Aplicação de um Modelo para a Análise de Stakeholders: O Caso da Secretaria de Turismo do Paraná Outros Idiomas

ID:
53065
Resumo:
Pela Teoria dos stakeholders, a organização deve satisfazer não apenas acionistas, mas aqueles a ela vinculados também. Essa ampliação de enfoque induz ao desenvolvimento de trabalhos em setores até então pouco explorados. Objetiva-se, neste artigo, propor um modelo para a análise dos stakeholders, levando-se em conta as particularidades de um órgão público de turismo. A proposta embasa-se no caso da Secretaria de Turismo do Paraná. Modelos conceituais construídos anteriormente são revisados. A pesquisa foi realizada por meio de procedimentos qualitativos. O modelo apresenta uma perspectiva processual, que contempla as etapas: descrição do contexto institucional, identificação dos stakeholders, levantamento das suas características, verificação dos recursos disponíveis, análise da participação dos stakeholders, análise da perspectiva dos stakeholders e elaboração de plano de ação. Em relação aos modelos existentes, a proposta inova ao abranger o contexto institucional e mecanismos legais de legitimação da participação dos stakeholders e, diferentemente do usual, capta tanto a perspectiva da organização quanto a dos stakeholders.
Citação ABNT:
AMÂNCIO-VIEIRA, S. F.; COSTA, B. K.; CINTRA, R. F.; FAVORETO, R. L. Aplicação de um Modelo para a Análise de Stakeholders: O Caso da Secretaria de Turismo do Paraná . Administração Pública e Gestão Social, v. 11, n. 2, p. 195-214, 2019.
Citação APA:
Amâncio-vieira, S. F., Costa, B. K., Cintra, R. F., & Favoreto, R. L. (2019). Aplicação de um Modelo para a Análise de Stakeholders: O Caso da Secretaria de Turismo do Paraná . Administração Pública e Gestão Social, 11(2), 195-214.
DOI:
10.21118/apgs.v11i2.5427
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53065/aplicacao-de-um-modelo-para-a-analise-de-stakeholders--o-caso-da-secretaria-de-turismo-do-parana-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alves, T., & Wada, E. (2014). Os domínios da hospitalidade e a gestão de stakeholders em recrutamento e seleção estudo de casos múltiplos: Estanplaza, Travel Inn e Transamérica. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 13(2), 99-116.

Araújo, L. (2008). Análise de stakeholders para o turismo sustentável. Caderno Virtual de Turismo, 8(1), 91-99.

Azevedo, R., & Rodrigues, C. (2015). Políticas públicas e turismo rural: um estudo acerca das possibilidades e limitações no município de Apodi (RN). Caderno Virtual de Turismo, 15(2), 131-145.

Beierle, T. (2002). e quality of stakeholder-based decisions. Risk Analysis, 22(4), 739-749.

Beni, M. (2008). Análise estrutural do turismo. 13.ed. São Paulo: Senac SP.

Billgren, C., & Holmen, H. (2008). Approaching reality: comparing stakeholder analysis and cultural theory in the context of natural resource management. Land Use Policy, 25(4), 550-562.

Brito, M., Breda, Z., & Costa, C. (2015). Planejamento do turismo e stakeholders: abordagens, concepções e metodologias. Revista Iberoamericana de Turismo, 5(2), 140-154.

Bryson, J. (1995). Strategic planning for public and non-profit organization. San Francisco: Jossey-Bass Publishers.

Chase, L., Siemer, W., & Decker, D. (2002). Designing stakeholder involvement strategies to resolve wildlife management controversies. Wildlife Society Bulletin, 30(3), 937-950.

Chung, W., Chen, H., & Reid, E. (2009). Business stakeholder analyzer: an experiment of classifying stakeholders on the web. Journal of the American Society for Information Science and Technology, 60(1), 59-74.

Cintra, R., Amâncio-Vieira, S., Costa, B. (2016). Stakeholder theory e institucionalismo sociológico: complementações para análise do turismo local. Revista Iberoamericana de Turismo, 6(1), 165-186.

