Estratégia como Prática e Organizações Familiares: Um Estudo sobre as Famílias e os Negócios na Galeria do Ouvidor em Belo Horizonte (MG) Outros Idiomas

ID:
52843
Resumo:
Nos últimos anos, o interesse por pesquisas em empreendimentos familiares tem crescido em diversas áreas, especialmente na Administração. As peculiaridades desse contexto, marcado pela afetividade, propiciam o surgimento de estratégias específicas na gestão dessas organizações. Dessa forma, o presente estudo tem como objetivo compreender as práticas cotidianas de negócio nas organizações familiares presentes na Galeria do Ouvidor, a qual foi um dos primeiros centros comerciais construídos em Belo Horizonte. Acreditamos que as organizações familiares que compõem a galeria representam um interessante campo de investigação, uma vez que essas organizações conseguem reunir, simultaneamente, características sócio-culturais e econômicas que podem revelar como um determinado grupo social, nomeadamente, o grupo familiar, se relaciona social e simbolicamente neste espaço para a construção de suas práticas cotidianas de negócio. Com a exploração dessa temática, buscamos contribuir para um aprofundamento no conhecimento da realidade organizacional familiar mineira e, assim, brasileira. Esta pesquisa é, então, provocada devido às várias vozes – sujeitos e famílias - envolvidas no processo de ocupação e desenvolvimento da Galeria do Ouvidor. Muitas dessas vozes não são escutadas quando se trata de sua realidade organizacional e social, constituindo uma alteridade. É procurando entender a interação das práticas desses sujeitos, as famílias e as organizações que se organiza este trabalho. Por meio da apuração das notas de campo de observações sistemáticas não participantes e da Análise do Discurso de narrativas temáticas sobre o cotidiano de negócio familiar nessas organizações, foi possível elucidarmos as práticas construídas no dia a dia desses empreendimentos, que nos revelaram estratégias criadas para a manutenção e sobrevivência econômica das famílias que ali trabalham. Para nós, as estratégias e táticas desenvolvidas pelos ouvidorenses são vistas como resultado de construções sociais, de negociações entre os atores sociais (organizacionais), resultado da prática diária exercida por esses atores. Nesse sentido, vimos que as práticas nas organizações familiares precisaram e ainda precisam ser adaptadas às transformações histórico-sociais que ocorrem no contexto belorizontino. Como limitação para a realização desta pesquisa, destacamos a fragmentação dos discursos dos comerciantes, uma vez que as entrevistas foram realizadas no horário comercial e nas próprias empresas dos entrevistados, e estes precisavam atender os clientes na medida em que chegavam. Por fim, sugerimos para estudos futuros que analisem as relações familiares presentes no cotidiano de negócios desses empreendimentos sob outra técnica, por meio da história de vida, que permitirá explorar as origens e as trajetórias de vida dos comerciantes da Galeria do Ouvidor e de outros empreendimentos e, dessa forma, será possível compreender, através de um resgate biográfico histórico, a forma como eles administram seus negócios atualmente, as decorrências da estrutura organizacional familiar e outras questões familiares que porventura não foram vislumbradas nessa investigação.
Citação ABNT:
PALHARES, J. V.; CARRIERI, A. P. Estratégia como Prática e Organizações Familiares: Um Estudo sobre as Famílias e os Negócios na Galeria do Ouvidor em Belo Horizonte (MG) . Revista de Administração da Unimep, v. 16, n. 3, p. 57-78, 2018.
Citação APA:
Palhares, J. V., & Carrieri, A. P. (2018). Estratégia como Prática e Organizações Familiares: Um Estudo sobre as Famílias e os Negócios na Galeria do Ouvidor em Belo Horizonte (MG) . Revista de Administração da Unimep, 16(3), 57-78.
DOI:
http://dx.doi.org/10.15600/rau.v16i3.1051
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52843/estrategia-como-pratica-e-organizacoes-familiares--um-estudo-sobre-as-familias-e-os-negocios-na-galeria-do-ouvidor-em-belo-horizonte--mg--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDRADE, D. M.; LIMA, J. B.; ANTONIALLI, L. M.; LEITE FILHO, G. A. Estudo dos fatores que determinam a formação do capital social familiar em empresas familiares na região sul de Minas Gerais. Revista de Administração, v. 48, n. 3, p. 426-439, 2013.

ANSOFF, I. H. Corporate strategy: business policy for growth and expansion. New York: McGraw-Hill, 1965.

BERNHOEFT, R. Empresa familiar: sucessão profissionalizada ou sobrevivência comprometida. 2. ed. São Paulo: Nobel, 1991.

BERTAUX, D.; BERTAUX-WIAME, I. Mistérios da Baguete - Padarias Artesanais na França: como vivem e por que sobrevivem. São Paulo. Novos Estudos Cebrap, n. 19, l987.

