Visões Empreendedoras: Um Estudo Comparativo entre Especialistas das Cinco Maiores Economias em Relação aos Especialistas de Países Membros do Mercosul Outros Idiomas

ID:
52782
Resumo:
Este artigo tem como propósito compreender como os cinco países com maior PIB (EUA, China, Japão, Alemanha e Reino Unido) e cinco países membros do Mercosul (Brasil, Argentina, Colômbia, Chile e Uruguai) percebem o empreendedorismo. Dessa forma, o objetivo deste trabalho busca identificar quais dimensões demonstram a existência de opiniões iguais e/ ou divergentes relacionadas ao empreendedorismo entre especialistas que participaram da edição Global Entreperneurship Monitor (GEM) 2012. Quanto ao método configura-se como quantitativo de caráter exploratório. A fonte dos dados é secundária, oriunda da pesquisa GEM 2012 e disponibilizadas por meio do site http://www.gemconsortium.org/. Para tratamento destes dados utilizou-se estatística descritiva e multivariada. Como resultado descobriu-se nove dimensões que atenderam aos pressupostos, sendo discutidos neste trabalho apenas três: Direito de Propriedade Intelectual; Programas Governamentais e Mulher Empreendedora. Desta discussão constatou-se que embora a cultura social dos países com maior PIB seja ligeiramente mais agressiva que a cultura social existente entre os países membros do Mercosul, as percepções de seus especialistas confirmam a visão de pesquisadores ao afirmarem que o empreendedor enxerga novos mercados em ambientes caóticos e cercados de incertezas, cujo risco é o critério para a busca de oportunidades.
Citação ABNT:
PATAH, L. A.; FERREIRA, H. L.; PUGAS, M. A. R. Visões Empreendedoras: Um Estudo Comparativo entre Especialistas das Cinco Maiores Economias em Relação aos Especialistas de Países Membros do Mercosul . Desenvolvimento em Questão, v. 17, n. 46, p. 56-73, 2019.
Citação APA:
Patah, L. A., Ferreira, H. L., & Pugas, M. A. R. (2019). Visões Empreendedoras: Um Estudo Comparativo entre Especialistas das Cinco Maiores Economias em Relação aos Especialistas de Países Membros do Mercosul . Desenvolvimento em Questão, 17(46), 56-73.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2019.46.56-73
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52782/visoes-empreendedoras--um-estudo-comparativo-entre-especialistas-das-cinco-maiores-economias-em-relacao-aos-especialistas-de-paises-membros-do-mercosul-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACS, Z. J.; AUDRETSCH, D. B. Innovation and firm size in manufacturing. Technovation, v. 7, n. 3, p. 197-210, 1988.

ACS, Z. J.; AUTIO, E.; SZERB, L. National Systems of Entrepreneurship: Measurement Issues and Policy Implications. Research Policy, v. 43, n. 3, 2014.

ACS, Z. J.; DAVID, B. A. Innovation in Large Small Firms: An Empirical Analysis. American Economic Review, v. 78, n. 4, 1988.

ALDRICH, H. Organizations and Environments. Califórnia; Redwood City: Stanford University Press, 2008.

AMORIM, R. O.; BATISTA, L. E. Empreendedorismo feminino: razão do empreendimento. Núcleo de Pesquisa da Finan., v. 3, n. 3, 2012.

AUSTIN, Robert D., NOLAN, Richard L. Bridging the Gap Between Stewards and Creators. MIT Sloan Management Review, v. 48, n. 2, p. 29-36, 2007.

AUTIO, E.; KRONLUND, M.; KOVALAINEN, A. High-growth SME support initiatives in nine countries: Analysis, categorization, and recommendations. Helsink: Ministry of Trade and Industry, 2007.

AUTIO, E.; RANNIKKO, H. Retaining winners: Can policy boost high-growth entrepreneurship? Research Policy, v. 45, n. 1, p. 42-55, 2016.

BIRCH, D. Who creates jobs? The Public Interest, v. 65, 1981.

BNDES. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. BNDES Automático. 2016. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/bndesautomatico. Acesso em: 12 jun. 2016.

BORGES, C. et al. Perfil das recomendações dos pesquisadores brasileiros às políticas públicas de empreendedorismo. Administração Pública e Gestão Social, v. 5, n. 1, p. 2-9, 2013.

BRASIL, G. DO. Programa Crescer oferece microcrédito a pequenos empreendedores. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2012/02/programa-crescer-oferece-microcredito-a-pequenos-empreendedores.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Presidência da República Casa Civil, Brasília, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ constituicaocompilado.htm. Acesso em: 2 jul. 2016.

