Predisposição para Doação de Medula Óssea À Luz da Teoria do Comportamento Planejado Outros Idiomas

ID:
52909
Resumo:
A doação de órgãos é uma temática que vem sendo explorada por pesquisadores de marketing nos últimos anos. Trata-se de um assunto socialmente relevante, em função dos desafios enfrentados por indivíduos que precisam de doação de órgãos no Brasil. A chance de encontrar medula compatível no país é de uma em cem mil. Diante disso, esta pesquisa tem o objetivo de analisar os fatores que antecedem a intenção dos indivíduos em realizar o cadastro de doação de medula óssea. Utilizou-se a Teoria do Comportamento Planejado como suporte ao desenvolvimento de um modelo conceitual, que foi testado empiricamente por meio da aplicação de 335 questionários. Os resultados da Modelagem de Equações Estruturais apontam que a atitude e o controle comportamental percebidos possuem relação positiva com a intenção comportamental de realizar o cadastro para doação de medula. Também foi constatado que as pessoas que possuem informações sobre o processo de doação de órgãos esboçam uma atitude positiva para a realização do cadastro. Entretanto, a norma subjetiva não possui relação significativa com esta intenção comportamental. Com base no modelo ajustado, constatou-se que as campanhas de marketing social devem, além de informar os potenciais doadores sobre o processo de doação, reforçar que esta ação é essencial para a saúde dos pacientes que precisam do transplante.
Citação ABNT:
COELHO, P.; IBIAPINA, I.; SILVA, ?. L. L.; GUIMARÃES, D. B. Predisposição para Doação de Medula Óssea À Luz da Teoria do Comportamento Planejado. Teoria e Prática em Administração, v. 9, n. 1, p. 119-130, 2019.
Citação APA:
Coelho, P., Ibiapina, I., Silva, ?. L. L., & Guimarães, D. B. (2019). Predisposição para Doação de Medula Óssea À Luz da Teoria do Comportamento Planejado. Teoria e Prática em Administração, 9(1), 119-130.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/2238-104X2019v9i1-41116
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52909/predisposicao-para-doacao-de-medula-ossea-a-luz-da-teoria-do-comportamento-planejado/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ajzen, I. & Fishbein, M. (1970). The prediction of behavior from attitudinal and normative variables. Journal of Experimental Social Psychology, 6, 466-487.

Ajzen, I. (1988). Attitudes, personality and behavior. Chicago: Dorsey Press.

Ajzen, I. (1991). The theory of planned behavior. organizational behavior and human. Decision Processes, 50, 179-211.

Ajzen, I. (2002). Residual Effects of Past on Later Behavior: Habitual and Reasoned Action Perspectives. Personality and Social Psychology Review, 6 (2), 107-122.

Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos [ABTO]. (2018). Orientações sobre doação de órgãos. Brasília: ABTO.

Barboza, S. & Costa, F. (2014). Marketing social para doação de sangue: análise da predisposição de novos doadores. Caderno de Saúde Pública, 30(7).

Beerli-Palacio, A. & Martín-Santana, J. D. (2009). Model explaining the predisposition to donate blood from the social marketing perspective. International Journal of Nonprofit and Voluntary Sector Marketing, 14, 205-214.

Brandão, W. (2016). Consumo saudável: uma análise do comportamento do consumidor no contexto dos alimentos orgânicos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

Chin, W. W. (1998). The partial least squares approach for structural equation modeling. In Marcoulides, G.A. (Ed.). Modern methods for business research. London: Lawrence Erlbaum Associates, 295336.

Conner, M. & Mcmillan, B. (1999). Interaction effects in the theory of planned behaviour: studying cannabis use. British Journal of Social Psychology, 38.

Doró, M. P., & Pasquini, R. (2000). Transplante de Medula Óssea: uma confluência biopsicossocial. Interação, 4(1),39-60.

Faria, M. A. (2015). Eterna criança e as barreiras do ter: consumo de pessoas com Síndrome de Down e suas famílias. 2015. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Fishbein, M. & Ajzen, I. (1975). Belief, Attitude, Intention and Behavior: An Introduction to Theory and Research. Reading, MA: Addison-Wesley.

