Impacto da Adesão aos Níveis Diferenciados de Governança Corporativa da BM&FBovespa no Risco de Companhias Reguladas Outros Idiomas

ID:
52861
Resumo:
A adesão a um Nível Diferenciado de Governança Corporativa (NDGC) da BM&FBovespa incentiva as empresas a expandir a evidenciação de informações a usuários externos à organização, diminuindo a percepção de risco do investidor. Da mesma forma, companhias pertencentes a setores regulados possuem a incumbência de ampliar o volume de informações divulgadas para atendimento de normatizações específicas. Nesse sentido, a investigação verificou se as ações de companhias reguladas negociadas na BM&FBovespa apresentam um comportamento diferente no risco percebido na adesão a um NDGC. Foram consideradas 81 companhias que aderiram a um dos NDGC no período entre dezembro de 2000 e abril de 2015 e utilizou-se o Modelo Estatístico de Mercado para estimação do risco das ações e a existência de agência reguladora, legislação específica ou plano de contas normatizado para determinação de companhias reguladas, com o emprego do teste T para amostras pareadas. Os resultados obtidos indicaram diferença estatisticamente significativa entre o risco das ações de companhias reguladas e companhias não reguladas após a adesão a um NDGC, entretanto notou-se que, diferentemente do esperado, para companhias não reguladas não foi possível afirmar que há diferença significativa no risco das ações após a adesão ao NDGC, enquanto para companhias reguladas verificou-se diferença significativa do risco após a adesão ao NDGC, no sentido de redução do risco. Os resultados obtidos possam contribuir para esclarecer a relação empírica entre adesão aos NDGC e o risco ou retorno das ações.
Citação ABNT:
ANTONELLI, R. A.; PORTULHAK, H.; SCHERER, L. M.; CLEMENTE, A. Impacto da Adesão aos Níveis Diferenciados de Governança Corporativa da BM&FBovespa no Risco de Companhias Reguladas . Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, v. 23, n. 2, p. 92-109, 2018.
Citação APA:
Antonelli, R. A., Portulhak, H., Scherer, L. M., & Clemente, A. (2018). Impacto da Adesão aos Níveis Diferenciados de Governança Corporativa da BM&FBovespa no Risco de Companhias Reguladas . Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 23(2), 92-109.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52861/impacto-da-adesao-aos-niveis-diferenciados-de-governanca-corporativa-da-bm-fbovespa-no-risco-de-companhias-reguladas-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALEXANDER, Kern. UK Corporate Governance and Banking Regulation: The Regulator's Role as Stakeholder. Stetson Law Review, v. 33, p. 991-1034, 2003.

ANDRADE, Adriana; ROSSETTI, Jose Paschoal. Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. São Paulo: Atlas, 2004.

BARBOSA, João Estevão Barbosa, Neto; MÁRIO, Poueri do Carmo; DIAS, Warley de Oliveira. Regulação e sua influência no preço das ações: uma análise empírica no segmento de aviação civil. Revista Contabilidade e Controladoria, v. 3, n. 1, p. 79-95, 2011.

BARROSO, Luís Roberto. Constituição, ordem econômica e agências reguladoras. Revista Eletrônica de Direito Administrativo Econômico, n. 1, p. 1-30, 2005.

BATISTELLA, Flávio Donizete. et al. Retornos de ações e governança corporativa: um estudo de eventos. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 4., São Paulo, Anais... São Paulo: USP, 2004.

BERTUCCI, Janete Lara de Oliveira; BERNARDES, Patrícia; BRANDÃO, Mônica Mansur. Políticas e práticas de governança corporativa em empresas brasileiras de capital aberto. Revista de Administração da USP, v. 41, n. 2, p. 183-196, 2006.

BESARRIA, Cássio Nóbrega; SILVA, Herickson Santos. A efetividade da governança corporativa sobre o risco dos ativos da BM&FBovespa. RACE Revista de Administração, Contabilidade e Economia, v. 16, n. 3, p. 933-956, 2017.

