Relações entre o Poder e o Comprometimento Organizacional Afetivo Outros Idiomas

ID:
53316
Resumo:
Este estudo tem como objetivo investigar a existência de correlações entre os construtos “bases de poder” e “comprometimento organizacional afetivo” na Guarda Civil Municipal de Mossoró/RN [GCMM]. Para tanto, optou-se por uma abordagem quantitativa, a qual foi operacionalizada por meio do software estatístico R, com uma amostra por conveniência de 50 guardas civis. Assim, a análise das médias aritmética foi utilizada a fim de possibilitar o alcance dos objetivos e do teste do coeficiente de correlação de Pearson (r). Os resultados indicaram indecisão quanto ao comprometimento organizacional afetivo dos guardas civis. Em relação às bases de poder, percebeu-se que as mais utilizadas por estes são as de poder legítimo e de poder de perícia. Já as menos utilizadas, são as bases de poder de coerção e de recompensa. Quanto às relações entre as variáveis “bases de poder” e “comprometimento organizacional afetivo” na GCMM, observou-se que estão fracamente correlacionadas.
Citação ABNT:
SILVA, A. W. P.; VEIGA NETO, A. R.; COELHO, A. L. A. L.; CASTRO, A. B. C. Correlations between Power and Affective Organizational Commitment. Revista de Gestão e Secretariado, v. 10, n. 1, p. 91-118, 2019.
Citação APA:
Silva, A. W. P., Veiga Neto, A. R., Coelho, A. L. A. L., & Castro, A. B. C. (2019). Correlations between Power and Affective Organizational Commitment. Revista de Gestão e Secretariado, 10(1), 91-118.
DOI:
10.7769/gesec.v10i1.843
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53316/relacoes-entre-o-poder-e-o-comprometimento-organizacional-afetivo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Arendt, H. (1970). On violence. Orlando: Harcourt Brace Jovanovich.

Assunção, R. R.; Domingos, S. R. M.; Cabral, A. C. A.; Santos, S. M.; Pessoa, M. N. M. (2014). Satisfação e comprometimento organizacional afetivo: um estudo com docentes universitários do curso de Ciências Contábeis. ReA UFSM, 7(3), 453-468. doi: 10.5902/198346597588

Barros, A. R. O.; Scheible, A. C. F. (2008). Comprometimento organizacional: um estudo de suas relações com práticas de gestão e intenção de permanência. Anais do Encontro de Administração da ANPAD - ENANPAD. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 32.

Bastos, A. V. B.; Siqueira, M. M. M.; Medeiros, C. A. F.; Menezes, I. G. (2008). Comprometimento organizacional. In M. M. M. Siqueira (Org.), Medidas do comportamento organizacional. p. 49-95). Porto Alegre: Artmed.

Botelho, R. D.; Paiva, K. C. M. (2011). Comprometimento organizacional: um estudo no Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais. RAP, 45(5), 1249-1283. doi: 10.1590/S0034-76122011000500002

Cappelle, M. C. A.; Melo, M. C. O. L.; Brito, M. J. (2005). Relações de poder segundo Bourdieu e Foucault: uma proposta de articulação teórica para a análise das organizações. Organizações Rurais e Agroindustriais, 7(3), 356-369. http://200.131.250.22/revistadae/index.php/ora/article/view/193/190

Coda, R. (1997). Pesquisa de clima organizacional e gestão estratégica de recursos humanos. In: M. C. Bergamini, & R. Coda. (Orgs.). Psicodinâmica da vida organizacional: motivação e liderança. 2 ed.). São Paulo: Atlas.

Costa, F. M.; Bastos, A. V. B. (2009). Múltiplos comprometimentos no trabalho: um estudo entre trabalhadores de organizações agrícolas do polo de fruticultura irrigada de Juazeiro/Petrolina. ReA UFSM, 2(2), 280-297. doi: 10.5902/198346591557

Dahl, R. A. (1957). The Concept of Power. Connecticut: Yale University.