BROOKS, Arthur C. Social entrepreneurship: A modern approach to social value creation. Upper Saddle River, NJ: Pearson Prentice Hall, 2009.

CASSOL, N. K. A produção científica na área de empreendedorismo feminino: análise dos estudos indexados na base de dados do Institute for Scientific Information (ISI). Blumenau: Universidade Regional de Blumenau, 2006.

CASSONS, M. The Entrepreneur. Totowa: Barnes and Noble Books, 1982.

DAVIS, S. J.; HALTIWANGER, J.; SCHUH, S. Small Business and Job Creation: Dissecting the Myth and Reassessing the Facts. Small Business Economics, v. 8, n. 4, 1996.

DOLABELA, F. O segredo de Luísa. São Paulo: Cultura, 2006.

DOPFER, K.; FOSTER, J.; POTTS, J. Micro-meso-macro. J Evol Econ., 14, 2004.

DURAND, RODOLPHE; VERGNE, J. P. The pirate organization: Lessons from the fringes of capitalism. Cambridge, MA: Harvard Business Press, 2013.

GARSON, D. Hierarchical Linear Modeling. Nova York: Sage, 2012.

GARSON, G. David. Testing of assumptions. In: GARSON, GD Statnotes: Topics in Multivariate Analysis. Disponível em: http://www2.chass.ncsu.edu/garson/pa765.statnote.html. Acesso em: 20 maio 2007.

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR – BRASIL. GEM. Relatório Técnico 2015. Disponível em: http:// www.gemconsortium.org/report. Acesso em: 30 ago. 2016.

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR – BRASIL. GEM. São Paulo, 2010.

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR – BRASIL. GEM. São Paulo, 2012.

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR – BRASIL. GEM. São Paulo, 2015.

GOMES, A. F. O perfil empreendedor de mulheres que conduzem seu próprio negócio: um estudo na cidade de vitória da Conquista, Bahia. Revista Alcance, v. 11, n. 2, p. 207-226, 2004.

GOMES, A. F.; SANTANA, W. G. P.; ARÁUJO, U. P. Empreendedorismo feminino: o estado da arte. ENCONTRO DA ANPAD, 33., 2009. São Paulo: [s.n.], 2009.

GUJARATI, D. Econometria básica. São Paulo: Macron Books, 2009.

GUJARATI, D. N. Basic Econometrics. New York: The Mc-Graw Hill, 2004.

HAIR, F. J. at al. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HARPER, D. A. Property rights as a complex adaptive system: how entrepreneurship transforms intellectual property structures. Journal of Evolutionary Economics, v. 24, n. 2, 2014.

HUARNG, K.-H.; MAS-TUR, A.; YU, T. H.-K. Factors affecting the success of women entrepreneurs. International Entrepreneurship and Management Journal, v. 8, n. 4, p. 487-497, 2012.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/ apps/snig/v1/?loc=0&cat=2,-2,-3,128&ind=4733. Acesso em: 19 jun. 2016.

JENNINGS, J. E.; BRUSH, C. G. The Academy of Management Annals Research on Women Entrepreneurs. The Academy of Management Annals, May, p. 37-41, 2013.

JUNGMANN, D. M.; BONETTI, E. A. A caminho da inovação: proteção e negócios com bens de propriedade intelectual: guia para o empresário. Brasília: IEL, 2010.

LAPLUME, A. O.; PATHAK, S.; XAVIER-OLIVEIRA, E. The politics of intellectual property rights regimes: An empirical study of new technology use in entrepreneurship. Technovation, v. 34, n. 12, 2014.

MAERKER, S. Mulheres de sucesso: os segredos das mulheres que fizeram história. São Paulo: Infinito, 2000.

MAHONEY, J. T.; MCGAHAN, A. M.; PITELIS, C. N. The interdependence of privateand public interests. Organization Science, v. 20, n. 6, 2009.

MARASEA, D. C. C.; ANDRADE, P. Mulheres empreendedoras: análise de caso de uma cooperativa feminina. Simpep, 13., 2006. Bauru, São Paulo: [s.n.], 2006.

MASON, C.; BROWN, R. Creating good public policy to support high-growth firms. Small Business Economics, v. 40, n. 2, 2013.

MORRIS, M. H.; KURATKO, D. F.; COVIN, J. G. Corporate Entrepreneurship & Innovation. Mason, USA: Cengage Learning, 2011.

