67, n. 1, p. 137-140, 1999.

ZAWISLAK, P. A. Uma abordagem evolucionária para análise de casos de inovação no Brasil. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 17, n. 1, p. 323-354, 1996.