A Lei Nº 12.711, de 29 de Agosto de 2012, como Política Pública que Favorece a Busca da Igualdade Material Outros Idiomas

ID:
53237
Resumo:
Em meados dos anos 2000, as universidades federais, por meio de resoluções próprias, iniciaram um processo de reserva de vagas a estudantes oriundos de escolas públicas. O governo federal promulgou a lei 12.711/2012 que reserva 50% das vagas em universidades públicas a estudantes de escolas públicas. Assim, essa pesquisa visa a analisar se a política pública de cotas trouxe igualdade material aos concorrentes a uma vaga nas universidades federais. Portanto, fez-se uma pesquisa qualitativa e descritiva através dos dados disponibilizados pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Os dados confirmaram o aumento significativo nos bancos universitários de alunos egressos do sistema público de ensino. Por conta disso, a lei 12.711/2012 se mostrou um instrumento de inclusão aos alunos de escola pública no Brasil.
Citação ABNT:
MELERO, C.; MARTINS, C. B.; ROSSI, E.; JUNKES, D. A Lei Nº 12.711, de 29 de Agosto de 2012, como Política Pública que Favorece a Busca da Igualdade Material. Revista de Ciências da Administração, v. 20, n. Edição Especial, p. 130-142, 2018.
Citação APA:
Melero, C., Martins, C. B., Rossi, E., & Junkes, D. (2018). A Lei Nº 12.711, de 29 de Agosto de 2012, como Política Pública que Favorece a Busca da Igualdade Material. Revista de Ciências da Administração, 20(Edição Especial), 130-142.
DOI:
https://doi.org/10.5007/2175-8077.2018V20nespp130
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53237/a-lei-n---12-711--de-29-de-agosto-de-2012--como-politica-publica-que-favorece-a-busca-da-igualdade-material/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARBOSA, R. Oração dos Moços. Rio de Janeiro: Casa Rui Barbosa, 1956.

BERGMANN, B. In defense of affirmative action. New York: Basic Books, 1996.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2016.

BRASIL. Lei 12.711/2012. Disponível em . Acesso em: 20 dez. 2016.

BULOS, U. L. Curso de direito constitucional. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

CASTRO, C. R. S. O princípio da isonomia e a igualdade da mulher no direito constitucional. Rio de Janeiro: Forense, 1983.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

FRASER, N. Social Justice in the age of identity politics: Redistribution, Recognition, and Participation. In: FRASER, N; HONNETH, A. Redistribution or Recognition. A political-Philosophical exchange. Londres/Nova York: Verso, 2003.

GEMAA. O impacto da Lei Nº 12.711 sobre as Universidades Federais. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2016.

GENTILLI, P.; FRIGOTTO, G. A Cidadania Negada: Políticas de Exclusão na Educação e no Trabalho. São Paulo: Cortez, 2001.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GÓES, Carlos. Como a universidade pública e gratuita aumenta a desigualdade de renda. 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2017.

IBGE. Dia da Consciência Negra. 2016. Disponível em: Acesso em: 3 dez. 2016.

IBGE. Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira. 2010. Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2016.

LAMBERTUCCI, A. R. A participação social no governo Lula. In: AVRITZER, L. Experiências nacionais de participação social. São Paulo: Cortez, 2009.

LENZA, Pedro. D i reito C on s titu c i on a l Esquematizado. 18 ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

MEC. Programas e Ações. 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2016.

MORAES. A. Direito Constitucional. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1989.

NERY JÚNIOR, N. Princípios do processo civil à luz da Constituição Federal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. de. Metodologia do trabalho científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013. 277 p. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2016.

SANTOS, H. Teoria do círculo vicioso. In: São Paulo em perspectiva. São Paulo: Fundação Seade, 1994.

SARLET, I. W. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de 1988. 9. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012.

SCHMIDT, M. F. Nova História Crítica. São Paulo: Nova Geração, 2005.

SECCHI, L. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análises, casos práticos. São Paulo: CENGAGE Learning, 2012.

SMITS, K. Applying Political Theory: Issues and Debates. London: Macmillan, 2009.

STF. ADPF 186. 2012. Disponível em: Acesso em: 20 dez. 2016.

STRECK, L. L. Os Juizados Especiais Criminais à Luz da Jurisdição Constitucional: A Filtragem Hermenêutica a partir da Aplicação da Técnica da Nulidade Parcial sem Redução de Texto. Revista da EMERJ, v. 6, n. 24. Rio de Janeiro: EMERJ, 2003. Disponível em: Acesso em: 20 dez. 2016.

TORRES, C. A. Teoria Crítica e Sociológica. São Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire, 2003.

UFRGS. Manual do Candidato. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2016.

UNB. Edital vestibular. 2009. Disponível em: Acesso em: 16 nov. 2016

VIEIRA, I. Percentual de negros em universidades dobra, mas é inferior ao de brancos. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2016.

VIEIRA, O. V. Direitos Fundamentais: uma leitura da jurisprudência do STF. São Paulo: Malheiros Editores, 2013.