Comprometimento Organizacional e Percepções Temporais: Um Estudo sobre Jovens Trabalhadores Outros Idiomas

ID:
52903
Resumo:
O comprometimento organizacional pode ser considerado fator importante para indivíduos e organizações, influenciando as vivências no trabalho e a produtividade. No mesmo sentido, as percepções temporais interferem na maneira pela qual os indivíduos lidam com o trabalho e conduzem suas rotinas. Considerando as idiossincrasias que permeiam os jovens trabalhadores, este estudo teve como objetivo analisar como se encontram configuradas as dimensões do comprometimento organizacional em relação às percepções temporais de jovens trabalhadores assistidos pelo ESPRO - Ensino Social Profissionalizante - na cidade de Recife (PE). Para tanto, foi realizada uma pesquisa quantitativa, descritiva e exploratória, com amostra de 229 respondentes, selecionados pelo critério de acessibilidade. O instrumento de pesquisa compreende perguntas acerca de informações demográficas e pessoais, escala de comprometimento organizacional (Meyer & Allen, 1991) e escala de percepções temporais (Bluedorn & Jaussi, 2007). A análise dos dados foi realizada por meio de estatística descritiva e bivariada. Evidenciou-se que, apesar da presença de correlações significativas no que tange ao comprometimento organizacional e às percepções temporais, essas são consideradas baixas e agrupadas principalmente na dimensão do comprometimento afetivo. Esse tipo de comprometimento foi predominante entre os jovens trabalhadores (média=3,62). Sobre as percepções temporais, estas apresentaram maiores correlações com características pessoais e os jovens revelaram preferências por comportamentos monocrônicos, rápidos e pontuais, com ênfase no passado e arrastamento por liderança, o que pode estar ligado à situação de vulnerabilidade social e ao momento de transição desta fase da vida.
Citação ABNT:
ROCHA, M. S.; BARBOSA, J. K. D.; GUIMARÃES, L. R.; PAIVA, K. C. M. Comprometimento Organizacional e Percepções Temporais: Um Estudo sobre Jovens Trabalhadores. Teoria e Prática em Administração, v. 9, n. 1, p. 29-48, 2019.
Citação APA:
Rocha, M. S., Barbosa, J. K. D., Guimarães, L. R., & Paiva, K. C. M. (2019). Comprometimento Organizacional e Percepções Temporais: Um Estudo sobre Jovens Trabalhadores. Teoria e Prática em Administração, 9(1), 29-48.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/2238-104X2019v9i1-40591
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52903/comprometimento-organizacional-e-percepcoes-temporais--um-estudo-sobre-jovens-trabalhadores/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Amazarray, M.R., Dutra-Thomé, L., Souza, A.P.L.D., Poletto, M., & Koller, S.H.(2009). Aprendiz versus Trabalhador: Adolescentes em processo de aprendizado. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(3), 329-338.

Angus, J., & Reeve, P.(2006). Ageism: A threat to “aging well” in the 21st century. Journal of Applied Gerontology, 25(2), 137–152.

Apergis, N.(2016). Unemployment and Organizational Commitment: evidence from a panel of Australian manufacturing firms. Review of Economic Analysis, 8, 135-152.

Barbosa, J.K.D.(2017). Temos todo tempo do mundo? Um estudo sobre percepções temporais e prazer e sofrimento com jovens trabalhadores. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Federal de Minas Gerais.

Barling, J., Kelloway, E.K., & Frone, M.R.(2005). Editor’s Overviews: special populations. In: Barling, J.; Kelloway, E.K.; & Frone, M.R. (eds.), Handbook of work stress, 401-404. Thousand Oaks: Sage.

Bastos, A.V.B.(1993). Comprometimento Organizacional: um balanço dos resultados e desafios que cercam essa tradição de pesquisa. Revista de Administração de Empresas, 33(3), 52-64.

Bastos, A.V.B., Siqueira, M.M.M., Medeiros, C.A.F., & Menezes, I.G.(2008). Comprometimento Organizacional. In: Siqueira, M.M.M.(org.). Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e gestão. Porto Alegre: Artmed, 49-95.

Bauman, Z. (2007). Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bluedorn, A.C., & Jaussi, K.S.(2007). Organizationally Relevant Dimensions of time across levels of analysis, In Dansereau, F., & Yammarino, F.J.(orgs.), Multi-Level Issues in Organizations and Time. Research in multi-level issues. Elsevier, Oxford, 6, 187-223.

Botelho, R.D., & Paiva, K.C.M.(2011). Comprometimento organizacional: um estudo no Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais. Revista de Administração Pública, 45(5), 1249-1283.

Coimbra, C.C., Bocco, F., & Nascimento, M.L.(2005). Subvertendo o conceito de adolescência. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 57(1), 2-11.

Dessler, G.(1996). Conquistando o Comprometimento: Como construir e manter uma força de trabalho competitiva. São Paulo: Makron Books.

Dias, D.S.D., & Marques, A.L.(2002). Múltiplos Comprometimentos: Um Estudo com Profissionais e Gerentes de uma Grande Empresa do Setor Metal-Mecânico. In: Anais... XXVIEnANPAD, Salvador.

Elias, N.(1998). Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Leccardi, C.(2005). Por um novo significado do futuro: Mudança social, jovens e tempo. Tempo Social, 17(2), 35–57.

Leite, A.M.A.A., Ferreira Filho, J., Cabral, A.C. de A., dos Santos, S.M., & Pessoa, M.N.M.(2015). Visão compartilhada e comprometimento organizacional: um estudo de caso na Embracon – empresa brasileira de consórcios. Revista de Administração da UFSM, 8(3), 482-498.

