Os Sentidos do Trabalho para Docentes de Pós-Graduação 'Stricto Sensu': Um Estudo com Docentes das Áreas de Administração e Educação Outros Idiomas

ID:
53170
Periódico:
Resumo:
O objetivo da pesquisa é analisar os sentidos do trabalho para docentes de pós-graduação stricto sensu das áreas de Administração e Educação do Estado do Rio Grande do Sul. A pesquisa realizada é de natureza descritiva com abordagem qualitativa. A coleta de informações foi realizada por meio de 27 entrevistas com roteiro semiestruturado e as informações analisadas com base na técnica de análise de conteúdo. Para os entrevistados, um trabalho que tem sentido proporciona satisfação pessoal, realização e identidade, está organizado de forma que apresente objetivos claros e resultados úteis, que proporcione possibilidades de estabelecer relações interpessoais, inserção social e que seja moralmente aceitável. Os resultados mesclam os sentidos do trabalho encontrados por Morin (2001), Morin, Tonelli e Pliopas (2003), Oliveira, Piccinini, Fontoura e Schuweig (2004) e Piccinini, Oliveira, Fontoura e Schweig (2005), apresentando as características de um trabalho que tem sentido. Gerencialmente, os resultados alcançados podem auxiliar as IES em questões referentes à organização do trabalho docente, como a burocracia, os excessos de reuniões, a carga excessiva de trabalho e a má divisão dos cargos de gestão.
Citação ABNT:
PETRI, M. P.; GALLON, S.; VAZ, E. D. Os Sentidos do Trabalho para Docentes de Pós-Graduação 'Stricto Sensu': Um Estudo com Docentes das Áreas de Administração e Educação . Revista Alcance, v. 25, n. 3, p. 366-380, 2018.
Citação APA:
Petri, M. P., Gallon, S., & Vaz, E. D. (2018). Os Sentidos do Trabalho para Docentes de Pós-Graduação 'Stricto Sensu': Um Estudo com Docentes das Áreas de Administração e Educação . Revista Alcance, 25(3), 366-380.
DOI:
alcance.v25n3(Set/Dez).p366-380
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53170/os-sentidos-do-trabalho-para-docentes-de-pos-graduacao--stricto-sensu---um-estudo-com-docentes-das-areas-de-administracao-e-educacao-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Dejours, C. (2013). A sublimação, entre sofrimento e prazer no trabalho. Revista Portuguesa de Psicanálise, 33(2), 9-28.

Drenth, P. J. D. (1991). Work meanings: a conceptual, semantic and developmental approach. The European Work and Organizational Psychologist, 1(2-3), 125-133.

Freitas, M. E. (2007a). A carne e os ossos do ofício acadêmico. Organizações & Sociedade, 14(42), 187-191.

Freitas, M. E. (2011). O pesquisador hoje: entre o artesanato intelectual e a produção em série. Cadernos EBAPE.BR, 9(4), 1158-1163.

Alcadipani, R. (2011). Resistir ao Produtivismo: uma ode à perturbação acadêmica. Cadernos EBAPE.BR, 9(4), 1175-1178.

Antunes, R. (2009). Os Sentidos do Trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho (2a ed.). São Paulo: Boitempo.

Bandeira-de-Mello, R. (2010). Softwares em pesquisa qualitativa. In: C. K. Godoi, R. B. Mello.; A. B. Silva (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais. 2a ed. São Paulo: Saraiva.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. (1a ed.). São Paulo: Edições 70.

Bastos, A. V. B.; Pinho, A. P. M.; Costa, C. A. (1995). Significado do trabalho: um estudo entre trabalhadores inseridos em organizações formais. Revista de Administração de Empresas, 35(6), 20-29.

Bendassolli, P. F. (2009). Psicologia e Trabalho: apropriações e significados. São Paulo: Cengage Learning.

Berg, J. M.; Dutton, J. E.; Wrzesniewski, A. (2013). Job crafting and meaningful work. Purpose and meaning in the workplace, 81, 104.

Bianchetti, L.; Machado, A. M. N. (2009). Publicar & Morrer!?Análise do impacto das políticas de pesquisa e pós-graduação na constituição do tempo de trabalho dos investigadores. Educação, Sociedade & Culturas, (28), 53-69.

Costa, F. J.; Moreira, J. A.; Ethur, S. Z. (2006). O perfil dos professores de pós-graduação em administração na perspectiva dos alunos. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, Brasil, 30.

