Inovação e Patentes: Análise Longitudinal dos Indicadores do Estado de Minas Gerais Outros Idiomas

ID:
53412
Resumo:
A busca por inovação e sustentabilidade da competitividade é constante no cenário empresarial. Neste contexto, quais são os indicadores de inovação relacionados à geração de patentes? Este estudo de natureza descritiva objetivou compreender o movimento de geração de patentes do terceiro maior estado economicamente do Brasil: Minas Gerais. A partir de pesquisa documental e tecnométrica, descrever as patentes geradas no estado brasileiro utilizando os registros de patentes do Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI), no período de 2010 a 2017, e informações de revistas especializadas de ampla circulação com foco empresarial (Pequenas empresas Grandes Negócios, Você S/A, Revista Info e Revista Exame). Os resultados da presente pesquisa indicaram as patentes depositadas e concedidas em Minas Gerais. A partir da análise do número de patentes gerada pode-se indicar que as políticas de proteção intelectual e fomento a inovação ainda são incipientes, no período analisado, indicaram avanços. O estudo também mostrou que o tempo de espera pela concessão de patentes ainda pode ser considerado fator limitador para inventores e pesquisadores, pois as patentes concedidas demoraram em média 3 anos e as depositadas aguardando concessão, em alguns casos, somam-se 5 anos de espera. Apesar de se tratar de estudo em período específico, não esgota o tema e pode-se sugerir novos estudos comparativos são necessários para analisar a evolução das políticas de inovação do Brasil e compará-los com outros países com mesma possibilidade de investimento.
Citação ABNT:
FALCE, J. L.; MUYLDER, C. F.; SILVA, L. O. F.; MOURÃO, L. P. Inovação e Patentes: Análise Longitudinal dos Indicadores do Estado de Minas Gerais . Revista Brasileira de Gestão e Inovação, v. 6, n. 3, p. 52-77, 2019.
Citação APA:
Falce, J. L., Muylder, C. F., Silva, L. O. F., & Mourão, L. P. (2019). Inovação e Patentes: Análise Longitudinal dos Indicadores do Estado de Minas Gerais . Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 6(3), 52-77.
DOI:
10.18226/23190639.v6n3.03
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53412/inovacao-e-patentes--analise-longitudinal-dos-indicadores-do-estado-de-minas-gerais--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abbas, A., Zhang, L., & Khan, S. U. (2014). A literature review on the state-of-the-art in patent analysis. World Patent Information, 37, 3-13.

Adityan, H., Harikrishnan, K., Anand, S. J. J., & Saju, B. (2017). Innovativeness and uniqueness as motivations for online shopping tendency and the mediating role of information acquisition. International Journal of Business Innovation and Research, 13(1), 30-51.

Albuquerque, E. M., Simões, R., Baessa, A., Campolina, B., & Silva, L. (2002). A distribuição espacial da produção científica e tecnológica brasileira: uma descrição de estatísticas de produção local de patentes e artigos científicos. Revista Brasileira de Inovação, 1(2), 225-251.

Amaral, H. F., Iquiapaza, R. A., Correia, L. F., Amaral, G. H. O., & Vieira, M. V. (2014). Avaliação de ativos intangíveis: modelos alternativos para determinação do valor de patentes. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 4(1), 123-143.

Ardito, L., D´Abba, D., & Petruzzelli, A. M. (in press). Mapping innovation dynamics in the Internet of Things domain: Evidence from patent analysis. Technological Forecasting & Social Change.

Bahia, D. S., & Sampaio, A. V. (2015). Diversificação e Especialização Produtiva na Geração de Inovação Tecnológica: uma Aplicação para os Estados Brasileiros. Revista de Administração e Inovação, 12(3), 109-134.

Barbieri, J. C. (1999). As invenções realizadas por empregados no Brasil: uma análise da legislação atual e propostas de mudanças. Revista de Administração Pública, 33(1), 7-26.

Barbieri, J. C. (2001). Uma avaliação do Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados com o Comércio: cinco anos depois. Revista de Administração Pública, 35(3), 107-129.

Bessant, J., & Tidd, J. (2009). Inovação e empreendedorismo: administração. Bookman Editora.

Bonino, D., Ciaramella, A., & Corno, F. (2010). Review of the state-of-the-art in patent information and forthcoming evolutions in intelligent patent informatics, World Patent Information, 32 (1), 30-38.

Borgstedt, P., Neyer, B., & Schewe, G. (2017). Paving the road to electric vehicles e A patent analysis of the automotive supply industry. Journal of Cleaner Production, 167, 75-87.

