Envelhecimento: Múltiplas Idades na Construção da Idade Profissional Outros Idiomas

ID:
53055
Resumo:
O envelhecimento populacional é um fenômeno mundial que merece maior atenção dos Estudos Organizacionais. Nessa área, o envelhecimento é abordado a partir da idade cronológica, a qual, no entanto, se mostra insuficiente para apreender o fenômeno. Portanto, este estudo tem como objetivo identificar como os profissionais que atuam em organizações públicas e privadas constroem a concepção de envelhecimento. Para isso, foram entrevistados 14 profissionais, com mais de 50 anos, que tiveram os dados coletados e analisados por meio da grounded theory, a partir do olhar da realidade como socialmente construída. A pesquisa permitiu constatar que os profissionais não se reconhecem em sua idade cronológica, mas a partir de atributos e comportamentos desempenhados no trabalho. Essa condição leva à contribuição deste artigo, ao identificar a construção da idade profissional como uma das múltiplas idades do ambiente organizacional. A idade profissional é categorizada em idade burocrática e idade empresarial, referindo-se, respectivamente, à construção do envelhecimento para funcionários de organizações públicas e privadas.
Citação ABNT:
CEPELLOS, V. M.; SILVA, G. T.; TONELLI, M. J. Envelhecimento: Múltiplas Idades na Construção da Idade Profissional. Organizações & Sociedade, v. 26, n. 89, p. 269-290, 2019.
Citação APA:
Cepellos, V. M., Silva, G. T., & Tonelli, M. J. (2019). Envelhecimento: Múltiplas Idades na Construção da Idade Profissional. Organizações & Sociedade, 26(89), 269-290.
DOI:
10.1590/1984-9260894
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53055/envelhecimento--multiplas-idades-na-construcao-da-idade-profissional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARMSTRONG-STASSEN, M.; CAMERON, S. Factors related to the career satisfaction of older managerial and professional women. Career Development International, v. 10, n. 3, p. 203-215, 2005.

BENGTSON, V.L. et al. Theories about age and ageing. In: BENGTSON, V.L. (eds.). Handbook of theories of ageing. 2 ed. New York: Springer Publishing Co. 2009.

BURRELL, G; MORGAN, G. Sociological Paradigms and Organisational Analysis. London: Heinemann 1979.

CEPELLOS, V.M. Os sentidos da idade: morte e renascimento no processo de envelhecimento de mulheres executivas. 2016. Tese (Doutorado em Administração de Empresas), Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 2016. .

CHARMAZ, K. A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Porto Alegre: Artmed. 2009.

CUNLIFFE, A.L. Orientations to Social Constructionism: relationally responsive social cons-tructionism and its implications for knowledge and learning. Management Learning, v. 39, n. 2, p. 123-139. 2008.

CUNLIFFE, A.L. Reflexive Inquiry in Organizational Research: Questions and Possibilities. Human Relations, v. 56, n. 8, p. 983-1003, 2003.

DEBERT, G.G. Antropologia e o estudo dos grupos e das categorias de idade. In: BARROS, M.M.L. de. (org.). Velhice ou Terceira Idade? Rio de Janeiro: FGV. 2006.

FORTES, M. Age, generation, and social structure. In: KERTZER, D.; KEITH, J. Age and anthropological theory. Ithaca: Cornell University Press. 1984.

FRANÇA, L H de F. P. O envelhecimento populacional e seu reflexo nas organizações: a importância da educação ao longo da vida. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 37, n. 2, 2011.

FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS -FNUAP. Envelhecimento no Século XXI: celebração e desafio. Nova York. 2012.

GANS, D. et al. The future of theories of ageing. In: BENGTSON, V.L. et al. (eds.). Handbook of theories of ageing. 2 ed. New York: Springer Publishing Co.; 2009.

GAVRILOV, L.A.; HEUVELINE, P. Ageing of population. In: DEMENY, P.; MCNICOLL, G. The Encyclopedia of Population. New York: Macmillan Reference, 2003.