BM&FBOVESPA. Bolsa de Valores de São Paulo. Disponível em . Acesso em: 06 jan. 2018.

BRUNO, Valentina; CLAESSENS, Stijn. Corporate governance and regulation: can there be too much of a good thing? Journal of Financial Intermediation, v. 19, n. 4, p. 461-482, 2010.

BUSHMAN, Robert M.; SMITH, Abbie J. Financial accounting information and corporate governance. Journal of Accounting and Economics, v. 32, n. 1, p. 237-333, 2001.

CAMARGOS, Marcos Antônio de; BARBOSA, Francisco Vidal. A adoção de práticas diferenciadas de governança corporativa beneficia o acionista e aumenta a liquidez acionária? Revista de Gestão USP, v. 17, n. 2, p. 189-208, 2010.

CARDOSO, Ricardo Lopes. Regulação econômica e escolhas de práticas contábeis: evidências no mercado de saúde suplementar brasileiro. 2005. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: . Acesso em: 06 jan. 2018.

CARVALHO, Antonio Gledson de. Governança corporativa no Brasil em perspectiva. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, v. 37, n. 3, p. 19-32, 2002.

CATAPAN, Anderson; COLAUTO, Romualdo Douglas. Governança corporativa: uma análise de sua relação com o desempenho econômico-financeiro de empresas cotadas no Brasil nos anos de 2010– 2012. Contaduría y Administración, v. 59, n. 3, p. 137-164, 2014.

CLEMENTE, Ademir. et al. O mercado brasileiro precifica a adesão e a migração aos níveis diferenciados de governança corporativa? Revista Base, v. 11, n. 2, p. 140-152, 2014.

COLOMBO, Jéfferson Augusto; GALLI, Oscar Claudino. Governança corporativa no Brasil: Níveis de governança e rendimentos anormais. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, v. 11, n. 2-3, p. 117128, 2012.

COSTA, Benedito Manoel do Nascimento; LEAL, Paulo Henrique; PONTE, Vera Maria Rodrigues. Determinantes da divulgação de informações de risco de mercado por empresas não financeiras. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, v. 16, n. 2, p. 729-756, 2017.

COSTA, Rosilda Aparecida. et al. O impacto da regulação no conservadorismo das empresas brasileiras listadas na BM&FBOVESPA. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 12, n. 3, p. 28-37, 2010.

CRUZ, Cássia Vanessa Olak Alvez; LIMA, Gerlando Augusto Sampaio Franco. Reputação corporativa e nível de disclosure das empresas de capital aberto no Brasil. Revista Universo Contábil, v. 6, n. 1, p. 85-101, 2010.

DIAMOND, Douglas. W.; VERRECCHIA, Robert E. Disclosure, liquidity and the cost of equity capital. The Journal of Finance, v. 46, n. 4, p. 1335-1360, 1991.

ESPEJO, Robert Armando; CLEMENTE, Ademir. Os níveis de governança corporativa enquanto fatores redutores de risco na crise financeira de 2008. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, v. 21, n. 2, p. 34-51, 2017.

FARINA, Elizabeth Maria Mercier Querido; AZEVEDO, Paulo Furquim; SAES, Maria Sylvia Macchione. Competitividade: mercado, estado e organizações. São Paulo: Singular, 1997.

GROTTL, Dinorá Adelaide Musetti. As agências reguladoras. Revista Eletrônica de Direito Administrativo Econômico, n. 6, p. 1-30, 2006.

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Disponível em . Acesso em: 06 jan. 2018.

KESSLER, Marcos Rodolfo. A regulação econômica no setor elétrico brasileiro: teoria e evidências. Dissertação (Mestrado em Economia) Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, 2006. Disponível em: . Acesso em: 06 jan. 2018.

KUPFER, David; HASENCLEVER, Lia. Economia industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2002

LA PORTA, Rafael. et al. Law and finance. Journal of Political Economy, v. 106, n.6, p. 1113-1155, 1998.

MACKINLAY, A. Craig. Event studies in economics and finance. Journal of Economic Literature, v. 35, n. 1, p. 13-39, 1997.