Carrijo, M. C., & Botelho, M. D. R. A. (2013). Cooperação e inovação: uma análise dos resultados do Programa de Apoio à Pesquisa em Empresas (Pappe). Revista Brasileira de Inovação, 12(2), 417-448

Castro, C. C., Padula, A. D., & Federizzi, L. C. (2007). Análise da influência das incertezas no desenvolvimento de pesquisas com Organismos Geneticamente Modificados (OGMS) no Brasil. REAd. Revista Eletrônica de Administração, 13(1), 156-181.

Chang, S., & Chang, H. (2016). The study of patent portfolio strategies of oil shale developers, International Journal of Innovation Science, 8 (3), 254-268.

Chiu, H. K. (2005). Technological development of Hong Kong textile and clothing industry: a ‘technometric’ approach. Hong Kong: The Hong Kong Polytechnic Institute.

Cho, H. P., Lim,H., Lee, D., Cho, H., & Kang, K. (in press) Patent analysis for forecasting promising technology in high-rise building construction. Technological Forecasting & Social Change.

Coenen, L., Asheim, B., Bugge, M. M., & Herstad, S. J. (2017). Advancing regional innovation systems: What does evolutionary economic geography bring to the policy table? Environment and Planning C: Politics and Space, 35(4), 600-620.

Cruz, H. N., & Souza, R. F. (2014). Sistema Nacional de Inovação e a Lei da Inovação: análise comparativa entre o Bayh-Dole Act e a Lei da Inovação Tecnológica. Revista de Administração e Inovação, 11(4), 329-354.

Daft, R. L. (1978). A dual-core model of organizational innovation. Academy of Management Journal, (21), 193-210.

Damanpour, F., & Schneider, M. (2006). Phases of the adoption of innovation in organizations: Effects of environment, organization, and top managers. British Journal of Management, (17), 215-236.

Damanpour, F., Wischnevsky, J., & Wischnevsky, D. (2006). Research on organizational innovation: Distinguishing innovation-generating from innovation-adopting organizations. Journal of Engineering and Technology Management, (26), 269-291.

Ernst, H. (2003). Patent information for strategic technology management. World Patent Information, 25(3), 233-242.

Etzkowitz, H., & Leydesdorff, L. (2014). The Endless Transition: A 'Triple Helix' of University Industry Government Relations (March 3, 2014). Minerva 36(3). 203-208.

Fagundes, M. C., Garcia, P. A. A., Motta, G. S., & Melo, D. R. A. (2014). Perfil tecnológico da CSN: um estudo patentométrico. Revista de Administração e Inovação, 11(1), 276-294.

FAPEMIG (2017). Propriedade Intelectual. De http://www.fapemig.br/visualizacao-depropriedade-intelectual/ler/209/gerencia-de-propriedade-intelectual

FAPESP (2011). Indicadores de ciência, tecnologia e inovação em São Paulo. De http://www.fapesp.br/6479.

Ferraz, R. R. N., Quoniam, L., Reymond, D., & Maccari, E. A. (2016). Example of opensource OPS (Open Patent Services) for patent education and information using the computational tool Patent2Net, World Patent Information, 46, 21-31.

França, M. P., Barroso, A., & Politano, R. (2014). Mapeamento de propriedade intelectual como ferramenta para planejamento estratégico. Revista de Administração e Inovação, 11(1), 29-54.

Freeman, C. (1979). The Determinants of Innovation: Market Demand, Technology and the Response to Social Problems, Futures, 11(3), 206-215.

Freeman, C. (1995). The ‘National System of Innovation’ in historical perspective Camb. J. Econ. p. 5-24

Gerken, J. M., Moehrle, M. G., & Walter, L. (2015). One year ahead! Investigating the time lag between patent publication and market launch: insights from a longitudinal study in the automotive industry. R&D Management. 45 (3).

Giarratana, M., & Torrisi, S. (2008). Emerging Clusters in the International Production of Software: Evidence from Patents, Trademarks and Linkages. Revista Ciências Administrativas, 14(1), 7-22.

Gonçalo, C. R., & Zanluchi, J. (2011). Relacionamento entre empresa e universidade: uma análise das características de cooperação em um setor intensivo em conhecimento. BASE Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 8(3), 261-272.

Grimaldi, M., Cricelli, L., & Rogo, F. (2017). Valuating and analyzing the patentportfolio: the patent portfolio value index, European Journal of Innovation Management.

Gusberti, T. D. H., Dorneles, C., Dewes, M. F., & Cunha, L. S. (2014). Monitoramento da multidisciplinaridade no processo de transferência de tecnologia em uma universidade. Revista de Administração e Inovação, 11(3), 309-322.

Igartua, J. I., Garrigós, J. A., & Hervas-Oliver, J. L. (2010). How Innovation Management Techniques Support an Open Innovation Strategy, Research-Technology Management, 53(3).