CARRIERI, A. P. O Fim do “Mundo Telemig”: a transformação das significações culturais em uma empresa de telecomunicações. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

CARRIERI, A. P.; MURTA, I. B. D.; TEIXEIRA, J. C.; SOUZA, M. M. P. Estratégias e Táticas Empreendidas nas Organizações Familiares do Mercadão de Madureira (Rio de Janeiro). Revista de Administração Mackenzie, v. 13, n. 2, p. 196-226, 2012.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes do fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CHAFFEE, E. Three models of strategy. Academy of Management Review, v. 10, n. 1, p. 89-98, 1985.

CHANDLER, A.D. Strategy and structure: chapters in the history of American industrial enterprise. Cambridge, Massachusetts: MIT Press, 1962

CHIZZOTTI, A. O cotidiano e as pesquisas em educação. In: FAZENDA, I. (Org.). Novos enfoques da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 2004.

CRUZ, A. L. A.; OLIVEIRA, J. L. Os processos de socialização dos sucessores em empresas familiares: o desafio de construir a transição multigeracional. Revista de Ciências da Administração, v. 16, n. 39, p. 236-249, 2014.

DAMIANI, A. L. População e geografia. In: DAMIANI, A. L. Caminhos da Geografia. São Paulo: Contexto, 1991. p. 55-72.

DAVEL, E. P. B.; COLBARI, A. Organizações familiares: por uma introdução a sua tradição, contemporaneidade e multidisciplinariedade. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 7, n. 18, p.45-63, 2000

DAVEL, E.; COLBARI, A. Organizações Familiares: Desafios, Provocações e Contribuições para a Pesquisa Organizacional. In: Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 27.; 2003, Atibaia/SP. Anais... Atibaia: ANPAD, 2003. v. 1. p. 115.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DONNELLEY, R. G. A empresa familiar. Biblioteca Harvard de Administração de Empresas. São Paulo: Abril-Tec, 1976.

EMIRBAYER, M.; MISCHE, A. What is Agency? American Journal of Sociology, v. 103, p. 962-1023, 1998.

FARIA, A.; WANDERLEY, S. Fundamentalismo da gestão encontra a descolonialidade: repensando estrategicamente organizações familiares. Cadernos EBAPE.BR, v. 11, n. 4, p. 569-587, 2013.

FISCHER, T. Apresentação Organizações Familiares: Organizações Familiares como Linha de Pesquisa. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 7, n. 18, p.43-44, 2000.

FORGES, E.; HAMEL, J. O papel da família no desenvolvimento da economia dos ‘francophones’ de Quebec. Organizações & Sociedade, Salvador, v.7, n. 18, p.117-123, mai./ago. 2000.

GALERIA DO OUVIDOR. Galeria Ouvidor: uma cidade dentro da nossa cidade. . Acessado em 06 de abrde2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 6 ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

JARZABKOWSKI, P. Strategic practices: an activity theory perspective on continuity and change. Journal of Management Studies, v.40, n. 1, p.23-55, 2003.

JARZABKOWSKI, P. Strategy as Practice: an activity-based approach. London: Sage, 2005.

JARZABKOWSKI, P. Strategy as practice: recursiveness, adaptation and practices in use. Organization Studies, Berlin, v. 25, n. 4, p. 529-560, 2004.

JOHNSON, G.; MELIN, L.; WHITTINGTON, R. Guest editors' introduction - micro strategy and strategizing: towards an activity-based view. Journal of Management Studies, v.40, n. 1, p. 3-22, Jan. 2003.

KNIGHTS, D.; MORGAN, G. Corporate strategy, organizations, and subjectivity: a critique. Organization Studies, v. 12, n. 2, p. 251-273, 1991.

LIGHFOOT, G.; FOURNIER, V. As condições do cotidiano: organizando rotinas em negócios familiares. Organizações & Sociedade, v. 7, n. 18, p.81-98, 2000.

LIMA, G. C. O. Memórias da gestão: o percurso da identidade administrativa de tropeiros em Minas Gerais. 172p. Dissertação (Mestrado em Administração). Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração da Universidade Federal de Minas Gerais: Belo Horizonte, 2009.

LODI, J. B. O fortalecimento da empresa familiar. 3. ed. São Paulo: Pioneira, 1989.

MEIHY, J. C. S. B. Manual da história oral. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

PIRES, A. P. Amostragem e pesquisa qualitativa: ensaio teórico e metodológico. In: A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008.

PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 5 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1991.

RICCA NETO, D. Da empresa familiar à empresa profissional. São Paulo: CL-A Cultural, 1998.

ROBICHAUD, A. Gestão, teorias implícitas e família: por uma perspectiva psicodinâmica. Organizações & Sociedade, v.7, n. 18, p.65-80, 2000.

SILVA, J C de S.; FISCHER, T.; DAVEL, E. Organizações familiares e tipologias de análise: o caso da Organização Odebrecht. Encontro Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração, 22, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu, ANPAD, 1999.

TRIVIÑOS, A. R. S. Introdução a Pesquisa em Ciências Sociais: Pesquisa Qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas, 1987.

WILSON, D. C.; JARZABKOWSKI, P. Pensando e agindo estrategicamente. Revista de Administração de Empresas (RAE-FGV), v. 44, n. 4, p.21-31, out./dez. 2004.