Enade: Os Estudantes Estão Motivados a Fazê-lo?

ID:
53298
Resumo:
OBJETIVO: Tendo por bases os pressupostos das abordagens teóricas sociocognitivistas, este estudo teve o propósito de identificar os níveis de motivação dos estudantes de Ciências Contábeis para a realização do Enade, com e sem a oferta de mecanismos de motivação extrínseca. A pesquisa é de natureza descritiva, com abordagem quantitativa, realizada por meio de um levantamento feito com 1.082 estudantes de 122 instituições brasileiras. MÉTODO: Trata-se de uma pesquisa descritiva, com abordagem quantitativa, realizada por meio de um levantamento. Para testar se existiam diferenças significativas entre os níveis de motivação discente, com e sem a oferta de mecanismos de motivação para a realização do Enade, foram utilizados os testes não paramétricos Mann-Whitney e Wilcoxon. RESULTADOS: Foi constatado que os níveis de motivação dos estudantes investigados para realizarem o Enade 2015 são estatisticamente inferiores à motivação que eles têm para fazer o curso de Ciências Contábeis. Os resultados apontaram que a oferta de estímulos, sejam eles registro da nota no diploma; uso da nota para ingresso em pós-graduação; uso da nota para concursos públicos ou para o exame do CFC, como recompensa a esses estudantes, afeta positivamente a intenção (motivação) para a realização do Enade. CONTRIBUIÇÕES: Considerando que o Enade vem se consolidando como uma avaliação em larga escala no Brasil, ajustes que ajudem a tornar o sistema mais acurado são importantes. Os achados da presente pesquisa sugerem que o uso da nota Enade dos alunos em etapas posteriores à carreira universitária poderá servir como estímulo para que se dediquem mais à avaliação, reduzindo a resistência, os “boicotes” e tornando os resultados do exame mais precisos, especialmente no curso de Ciências Contábeis, que é o quarto em quantidade de matrículas no Brasil, e pelo fato de que os discentes estão sujeitos a outra avaliação para o exercício da profissão, o Exame de Suficiência.
Citação ABNT:
MIRANDA, G. J.; LEAL, E. A.; FERREIRA, M. A.; MIRANDA, A. B. Enade: Os Estudantes Estão Motivados a Fazê-lo? . Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 13, n. 1, p. 12-28, 2019.
Citação APA:
Miranda, G. J., Leal, E. A., Ferreira, M. A., & Miranda, A. B. (2019). Enade: Os Estudantes Estão Motivados a Fazê-lo? . Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 13(1), 12-28.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53298/enade--os-estudantes-estao-motivados-a-faze-lo--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Amabile, T. M.; Hill, K. G.; Hennessey, B. A.; Tighe, E. M. (1994). The work preference inventory: Assessing intrinsic and extrinsic motivation orientation. Journal of Personality and Social Psychology, 6(5), 950-967.

Borges, L. F. M.; Silva, V. R.; Miranda, G. J. (2015). Por que o conceito caiu?Fatores associados à nota ENADE/2012 do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Uberlândia. Anais do Congresso UFU de Contabilidade. Uberlândia. Uberlândia, MG, Brasil, 1. http://www.cont.facic.ufu.br/sites/cont.facic.ufu.br/files/5-3161_por_que_o_ conceito_caiu.pdf.

Brito, M. R. F. (2008, november). O SINAES e o ENADE: da concepção à implantação. Revista Avaliação, Campinas, Sorocaba, 13(3), 841-850.

Brito, T. F. (2015). Corpo Docente: fatores determinantes do desempenho discente no ENADE. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Cameron, J. (2001). Negative effects of reward on intrinsic motivation – a limited phenomenon: comment. in: Deci, Koestner, and Ryan (2001). Review of Educational Research, Washington, 71(1), 2942. doi/abs/10.3102/00346543071001029

Cazarré, M. (2015). Nota do Enade será critério para acesso do aluno à pós-graduação, diz Mercadante. Agência Brasil. http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2015-12/nota-no-enade-sera-criterio-para-acesso-pos-graduacao-diz-mercadante.

Coura, E.A.A.; Batista, F.F.; Albuquerque, L.S.; Cime, G.M.P.; Carvalho, J.R.C.; Oliveira, F.D.C. (2015). Análise da Motivação dos Discentes do Curso de Ciências Contábeis e Administração sob a Perspectiva da Teoria da Autodeterminação e das Metas de Realização. Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade, EnEPQ. Salvador, BA. Brasil, 5.

Dias Sobrinho, J. (2008). Qualidade, Avaliação: do SINAES a índices. Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas, Sorocaba, 13(3), 817-825.

Dias Sobrinho, J. (2010). Avaliação e transformações da educação superior brasileira (1995-2009): do provão ao SINAES. Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas, Sorocaba, 15(1), 195-224.

Fávero, L. P.; Belfiore, P. P.; Silva, F. L. da; Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier

Ferreira, M. A. (2015). Determinantes do desempenho discente no ENADE em cursos de Ciências Contábeis. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, MG, Brasil.

