Cultura e Aprendizagem Organizacionais: Explorando Relações em uma Organização Pública Outros Idiomas

ID:
53168
Periódico:
Resumo:
O objetivo do estudo foi identificar as relações existentes entre a cultura organizacional (CO) e a aprendizagem organizacional (AO) sob a perspectiva dos servidores de uma instituição federal de ensino localizada na Região Sul do Brasil. Com caráter descritivo, o estudo foi conduzido pelo método survey. Os resultados identificaram os fatores comumente adotados pelos servidores no que tange à CO, os fatores potencializadores e dificultadores da AO e, por fim, as relações entre os fatores destes construtos. O estudo das correlações entre CO e AO permitiu identificar a existência de associações entre a maior parte de seus fatores, sendo que as relações significativas positivas foram predominantes, revelando um entrelaçamento entre os temas.
Citação ABNT:
FORNO, G. M. B. D.; OLIVEIRA, J. M.; ESTIVALETE, V. F. B.; MULLER, F. M. Cultura e Aprendizagem Organizacionais: Explorando Relações em uma Organização Pública . Revista Alcance, v. 25, n. 3, p. 330-348, 2018.
Citação APA:
Forno, G. M. B. D., Oliveira, J. M., Estivalete, V. F. B., & Muller, F. M. (2018). Cultura e Aprendizagem Organizacionais: Explorando Relações em uma Organização Pública . Revista Alcance, 25(3), 330-348.
DOI:
alcance.v25n3(Set/Dez).p330-348
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53168/cultura-e-aprendizagem-organizacionais--explorando-relacoes-em-uma-organizacao-publica-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Angelim, G. P.; Guimarães, T. A. (2003). Potencial de aprendizagem organizacional e qualidade de gestão: um estudo multicaso em organizações públicas brasileiras. Anais do 27º Encontro da ANPAD, 1-16.

Antonello, C. S. (2006). Aprendizagem na ação revisitada e sua relação com a noção de competência. Comportamento organizacional e gestão, 12(2), 199-220.

Argyris, C.; Schon, D. A. (1978). Organization learning: a theory of action perspective. Massachusetts: Addison Wesley.

Argyris, C.; Schön, D. A. (1996). Organizational Learning II: theory, method and practice. Massachusetts: Addison Wesley.

Chatterjee, A.; Pereira, A.; Bates, R. (2018). Impact of individual perception of organizational culture on the learning transfer environment. International Journal of Training and Development, 22(1), 15-33.

Daft, R. L.; Weick, K. E. (1984). Toward a model of organizations as interpretation systems. Academy of management review, 9(2), 284-295.

Dodgson, M. (1993). Organizational learning: a review of some literatures. Organization studies, 14(3), 375-394.

Ferreira, M.C.; & Assmar, E.M.L. (2008). Cultura Organizacional. In: Siqueira, M.M.M. (Org.) Medidas do Comportamento Organizacional: Ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed.

Ferreira, M. C.; Assmar, E. M. L.; Estol, K. M. F.; Helena, M. C. C. C.; Cisne, M. D. C. F. (2002). Desenvolvimento de um instrumento brasileiro para avaliação da cultura organizacional. Estudos de Psicologia, 7(2), 271-280.

Fiol, C. M.; Lyles, M. A. (1985). Organizational learning. Academy of management review, 10(4), 803-813.

Fleury, M. T. (1996). O desvendar a cultura de uma organização - uma discussão metodológica. In: Fleury, M.T.L.; Fischer, R.M. (coord.). Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas.

Goh, S.; Richards, G. (1997). Benchmarking the learning capability of organizations. European Management Journal, 15(5), 575-583.

Hair, J. F.; Black, W. C.; Babin, B. J.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados (6ª ed.). Porto Alegre: Bookman Editora.

Helmsing, B. (2001). Externalities, learning and governance: new perspectives on local economic development. Development and change, 32(2), 277-308.

Kim, D. H. (1993). The link between individual and organizational learning. Sloan Management Review, 35, 37-50.

Kim, D. H. (1998). O elo entre a aprendizagem individual e a aprendizagem organizacional. In: Klein. A gestão estratégica do capital intelectual: recursos para a economia baseada em conhecimento. Rio de Janeiro: Qualitymark, 61-92.

Lee, S.; Rittiner, F.; Szulanski, G. (2016). The Past, present, and future of organizational learning research: A conversation with professor Linda Argote. Journal of Management Inquiry, 25(1), 85-92.

Levitt, B.; March, J. G. (1988). Organizational learning. Annual review of sociology, 14(1), 319-338.

Nogueira, R. A.; Odelius, C. C. (2015). Desafios da pesquisa em aprendizagem organizacional. Cadernos Ebape.BR, 13(1), 83-102.

Normann, R. (1985). Developing capabilities for organizational learning. In J. M. Pennings & Associates (Eds.) Organizational strategy and change: New views on formulating and implementing strategic decisions. San Francisco: Jossey-Bass, 217-248.

Pestana, M. H.; Gageiro, J. N. (2003). Análise de dados para ciências sociais: a complementaridade do SPSS. (3ª ed.). Lisboa: Silabo.

Probst, G. J. B.; Büchel, B. S. T. (1997). Learning Organization: the competitive advantage of the future. London: Pretence Hall.

Richardson, R. J. (2017). Pesquisa social: métodos e técnicas. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Schein, E. (2009). Cultura Organizacional e Liderança. São Paulo: Atlas.

Schein, E. H. (1984). Coming to a new awareness of organizational culture. Sloan management review, 25(2), 3-16.

Sweringa. J.; Wierdsma, A. (1995). La organización que aprende. Wilmington: Addison-Wesley.

Takahashi, A. R. W.; Fischer, A. L. (2009). Debates passados, presentes e futuros da aprendizagem organizacional: um estudo comparativo entre a produção acadêmica nacional e internacional. RAM - Revista de Administração Mackenzie, 10(5), 53-76.

Tang, M.; Zhang, T. (2016). The impacts of organizational culture on information security culture: a case study. Information Technology and Management, 17(2), 179-186.

Tonet, H. (2008). O desafio de compartilhar e disseminar conhecimento nas organizações. In: Angeloni, M. T. Gestão do conhecimento no Brasil: casos experiências e práticas de empresas públicas. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Wang, C. L.; Ahmed, P. K. (2003). Organisational learning: a critical review. The learning organization, 10(1), 817.

Weick, K. E.; Westley, F. (2004). Aprendizagem organizacional: confirmando um oximoro. In: Clegg, S.; Hardy, C.; Nord, W. R. (org.) Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas. p. 361-388.