Cintra, R., Amâncio-Vieira, S., Gonçalves, L., Costa, B. (2015). Turismo local de Londrina-PR: análise a partir da teoria do stakeholder. Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 13(2), 149-175.

Cintra, R., Ribeiro, I, & Costa, B. (2015, outubro) Stakeholder theory e turismo: uma análise metodológica das publicações científicas no cenário brasileiro, 2000-2012. Anais do Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, Natal, RN, Brasil, 12.

Co, H., & Barro, F. (2009). Stakeholder theory and dynamics in supply chain collaboration. International Journal of Operations & Production Management, 29(6), 591-611.

Coradini, C. (2011). Atuação e interação de stakeholders no planejamento turístico: um estudo de casos comparativos (Dissertação de mestrado). Universidade Nove de Julho, São Paulo, SP, Brasil.

Coradini, C., Costa, B., & Vieira, S. (2012, agosto). Atuação e interação de stakeholders no planejamento turístico: o caso do município de Santo André/SP. Anais do Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, São Paulo, SP, Brasil, 9.

Costa, A., & Azevedo, A. (2015). Destination branding: o papel dos stakeholders na gestão da marca de destino – o caso da região do Douro (Portugal). Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 11(1), 182-205.

Costa, B., Vieira, S., Boaventura, J., Coradini, C., & Añez, M. (2009). A Influência dos stakeholders na estratégia de órgãos públicos: o caso da Diretoria de Turismo de Guarulhos/SP. Anais do Encontro de Estudos em Estratégia, Recife, PE, Brasil, 4.

Costa, B., Vieira, S., & Carmona, V. (2011, outubro). Stakeholders theory: um estudo bibliométrico da produção científica mundial no turismo. In Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, Balneário Camboriú, SC, Brasil, 8.

Delgado, A. (2011). Mapeamento de stakeholders nas áreas conexas de turismo e meio ambiente: um estudo em João Pessoa/PB (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil.

De Lopez, T. (2001). Deforestation in Cambodia: a stakeholder management approach. International Journal of Sustainable Development and World Ecology, 8(4), 380-394.

DiMaggio, P., & Powell, W. (1983). e iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, 48(2), 147-160.

Donaldson, T., & Preston, L. (1995). e Stakeholder eory of the corporation: concepts, evidences, and implications. Academy of Management Review, 20(1), 65-91.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building eories from Case Study Research. e Academy of Management Review, 14(4), 532-550.

Emmendoerfer, M., Soares, E., Silva, E., Lima, A., Gava, R., & Monteiro, L. (2012). Desenvolvimento turístico regional e destinos indutores: um problema de intergovernabilidade no contexto público brasileiro? Anais do Encontro da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 36.

Emmerdoerfer, M., Silva, F., & Lima, A. (2011). Evidências de inovação social na gestão pública do turismo em Minas Gerais – Brasil: o modelo de circuitos turísticos em análise. Pasos – Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 9(2), 397-410.

Ferrary, M. (2009). A stakeholder's perspective on human resource management. Journal of Business Ethics, 87(1), 31-43.

Freeman, R. (1984). Strategic management: a stakeholder approach. Massachusetts: Sage.

Friedman, A., & Miles, S. (2002). Developing stakeholder theory. Journal of Management Studies, 39(1), 1-21.

Friedman, M., & Mason, D. (2004). A stakeholder approach to understanding economic development decision making: public subsidies for professional sport facilities. Economic Development Quarterly, 18(3), 236-254.

Gaskell, G. (2002). Entrevistas individuais e grupais. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com textos, imagem e som (pp. 64-89). Petrópolis: Vozes.

Gerring, J. (2007). Case Study Research. New York: Cambridge University Press.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, 35(3), 20-29.

Guinmarães, M. (2002). O debate sobre a descentralização de políticas públicas: um balanço bibliográfico. Organizações & Sociedade, 9(23), 1-17.

Guizi, A., Wada, E., & Gândara, J. (2016). Stakeholders, eventos corporativos e hospitalidade: estudos de casos múltiplos em Bourbon Hotéis e Resorts. Revista Iberoamericana de Turismo, 6(1), 53-72.