Fornell, C. & Larcker, D.F. (1981). Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of Marketing Research, 18(1), 39-50.

Goecking, O. H. P. (2006). Comparação de Teorias da Ação para explicar intenções comportamentais e comportamentos reais correspondentes. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Hair, J., Hult, T.M., Ringle, C.M, & Sarstedt, M. (2014). A Primer on Partial Least Squares Structural Equation Modeling (PLS-SEM). Los Angeles: SAGE.

Hoppe, A., Barcellos, M. D., Vieira, L. M., & Matos, C. A. (2012). Comportamento do consumidor de produtos orgânicos: uma aplicação da Teoria do Comportamento Planejado. BASE Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 9(2), 174-188.

Instituto Nacional de Câncer [INCA]. (2012). Cartilha sobre doação de medula óssea. Brasília: INCA.

Lei nº 9.434, de 4 de fevereiro de 1997. Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. Recuperado em 11 abril, 2018, de http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/Leis/L9434.htm

Lemmens, K.P., Abraham, C., Ruiter, R. A. C., Veldhuizen, I.J.T., Dehing, C. J. G., & Bos, A. E. R. (2009). Modelling antecedents of blood donation motivation among non-donors of varying age and education. Br J Psychol, 100, 71-90.

Malhotra, N. (2001). Pesquisa de Marketing. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Matos, E. B. (2013). Comportamento e meio ambiente – Um estudo comportamental da intenção de não uso das sacolinhas de plástico. Revista de Gestão, 20, (2), 217-232.

Matos, E. B., Veiga, R. T., & Lima, I. L. (2008). A Decisão na Teoria do Comportamento Planejado: um estudo da intenção de uso de condons por adolescentes. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 27.

Morais, T. & Morais, M. (2012). Doação de órgãos: é preciso educar para avançar. Saúde em Debate, 36(95), 633-639.

Moutinho, K. & Roazzi, A. (2010). As teorias da ação racional e da ação planejada: Relações entre intenções e comportamentos. Avaliação Psicológica, 9(2) 279-287.

Oliveira-Cardoso, E., Santos, M. A., Mastropietro, A. P., & Voltarelli, J. C. (2010). Doação de medula óssea na perspectiva de irmãos doadores. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 18(5), 911-918.

Pereira, J., Sousa, C. V., Matos, E. B., Rezende, L. B., Bueno, N. X., & Dias, A. M.. (2016). To donate or not donate, that is the question: an analysis of the critical factors of blood donation. Ciência & Saúde Coletiva, 21(8), 2475-2484.

Rezende, L. et al. (2015). Doação de Órgãos no Brasil: Uma Análise das Campanhas Governamentais sob a Perspectiva do Marketing. Revista Brasileira de Marketing – ReMark, 14(3).

Ringle, C., Silva, D., & Bido, D. (2014). Modelagem de Equações Estruturais com Utilização do Smartpls. Revista Brasileira de Marketing – ReMark, 13(2).

Santos, M. J., & Massarollo, M. C. (2005). Processo de doação de órgãos: percepção de familiares de doadores cadáveres. Latino-am Enfermagem, 13(3), 382-387.

Shaz, B.H., Demmons, D.G., Crittenden, C. P., Carnevale, C. V., Lee M., & Burnett, M. (2009). Motivators and barriers to blood donation in African American college students. Transfus Apher Sci, 41, 191-197.

Sheth, J. N. (1974). Consumer behavior: theory and application. Boston: Allyn & Bacon.

Silva, S. L., Oliveira, I. L. F., Pego, Z. O., Pereira, J. R., & Sousa, C. V. (2016). Condicionantes da Motivação para a Doação de Órgãos: uma Análise à Luz do Marketing Social. Teoria e Prática em Administração, 6(1), 69-96.

Sousa, A. M. R., Rabêlo Neto, A., & Fontenele, R. E. S. (2013). Determinantes da intenção da escolha do ensino superior privado: uma perspectiva da Teoria do Comportamento Planejado. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 12(3), 366-377.

Veiga, R. T., Santos, D. O., & Lacerda, T. S. (2006). Antecedentes da intenção de consumo de cosméticos ecológicos. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 5(2), 1-15