Escravidão Contemporânea e Toyotismo Outros Idiomas

ID:
53057
Resumo:
Neste artigo, estamos identificando relações entre a gestão toyotista, como formulada por seu criador, Taiichi Ohno, e praticada por várias empresas, e elementos que caracterizam o trabalho escravo contemporâneo. Nossos referenciais reúnem a psicodinâmica dejouriana, o aporte que descreve o trabalho escravo contemporâneo e formulações de Ohno, em seu O sistema Toyota de produção. Confrontando os dois primeiros elementos com as concepções e a prática toyotistas, podemos associar esse discurso corrente entre as organizações e nas próprias escolas de gestão com a incidência da escravidão contemporânea. A conclusão a que chegamos é de que há um recuo histórico a padrões primitivos do capitalismo, com ilimitada disposição para cortar custos e, nesse contexto, crescente desapreço pelos custos sociais. Isto está levando ao aparente paradoxo de constatar-se, muito além de reminiscências feudais ou escravagistas, a difusão e naturalização das condições coloniais-escravocratas de trabalho no modo de produção capitalista.
Citação ABNT:
GURGEL, C.; MARINHO, M. Escravidão Contemporânea e Toyotismo. Organizações & Sociedade, v. 26, n. 89, p. 317-337, 2019.
Citação APA:
Gurgel, C., & Marinho, M. (2019). Escravidão Contemporânea e Toyotismo. Organizações & Sociedade, 26(89), 317-337.
DOI:
10.1590/1984-9260896
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53057/escravidao-contemporanea-e-toyotismo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES, G.A.P. Trabalho e Subjetividade: o metabolismo social da reestruturação produtiva do capital. Marília: UNESP, 2008.

ANTERO, S.A. Monitoramento e avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Escravo. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 42, n. 5, p. 791-828, 2008.

ANTUNES, R.L.C. Os Sentidos do Trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2 ed. São Paulo: Boitempo, 2009.

AOKI, M. Économie japonaise – information, motivation et marchandages. Paris: Economica, 1991.

BARNARD, C. As funções do executivo. São Paulo: Atlas, 1971.

BERNARDO, M.H. Trabalho duro, discurso flexível: uma análise das contradições do toyo-tismo a partir da vivência de trabalhadores. 1 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

BRASIL. Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de Dezembro de 1940. Código Penal Brasileiro. Rio de Janeiro, 4. ed. 2003.

BRASIL.MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO (MPT). O trabalho escravo está mais próximo do que você imagina. Cartilha do Trabalho Escravo. 2002.. Acesso em: 20/11/2016.

BRASIL.TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO (TST). Recurso de Revista.Dano Moral.Dano Existencial.Submissão A Jornada Extenuante.Prejuízo Não Comprovado. Processo TST-RR-1443-4.2012.5.15.0010, Relatora: Maria de Assis Calsing. Data de Julgamento: 15.4.2015, 4ª Turma, Data de Publicação: DEJT 17.4.2015.. Acesso em: 19/11/2016.

CHEHAB, G.C. Karoshi: a morte súbita pelo excesso de trabalho. Rev. TST, Brasília, v. 79, n. 3, 2013.

COMISSÃO PASTORAL DA TERRA (CPT). Nunca houve tantos escravos como na atuali-dade, diz pesquisador. 2009. Entrevista publicada no site da Comissão Pastoral da Terra Nordeste II. . Acesso em: 08/02/2017.

CORIAT, B. Pensar pelo avesso: o modelo japonês de trabalho e organização. Rio de Janeiro: Revan: UFRJ, 1994.

COSTA, P.T.M. A construção da masculinidade e a banalidade do mal: outros aspectos do trabalho escravo contemporâneo. Cadernos Pagu, v. 31, p. 173-198, 2008.

COSTA, P.T.M. Combatendo o trabalho escravo contemporâneo: o exemplo do Brasil. Brasília: International Labour Office/ILO Office in Brazil/OIT, 2010.

CRANE, A. Modern slavery as a management practice: exploring the conditions and capabi-lities for human explotation. Academy of Management Review, v. 38, n. 1, p. 49-69, 2013.

DAL ROSSO, S. Intensidade e imaterialidade do trabalho e saúde. Trabalho, Educação e Saúde, v. 4, n. 1, p. 65-91, 2006.

DAL ROSSO, S. Mais Trabalho!: a intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo, 2008.

DAL ROSSO, S. Ondas de intensificação do labor e crises. Perspectivas, São Paulo, v. 39, p. 133-154, 2011.

DEJOURS, C.; ABDOUCHELI, E.; JAYET, C. Psicodinâmica do Trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. 1 ed. São Paulo: Atlas, 2014.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: um estudo de psicopatologia do trabalho. 5 ed.São Paulo: Cortez/Oboré, 1992.