Harrison, J., Freeman, R., & Abreu, M. (2015) Stakeholder theory as an ethical approach to effective management: applying the theory to multiple contexts. Review of Business Management, 17(55), 858-869.

Hsieh, M. (2009). Human centric knowledge seeking strategies: a stakeholder perspective. Journal of Knowledge Management, 13(4), 115-133.

Jepsen, A., & Eskerod, P. (2009). Stakeholder analysis in projects: challenges in using current guidelines in the real world. International Journal of Project Management, 27(4), 335-343.

Joyce, P. (1999). Strategic management for the public services. Philadelphia: University Press.

Junqueira, R., & Wada, E. (2011). Stakeholders: estratégia organizacional e relacionamento: estudo de casos múltiplos do setor hoteleiro. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 10(3), 94-125.

Koga, E., & Wada, E. (2013). Análise dos stakeholders e gestão dos meios de hospedagem: estudo de casos múltiplos na Vila do Abraão, Ilha Grande, RJ. Turismo em Análise, 24(1), 90-118.

Lamberg, J., Pajunen, K., & Parvinen, P. (2008). Stakeholder management and path dependence in organizational transitions. Management Decision, 46(5-6), 846-863.

Manenti, D. Z. (2008). Identificação dos principais stakeholders e análise dos relacionamentos existentes no contexto do roteiro turístico da localidade de Ana Rech em Caxias do Sul-RS (Dissertação de mestrado). Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS, Brasil.

Melo, P., & Régis, H. (2013). Classificação dos laços entre gestores e stakeholders na rede dos pontos de cultura no grande Recife. Organizações & Sociedade, 20(64), 75-96.

Merriam, S. B. (1988). Case Study Research in Education: a qualitative approach. San Francisco: Jossey-Bass.

Meyer, J., & Rowan, B. (1977). Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, 83(2), 340-363.

Miles, M., & Huberman, A. (1994). Qualitative data analysis: an expanded sourcebook (Cap. 2, pp. 16-39). ousand Oaks: Sage.

Miles, S. (2015). Stakeholder theory classification: a theoretical and empirical evaluation of definitions. Journal Business Ethics, [Article in Press]: 1-23 [on-line].

Minayo, M. (1996). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Mintzberg, H. (1983). Power in and around organizations. New Jersey: Prentice Hall, Inc.

Mitchell, R., Agle, B., & Wood, D. (1997). Toward a theory of stakeholder identification and salience: defining the principle of who and what really counts. Academy of Management Review, 22(4), 853-886.

Mitroff, I. (1983). Stakeholders of the organizational mind: toward a new view of organizations policy making. San Francisco: Jossey-Bass Publishers.

Nascimento, V., Simonian, L., & Farias Filho, M. (2016). Política pública de turismo do Amazonas a partir do Modelo de Fluxos Múltiplos. Caderno Virtual de Turismo, 16(1), 141-157.

Perera, A., & Jiménez, M. (2011). La gestión de las relaciones com los grupos de interés: un análisis exploratorio de casos en el sector hotelero español. Estudios y Perspectivas en Turismo, 20(4), 753-771.

Pfeffer, J., & Salancik, G. (1978). e external control of organizations: a resource dependence perspective. New York: Harper and How.

Pimentel, M., & Pimentel, T. (2011). A trajetória das políticas públicas de turismo brasileiras 1930-2010. Anais do Encontro da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 35

Pimentel, T., Pimentel, M., & Vidal, J. (2017). Políticas públicas de turismo numa perspectiva normativa comparada: os casos de Brasil e Espanha. Pasos – Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 15(2), 293-310.

Pomeroy, R., & Douvere, F. (2008). e engagement of stakeholders in the marine spatial planning process. Marine Policy, 32(5), 816-822.

Prell, C., Hubacek, K., & Reed, M. (2009). Stakeholder analysis and social network analysis in natural resource management. Society & Natural Resources, 22(6), 501-518.

Reed, M. (2008). Stakeholder participation for environmental management: a literature review. Biological Conservation, 141(10), 2417-2431.

