Institucionalização de Práticas de Gestão de Risco em uma Concessionária de Distribuição de Energia Elétrica Outros Idiomas

ID:
52915
Resumo:
Tendo como objetivo verificar o processo de institucionalização de práticas de gestão de riscos em uma concessionária de distribuição de energia elétrica. Realizou-se uma pesquisa exploratória, por meio de estudo de caso e com abordagem mista (quantitativa e qualitativa). De um total de 123 gestores, obteve-se 37 questionários válidos (30%), os dados coletados foram complementados com entrevistas semiestruturadas aplicadas a dois diretores e ao presidente da corporação. Entre os resultados, constatou-se que os principais fatores que influenciaram a formalização das práticas de gestão de riscos na concessionária foram o Plano Estratégico e o Plano Diretor. A concessionária está em processo de institucionalização de práticas de gestão, cujo objetivo é adotar novas práticas de gestão de risco, melhorar a governança e estar em conformidade com as leis e os regulamentos. Constatou-se que outras empresas do setor elétrico já adotam práticas de gestão de riscos e infere-se que práticas foram influenciadas pelo isomorfismo, ou seja, a concessionária se reestruturou assemelhando-se a outras que enfrentam ou estão expostas a um mesmo conjunto de adversidades ambientais. O estudo contribui por evidenciar que o isomorfismo, no caso o mimético e o coercitivo, são indutores da gestão de riscos. Contrariando o preconizado pelo COSO (2013), de que o Conselho de Administração e diretoria são indutores à adoção da gestão integrada dos riscos, no contexto analisado não se apresentou como suficiente para a instituição do GRC, indicando que as relações de poder entre os gestores em nível tático são barreiras que necessitam serem cuidadosamente mitigadas.
Citação ABNT:
SCHUSTER, H. A.; MORETTI, B. R.; SILVA, M. Z. Institucionalização de Práticas de Gestão de Risco em uma Concessionária de Distribuição de Energia Elétrica. Contabilidade Vista & Revista, v. 29, n. 3, p. 23-49, 2018.
Citação APA:
Schuster, H. A., Moretti, B. R., & Silva, M. Z. (2018). Institucionalização de Práticas de Gestão de Risco em uma Concessionária de Distribuição de Energia Elétrica. Contabilidade Vista & Revista, 29(3), 23-49.
DOI:
https://doi.org/10.22561/cvr.v29i3.3565
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52915/institucionalizacao-de-praticas-de-gestao-de-risco-em-uma-concessionaria-de-distribuicao-de-energia-eletrica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
MEDEIROS, L. Previsão do preço spot no mercado de energia elétrica. 132 f. 2003. Tese (Doutorado em Engenharia Elétrica) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC, Rio de Janeiro, 2003.

MIKES, A. Risk management and calculative cultures. Accounting, organizations and society, v. 34, n. 6, p. 849-855, 2009.

MOREIRA, V. R.; SILVA, C. L. D.; MORAES, E. A. D.; PROTIL, R. M. (2012). O Cooperativismo e a Gestão dos Riscos de Mercado: análise da fronteira de eficiência do agronegócio paranaense. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 50, n. 1, p. 51-68, 2012.

ABRADEE - Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica. Visão Geral do Setor: a indústria da eletricidade. 2015. Acesso em: 06 Mai. 2015.

BERRY, A.; PHILLIPS, J. Pulling it together. Risk Management, v. 45, n. 9, 1998.

BHATTACHARYA, A.; KOJIMA, S. Power sector investment risk and renewable energy: A Japanese case study using portfolio risk optimization method. Energy Policy, v. 40, p. 69-80, 2012.

BURNS, J. The dynamics of accounting change inter-play between new practices, routines, institutions, power and politics. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 13, n. 5, p. 566-596, 2000.

BURNS, J.; SCAPENS, R. W. Conceptualizing management accounting change: an institutional framework. Management accounting research, v. 11, n. 1, p. 3-25, 2000.