Coutinho, M. C.; Magro, M. L. P. D.; Budde, C. (2011). Entre o prazer e o sofrimento: um estudo sobre os sentidos do trabalho para professores universitários. Psicologia: Teoria e Prática, 2(13), 154-167.

D’acri, V. (2003). Trabalho e saúde na indústria têxtil de Amianto. São Paulo em Perspectiva, 2(17), 13-22.

Duarte, N. (2006). A pesquisa e a formação de intelectuais críticos na pós-graduação em Educação. Perspectiva, 24(1), 89-110.

Forattini, C. D.; Lucena, C. A. (2015). Adoecimento e sofrimento docente na perspectiva da precarização do trabalho. Laplage em Revista, 1(2), 32-47.

Freitas, M. E. (2007). Ser ou estar acadêmico? Organizações & Sociedade, 14(43), 199-204.

Godoi, C. K.; Mattos, P. L. C. L. (2010). Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: C. K. Godoi, R. B. Mello.; A. B. Silva (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais. (2a ed.). São Paulo: Saraiva.

Hackman, J. R.; Oldham, G. R. (1975). Development of the Job Diagnostic Survey. Journal of Applied Psychology, 60(2), 159.

Heloani, R.; Lancman, S. (2004). Psicodinâmica do trabalho: o método clínico de intervenção e investigação. Revista Produção, 14(3), 77-86.

Karawejczyk, T. C.; Estivalete, V de F. B. (2002). O sentido do trabalho e o desenvolvimento de competências: perspectivas sob a ótica do professor universitário. Anais do Encontro de Estudos Organizacionais, Observatório da Realidade Organizacional: PROPAD/UFPE, Recife, Brasil, 2.

Lima, M. P. de; Tavares, N. V.; Brito, M. J.; Cappelle, M. C. A. (2013). O sentido do trabalho para pessoas com deficiência. Revista de Administração Mackenzie, 14(2), 42-68.

Maués, O. C.; Mota Jr.; W. P. (2011). A nova regulação educacional e o trabalho docente na pós-graduação brasileira. Linhas Críticas, 17(33), 385-402.

Menezes, L. M. de; Napomuceno, L. H.; Batista-dos-Santos, A. C. (2011). Os sentidos do trabalho para um grupo de professores de uma universidade pública: a dialética prazer-sofrimento em tempos de flexibilidade. Anais do Encontro Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, Rio de Janeiro, Brasil, 35.

Moreira, M. L.; Velho, L. (2008). Pós-Graduação no Brasil: da concepção “ofertista linear” para “novos modos de produção do conhecimento” implicações para avaliação. Avaliação, 13(3), 625-645.

Morin, E. M. (2001). Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas, 41(3), 8-19.

Morin, E. M. (2002). Fator humano: os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas executivo, 1(1).

Morin, E. M.; Tonelli, M. J.; Pliopas, A. L. V. (2003). O trabalho e seus sentidos. Anais do Encontro Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, Atibaia, Brasil, 27.

Morin, E. M.; Tonelli, M. J.; Pliopas, A. L. V. (2007). O trabalho e seus sentidos. Psicologia & Sociedade, 19(1), 47-56.

Mow International Research Team. (1987). The meaning of working. Academic Pr.

Nascimento, R. P.; Costa, D. V. F.; Salvá, M. N. R.; Moura, R. G. de.; Lutumba, A. S. S. (2016). “Trabalhar é manter-se vivo”: envelhecimento e o sentido do trabalho para docentes de ensino superior. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 11(2).

Neves, D. R.; Nascimento, R.P.; Felix Jr, M.S.; Da Silva, F.A.; De Andrade, R.O.B. (2018). Sentido e significado do trabalho: uma análise dos artigos publicados em periódicos associados à Scientific Periodicals Electronic Library. Cadernos EBAPE. BR, 16(2), 318-330.

Oliveira, M. A. M.; Freitas, M. V. M. T. (2009). O Atual Modelo de Avaliação da CAPES: seus impactos sobre as vidas profissional e pessoal dos docentes de um programa de pós-graduação em letras. Educação em Foco, (13), 29-52.

Oliveira, S. R. de, Piccinini, V. C.; Fontoura, D. dos S.; Schuweig. C. (2004). Buscando o sentido do trabalho. Anais do Encontro Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, Porto Alegre, Brasil, 28.