FERNANDES, F. A revolução burguesa. São Paulo: Zahar Editores, 1975.

FIGUEIRA, R. R. Pisando fora da própria sombra: a escravidão por dívida no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

FOLLET, M. P. Creative experience. New York: Longmans Green, 1949.

FRANÇA-JUNIOR, L.B. A precarização do trabalho e o comerciário do Carrefour. Revista Pegada Eletrônica, v. 10, n. 1, p. 94-112, 2009.

GOUNET, T. Fordismo e Toyotismo na Civilização do Automóvel. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2002.

GUERREIRO-RAMOS, A. Administração e Estratégia do Desenvolvimento: elementos de uma sociologia especial da administração. Rio de Janeiro: FGV, 1966.

HUBERMAN, L. A história da riqueza do homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

KEMPADOO, K. Revitalizando o imperialismo: campanhas contemporâneas contra o tráfico sexual e a escravidão moderna. Cadernos Pagu, v. 47, Campinas: Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2016.

LEE, S.; MCCANN, D.; MESSENGER, J.C. Duração do Trabalho em Todo o Mundo: tendências de jornadas de trabalho, legislação e políticas numa perspectiva global comparada. Brasília: OIT/Secretaria Internacional do Trabalho. 2009.

LIPIETZ, A.; LEBORGNE, D. O pós-fordismo e seu espaço. Revista Espaço & Debates, n. 25, São Paulo:USP, 1988.

LYRA, A.R.T. da C. O enfrentamento do trabalho em condição análoga à de escravo. Estudos Avançados, v. 28, n. 81, p. 213-227, 2014.

MACHADO, L.F.; MUROFUSE, N.T.; MARTINS, J.T. Vivências de ser trabalhador na agroin-dústria avícola dos usuários da atenção à saúde mental. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 40, n. 110, p. 134-147, 2016.

MARCELINO, P.R.P. A logística da precarização: terceirização do trabalho na Honda do Brasil. 2002. 241 p. Dissertação (Mestrado), Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas, Campinas, SP. 2002..

MARX, K. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, K. O Capital. São Paulo: Nova Cultura. v. 1, 1996.

MASCARENHAS, A.O.; DIAS, S.L.; BAPTISTA, R.M. Elementos para Discussão da Escravidão Contemporânea como Prática de Gestão. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 55, n. 2, p. 175-187, 2015.

MAYO, E. The Social Problems of an industrial civilization. London: Routledge & Kegan Paul Ltd, 1957.

MONTEIRO, L.A.; FLEURY, S. Elos que libertam: redes de políticas para erradicação do trabalho escravo contemporâneo no Brasil. Organizações & Sociedade, v. 21, n. 69, p. 255-273, 2014.

OHNO, T. O Sistema Toyota de Produção: além da produção em larga escala. Bookman. 1997. (Obra original publicada em 1975)

ONG REPÓRTER BRASIL. Especial Flagrantes de Trabalho Escravo na Indústria Têxtil. . 2012.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Aliança global contra o trabalho escravo. Genebra: Secretaria Internacional do Trabalho, 2005. .

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Riscos emergentes e novas formas de prevenção num mundo de trabalho em mudança. Genebra: Secretaria Internacional do Trabalho, 2010. .

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Trabalho escravo no Brasil do Século XXI. 1 ed. Leonardo Sakamoto (coord. do estudo). Brasília: OIT. 2006..

RIGGS, F. Administração nos países em desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1968.

ROMANO, J.O. Política nas Políticas: um olhar sobre os estudos na agricultura brasileira. Rio de Janeiro: Mauad X; Seropédica, RJ: EDUR, 2009.

RUIZ, B.; CASTOR, M.M. A potência da ação. Uma crítica ao naturalismo da violência. Kriterion: Revista de Filosofia, v. 55, n. 129, p. 41-60, 2014.

SANTOS, M.A.F.; SIQUEIRA, M.V.S.; MENDES, A.M. Tentativas de Suicídio de Bancários no Contexto das Reestruturações Produtivas. RAC, Curitiba, v. 14, n. 15, p. 925-938, 2010.

SATOSHI, K. Japão: a outra face do milagre. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

SKINNER, B. A Crime So Monstrous: face-to-face with modern-day slavery. New York: Free Press, 2009.

TAUÍLE, J.R. Apresentação. In: CORIAT, B. Pensar pelo avesso. Rio de Janeiro: Revan e UFRJ, 1994.

TAYLOR, F. Princípios de administração científica. São Paulo: Editora Atlas, 1963.

UOL ECONOMIA. Temer diz, em vídeo, que jornada de 12 horas seria para 4 dias de trabalho. São Paulo. 2016..

WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira, 1981.

WOOD, E. Democracia contra capitalismo. São Paulo: Boitempo Editorial, 2011.