Reflexos da Queda da Enron Corporation: Uma Perspectiva de Quinze Anos sobre as Produções Acadêmicas Brasileiras Outros Idiomas

ID:
53414
Resumo:
No final do século XX, com a descoberta de inúmeras fraudes financeiras, o mercado de ações tornou-se instável e a incerteza quanto aos procedimentos contábeis eclodiu. Dentre vários casos, um destacou-se: a queda da Enron, uma das maiores empresas dos Estados Unidos da América (EUA) na época. Embora o caso tenha sido amplamente estudado por vários autores, não foi encontrado na literatura um estudo que apontasse a sua relevância para as produções acadêmicas (dissertações e teses) no Brasil, embora a importância do tema seja um senso comum. Através dos resultados obtidos por meio de uma pesquisa bibliométrica que utilizou a palavra-chave "Enron" no catálogo de teses e dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), foram encontrados vinte e oito estudos de pós-graduação stricto sensu entre 2002 e 2016. Há supremacia de dissertações de mestrado em relação a teses de doutorado. Evidente também é a maioria das produções por instituições privadas, além da concentração de tais produções na região Sudeste do Brasil, especialmente no estado de São Paulo. Outra descoberta diz respeito aos programas que originaram o trabalho: os programas de Contabilidade e Administração de empresas representam 82% do total de produções ligadas à Enron de alguma forma. Os resultados deste artigo podem preencher a lacuna acadêmica quanto à relevância da Enron para o ensino de pós-graduação no Brasil.
Citação ABNT:
MARÇAL, R. R.Reflexes of Enron's fall: A Fifteen-Year Perspective on Brazilian Academic Productions . Revista Brasileira de Gestão e Inovação, v. 6, n. 3, p. 101-120, 2019.
Citação APA:
Marçal, R. R.(2019). Reflexes of Enron's fall: A Fifteen-Year Perspective on Brazilian Academic Productions . Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 6(3), 101-120.
DOI:
10.18226/23190639.v6n3.05
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53414/reflexos-da-queda-da-enron-corporation--uma-perspectiva-de-quinze-anos-sobre-as-producoes-academicas-brasileiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Allen, F., & Carletti, E. (2008). Mark-to-market accounting and liquidity pricing. Journal of Accounting and Economics, 45(2–3), 358–378.

Antunes, J., Antunes, G. M. B., & Song, D.D. (2007). Certificação dos controles internos exigidos pela Sarbanes-Oxley: análise dos primeiros resultados nas empresas do índice Dow Jones. X SEMEAD – Seminários em Administração FEA USP. São Paulo, Brasil, 18.

Araújo, R., & Alvarenga, L. (2011). A Bibliometria na Pesquisa Científica da Pós-Graduação Brasileira de 1987 a 2007. Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, 16(31), 51-70.

Arnold, B., & de Lange, P. (2004). Enron: An examination of agency problems. Critical Perspectives on Accounting, 15(6–7), 751–765.

Attie, W. (1998). Auditoria: Conceitos e Aplicações. São Paulo: Auditoria Forense.

Benston, G. J. (2006). Fair-value accounting: A cautionary tale from Enron. Journal of Accounting and Public Policy, 25(4), 465–484.

Bergamini, J., S. (2002). Ética Empresarial e Contabilidade: O Caso Enron. Rio de Janeiro: Pensar Contábil.

Bryce, R. (2004). Pipe Dreams: Greed, Ego, and the Death of Enron. Estados Unidos: PublicAffairs.

Bufrem, L. & Prates, Y. (2005). O saber científico registrado e as práticas de mensuração da informação. Ciência da Informação, 34(2), 9-25.

Carvalho, W. E. (2006). Caso Enron : Breve análise da empresa em crise. Retrivied from http://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI6852,41046Caso+Enron+breve+analise+da+empre sa+em+crise

Catanach Jr., A. H., & Rhoades, S. C. (2003). Enron: A Financial Reporting Failure? SSRN eLibrary, 48(4).