Fahy, K. M.; Easterby-Smith, M.; Lervik, J. E. (2013). The power of spatial and temporal orderings in organizational learning. Management Learning, 45(2), 123-144. doi: 10.1177/1350507612471925

Feitosa, M. J. S.; Firmo, L. A. (2013). Bases do comprometimento organizacional: um estudo comparativo em Empresas Juniores. Gestão e Sociedade, 7(16), 51-69. doi: 10.21171/ges.v7i16.1626

Fernandes, H. A.; Ferreira, M. C. (2009). O impacto dos valores pessoais e organizacionais no comprometimento com a organização. Psico-USF, 14(3), 341-354. doi: 10.1590/S1413-82712009000300010

Fleming, P.; Spicer, A. (2014). Power in Management and Organization Science. The Academy of Management Annals, 8(1), 237-298. doi: 10.1080/19416520.2014.875671

French, J. R. P. Jr.; Raven, B. (1959). The bases of social power. In D. Cartwright (Ed.). Studies in social power. p. 150-167). Ann Arbor: University of Michigan Press.

Giglio, E.; Pugliese, R. L.; Silva, R. M. (2012). Análise dos conceitos de poder nos artigos brasileiros sobre redes. Revista de Administração da UNIMEP, 10(3), 51-69. http://www.redalyc.org/pdf/2737/273724912003.pdf

Guimarães, V. F.; Martins, M. C. F. (2008). Bases de poder do supervisor, conflitos intragrupais e comprometimento organizacional e com a equipe. Rev. Psicol.; Organ. Trab., 8(2), 54-78. https://periodicos.ufsc.br/index.php/rpot/article/view/10159/9395

Hair, J. F. Jr.; Anderson, R. E.; Tathan, R. L.; Black, W. C. (2005). Análise Multivariada de dados. 5 ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hair, J. F. Jr.; William, B.; Babin, B.; Anderson, R. E. (2009). Análise multivariada de dados. 6 ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hinkin, T. R.; Schriesheim, C. A. (1989). Development and application of new scales to measure the French and Raven (1959) bases of social power. Journal of Applied Psychology, 74(4), 561-567. doi: 10.1037/0021-9010.74.4.561

Hobbes, T. (1988). Leviatã ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. São Paulo: Nova Cultural.

Johnson, P. E.; Evans, J. P. (1997). Power, Communicator Styles, and Conflict Management Styles: A Web of Interpersonal Constructs for the School Principal. International Journal of Educational Reform, 6(1), 40-53. https://eric.ed.gov/?id=EJ544241

Johnson, P. E.; Scollay, S. J. (2000). Scholl-based, decision-making councils: conflict, leader power and social influence in the vertical team. Journal of Educational Administration, 39(1), 47-66. doi:10.1108/09578230110380733

Llapa-Rodríguez, E. O.; Trevizan, M. A.; Shinyashiki, G. T. (2008). Reflexões conceituais sobre comprometimento organizacional e profissional no setor saúde. RLAE, 16(3), 484- 488. http://www.scielo.br/pdf/rlae/v16n3/pt_24.pdf

Lopes, F. T.; Carrieri, A.; Saraiva, L. A. S. (2013). Relações entre poder e subjetividade em uma organização familiar. O&S, 20(65), 225-238. doi:10.1590/S1984-92302013000200003

Luke, S. (1980). O poder. Brasília: Universidade de Brasília.

Maciel, C. O.; Camargo, C. (2011). Comprometimento, satisfação e cooperação no trabalho: evidências da primazia dos aspectos morais e das normas de reciprocidade sobre o comportamento. RAC, 15(3), 433-453. doi:10.1590/S1415-65552011000300005

Magalhães, M. O. (2008). Generatividade e vínculos com a carreira e a organização: problematizando as bases do comprometimento organizacional. Rev. bras. orientac. Prof., 9(2), 67-80. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902008000200007

Maquiavel, N. (1972). O Príncipe. Lisboa: Publicações Europa-América. (Obra original publicada em 1532)

Marques, É. P.; Marques, A. L. (2014, setembro). Comprometimento organizacional e personalidade: considerações sobre a influência dos traços no comprometimento. Anais do Encontro da ANPAD - ENANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 38.