Iootty, M. (2004). Mudanças no ambiente competitivo e novas estratégias tecnológicas: uma análise baseada nas Estatísticas de Patentes das principais empresas parapetrolíferas a partir dos anos 1980. Revista Brasileira de Inovação, 3(2), 363-392.

João, B. N. (2009). Redes em subsidiárias de multinacionais: um estudo de caso com análise de redes sociais de inventores e patentes. Revista de Administração Pública, 43(5), 1037-1066.

Kearney, R. C., Feldman, B. M., & Scavo, C. P. F. (2000). Reinventing government: City manager attitudes and actions. Public Administration Review, (60) 535-548.

Kimberly, J. R., & Evanisko, M. J. (1981). Organizational innovation: The Influence of Individual, Organizational, and Contextual Factors on Hospital Adoption of Technological and Administrative Innovations. The Academy of Management Journal, 24(4), 689-713

Kim, G., & Bae, J. (2017). A novel approach to forecast promising technology through patent analysis. Technological Forecasting & Social Change, 117, 228–237.

Kim, L. (1997) Imitation to innovation: the dynamics of Korea’s technological learning. Boston: Harvard Business Scholl Press.

Kobayashi, A. R. K., Kniess, C. T., Serra, F. A. R., Ferraz, R. R. N., & Ruiz, M. S. (2017). Cidades Inteligentes e Sustentáveis: Estudo Bibliométrico e de Informações Patentárias. International Journal of Innovation, 5(1), 77-96.

Kotabe, M., Jiang, C. X., & Murray, J. Y. (2017). Examining the complementary effect of political networking capability with absorptive capacity on the innovative performance of emerging-market firms. Journal of Management, 43(4), 1131-1156.

Lobato, A. A. (2000). A geração de patentes na Universidade Federal de Minas Gerais: seu contexto e perspectivas. Belo Horizonte: Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Escola de Ciência da Informação da UFMG. Dissertação. 146.

Lobosco, A., Moraes, M. B., & Maccari, E. A. (2011). Inovação: uma análise do papel da Agência USP de Inovação na geração de propriedade intelectual e nos depósitos de patentes da Universidade de São Paulo. Revista de Administração da UFSM, 4(3), 406-424.

Lucena, R. M., & Sproesser, R. L. (2015). Análise da Gestão de Licenciamento de Patentes: estudo Multicasos de Instituições Federais de Ensino Superior. Revista de Administração e Inovação, 12(3), 28-55.

Luz, A. A., Kovaleski, J. L., Andrade Junior, P. P., & Betim, M. T. (2010). Perfil dos spinoffs acadêmicos: um estudo em uma incubadora de empresas de base tecnológica de Ponta Grossa – PR. Revista Brasileira de Estratégia, 3(3), 265-275.

Machado, D. Q., & Ipiranga, A. S. R. (2013). Characteristics and performance of knowledge networks in the biotechnology sector. Revista de Administração Contemporânea, 17(3), 350367.

Machado, J. C., Mazzali, L., & Palmisano, A. (2015). Gestão de projetos de inovação: o caso de uma empresa líder do setor de eletrodomésticos. RAI : Revista de Administração e Inovação, 12, 288-309.

Magalhães, J. L., & Quoniam, L. (2013). Web 2.0 como ferramenta para gestão de redes e análise de patentes em saúde pública. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 2(1), 26-41.

Malvezzi, F. A., Zambalde, A. L., & Rezende, D. C. (2014). Marketing de patentes à inovação: um estudo multicaso em universidades brasileiras. Revista Brasileira de Marketing, 13(5), 109-123.

Marques, H. R., Gava, R., Pereira, R. M., Garcia, M. O., & Oliveira, C. C. (2015). Como não 'Reinventar a Roda'?: a Anterioridade Tecnológica como base para o Desenvolvimento Tecnológico. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 10(2), 103-119.

Martins, H. E. P. (2004). Inovação Tecnológica, Ambiente Institucional e Setor Empresarial: alguns indicadores de Minas Gerais e do Rio de Janeiro na década de 1990. Economia Ensaios, Uberlândia, MG, 18-19, 107-122.

Martins, H. E. P., & Avellar, A. P. M. C. (2008). Caminhos da Inovação em Minas Gerais: Uma análise de indicadores de C&T. In: XIII Seminário sobre Economia Mineira, 2008, Diamantina, MG. Anais do XIII Seminário sobre Economia Mineira. Belo Horizonte: UFMG, v. CD-ROM.

Matias-Pereira, J. (2011). A gestão do sistema de proteção à propriedade intelectual no Brasil é consistente? Revista de Administração Pública, 45(3), 567-590.

Menezes, C. C. N., Santos, S. M. D., & Bortoli, R. (2016). Mapeamento de Tecnologias Ambientais: Um Estudo sobre Patentes Verdes no Brasil. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 5(1), 18-32.