GIAMBIAGI; F.; TAFNER, P. Demografia, a ameaça invisível: o dilema previdenciário que o Brasil de recusa a encarar. Rio de Janeiro: Elsevier. 2010.

HEDGE, J.W.; BORMAN, W.C. Work and Ageing: introduction. In: HEDGE, J.W.; BORMAN, W.C. (eds.). The Oxford Handbook of Work and Ageing. Oxford University Press: Oxford, 2012. p. 3-8.

HENKENS, K. Stereotyping Older Workers and Retirement: The Managers’ Point of View. Canadian Journal on Ageing, v. 24, n. 4, p. 353-366, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA -IBGE. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

KOHLI, M; MEYER, J.W. Social structure and social construction of life stages. Human Development, v. 29, n. 3, p. 145-149, 1986.

KOOJI, D.T.A.M. et al. Manageing ageing workers: a mixed methods study on bundles of HR practices for ageing workers. The International Journal of Human Resource Management, v. 25, n. 15, p. 2192- 2212, 2014.

LAWRENCE, B.S. Interest and indifference: the role of age in the organizational sciences. Research in personnel and human resources management, v. 14, p. 1-59, 1996.

LOCATELLI, P.A.P.C.; FONTOURA, D dos S. Envelhecimento Populacional e os Estudos em Administração. Revista Eletrônica Gestão e Sociedade, Belo Horizonte, v. 7, n. 17, p. 273-300, 2013.

LORETTO, W.; WHITE, P. Employers’ attitudes, practices and policies toward older workers. Management School and Economics, University of Edinburgh, Human Resource Manage-ment Journal, v. 16, n. 3, p. 313-330, 2006.

MOL, A. Ontological politics: a word and some questions. The Sociological Review, v. 47, n. S1, p. 74-89. 1999.

MORGAN, G.; SMIRCICH, L. The case for Qualitative Research. Academy of Management Review, v. 5, n. 4, 1980.

MORI, M.E.; COELHO, V.L.D. Mulheres de corpo e alma: Aspectos Biopsicossociais da Meia-Idade Feminina. Psicologia: Reflexão e Crítica, Brasília, n. 17, v. 2, p. 177-187. 2004.

NASCIMENTO, R.P. et al. ‘Trabalhar é manter-se vivo': Envelhecimento e Sentido do Trabalho para Docentes do Ensino Superior. Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 11, n. 2, p. 118-138, 2016.

NG, T.W.H.; FELDMAN, D.C. Ageing and participation in career development activities. In: HEDGE, J.W.; BORMAN, W.C. (eds.). The Oxford Handbook of Work and Ageing. Oxford University Press: Oxford, 2012.

NONATO, F.J.A.P. et al. O perfil da força de trabalho brasileira: trajetórias e perspectivas. Boletim Mercado de Trabalho - Conjuntura e Análise, v. 51, p. 30-41, 2012.

PHILLIPS, D.R.; SIU, O.-L. Global Ageing and Ageing Workers. In: HEDGE, J.W.; BORMAN, W.C. (eds.). The Oxford Handbook of Work and Ageing. Oxford University Press: Oxford, 2012.

SCHWALL, A.R. Defining age and using age-relevant constructs In: HEDGE, J.W.; BORMAN, W.C. (eds.). The Oxford Handbook of Work and Ageing. Oxford University Press: Oxford, 2012.

SPINK, M.J.; MEDRADO, B. Produção de sentidos no cotidiano: uma abordagem teórico-metodológica para análise das práticas discursivas. In: SPINK, M.J. (org.). Práticas Discursivas e Produção de Sentidos no Cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000. p. 41-61.

STRAUSS, A.; CORBIN, J. Pesquisa Qualitativa: Técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed, 2008.

TAYLOR, P.; WALKER, A. Employers and older workers: attitudes and employment practices. Ageing & Society, v. 18, n. 6, p. 641-58, 1998.

UNITED NATIONS. World Population Nation. New York: UN. 2015.

VASCONCELOS, A.F. The contemporary experience of work: older workers’perceptions. Management Research Review, v. 38, n. 4, p. 381-403, 2015.