Paiva, J. C. M.; Bendassolli, P. F.; Torres, C. C. (2015). Sentidos e significados do trabalho: dos impedimentos às possibilidades do trabalho de pessoas com deficiências. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 15(1), 218-239.

Patrus, R.; Lima, M. C. (2014). A Formação de Professores e de Pesquisadores em Administração: contradições e alternativas. Revista Economia & Gestão, 14(34).

Piccinini, V. C.; Oliveira, S. R. de, Fontoura, D. dos S.; Schweig, C. (2005). Quando trabalhar faz sentido? Anais do 16e Conférence de L’AGRH, Paris Dauphine, França.

Pizzio, A.; Klein, K. (2015). Qualidade de vida no trabalho e adoecimento no cotidiano de docentes do ensino superior. Educação & Sociedade, 36(131), 493-513.

Prates, C.; Silva, N. G. da.; Piccinini, V. C. (2014). O Sentido do Trabalho Para o Operário: Estudo de Caso em uma Fábrica de Componentes Eletrônicos. Ciências Sociais em Perspectiva, 13(24), 139-160.

Rigon, J.; Vilela, L. D. (2004). El Significado del Trabajo: Homologación de uma Versión em Portugués-Brasileño del Cuestionario Mow. Anais do Encontro Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, Porto Alegre, Brasil, 28.

Rodrigues, A. L.; Barrichello, A.; Irigaray, H. A. R.; Soares, D. R.; Morin, E. M. (2017). O trabalho e seus sentidos: um estudo com peritos criminais da Polícia Federal. Revista de Administração Pública, 51(6), 1058-1084.

Rodrigues, A. L.; Barrichello, A.; Morin, E. M. (2016). Os sentidos do trabalho para profissionais de enfermagem: um estudo multimétodos. Revista de Administração de Empresas, 56(2), 192-208.

Rosso, B. D.; Dekas, K. H.; Wrzesniewski, A. (2010). On the meaning of work: A theoretical integration and review. Research in organizational behavior, 30, 91-127.

Silva, J. M.; Braga, J. (2014). Os sentidos do trabalho: uma análise circunscrita ao trabalho dos docentes de duas instituições de ensino superior em salvador. Revista Formadores: Vivências e Estudos, 7(1), 46-59.

Steger, M. F.; Dik, B. J. (2010). Work as meaning: Individual and organizational benefits of engaging in meaningful work. In P. A. Linley, S. Harrington.; N. Garcea (Eds.), Oxford library of psychology. Oxford handbook of positive psychology and work (pp. 131-142).

Steger, M. F.; Dik, B. J.; Duffy, R. D. (2012). Measuring meaningful work: The work and meaning inventory (WAMI). Journal of Career Assessment, 20(3), 322-337.

Tolfo, S da R.; Coutinho, M. C.; Almeida, A. R. de; Baasch, D.; Cugnier, J. S. (2005). Revisitando Abordagens Sobre Sentidos e Significados do Trabalho. Anais do Fórum CRITEOS, Porto Alegre, Brasil.

Tolfo, S da R.; Piccinini, V. C. (2007). Sentidos e significados do trabalho: explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros. Psicologia & Sociedade, 1(19), 38-46.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Vilas Boas, A. A.; Morin, E. M. (2015). Sentido do Trabalho e Orientação para o Trabalho: Um Estudo em Universidade Públicas de Minas Gerais e do Quebec. Revista GUAL, 8(4), 117-133.

Vilas Boas, A. A.; Morin, E. M. (2016). Sentido do trabalho e fatores de qualidade de vida no trabalho: a percepção de professores brasileiros e canadenses. Revista Alcance, 23(3), 272-292.

Vilas Boas, A. A.; Morin, E. M. (2017). Qualidade de vida no trabalho: um modelo sistêmico de análise. Revista Administração em Diálogo, 19(2), 62-90.

Vosgerau, D. S. A. R.; Orlando, E de A.; Meyer, P. (2017). Produtivismo acadêmico e suas repercussões no desenvolvimento profissional de professores universitários. Educação & Sociedade, 38(138), 231-247.

Wrzesniewski, A.; Dutton, J. E. (2001). Crafting a job: Revisioning employees as active crafters of their work. Academy of management review, 26(2), 179-201.

Wrzesniewski, A.; McCauley, C.; Rozin, P.; Schwartz, B. (1997). Jobs, careers, and callings: People's relations to their work. Journal of research in personality, 31(1), 21-33.