MALACRIDA, Mara Jane Contrera; YAMAMOTO, Marina Mitiyo. Governança corporativa: nível de evidenciação das informações e sua relação com a volatilidade das ações do Ibovespa. Revista Contabilidade e Finanças, v. 17, p. 65-79, 2006.

MATARAZZO, Dante Carmine. Análise financeira de balanços: abordagem gerencial. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

PINHO, Diva B., VASCONCELOS, Marco Antonio S. Manual de economia. São Paulo: Saraiva, 2003.

RAFFAELLI, Susana Cipriano Dias. et al. Definindo fronteiras e abrindo novos horizontes: o conceito de governança na pesquisa em contabilidade. Revista Ambiente Contabil, v. 7, n. 1, p. 196-215, 2015.

RODRIGUES, Margarida Maria Silva et al. Estudo comparativo das empresas do setor energético que aderiram a níveis diferenciados de governança corporativa. Revista Economia & Gestão, v. 15, n. 38, p. 29-59, 2015.

ROSSONI, Luciano; MACHADO-DA-SILVA, Clovis L. Legitimidade, governança corporativa e desempenho: análise das empresas da BM&FBovespa. Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 3, p. 272-289, 2013.

SANTOS, Alexandre Corrêa dos. et al. Gerenciamento de resultados: investigação de sua ocorrência em empresas de setores regulados no Brasil. Revista de Contabilidade da UFBA, v. 6, n. 3, p. 4-16, 2012.

SANTOS, Marcos Igor da Costa; SILVA, Manuel Soares. Teoria de Precificação por Arbitragem: Um estudo empírico no setor bancário Brasileiro. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 28, n. 1, p. 70-82, 2009.

SARLO, Alfredo, Neto. A reação dos preços das ações à divulgação dos resultados contábeis: evidências empíricas sobre a capacidade informacional da contabilidade no mercado acionário brasileiro. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças, Vitória, Brasil, 2004. Disponível em: . Acesso em: 06 jan. 2018.

SARLO, Alfredo, Neto; LOPES, Alexsandro B.; LOSS, Lenita. O impacto da regulamentação sobre a relação entre lucro e retorno das ações das empresas dos setores elétrico e financeiro no Brasil. In: ENCONTRO DA ANPAD, 26., Salvador, Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2002.

SHLEIFER, Andrei; VISHNY, Robert W. A survey of corporate governance. The Journal of Finance, v. 52, n. 2, p. 737-783, 1997.

SILVA, Ricardo Luiz Menezes da; NARDI, Paula Carolina Ciampaglia; PIMENTA, Tabajara, Junior. O impacto da migração das empresas para os níveis diferenciados de governança corporativa da BM&FBOVESPA sobre o risco e o retorno de suas ações. Revista de Administração da UFSM, v. 5, n. 2, p. 222-242, 2012.

SILVEIRA, Alexandre di Miceli da. Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. 2004. Tese (Doutorado em Administração) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. Disponível em: . Acesso em: 06 jan. 2018.

VERRECCHIA, Robert E. Essays on disclosure. Journal of Accounting and Economics, v. 32, n. 1, p. 97-180, 2001.

WATTS, Ross L. Conservatism in accounting part I: explanations and implications. Accounting Horizons, v. 17, n. 3, p. 207-221, 2003.

WATTS, Ross L.; ZIMMERMAN, Jerold L. The demand for and supply of accounting theories: the market for excuses. The Accounting Review, v. 54, n. 2, p. 273-305, 1979.

WILLIAMSON, Oliver E. Transaction-cost economics: the governance of contractual relations. The Journal of Law & Economics, v. 22, n. 2, p. 233-261, 1979.

ZONATTO, Vinícius Costa da Silva; SOUSA, Tarcita Cabral Ghizoni de; FERNANDES, Francisco Carlos. Análise do nível de adesão ao disclosure do risco de mercado pelos bancos com ações negociadas na BM&FBOVESPA. SINERGIA Revista do Instituto de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis, v. 19, n. 2, p. 65-76, 2015.