Lombardi, A.R., & Hanashiro, D.M.M.(2010). Policronicidade no ambiente organizacional uma visão conceitual. EnEO, 6, 2010, Florianópolis. Anais… Florianópolis: ANPAD.

Magalhães, A.F., de Andrade, C.R., & Saraiva, L.A.S.(2017). Inclusão de minorias nas organizações de trabalho: análise semiótica de uma estratégia de recrutamento de uma multinacional de fast food. TPATeoria e Prática em Administração, 7(2), 12-35.

Medeiros, C.A.F., Albuquerque, L.G., Marques, G.M., & Siqueira, M.(2002). Comprometimento organizacional: o estado da arte da pesquisa no Brasil. In: Anais... XXVI EnANPAD, Salvador.

Meyer, J.P., & Allen, N.J.(1987). A longitudinal analysis of the early development and consequences of organizational commitment. Canadian Journal of Behavioral Science, 19(2), 199-215.

Meyer, J.P., & Allen, N.J.(1991). A three-component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, Greenwich, 1(1), 61-89.

Meyer, J.P., Stanley, D.J., Herscovitch, L., & Topolnytsky, L.(2002). Affective, continuance, and normative commitment to the organization: a meta-analysis of antecedents, correlates and consequences. Journal of Vocational Behavior, 61(1), 20-52.

Moscon, D. B.; Bastos, A. V. B. & De Souza, J. J. (2012). É possível integrar, em um mesmo conceito, os vínculos afetivo e instrumental? O olhar de gestores sobre o comprometimento com a organização. Revista Organizações & Sociedade, v.19, 357-373.

Mowday, R.T., Steers, R., Porter, L.W.(1979). The measurement of organizational commitment. Journal of Vocational Behavior, 14(2), 387-401.

Oliveira, M.Z.D., & Gomes, W.B.(2014). Estilos reflexivos e atitudes de carreira proteana e sem fronteiras nas organizações contemporâneas brasileiras. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 14(1), 105118.

Oliveira, S.R.(2011). Ponto de Partida: a juventude e o ingresso no mercado de trabalho. In: Ferraz, D.L.S., Oltramari, A.P., Ponchirolli, O.(org.). Gestão de pessoas e relações de trabalho. São Paulo: Atlas, 89112.

Organização Internacional do Trabalho OIT.(2009). Trabalho decente e juventude no Brasil, Brasília.

Paiva, K.C. M., Souza, C. M, O.(2016) Time perception: A study of young Brazilian workers. TMStudies [online]. 2016, 12 (1), 203-210.

Paiva, K.C.M., Dutra, M.R.S., Santos, A. de O., & Barros, V.R.F.(2013). Proposição de escala de percepção temporal. Tourism & Management Studies, 2, 523-535.

Paiva, K.C.M., Pinto, D. de L., Dutra, M.R.S., & Roquete, R.F.(2011). Quanto Tempo o Tempo Tem? Um estudo sobre o(s) tempo(s) de gestores do varejo em Belo Horizonte (MG). Organizações & Sociedade, 18(59), 661-679.

Porter, L.W., Steers, K.W., & Boulian, P.V.(1974). Organizational commitment, job satisfaction, and turnover among psychiatric technicians. Journal of Applied Psychology, 5(59), 603-609.

Rocha, E.S., & Honório, L.C.(2015). Comprometimento com o trabalho: O caso dos chefes de seções de infraestrutura da UFMG. Revista Ciências Administrativas, 21(1), 237-261.

Rocha, M.S., & Paiva, K.C.M.(2016). Relações fronteiriças entre as dimensões do comprometimento organizacional: contribuições de um estudo com jovens trabalhadores. In: Anais... EnANPAD, Costa do Sauípe.

Senge, P.M.(1998). A Quinta Disciplina. 2.ª ed. São Paulo: Best Seller.

Silva, L.P., Castro, M.A.R., Dos-Santos, M.G. & Neto, P.J.L.(2018). Comprometimento no trabalho e sua relação com a cultura organizacional mediada pela satisfação. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 20(3), 401-420.

Silva, R.S., Capelloza, A., & Costa, L.V. (2014). O impacto do suporte organizacional e do comprometimento afetivo sobre a rotatividade. Revista de Administração IMED, 4(3), 314-329.

Siqueira, M.M.M.(2001). Comprometimento Organizacional Afetivo, Calculativo e Normativo: Evidências Acerca da Validade Discriminante de Três Medidas Brasileiras. In: Anais... EnANPAD, Campinas.

Thompson, E.P.(1991). Time, work-discipline and industrial capitalism. In: Customs in common: Studies in Traditional Popular Culture, 352-403. London: Merlin Press.

UNFPA.(2010). Direitos da população jovem: um marco para o desenvolvimento. 2d. Brasília: UNFPA Fundo de População das Nações Unidas.

Vasile, C.(2015). Time perception, cognitive correlates, age and emotions. Procedia – Social and Behavioral Sciences, 187(5), 695–699.

Vergara, S.C.(2004). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 5ª edição. São Paulo: Atlas.

Veriguine, N.R.; Basso, C.; Soares, D.H.P.(2014). Juventude e Perspectivas de Futuro: A Orientação Profissional no Programa Primeiro Emprego. Psicologia: Ciência e Profissão, 34(4), 1032-1044.

Walton, R. E. (1997). Do controle ao comprometimento no local de trabalho. In: Vroom, V.H, Gestão de pessoas, não de pessoal, 95-112.