Complexidade Organizacional e Liderança Feminina nas Empresas de Auditoria Externa Outros Idiomas

ID:
53201
Resumo:
O presente estudo teve como objetivo identificar as diferenças em termos de complexidade organizacional das empresas auditadas por homens, quando comparadas com aquelas auditadas por, pelo menos, uma mulher. A plataforma teórica da pesquisa fundamentou-se nos fenômenos do glass ceiling e do pink collar work. A base de dados contou com 447 empresas listadas na BM&FBovespa. Para análise dos dados, foram estimadas regressões logísticas simples. Os resultados da pesquisa indicam que quanto mais complexa é a organização menor é a probabilidade de ela apresentar uma mulher como técnica responsável pelos serviços de auditoria. Além disso, identificou-se que das 447 empresas analisadas apenas 64 apresentaram, pelo menos, uma mulher como auditora externa responsável pelos serviços de auditoria no exercício de 2015. Esse número cai para 38, quando se considera as empresas cujo trabalho de auditoria externa é chefiado exclusivamente por mulheres.
Citação ABNT:
CORDEIRO, F. A.; PEREIRA, F. R.; DURSO, S. O.; CUNHA, J. V. A. Complexidade Organizacional e Liderança Feminina nas Empresas de Auditoria Externa . Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 15, n. 36, p. 31-48, 2018.
Citação APA:
Cordeiro, F. A., Pereira, F. R., Durso, S. O., & Cunha, J. V. A. (2018). Complexidade Organizacional e Liderança Feminina nas Empresas de Auditoria Externa . Revista Contemporânea de Contabilidade, 15(36), 31-48.
DOI:
http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2018v15n36p31
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53201/complexidade-organizacional-e-lideranca-feminina-nas-empresas-de-auditoria-externa--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADAPA, S.; RINDFLEISH, J.; SHERIDAN, A. ‘Doing gender’ in a regional context: Explaining women's absence from senior roles in regional accounting firms in Australia. Critical Perspectives on Accounting, v. 35, p. 100-110, 2016. doi: 10.1016/j.cpa.2015.05.004

ANDERSON, R. C.; REEB, D. M.; UPADHYAY, A.; ZHAO, W. The economics of director heterogeneity. Financial Management, v. 40, n. 1, p. 5-38, 2011. doi: 10.1111/j.1755053X.2010.01133.x

ASSUNÇÃO, R. R. Complexidade organizacional e governança corporativa nas empresas listadas na BM&FBOVESPA. Dissertação. Universidade Federal do Ceará - UFC, Fortaleza, 2014.

ASSUNÇÃO, R. R; DE LUCA, M. M. M.; VASCONCELOS, A. C.; REBOUÇAS, S. M. D. P. Complexidade Organizacional e governança corporativa nas maiores companhias abertas do Brasil. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 33, n. 1, p. 105-122, 2013. doi: 10.4025/enfoque.v33i1.21777

BALDARELLI, M. G.; BALDO, M. D.; VIGNINI, S. Pink accounting in Italy: cultural perspectives over discrimination and/or lack of interest. Meditari Accountancy Research, v. 24, n. 2, p. 269-292, 2016. doi: 10.1108/MEDAR-10-2015-0065

CARVALHO, M. P. F. S.; CARVALHO, J. L. F. S.; CARVALHO, F. A. O ponto de vista feminino na reflexão ética: histórico e implicações para a teoria de organizações. Campinas, Anais do XXV ENANPAD, 2001.

CAVAZOTTE, F de S. C. N.; DE OLIVEIRA, L. B.; DE MIRANDA, L. C. Desigualdade de gênero no trabalho: reflexos nas atitudes das mulheres e em sua intenção de deixar a empresa. Revista de Administração, v. 45, n. 1, p. 70-83, 2010. doi: 10.1016/S0080-2107(16)30510-6

COLOMBO, J. A.; GALLI, O. C. Governança corporativa no Brasil: níveis de governança e rendimentos anormais. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, v. 11, n. 2-3, p. 117-128, 2012.

CRAMER, L.; CAPPELLE, M. C. A.; ANDRADE, A. L. S.; BRITO, M. J. Representações femininas da ação empreendedora: uma análise da trajetória das mulheres no mundo dos negócios. REGEP, v. 1, n. 1, p. 53-71, 2012. doi: 10.14211/regepe.v1i1.14

DA LUZ, A. R.; ROSSONI, L. Pressões ambientais, esquemas interpretativos e complexidade de departamentos contábil-financeiros. Revista de Administração da Unimep, v. 10, n. 2, p. 54-80, 2012.

DOOLEY, K. Organizational complexity. In: M. WARNER (ed.): International Encyclopedia of Business and Management. London: Thompson Learning, 2002.

DUFF, A. Big four accounting firms’ annual reviews: a photo analysis of gender and race portrayals. Critical Perspectives on Accounting, v. 22, n. 1, p. 20-38, 2011. doi: 10.1016/j.cpa.2010.05.001

FAMA, E. F.; JENSEN, M. C. Separation of ownership and control. Journal of Law and Economics, v. 26, n. 2, p. 301-325, 1983.

FCC - Fundação Carlos Chagas. Banco de dados sobre o trabalho das mulheres. 2007. Disponível em: < http://www.fcc.org.br/bdmulheres/>.