Catapan, A., & Cherobim, A. P. M. S. (2010). Estado da arte da governança corporativa: estudo bibliométrico nos anos de 2000 a 2010. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 9(1-2), 207-230.

Chung, K. H., Pak, H. S., & Cox, R. A. (1992). Patterns of Research Output in the Accounting Literature: A Study of the Bibliometric Distributions. Abacus, 28(2), 168-185.

Collinson, D. (2005) Dialectics of Leadership. Human Relations, 58(11), 1419-1422.

Cooper, D. J., & Robson, K., (2005). Accounting, Professions and Regulation: Locating the Sites of Professionalization. Organizations and Society, 31(4/6); University of Alberta School of Business Research Paper (2013-141).

Demo, P. (1989). Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Editora Atlas.

Diamond, M. (2007) Accounting education, research and practice: After Enron, where do we go? European Accounting Review, 14(2), 353-362.

Dias, dos S. V. S. (2015). Auditoria de processos organizacionais: Teoria, Finalidade, Metodologia de trabalho e Resultados Esperados. São Paulo: Editora Atlas.

Edwards, G., Hawkins, B. & Schedlitzki, D. (2018) Bringing the ugly back: A dialogic exploration of ethics in leadership through an ethno-narrative re-reading of the Enron Case. Human Relations.

Eizirik, N. L. (1982). Regulação e Auto-Regulação do Mercado de Valores Mobiliários. Brasil: Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro.

Epstein, M. J., & Geiger, M. a. (1994). Investor views of audit assurance: Recent evidence of the expectation gap. Journal of Accountancy, 177(1), 60–66.

Fox, L. (2003). Enron: The rise and fall. Hoboken, N.J: Wiley.

Fusaro, P. C., & Miller, R. M. (2002). What went wrong at Enron: Everyone's guide to the largest bankruptcy in U.S. history. Hoboken, N.J: J. Wiley.

Giroux, G. (2008). What went wrong? Accounting fraud and lessons from the recent scandals. Social Research: An International Quarterly, 75(4),1205-1238.

Gordon, J. N. (2003). Governance Failures of the Enron Board and the New Information Order of Sarbanes-Oxley. Harvard Law School John M. Olin Center for Law, Economics and Business Discussion Paper Series. 416.

Gouveia, J. B. (2009). Para um debate saudável: custo histórico versus justo valor. Revista da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, 113, 28-31.

Habermas, J. (1987). Dialética e Hermenêutica. Porto Alegre: LPM.

Hartgraves, A. L., & Benston, G. J. (2002). The evolving accounting standards for special purpose entities and consolidations. Accounting Horizons, 16(3), 245–258.

Hendriksen, E. S., & Van, B. M. F. (1999). Accounting theory. Homewood, IL: Irwin.

Issa, T., & Pick, D. (2010). Ethical mindsets: An Australian Study. Journal of Business Ethics, 96, 613-629.

Kraemer, M. E. P. (2004). Contabilidade Criativa Maquiando as Demonstrações Contábeis. Pensar Contábil, 7(28), 13.

Kulik, B. W., O’Fallon, M. J., & Salimath, M. S. (2008). Do competitive environments lead to the rise and spread of unethical behavior? Parallels from Enron. Journal of Business Ethics, 83(4), 703–723.

Leite, F. G. A. (2008). Padrões de produtividade de autores em periódicos e congressos na área de contabilidade no Brasil: um estudo bibliométrico. Revista de Administração Contemporânea, 12(2), 533-554.

Leite, F. G. A., & Siqueira, R. L. (2007). Revista Contabilidade & Finanças USP: Uma Análise Bibliométrica de 1999 a 2006. Revista de Informação Contábil. 1(2), 102-119.

Li, Y. (2010). The Case Analysis of the Scandal of Enron. International Journal of Business & Management, 5(10), 37–41.

Marion, J. C. (2009). Contabilidade Básica. São Paulo: Atlas.

Martins, G. A., & Silva, R. B. C. (2005). Trabalhos do 3º e 4º Congressos USP de Controladoria e Contabilidade: um estudo bibliométrico. Anais do Congresso Usp de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 5.