Meroño-Cerdán, A. L., López-Nicolás, C., & Molina-Castillo, F. J. (2018). Risk aversion, innovation and performance in family firms. Economics of Innovation and New Technology, 27(2), 189-203.

Moon, J. M., & Deleon, P. (2001). Municipal reinvention: Managerial values and diffusion among municipalities. Journal of Public Administration Research and Theory, (15), 43-60.

Moraes, H. B., Consoni, F., & Barassa, E. (2016). Conhecimento Científico e Tecnológico para o Veículo Elétrico no Brasil: uma Análise a Partir das Instituições de Ciência e Tecnologia e seus Grupos de Pesquisa . Desafio Online, 4(2), 100-115.

Mussi, F. B., & Segatto, A. P. (2013). Análise do instrumento de cooperação interinstitucional Programa de Pesquisadores visitantes em Instituições de Ensino, pesquisa e/ou extensão. Revista de Administração e Inovação, 10(3), 115-142.

Noh, H., Jo, Y,. & Lee, S. (2015). Keyword selection and processing strategy for applying text mining to patent analysis. Expert Systems with Applications. 42. 4348–4360.

OECD. & Eurostat. (2007). The Oslo Manual: The Measurement of Scientific and Technological Activities. Guidelines for Collecting and Interpreting Innovation Data. 3rd edition. Paris, France: Organization for Economic Cooperation and Development/Eurostat.

Oliveira, M. A. C., Mendes, D. R. F., Moreira, T. B. S., & Cunha, G. H. M. (2015). Análise Econométrica dos Dispêndios em Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) no Brasil. Revista de Administração e Inovação, 12(3), 268-287.

Osborne, D., & Gaebler, T. (1992). Reinventing Government: How the Entrepreneurial Spirit is Transforming the Public Sector, Reading, MA: Addison-Wesley.

Oshita, M. G. B., Sanches, S. L. R., & Moraes, R. O. (2016). Aplicação do Modelo Logit para Testar a Influência das Marcas e Patentes Reconhecidas Separadamente em uma Combinação de Negócios no Cálculo do Goodwill. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 21(1), 28-38.

Pantano, E., Priporas, C. V., Sorace, S., & Iazzolino, G. (2017). Does innovation-orientation lead to retail industry growth? Empirical evidence from patent analysis. Journal of Retailing and Consumer Services, 34, 88–94.

Penrose, E. (1951). The economics of international patent system. Baltimore: The Johns Hopkins Press.

Póvoa, L. M. C. (2010). A universidade deve patentear suas invenções?. Revista Brasileira de Inovação, 9(2), 231-256.

Rezende, A. A., Corrêa, C. R., & Daniel, L. P. (2013). Os impactos da política de inovação tecnológica nas universidades federais uma análise das instituições mineiras. Revista de Economia e Administração, 12(1), 100-131.

Saarinen, J. (2005). Innovations and Industrial Performance in Finland. PhD. Thesis, Lund Studies in Economic History, Lund University, Sweden. Stockholm: Almqvist & Wiksell International, (34), 1945-1998.

Saarinen, J., & Rilla, N. (2009). Changes in Innovation Towards an improved understanding of economic renewal. Basingstoke: Palgrave Macmillan.

Santos, D. F. L., Basso, L. F. C., & Kimura, H. (2012). A estrutura da capacidade de inovar das empresas brasileiras: uma proposta de construto. Revista de Administração e Inovação, 9(3), 103-128.

Santos, G. F. Z., Hoffmann, M. G., Jara, E. J., & Coral, E. (2014). Inovação e comportamento setorial: uma análise das empresas participantes do Prêmio Finep de Inovação 2010. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 13(1), 6-20.

Saviotti, P. P. (2004). The knowledge-base of the firm in biotechnology based sectors: properties and performance. Revista Brasileira de Inovação, 3(1), 129-166.

Schumpeter, J. A. (1912). Theorie der Wirtschaftlichen Entwicklung. Leipzig: Dunker & Humblot; The Theory of Economic Development, trans R. Opie. 1934.

Simões, R., Oliveira, A., Gitirana, A., Cunha, J., Campos, M., & Cruz, W. (2005). A Geografia da Inovação: uma metodologia de regionalização das informações de gastos em

Teixeira, A. L. S., Tupy, I. S., & Amaral, P. V. M. (2016). A Percepção dos Benefícios e Dificuldades na Interação Universidade-Empresa: o Caso dos Grupos de Pesquisa Mineiros. Gestão e Sociedade, 10(26), 1360-1385.

Tidd, J.; Bessant, J., Pavitt, K. (2005). Managing innovation. 3.ed. England: Wiley. World Intellectual Property Organization (WIPO). (2017) Agreement between the United Nations and the World Intellectual Property Organisation. De http://www.wipo.int/portal/en/index.html