Atratividade de Cursos de Graduação e a Política Institucional de Mudança de Curso: Efeito Trampolim? Outros Idiomas

ID:
53017
Resumo:
Apesar da existência de políticas públicas visando à elevação da taxa de acesso à educação superior, ainda persiste a ociosidade de vagas nessa esfera de ensino, tanto no segmento privado quanto no público. Na esfera pública, há políticas institucionais visando ao preenchimento dessas vagas, a exemplo dos editais de transferência interna em nível de graduação. O presente estudo de caso, de enfoque quantitativo, foi realizado por meio de dados da Universidade de Brasília (UnB). Analisou-se a influência da atratividade dos cursos de graduação, medida em termos de demanda candidato por vaga nos vestibulares da instituição, e a existência do denominado “efeito trampolim” entre as vagas ociosas destinadas a transferências internas de curso de graduação. Foram utilizadas técnicas estatísticas para a análise dos 1.050 casos distintos ocorridos entre os anos de 2012 e 2016. Os resultados mostraram significância estatística para o efeito trampolim nas transferências internas: alunos abandonaram cursos menos atrativos rumo a cursos mais atrativos. Ademais, constatou-se migração de alunos de cursos criados mais recentemente, sobremodo por meio do Reuni, rumo a outros mais antigos na instituição. Por outro lado, a atratividade do curso não revelou associação estatística significativa com a área de conhecimento dos cursos (Artes, Biológicas, Exatas e Humanas). Em suma, os resultados revelaram que a política institucional de transferência interna adotada pela UnB tem contribuído para o aumento de vagas ociosas nos cursos de média e baixa atratividade.
Citação ABNT:
MIRANDA JÚNIOR, N. S.; CABELLO, A. F. Atratividade de Cursos de Graduação e a Política Institucional de Mudança de Curso: Efeito Trampolim?. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 24, n. 77, p. 1-20, 2019.
Citação APA:
Miranda Júnior, N. S., & Cabello, A. F. (2019). Atratividade de Cursos de Graduação e a Política Institucional de Mudança de Curso: Efeito Trampolim?. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 24(77), 1-20.
DOI:
http://dx.doi.org/10.12660/cgpc.v24n77.73806
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53017/atratividade-de-cursos-de-graduacao-e-a-politica-institucional-de-mudanca-de-curso--efeito-trampolim-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Almeida, S. S. (2015). Vagas ociosas no ensino superior brasileiro: Uma análise dos governos Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva e suas repercussões nos anos posteriores. XV Colóquio Internacional de Gestão Universitária, Mar Del Plata. Desafios da Gestão Universitária no Século XXI. UFSC, Florianopólis, SC.

Anhaia, B. C. de. (2012). Políticas públicas e sociais para a equidade: Um estudo sobre o programa universidade. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 17(60), 68-86. 10.12660/cgpc.v17n60.4029

Araújo, M. A. D. de, & Pinheiro, H. D. (2010). Reforma gerencial do Estado e rebatimentos no sistema educacional: Um exame do Reuni. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 18(69), 647-668.

Barbetta, P. A. (2015). Estatística aplicada às ciências sociais. Florianópolis, SC: UFSC.

Bastos, J. C. (2005). Efetivação de escolhas profissionais de jovens oriundos do ensino público: Um olhar sobre suas trajetórias. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 6(2), 31-43.

Braga, M. M., Peixoto, M. C., & Bogutchi, T. F. (2000). A demanda por vagas no ensino superior: Análise dos vestibulares da UFMG na década de 90. XXIII Reunião Anual da Anped. Caxambu, MG.

Braga, M. M., Peixoto, M. C., & Bogutchi, T. F. (2001). Tendências da demanda pelo ensino superior: Estudo de caso da UFMG. Cadernos de Pesquisa, (113), 129-152. doi:10.1590/S0100-15742001000200007

Campagnoni, M., & Platt, O. A., Neto. (2015). A evolução dos indicadores de custo por aluno na Universidade Federal de Santa Catarina de 2002 a 2013 conforme metodologia do TCU. Revista de Contabilidade da UFBA, 9(2), 33-49.

Carvalho, M. de L. de, & Barbosa, T. R. da C. G. (2014). O paradoxo da política de ampliação do acesso ao ensino superior: O caso das universidades federais do estado de Minas Gerais. In M. A. M. Ferreira, M. L. Emmendoerfer & R. Gava (Eds.), Administração pública, gestão social e economia solidária: Avanços e desafios (2a ed., pp. 1-20). Viçosa: Suprema Editora

Castro, M. H. M. (2005). Estado e mercado na regulação do ensino superior. In C. Brock & S. Schwartzman. (Orgs.), Os desafios da educação no Brasil (pp. 241-284). Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira.