Martins, M. C. F. (2008). Bases do poder organizacional. In M. M. M. Siqueira (Org.), Medidas do comportamento organizacional. p. 21-28). Porto Alegre: Artmed.

Marx, K. (2006). Manuscritos Econômicos-Filosóficos. São Paulo: Martin Claret Ltda.

Mendonça, J. R. C.; Dias, S. M. R. C. (2006). De French e Raven (1959) ao modelo poder/interação de influência interpessoal: uma discussão sobre poder e influência social. Cadernos EBAPE.BR, 4(4), 1-19. doi:10.1590/S1679-39512006000400009

Meyer, J. P.; Allen, N. J. (1991). A three-component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, 1(1), 61-89. doi:10.1016/1053-4822(91)90011-Z

Mintzberg, H. (1983). Power in and around organizations. New Jersey: Prentice-Hall.

Morgan, G. (2000). Imagens da organização. São Paulo: Atlas.

Morgan, G. (2002). Imagens da organização: edição executiva. 2 ed.). São Paulo: Atlas.

Mossoró. (2009). Lei complementar n. 037, de 14 de dezembro de 2009. Dispõe sobre a Guarda Civil Municipal, nos termos do art. 144, §8º, da Constituição Federal, e no art. 215 da Lei Orgânica do Município, e dá outras providências. http://www.prefeiturademossoro.com.br/jom/jom47b.pdf

Mossoró. (2014). Lei complementar n. 098, de 24 de janeiro de 2014. Institui o Plano de Cargos, Carreira e Remunerações – PCCR dos Guardas Civis Municipais do Município de Mossoró, instituída pela Lei Complementar nº 037 de 14 de dezembro de 2009 e dá outras providências. http://www.prefeiturademossoro.com.br/jom/jom237.pdf

Paiva, K. C. M.; Dutra, M. R. S.; Luz, T. R. (2015). Comprometimento organizacional de trabalhadores de call center. RAUSP, 50(3), 310-324. doi:10.5700/rausp1202

Paiva, K. C. M.; Morais, M. M. S. (2012). Comprometimento organizacional: um estudo com docentes do CEFET-MG. G&T, 12(1), 74-101. doi:10.20397/2177-6652/2012.v12i1.326

Paz, M. G. T.; Neiva, E. R. (2014). O Poder discriminante da escala de configuração do poder organizacional na perspectiva macro organizacional e sua utilização como instrumento de caracterização do perfil cultural das organizações. Psicol. Organ. Trab., 14(2), 153-168. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpot/v14n2/v14n2a03.pdf

Porto, D. L.; Vasconcelos, C. R. P.; Silva, R. M.; Paulino, R. D. (2010). Estudo exploratório sobre as bases de poder e o comprometimento organizacional afetivo. Anais do Congresso Nacional de Excelência em Gestão: energia, inovação, tecnologia e complexidade para a gestão sustentável, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 6.

Rahim, M. A. (1989). Relationships of Leader Power to Compliance and Satisfaction with Supervision: Evidence from a National Sample of Managers. Journal of Management, 15(4), 545-556. doi:10.1177/014920638901500404

Raven, B. H. (1993). The bases of power: origins and recent developments. Journal of Social Issues, 49(4), 227-251. doi:10.1111/j.1540-4560.1993.tb01191.x

Reinert, M.; Maciel, C. O.; Candatten, F. (2011). Intersecções entre clima e comprometimento organizacional: uma análise dos antecedentes, dimensionalidade e encontros entre construtos. Revista Alcance - Eletrônica, 18(2), 167-184. doi:10.14210/alcance.v18n2.p167-184

Ribeiro, A. N.; Garcia, F. C. (2015). Relações de Poder e Gênero no Alto Comando da Polícia Militar de Minas Gerais: Uma Análise da Percepção das Mulheres Policiais. Teoria e Prática em Administração, 5(1), 53-79. Recuperado de http://periodicos.ufpb.br/index.php/tpa/article/view/21175/13546

Robbins, S. P.; Judge, T. A.; Sobral, F. (2010). Comportamento organizacional. 14a ed.). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Rodrigues, A. C. A.; Bastos, A. V. B. (2010). Problemas conceituais e empíricos na pesquisa sobre comprometimento organizacional: uma análise crítica do modelo tridimensional de J. Meyer e N. Allen. Rev. Psicol. Organ. Trab. 10(2), 129-144. https://periodicos.ufsc.br/index.php/rpot/article/view/22214

Rosa, G. R.; Kamimura, Q. P. (2012). O poder das redes sociais: uma nova abordagem. Anais do International Congress on University-Industry Cooperation: Innovation and Sustainability in Latin America, Taubate, SP, Brasil, 4.