CARVALHO, C. A. P.; VIEIRA, M. F. V.; LOPES, F. The structuring of the organizational field of theaters and museums in the south of Brazil. In: XVII European group for organization studies colloquium (egos). 2001.

CHING, H. Y.; COLOMBO, T. M. Gestão de risco nas empresas do segmento Novo Mercado: um estudo exploratório. Revista de Economia e Administração, v. 11, n. 2, 2012.

COSO. Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Enterprise Risk Management – Integrated Framework. New York: AICPA, 2004.

DIMAGGIO, P.J.; POWELL, W.W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational Fields. American Sociological Review, v. 48, n. 2, p. 147-160, 1983.

FERMA - Federation of European Risk Management Associations. 2002. Acesso em: 05 Mai. 2002.

FERNANDES, F. C.; SILVA, M.; TERMUS, F. Análise das práticas de gestão de riscos divulgadas nas informações anuais das empresas listadas no novo mercado da BOVESPA. In: SEMEAD, 2008, São Paulo. Anais... São Paulo, FEA-USP, 2008.

GORDON, L. A.; LOEB, M. P.; TSENG, Chih-Yang. Enterprise risk management and firm performance: A contingency perspective. Journal of Accounting and Public Policy, v. 28, n. 4, p. 301-327, 2009.

HAGIGI, M.; SIVAKUMAR, K. Managing diverse risks: an integrative framework. Journal of International Management, v. 15, n. 3, p. 286-295, 2009.

HAYNE, C.; FREE, C. Hybridized professional groups and institutional work: COSO and the rise of enterprise risk management. Accounting, Organizations and Society, v. 39, n. 5, p. 309-330, 2014.

HODGSON, G. M. The approach of institutional economics. Journal of Economic Literature, v. 36, n. 1, p. 166-192, 1998.

HOFFMAN, A. J. I nstitutional evolution and change: Environmentalism and the US chemical industry. Academy of Management Journal, v. 42, n. 4, p. 351-371, 1999.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Guia de orientação para o gerenciamento de riscos corporativos. São Paulo, SP: IBGC, 2007

KEEFE, G.; HILLMAN, W. Enterprise risk management in the energy industry. Center for Excellence in ERM at St. John’s University, 2015. https://static1.squarespace.com/static/57ea5fde440243231bc154b7/t/5819e4aa ff7c502184796f7a/1478091947059/ERM+in+the+Energy+Industry+2016.pdf.

KLINKE, A.; RENN, O. A New Approach to Risk Evaluation and Management: RiskBased, Precaution‐Based, and Discourse‐Based Strategies1. Risk analysis, v. 22, n. 6, p. 1071-1094, 2002.

LAUDELINO, J A de S. Evidenciação de riscos de empresas que captam recursos no mercado de capitais brasileiro: um estudo do setor de energia elétrica. 2008. 206 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2008.

LECHNER, P.; GATZERT, N. Determinants and value of enterprise risk management: empirical evidence from Germany. The European Journal of Finance, v. 24, n. 10, p. 867-887, 2018.

MAIA, M. S.; DA SILVA, M. R.; DUEÑAS, R.; DE ALMEIDA, P. P.; MARCONDES, S.; CHING, H. Y. Contribuição do sistema de controle interno para a excelência corporativa. Revista Universo Contábil, v. 1, n. 1, p. 54-70, 2005.

MARTINS, N. C.; SANTOS, L. R.; DIAS FILHO, J. M. Governança empresarial, riscos e controles internos: a emergência de um novo modelo de controladoria. Revista Contabilidade & Finanças, v. 15, n. 34, p. 07-22, 2004.

MEDEIROS, P. H. R.; GUIMARÃES, T. A. A institucionalização do governo eletrônico no Brasil. Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 4, p. 1-13, 2006.

NGAI, E. W. T.; WAT, F. K. T. Fuzzy decision support system for risk analysis in ecommerce development. Decision Support Systems, n. 40, p. 235-255, 2005.

