A Interdisciplinaridade na Gestão da Saúde e Educação: A Sensibilização dos Professores da Primeira Infância para o Daltonismo Outros Idiomas

ID:
53331
Resumo:
Esta pesquisa-intervenção parte dos seguintes questionamentos: “O que o professor de educação infantil entende por daltonismo?”, “Os docentes reconhecem a necessidade de formação continuada para a contextualização e reflexão das práticas pedagógicas inclusivas, a fim de atenderem crianças daltônicas?”, “É possível planejar um trabalho de rastreio e inclusão dessas crianças na educação infantil?”. O objetivo neste estudo foi sensibilizar os professores para que possam entender as dificuldades enfrentadas pela criança daltônica. O universo da pesquisa foi composto por um Centro de Educação Infantil (CEI), que atende crianças de zero a três anos e 11 meses, e uma Escola de Educação Infantil (Emei), que recebe crianças de quatro a cinco anos e 11 meses, ambas localizadas no município de São Paulo. Os sujeitos foram 22 professoras, 2 coordenadoras pedagógicas, 2 diretoras, 2 agentes de apoio e 2 auxiliares técnicos de educação (ATE). A metodologia utilizada foi a de cunho qualitativo, do tipo intervenção pautada na pesquisa-ação, e os instrumentos de coleta de dados foram: observação da vivência durante o uso dos brinquedos, depoimento escrito e entrevista. A pesquisa se fundamentou nos seguintes autores: Mantoan, Santos, Farina e Oliveira. Os resultados indicam que os profissionais de educação infantil participantes da pesquisa não têm clareza sobre o que é daltonismo, como se constitui geneticamente, quais dificuldades uma criança daltônica enfrenta dentro dos espaços escolares e como planejar um trabalho pedagógico inclusivo diante da presença de uma criança daltônica em sala.
Citação ABNT:
HENRIQUES, K. M. T. C.; VERCELLI, L. C. A. A Interdisciplinaridade na Gestão da Saúde e Educação: A Sensibilização dos Professores da Primeira Infância para o Daltonismo . Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, v. 8, n. 1, p. 36-53, 2019.
Citação APA:
Henriques, K. M. T. C., & Vercelli, L. C. A. (2019). A Interdisciplinaridade na Gestão da Saúde e Educação: A Sensibilização dos Professores da Primeira Infância para o Daltonismo . Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 8(1), 36-53.
DOI:
https://doi.org/10.5585/rgss.v8i1.13677
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53331/a-interdisciplinaridade-na-gestao-da-saude-e-educacao--a-sensibilizacao-dos-professores-da-primeira-infancia-para-o-daltonismo-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Freire, P. (2016). Professora, sim; tia, não.Cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Paz e Terra.

Oliveira, Z. M. R. (Org). (2010). Educação Infantil: muitos olhares. São Paulo: Cortez.

Alves, R. (1999) Como nasceu a alegria. Coleção estórias para pequenos e grandes. São Paulo: Paulus.

Bueno, J. G. S. (2016). A produção social da identidade do anormal In Freitas, M. C. de. A história social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez.

Caliari, J. V. (2007) Rastreamento de discromatopsia em estudantes do ensino básico de uma escola da rede pública municipal de Florianópolis. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina), Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, RS, Brasil.

Farina, M., Perez, C. & Bastos, D. (2011). Psicodinâmica das cores em comunicação. São Paulo: Blucher.

Flick, U. (2004). Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman. Freire, P. (2016). Professora, sim; tia, não. Cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Paz e Terra.

Freitas, M. C. (2016). A história social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez.

Gadotti, M., Freire, P. & Guimarães, S. (1995). Pedagogia, dialogo e conflito. São Paulo: Cortez.

Gruchouskei, S. S. (2016) O aluno daltônico na educação infantil: contribuições na formação docente. 2016. 28 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Artes), Universidade Federal do Paraná, Paraná, Brasil.

Mantoan, M. T. E. & Santos, M. T. (2010). Atendimento educacional especializado. São Paulo: Moderna.

Mantoan, M. T. E. (2003). Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Moderna.

Mazzota, M. J. S. (1996). Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez.

Menga, L. & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Meux, P. L. (2007). Oftalmologia pediátrica. São Paulo: Tecmedd. Oliveira, Z. M. R. (Org). (2010). Educação Infantil: muitos olhares. São Paulo: Cortez.

nd. (1996). Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Ministério da Educação e Cultura, 1996.

Orrú, S. E. (2017). O re-inventando da inclusão: os desafios da diferença no processo de ensinar e aprender. Rio de Janeiro: Vozes.

Parker, S. (1993). O olho e a visão. São Paulo: Scipione. Quixaba, M. N. O. (2015). A inclusão na educação: humanizar para educar melhor. São Paulo: Paulinas.

Quixaba, M. N. O. (2015). A inclusão na educação: humanizar para educar melhor. São Paulo: Paulinas.

Sacks, O. (1995). Um antropólogo em Marte: sete histórias paradoxais. São Paulo: Companhia das Letras.

Sacks, O. (1997). A ilha dos daltônicos. São Paulo: Companhia das Letras.

Santos, T. P. & Reis, M. B. F. (2015). IV Semana de Integração: XIII Semana de Letras, XV Semana de Pedagogia e I Simpósio de Pesquisa e Extensão (SIMPEX) – “Educação e Linguagem: (re)significando o conhecimento. Educação Especial: da segregação a inclusão? http://www.anais.ueg.br/index.php/semintegracao/article/viewFile/5008/2845

Sassaki, R. K. (2005, out.). Inclusão: o paradigma do século 21. Inclusão: Revista de Educação Especial, Brasília, DF: Secretaria de Educação Especial, 1(1). http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/inclusao.pdf

Severino, A. J. (2016). Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez. Silva, A. M. (2010). Educação especial e inclusão escolar: história e fundamentos. Curitiba: IBPEX.

Silva, A. M. (2010). Educação especial e inclusão escolar: história e fundamentos. Curitiba: IBPEX.