MUNHOZ, G. S. Quais as contribuições que o estilo feminino de liderança traz para as organizações futuras? Egepe, 1., 2000. Maringá, PR: [s.n.], 2000.

NEGRI, F. D. Inovação e produtividade: por uma renovada agenda de políticas públicas. Radar da Inovação – Repositória do Conhecimento Ipea, Brasília, v. 42, 2015.

NUNES, M. Programa de Incentivo ao Empreendedor Brasileiro. Administrares, 2010. Disponível em: http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/programa-de-incentivo-ao-empreendedor-brasileiro/43003/. Acesso em: 22 jun. 2016.

OLIVEIRA, P. G.; SOUZA NETO, B. Empreendedorismo e gestão feminina: uma análise do estilo gerencial de mulheres empreendedoras no município de São João Del-Rei, Minas Gerais. ENCONTRO DE ESTUDOS

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL (Ompi). World Intellectual Property Organization, 2011. Acesso em: 5 Junho 2016.

PESCE, B. A menina do Vale: como o empreendedorismo pode mudar sua vida. São Paulo: Ed. Abril, 2012.

PETERSON, C. Special 301 Review Public Hearing. Office of the U.S. Trade Representative. Washington, USA, 2016.

POGGESI, S.; MARI, M.; VITA, L. DE. Women entrepreneurs and work-family conflict : an analysis of the antecedents. International Entrepreneurship and Management Journal, 2017.

PORTAL-BRASIL. Com o Programa Crescer, governo apoia espírito empreendedor do brasileiro, 2013. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/governo/2013/10/presidenta-dilma-fala-sobre-programa-de-microcredito-produtivo. Acesso em: 30 jun. 2016.

PORTES, M. R. Fazendo do mercado o princípio e o fim dos esforços: algumas reflexões sobre as posturas dos empreendedores de micro e pequenas empresas. Revista Angrad, v. 2, n. 1, 2012.

REED, R.; STORRUD-BARNES, S.; JESSUP, L. How open innovation affects the drivers of competitive advantage: Trading the benefits of IP creation and ownership for free invention. Management Decision, v. 50, n. 1, p. 58-73, 2012.

ROBINS, S. P.; COULTER, M. Administração. Rio de Janeiro: PHB, 1998.

ROVER, A. J. Propriedade intelectual e o mundo digital. Disponível em: http://www.egov.ufsc.br/portal/ conteudo/texto-propriedade-intelectual. Acesso em: 12 jun. 2016.

SAFARIK, L.; WOLGEMUTH, J. R.; KEES, N. L. A feminist critique of articles about women published in the community college journal of research and practice : 1990-2000. Community College Journal of Research and Practice, v. 27, n. 9-10, p. 769-786, 2003.

SARASVANTHY, S. at al. Three views of entrepreneurial opportunity. In: ACS, Z. J.; AUDRETSCH, D. B. Handbook of Entrepreneurship Research. New York: Springer, 2003.

SCHUMPETER, J. A. The Theory of Economic Development. Oxford, UK: Oxford University Press, 1982.

SEBRAE. (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). Análise dos resultados do GEM 2015. Brasília: Sebrae, 2015.

SHANE, S.; ECKHARDT, J. The individual-opportunity nexus. In: ACS, Z. J.; AUDRETSCH, D. B. Handbook of Entrepreneurship Research, Springer. New York, USA: Springer, 2010.

SILVA, M. C.; NOGUEIRA, R. P. H.; SOARES, S. A. Perspectivas do Direito de propriedade intelectual. Revista Jurídica Cesumar, v. 10, n. 2, 2010.

SILVEIRA, A.; GOUVÊA, A. B. T. Empreendedorismo feminino: mulheres gerentes de empresas. Revista Faces de Administração, Belo Horizonte, v. 7, n. 3, 2008.

SINGH, J. V; TUCKER, D. J.; HOUSE, R. J. Organizational Legitimacy and the Liability of Newness Robert J . House. Administrative Science Quarterly, v. 31, n. 2, p. 171–193, 1986.

SOUZA, R. M. B. C. D.; MELO, M. C. D. O. L.; OLIVEIRA, M. C. D. S. M. D. Empreendedorismo na perspectiva das relações de gênero: perfil, características, desafios e satisfação de empreendedores de empresas de base tecnológica de Belo Horizonte. EGEPE, 8., 2014. Goiânia, Goiás: [s.n.], 2014.

TONELLI, M. J.; ANDREASSI, T. Mulheres Empreendedoras. GV-Executivo – FGV-EAESP, São Paulo, v. 12, 2013.