Reed, M., Graves, A., Dandy, N., Posthumus, H., Hubacek, K., Morris, J., Prell, C., Quinn, C., & Stringer, L. (2009). Who's in and why? A typology of stakeholder analysis methods for natural resource management. Journal of Environmental Management, 90(5), 1933-1949.

Ruschmann, D. (2010). Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. 16.ed. Campinas/SP: Papirus.

Sabino, B., Procopiak, J., Hoffmann, R., & Hoffmann, V. (2005). A importância dos stakeholders na tomada de decisão das pousadas de Bombinhas. Turismo: Visão e Ação, 7(2), 341-354.

Santos, G., Leal, S., Panosso Netto, A. (2015). O Brasil na literatura internacional de turismo: análise das publicações em idioma inglês. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 9(3), 459-478.

Schwarzkopf, D. (2006). Stakeholder perspectives and business risk perception. Journal of Business Ethics, 64(4), 327-342.

Scott, W. (1987). e adolescence of Institutional eory. Administrative Science Quarterly, 32(4), 493-511.

Soares, T. (2005). As relações públicas em organizações do setor turístico: uma visão de gestores da cidade de LondrinaPR (Dissertação de mestrado). Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú, SC, Brasil. Souza, C. Políticas públicas: uma revisão de literatura. Sociologias, 8(16), 20-45, 2006.

SP, Brasil, 6. Virginio, D. & Ferreira, L. (2013). Gestão pública do turismo: uma análise da política de regionalização no período 2004-2011 no Rio Grande do Norte, Brasil. Caderno Virtual de Turismo, 13(2), 162-182.

Tolbert, P., & Zucker, L. (1998). A institucionalização da teoria institucional. In S. R. Clegg, C. Hardy & W. R. Nord (Orgs.). Handbook de Estudos Organizacionais (Vol. 1, pp. 196-226). São Paulo: Atlas.

Triviños, A. N. S. (1995). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação: o positivismo, a fenomenologia, o marxismo. São Paulo: Atlas.

Vandekerckhove, W., & Dentchev, N. (2005). A network perspective on stakeholder management: facilitating entrepreneurs in the discovery of opportunities. Journal of Business Ethics, 60(3), 221-232.

Varvasovszky, Z. & Brugha, R. (2000). Stakeholder analysis: a review. Health Policy and Planning, 15(3), 239-246.

Vieira, S. (2010). Dinâmica de atuação dos stakeholders em atividades estratégicas: a experiência da SETU (Tese de doutorado). Universidade Nove de Julho, São Paulo, SP, Brasil.

Vieira, S., Costa, B., & Boaventura, J. (2011). Análise de stakeholders aplicada em órgãos públicos: o caso da Secretaria de Estado do Turismo do Paraná. Revista de Ciências da Administração, 13(31), 81-110.

Vieira, S., Costa, B., & Cintra, R. (2012). Stakeholders analysis: um novo campo de pesquisa no turismo. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 6(2), 21-33.

Viera, E., & Hoffmann, V. (2009, setembro). Avaliação de competitividade e gerenciamento de destinos: uma aplicação no sul do Brasil. Anais do Seminário da Associação Nacional Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, São Paulo,

Webb, T., & Raffaelli, D. (2008). Conversations in conservation: revealing and dealing with language differences in environmental conflicts. Journal of Applied Ecology, 45(4), 1198-1204.

Wong, B. (2005). Understanding stakeholder values as a means of dealing with stakeholder conflicts. Soware Quality Journal, 13(4), 429-445.

Yang, J., Shen, G., & Ho, M. (2009). Exploring critical success factors for stakeholder management in construction projects. Journal of Civil Engineering and Management, 15(4), 337-348.

Yau, O., Chow, R., & Sin, L. (2007). Developing a scale for stakeholder orientation. European Journal of Marketing, 41(11-12), 1306-1327.

Yin, R. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Zago, A., & Wada, E. (2013). Dinâmica de stakeholders e cocriação de valor em museus: um olhar inicial. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 12(2), 274-298.