Catani, A. M., Hey, A. P., & Gilioli, R. de S. P. (2006). Prouni: Democratização do acesso às instituições de ensino superior? Educar em Revista, (28), 125-140. doi:10.1590/S0104-40602006000200009

Chauí, M. S. (2003). A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, (24), 5-15. doi:10.1590/S141324782003000300002

Costa, D. D., & Ferreira, N. I. B. (2017). O Prouni na educação superior brasileira: Indicadores de acesso e permanência. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 22(1), 141-163. doi:10.1590/s141440772017000100008

Cunha, A. M., Tunes, E., & Silva, R. R. (2001). Evasão do curso de química da Universidade de Brasília: A interpretação do aluno evadido. Química Nova, 24(2), 262-280. doi:10.1590/S0100-40422001000200019

Dias, E. C. M., Theóphilo, C. R., & Lopes, M. A. (2010, Julho). Evasão no ensino superior: Estudo dos fatores causadores da evasão no curso de Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Montes Claros. Anais do Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade, São Paulo, SP.

Hair, J. F. (2009). Análise multivariada de dados. Porto Alegre, RS: Bookman.

Lobo, M. B. C. M. (2012). Panorama da evasão no ensino superior brasileiro: Aspectos gerais das causas e soluções. In C. E. R. Horta (Ed.), Evasão no ensino superior brasileiro (1ª ed., pp. 9-54). Brasília, DF.

Magalhães, M. O., & Redivo, A. B. (1998). Re-opção de curso e maturidade vocacional. Revista da ABOP, 2(2), 7-28.

McMillan, J. (2005). Course change and attrition from higher education. LSAY Research Reports, 30(1), 1-7.

Ministério da Educação. (1997). Diplomação, retenção e evasão nos cursos de graduação em instituições de ensino superior públicas. Recuperado de http://www.andifes.org.br/ wp-content/files_flutter/Diplomacao_Retencao_Evasao_Graduacao_em_IES_Publicas-1996.pdf

Ministério da Educação. (2007). Decreto nº 6.096, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais: REUNI. Recuperado de http://www.mec. gov.br

Nogueira, C. M. (2012). Escolha racional ou disposições incorporadas: Diferentes referenciais teóricos na análise sociológica do processo de escolha dos estudos superiores. Estudos de Sociologia, 2(18), 10-40.

Oquendo, C. (2008). Determinantes de la deserción universitaria en la Facultad de Economía de la Universidad del Rosario. Serie Documentos Borradores de Investigación, 95(1), 3-41.

Ortiz, E. A., & Dehon, C. (2013). Roads to success in the Belgian french community’s higher education system: Predictors of dropout and degree completion at the Université Libre de Bruxelles. Research in Higher Education, 54(6), 693-723. doi:10.1007/ s11162-013-9290-y

Pereira, F. C. B. (2003). Determinantes da evasão de alunos e os custos ocultos para as instituições de ensino superior: Uma aplicação na universidade do extremo sul catarinense (Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis,

Ristoff, D. (2014). O novo perfil do campus brasileiro: Uma análise do perfil socioeconômico do estudante de graduação. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 19(3), 723-747. doi:10.1590/S141440772014000300010

Santos, J. S., Junior, & Real, G. C. M. (2017). A evasão na educação superior: O estado da arte das pesquisas no Brasil a partir de 1990. Revista da Avaliação da Educação Superior, 22(2), 385-402. doi:10.1590/ s1414-40772017000200007

SC). Pinho, A. G. (2001). Reflexões sobre o papel do concurso vestibular para as universidades públicas. Estudos Avançados, 15(42), 353-362. doi:10.1590/S010340142001000200019

Silva, F. L. E. (2001). Reflexões sobre o conceito e a função da universidade pública. Estudos Avançados, 15(42), 48-53. doi:10.1590/S0103-40142001000200015

Silva, M., & Padoin, M. J. (2008). Relação entre o desempenho no vestibular e o desempenho durante o curso de graduação. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 16(58), 77-94.

Sousa, J. V. de. (2013). Vagas ociosas na educação superior brasileira no período 2003-2010: Novas variáveis em jogo? Tópicos Educacionais – UFPE, 19(1), 97-124.

Terribili, A., Filho, & Nery, A. C. B. (2009). Ensino superior noturno no Brasil: História, atores e políticas. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação – RBPAE, 25(1), 61-81. doi:10.21573/ vol25n12009.19327

Tinto, V. (1975). Dropout from higher education: A theoretical synthesis of recent research. Review of Educational Research, 45(1), 89-125. doi:10.3102/00346543045001089

Universidade de Brasília. (2008). Um estudo da evasão no curso de graduação em física da UnB. Grupo PET-Física. Recuperado de http://trad.fis.unb.br/relatorio_a_comissao_ de_graduacao.pdf

Velloso, J., & Cardoso, C. B. (2008). Evasão na educação superior: Alunos cotistas e não cotistas na Universidade de Brasília. Anais da 31ª Reunião Anual da ANPEd, Caxambu, RJ.

Zago, N. (2006). Do acesso à permanência no ensino superior: Percursos de estudantes universitários de camadas populares. Revista Brasileira de Educação, 11(32), 226-237. doi:10.1590/S1413-2478200600020000