Francisco, T. H. A.; Melo, P. A.; Nunes, R. S.; Michels, E. (2012). A contribuição da avaliação in loco como fator de consolidação dos princípios estruturantes do SINAES. Avaliação, Campinas/Sorocaba, 17(3), 851-876.

Freitas, S. C.; Cornacchione, E. (2015) O uso de resultados de avaliação de programas educacionais: um estudo sobre o ENADE em cursos de Ciências Contábeis. Afonso, L. E.; Machado, E. A. Tecnologia, Educação e Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Gagné, M.; Deci, E. L. (2005). Self-determination theory and work motivation. Journal of Organizational Behavior, Malden, n. 26, pp. 331-362. doi: 10.1002/job.322.

Gall, M. D.; Gall, J. P.; Borg, W. R. (2007). Educational Research: an introduction. 8 ed. Boston: Pearson/ Allyn and Bacon.

Guimarães, S. E. R. (2009). Motivação intrínseca, extrínseca e o uso de recompensas externas em sala de aula. In E. Boruchovitch, & J. A. Bzuneck (Orgs.), A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. pp. 37-57. Petrópolis: Vozes.

Guimarães, S. E. R.; Boruchovitch, E. (2004). O Estilo Motivacional do Professor e a Motivação Intrínseca dos Estudantes: Uma Perspectiva da Teoria da Autodeterminação. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(2), 143-150.

Guimarães, S. E. R.; Bzuneck, J. A. (2008) Propriedades psicométricas de um instrumento para avaliação da motivação de universitários. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, 13(1), 101-113.

Hanushek, E. A. (2002). Publicy provide education. In Auerbach, A.J.; Feldstein, M. (Eds.). Handbook of public economics. Stanford: Elsevier. 4 ed. pp. 2045-2141.

Harackiewicks, J. M.; Elliot, A. J. (1993). Achievement goals and intrinsic motivation.Journal of Personality and Social Psychology, 65(5), 904-915.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2016). Sinaes. http://portal.inep.gov.br/web/guest/superior-sinaes.

Leal, E. A.; Miranda, G. J.; Carmo, C. R. S. (2013) Teoria da autodeterminação: uma análise da motivação dos estudantes do curso de ciências contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, 24(62), 162-173. . doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772013000200007.

Leitão, T. M. S. P.; Moriconi, G. M.; Abrão, M.; Silva, D. S. (2010). Análise acerca do boicote dos estudantes aos exames de avaliação do ensino superior. Estudos em Avaliação Educacional, 21(45), 87-106. doi.org/10.1590/S1413-24782010000100003

Lens, W.; Matos, L.; Vansteenkiste, M. (2008). Professores como fontes de motivação dos alunos: o quê e o porquê da aprendizagem do aluno. Educação, Porto Alegre, 31(1), 17-10.

Lopes, L.M.S.; Pinheiro, F.M.G.; Silva, A.C.R.; Abreu, E.S. (2015). Aspectos da Motivação Intrínseca e Extrínseca: uma análise com discentes de Ciências Contábeis da Bahia na perspectiva da Teoria da Autoderminação. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, Salvador, 5(1), 21-39.

Mandelink, G.; Harackiewicz, J. (1984). Proximal versus distal goal setting and intrinsic motivation. Journal of Personality and Social Psychology, 47(4), 918-928.

Martinelli, S. C.; Bartholomeu, D. (2007). Escola de Motivação Acadêmica: uma medida de motivação extrínseca e intrínseca. Avaliação Psicológica, 6(1), 21-31.

Nakamura, C. C.; Fortunato, J. C.; Rosa, L. M.; Marçal, R.; Pereira, T. A. A.; Barbosa, D. F. (2005). Motivação no trabalho. Maringá Management: Revista de Ciências Empresariais, 2(1), 20-25.

Organization for Economic Co-operation and Development. (2015). Education at a Glance 2015: OECD indicators. http://www.oecd-ilibrary.org/docserver/download/9615031e.pdf?expires=1450782870&id=id&accname=guest&checksum=45F28F5521A380A35ADA67A270BEE066.

Pederneiras, M. M. M.; Lopes, J E de G.; Ribeiro Filho, J. F.; Feitosa, M. G. G. (2011) Exame nacional de desempenho dos estudantes na visão de líderes formais. Revista Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, 19(71), 381-400.

Polidoro, M. M, Marinho-Araujo, C. M.; Barreyro, G. B. (2006). SINAES: Perspectivas e desafios na avaliação da educação superior brasileira. Revista Ensaio: Aval. Pol. Pbl. Educ., Rio de Janeiro, 14(53), 425-436.

Robbins, S. P. (2005) Comportamento Organizacional. 11 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Ryan, R. M.; Deci, E. L. (1985) Intrinsic and extrinsic motivations: classic definitions and new directions. Contemporary Educational Psychology, New York, 25(1), pp. 54-67.

Santos, N. A. (2012). Determinantes do desempenho acadêmico dos alunos dos cursos de Ciências Contábeis. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil.

Silva, T. D.; Miranda , G. J.; Freitas, S. C. (2017). Ações Institucionais Preparatórias para o ENADE nos Cursos de Ciências Contábeis. Revista