Descobrindo na Autoscopia um Caminho para Refletir e Aprender Outros Idiomas

ID:
53172
Periódico:
Resumo:
O caso aborda a experiência de formação de pesquisadores por meio da autoscopia, um dispositivo metodológico de natureza qualitativa com abordagem reflexiva. A autoscopia é uma alternativa ao uso de entrevistas em pesquisas qualitativas. Essa fase de pesquisa integra dois momentos: videogravação e sessões reflexivas. Objetiva-se nesse caso fomentar discussões sobre uma experiência vivencial e refletir acerca da viabilidade da aplicação da autoscopia. Conta a história do treinamento prático de pesquisadores, ao destacar os momentos de aprendizado durante o experimento que foi realizado com pesquisadores e bolsistas de uma Universidade Federal do Brasil. Além de narrar a implementação piloto da metodologia, o caso de ensino inclui objetivos de aprendizagem, questões de discussão e referências para ajudar na discussão do caso. É um método que implica reflexão e, portanto, apropriado para uso em disciplinas que trabalham com aprendizagem experiencial e treinamento em metodologia de pesquisa.
Citação ABNT:
FREITAG, M. S. B.; CARVALHO, J. B.; CAMARGO, A.; ARAGÃO, A. M. F. Discovering Autoscopy as a Means towards Reflection and Learning. Revista Alcance, v. 25, n. 3, p. 402-413, 2018.
Citação APA:
Freitag, M. S. B., Carvalho, J. B., Camargo, A., & Aragão, A. M. F. (2018). Discovering Autoscopy as a Means towards Reflection and Learning. Revista Alcance, 25(3), 402-413.
DOI:
alcance.v25n3(Set/Dez).p402-413
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53172/descobrindo-na-autoscopia-um-caminho-para-refletir-e-aprender-/i/pt-br
Tipo de documento:
Caso de Ensino
Idioma:
Inglês
Referências:
Fernandes, S. D. S. (2004). Vídeo-formação: uma experiência de videoscopia com professores estagiários. Dissertação de mestrado, Universidade do Minho, Braga. Recuperado de http://hdl.handle.net/1822/573

Linard, M. (1980). Autoscopie par video: L’imagine de soi au travail. Education Permanente, 52.

Roesch, S. M. A. (2007). Notas sobre a construção de casos para ensino. Revista de Administração Contemporânea, 11(2), 213-234.

Almeida, M. J. (1994). Imagens e sons. São Paulo: Cortez, 1994.

Antonello, C. S. (2006). Aprendizagem na ação revisitada e sua relação com a noção de competência. Comportamento organizacional e gestão, 12(2), 2006.

Belei, R. A.; Gimeniz-Paschoal, S. R.; Nascimento, E. N.; Matsumono, P. H. V. R. (2008). O uso de entrevista, observação e videogravação em pesquisa qualitativa. Cadernos de Educação, 30.

Bourron, Y.; Chaduc, J. P.; Chauvin, M. (1998). L’Image de Soi par la Vidéo: Pratique de l’Autoscopie. Paris: Top Éditions.

Cardoso, A. L. J. (2015). Processo Científico: A Formação do Pesquisador em Administração. Pretexto, 16(1).

Carmo, M. S. (2008). A “casa” e a “rua” na trajetória do pesquisador moderno: Uma análise da formação do pesquisador em ciência básica no Brasil e os rituais de passagem. Anais do Encontro Nacional da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Duarte, E. N. (2008). Aprendizagem organizacional em unidades de informação: do grupo focal à comunidade de prática. Perspectivas em Ciência da Informação, 13(3).

Fava-De-Moraes, F.; Fava, M. (2000). A iniciação científica: Muitas vantagens e poucos riscos. São Paulo em Perspectiva, 14(1).

Ferrés, J. (1996). Vídeo e educação. Porto Alegre: Artes Médicas.

Lodi, M. D. F, Thiollent, M. J. M. & Sauerbronn, J. F. R. (2017). Uma Discussão Acerca do Uso da Pesquisa-ação em Administração e Ciências Contábeis. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 13(1).

Menelau, S. et al. (2015). Realizar pesquisa sem ação ou pesquisa-ação de Administração? RAUSP - Revista de Administração, 50(1).

Oliveira, S. R.; Piccinini, V. C. (2009). Validade e reflexividade na pesquisa qualitativa. Cadernos EBAPE, 7(1).

Pardo, M. B. L.; Colnago, N. A. S. (2011). Formação do pesquisador: Resultados de cursos de pós-graduação em educação. Paideia, 21(49).

Rosa-Silva, P. O.; Lorencini Junior, A.; Laburú, C. E. A. (2009). Autoscopia como estratégia da sala de espelhos na formação continuada de uma professora de ciências. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis, SC.

Rosado, E. M. S. (1990). Communication mediatissé et processus d’evolution des representations - Etude de Cas: La representation de l’informatique. Tese de Doutorado em Psicologia. Université Lumiére Lyon.

Sadalla, A. M.; Larocca, P. (2004). Autoscopia: Um procedimento de pesquisa e de formação. Educação e Pesquisa, 30(3).

Silva, A. B, Araújo, G. D.; Carrazzoni, M. D. (2016). O Processo de Reflexão no Contexto da Ação: A Percepção de Executivos e Empreendedores. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 9(3).

Silva, L. B.; Silva, A. B. (2011). A reflexão como mediadora da aprendizagem gerencial em organizações não governamentais. Revista de Administração Mackenzie, 12(2).

Teixeira, J. C.; Zanoteli, E. J.; Carrieri, A. P. (2011). A importância dos clássicos na formação do pesquisador: O que nos diz os conceitos de socialização, identificação e campo intelectual como campo de poder. Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade, João Pessoa, PB, Brasil.

Tosta, A. C. G. (2006). Autoscopia e desenho: A mediação em uma sala de educação infantil. Dissertação em Psicologia Aplicada, UFU, Uberlândia, MG, Brasil.

Villard, B. Q.; Vergara, S. C. (2011). Implicações da aprendizagem experiencial e da reflexão pública para o ensino de pesquisa qualitativa e a formação de mestres em Administração. Revista de Administração Contemporânea, 15(5).

Werneck, V. R. (2006). Sobre o processo de construção do conhecimento: O papel do ensino e da pesquisa. Ensaio: Avaliação políticas públicas educacionais, 14(51).