FERREIRA, D.; FERREIRA, M. A.; RAPOSO, C. C. Board structure and price informativeness. Journal of Financial Economics, v. 99, n. 3, p. 523-545, 2011. doi: 10.1016/j.jfineco.2010.10.007

FOLEY, S.; HANG-YUE, N.; WONG, A. Perceptions of discrimination and justice: are there gender differences in outcomes? Group & Organization Management, v. 30, n. 4, p. 421450, 2005. doi: 10.1177/1059601104265054

FONSECA, M. R.; BACCHI, M. D.; CATELAN, D. W.; HAYASHI, P. A.; MAIA, K. Diferenças salariais e discriminação por gênero e cor na região norte do Brasil. Revista de Políticas Públicas, v. 21, n. 2, p. 739-759. doi: 10.18764/2178-2865.v21n2p739-759

GAVIOUS, I.; SEGEV, E.; YOSEF, R. Female directors and earnings management in hightechnology firms. Pacific Accounting Review, v. 24, n. 1, p. 4-32, 2012. doi: 10.1108/01140581211221533

JAIME, P. Para além das pink collars: gênero, trabalho e família nas narrativas de mulheres executivas. Civitas-Revista de Ciências Sociais, v. 11, n. 1, p. 135-155, 2011. doi: 10.15448/1984-7289.2011.1.6811

KAMLA, R. Syrian women accountants’ attitudes and experiences at work in the context of globalization. Accounting, Organizations and Society, v. 37, n. 3, p. 188-205, 2012. doi: 10.1016/j.aos.2012.02.002

KAVESKI, I. D. S.; CUNHA, P. R. da. Fatores Determinantes dos Honorários da Auditoria das Empresas Listadas no Novo Mercado da BM&FBOVESPA. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 19, n. 1, 2016.

LIN, T.; LEE, Y. Organizational characteristics, board size and corporate performance. Journal of Global Business Management, v. 4, n. 2, p. 338-347, 2008.

LODH, S.; NANDY, M. Gender inequality and disabled inclusivity in accounting higher education and the accounting profession during financial crises. Industry and Higher Education, v. 31, n. 5, p. 335-347, 2017. doi: 10.1177/0950422217725227

LUPU, I. Approved routes and alternative paths: The construction of women’s careers in large accounting firms. Evidence from the French Big Four. Critical Perspectives on Accounting, v. 23, n. 4-5, p. 351-369, 2012. doi: 10.1016/j.cpa.2012.01.003

LUPU, I.; EMPSON, L. Illusio and overwork: playing the game in accounting field. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 28, n. 8, p. 1310-1340, 2015. doi: 10.1108/AAAJ-02-2015-1984

MADALOZZO, R. CEOs e composição do conselho de administração: a falta de identificação pode ser motivo para existência de teto de vidro para mulheres no Brasil? Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 1, p. 126, 2011. doi: 10.1590/S141565552011000100008

MARIANO, F. Z.; COSTA, E. M.; GUIMARÃES, D. B.; SOUZA, D. T. Diferenciais de rendimentos entre raças e gêneros, nas regiões metropolitanas, por níveis ocupacionais: uma análise através do Pareamento de Ñopo. Estudos Econômicos, v. 48, n. 1, p. 137-173, 2018. doi: 10.1590/0101-41614815137fedd

MARTINS, G de A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da Investigação Científica. Editora Atlas, 2009.

MATTEI, Lauro. Discriminação de rendimentos no mercado de trabalho: evidências a partir de Santa Catarina. SER Social, v. 19, n. 40, p. 95-111, 2017.

MORAES, A de J.; PINHEIRO, E. J.; NEGRELLI, A. R. Determinantes de costos de auditoria - non audit fee. Cuadernos de Contabilidad, v. 15, n. SPE39, p. 883-895, 2014. doi: 10.11144/Javeriana.cc15-39.dcan

MORRISON, A. M.; WHITE, R. P.; VAN VELSOR, E. The narrow band. Leadership in Action, v. 7, n. 2, p. 1-7, 1987. doi: 10.1002/lia.4070070201

ONU - Organização das Nações Unidas. Progress of the world’s women 2015-2016. 2015. . Acesso em: 02 de abril de 2018.

SIBONI, B.; SANGIORGI, D.; FARNETI, F.; VILLIERS, C. Gender (in) accounting: insights, gaps and an agenda for future research. Meditiari Accountancy Research, 24, n. 2, p. 158-68, 2016. doi: 10.1108/MEDAR-04-2016-0054

SMITH, R. Images, forms and presence outside and beyond the pink ghetto. Gender in Management: An International Journal, v. 29, n. 8, p. 466-486, 2014. doi: 10.1108/GM02-2014-0012

SOUZA, B. C.; NECYK, G. A.; FREZATTI, F. Ciclo de vida das organizações e a contabilidade gerencial. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 27, n. 1, p. 9, 2008. doi: 10.4025/enfoque.v27i1.7146

SOUZA, L. P.; GUEDES, D. R. A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos Avançados, v. 30, n. 87, p. 121-139, 2016. doi: 10.1590/S010340142016.30870008

WINDSOR, C; AUYEUNG, P. The effect of gender and dependent children on professional accountants’ career progression. Critical Perspectives on Accounting, v. 17, n. 6, p. 828-844, 2006. doi: 10.1016/j.cpa.2004.11.007

WOOLDRIGE, J. M. Introductory econometrics: a modern approach. USA: South-Western College Publishing, 824 p. 1999.