OLIVER, C. Strategic responses to institutional processes. Academy of management review, v. 16, n. 1, p. 145-179, 1991.

OYADOMARI, J. C.; MENDONÇA NETO, O. R.; CARDOSO, R. L.; LIMA, M. P. Fatores que influenciam a adoção de artefatos de controle gerencial nas empresas brasileiras: um estudo exploratório sob a ótica da teoria institucional. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 2, n. 2, p. 55-70, 2008.

ROCHA, I.; HEIN, N.; LAVARDA, C. E. F.; NASCIMENTO, S. A presença da entropia no controle orçamentário em ambiente inovador. RAI-Revista de Administração e Inovação, v. 8, n. 2, p. 82-105, 2011.

ROMERO, J. J. Estudio introductorio. In: Powell, W. W., & Dimaggio, P. J. (Comp.). El Nuevo institucionalismo en el análisis organizacional. México: Fundo de Cultura Económica. (Nuevas Lecturas de Política y Gobierno), p. 104-125, 2001.

RUSSO, P. T.; PARISI, C.; SILVA, A. F.; WEFFORT, E. F. J. Percepção dos gestores sobre o processo de institucionalização do Balanced Scorecard de uma empresa de saneamento. Production Journal, v. 24, n. 4, p. 927-939, 2014.

SANTOS, A. R. Diagnóstico institucional dos fatores que concorrem para o isomorfismo das práticas de contabilidade gerencial utilizadas pelas organizações do setor elétrico brasileiro. 246 f. 2008. Tese (Doutorado em Contabilidade e Finanças) Universidade Federal do Paraná, Paraná, 2008.

SARENS, G.; CHRISTOPHER, J. The association between corporate governance guidelines and risk management and internal control practices: Evidence from a comparative study. Managerial Auditing Journal, v. 25, n. 4, p. 288-308, 2010.

SCOTT, W. R. Organizations: Rational, natural, and open systems. Prentice Hall: Englewood Cliffs, NJ, 1992.

SIMONS, R. How risky is your company? Harvard business review, v. 77, n. 3, p. 8594, 209, 1998.

SOIN, K.; SEAL, W.; CULLEN, J. ABC and organizational change: an institutional perspective. Management Accounting Research, v. 13, n. 2, p. 249-271, 2002.

SUBRAMANIAM, N.; COLLIER, P.; PHANG, M.; BURKE, G. The effects of perceived business uncertainty, external consultants and risk management on organisational outcomes. Journal of Accounting & Organizational Change, v. 7, n. 2, p. 132-157, 2011.

TOLBERT, P. S.; ZUCKER, L. G. Institutional sources of change in the formal structure of organizations: The diffusion of civil service reform, 1880-1935. Administrative Science Quarterly, p. 22-39, 1983.

TSAMENYI, M.; CULLEN, J.; GONZÁLEZ, J. M. G. Changes in accounting and financial information system in a Spanish electricity company: A new institutional theory analysis. Management Accounting Research, v. 17, n. 4, p. 409-432, 2006.

TUCKER, B. P.; PARKER, L. D. Business as usual?An institutional view of the relationship between management control systems and strategy. Financial Accountability & Management, v. 31, n. 2, p. 113-149, 2015.

WANDERLEY, C. A. Privatização e mudanças na contabilidade gerencial: os “drivers” de mudanças numa distribuidora brasileira de energia elétrica. Revista Universo Contábil, v. 10, n. 3, p. 94-113, 2014.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

ZONATTO, V. C. S.; BEUREN, I. M. Categorias de Riscos Evidenciadas nos Relatórios da Administração de Empresas Brasileiras com ADRs. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 12, n. 35, p. 141, 2010.

ZSIDISIN, G. A.; MELNYK, S. A.; RAGATZ, G. L. An institutional theory perspective of business continuity planning for purchasing and supply management. International Journal of Production Research, v. 43, n. 16, p. 3401-3420, 2005.