Rosário, D. K. M. H.; Queiroz, K. C. F.; Martins, J. C. O. (2015). Relações entre poder e comprometimento afetivo na gestão pública. RaUnP, 7(1), 77-88. https://repositorio.unp.br/index.php/raunp/article/view/748/681

Rowe, D. E. O.; Bastos, A. V. B. (2010). Vínculo com a carreira e produção acadêmica: comparando docentes de IES públicas e privadas. RAC, 14(6), 1011-1130. doi:10.1590/S1415-65552010000700003

Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; Lucio, P. B. (2006). Metodologia de Pesquisa. 3ed.). São Paulo: McGraw-Hill.

Santos, G. A. F.; Claro, J. A. C. S. (2014). Poder e Política nas Organizações, à Luz das Teorias Organizacionais: Um Estudo Bibliométrico nos Anais do EnANPAD. Rev. Elet. Gestão e Serviços, 5(1), 812-826. doi:10.15603/2177-7284/regs.v5n1p812-826

Santos, N. G.; Fº. (2002). O poder nas Organizações: Vertentes de análise. CienteFico, 1. http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfZmAAK/poder-nasorganizacoes- vertentes-analise

Saraiva, L. A. S.; Santos, A. V. (2011). Estratégias de poder de trabalhadores industriais. Rev. Adm. Mackenzie, 12(4), 15-43. doi:10.1590/S1678-69712011000400002

Schein, E. H. (1982). Psicologia Organizacional. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil Ltda.

Schirrmeister, R.; Limongi-França, A. C. (2012). A qualidade de vida no trabalho: relações com o comprometimento organizacional nas equipes multicontratuais. Rev. Psicol.; Organ. Trab.; 12(3), 283-298. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984- 66572012000300004

Schriesheim, C. A.; Hinkin, T. R.; Podsakoff, P. M. (1991). Journal of Applied Psychology, 76(1), 106-114. doi:10.1037/0021-9010.76.1.106

Simosi, M. (2013). Trajectories of organizational commitment: A qualitative study in a Greek public sector organization. IJCCM, 13(1), 111-130. doi:10.1177/1470595812452637

Siqueira, V. T. A.; Kurcgant, P. (2012). Satisfação no trabalho: indicador de qualidade no gerenciamento de recursos humanos em enfermagem. Rev Esc Enferm USP, 46(1), 151- 157. doi:10.1590/S0080-62342012000100021

Souza, K. B. M. (2012). Comprometimento organizacional dos docentes de uma escola particular de ensino do Rio Grande do Norte (Dissertação de mestrado). Universidade Potiguar, Natal, RN, Brasil.

Traldi, M. T. F.; Demo, G. (2012). Comprometimento, bem-estar e satisfação dos professores de administração de uma universidade federal. REAd, 18(2), 290-316. doi:10.1590/S1413-23112012000200001

Weber, M. (2008). Os três tipos puros de dominação legítima. Rio de Janeiro: VGuedes Multimídia.

Yukl, G. A. (1994). Leadership in Organizations. 3 ed.). New Jersey: Prentice-Hall.

Zanardi, E.; Pilatti, L.; Santos, C.; Godoi, H.; Claumann, P. (2015). Correlações entre qualidade de vida no trabalho e comprometimento organizacional: estudo em uma unidade de varejo de vestuário na cidade de Joinville/SC. Revista Produção Online, 15(2), 573-600. doi:10.14488/1676-1901.v15i2.1928

Arendt, H. (1958). The Human Condition. 2 ed.). Chicago: University of Chicago Press.

Weber, M. (1991). Economia e sociedade. Brasília: Editora da UnB. (Obra original publicada em 1919)