Martins, O. S., Vasconcelos, A. F. D., & Aguiar, P. (2009). IES Pública X IES Privada: Uma Investigação Sobre o Mito da Influência do Tipo de IES na Atuação Profissional do Contador. Revista Contabilidade Vista & Revista, 20(2), 39–64.

Mattessich, R. (2005). Lecciones de Enron y Arthur Andersen Co. Conferencia dictada en la Universidad de British Columbia, Vancouver, Canadá.

Mclean, B. (2001). Is Enron Overpriced ? Fortune, 1–4.

McLean, B., & Elkind, P. (2003). The smartest guys in the room: The amazing rise and scandalous fall of Enron. New York: Portfolio.

Murcia, F. D., & Borba, J. A. (2005). Um estudo das Fraudes Contábeis sob duas óticas: Jornais Econômicos versus Periódicos Acadêmicos no período de 2001-2004. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ. 10(2), 99-114. Econômicos versus Periódicos Acadêmicos no período de 20012004

Myers, S., & Majluf, N. (1984). Corporate Financing and Investment Decisions When Firms Have InformationThat Investors Do Not Have. Journal of Financial Economics, 13(2), 187221.

Nelson, K. K., Price, R. A., & Rountree, B. R. (2008). The market reaction to Arthur Andersen’s role in the Enron scandal: Loss of reputation or confounding effects? Journal of Accounting and Economics, 46(2–3), 279–293.

Nepomuceno, V. (2002). A queda da contabilidade gerencial e a ascensão da fraude contábil nos Estados Unidos. Boletim do IBRACON, 285, 1-17.

Nogami, O., & Passos, C. R. M. (2003). Princípios de Economia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Prentice, R. A. (2001), The case for educating legally aware accountants. American Business Law Journal, 38, 597–631.

Rosa, A. F., Mendes, A. C. A., Teixeira, G. M. A., & Martins, S. (2010). Earnings Management no Brasil: uma análise sob a perspectiva sociométrica e bibliométrica. Contabilidade Vista & Revista, 21(4), 189-218.

Ross, S. A. (1973). The Economic Theory of Agency: The Principal's Problem. The American Economic Review, Vol. 63, No. 2, Papers and Proceedings of the Eighty-fifth Annual Meeting of the American Economic Association, 134-139.

Schwarcz, S. L. (2002). Enron, and the Use and Abuse of Special Purpose Entities in Corporate Structures. SSRN Electronic Journal.

Schwarcz, S. L. (2012). The Use and Abuse of Special-Purpose Entities in Public Finance. Minnesota Law Review, 97(2), 369–406.

Silva, A. C. B. da, Oliveira, E. C. de, & Ribeiro, F. J. (2005). Revista Contabilidade & Finanças USP: uma comparação entre os períodos 1989/2001 e 2001/2004. Revista Contabilidade & Finanças, 16(39), 20-32.

Silveira, A. Di M. Da. (2013). Corporate Scandals of the 21st Century: limitations of mainstream corporate governance literature and the need for a new behavioral approach. São Paulo: School of Economics, Management and Accounting, University of São Paulo.

Smith, W. L., Boje, D. M., & Melendrez, K. D. (2010), The financial crisis and mark-tomarket accounting: an analysis of cascading media rhetoric and storytelling, Qualitative Research in Accounting & Management, 7(3), 281-303.

Souza, J. C. De., & Scarpin, J. E. (2005). Fraudes Contábeis: As Respostas da Contabilidade nos Estados Unidos e na Europa. III SEGET Simpósio de Excelência Em Gestão E Tecnologia, 1–12.

Tang, T. LP., Sutarso, T., Ansari, M. A., Lim, V. K., Teo, T. S., Arias-Galicia, F., & Garber, I. E. (2018). Monetary intelligence and behavioral economics : the Enron effect-love of money, corporate ethical values, Corruption Perceptions Index (CPI), and dishonesty across 31 geopolitical entities. Journal of Business Ethics, 148(4), 919–937.

Tosi, H. L., & Gomez-Mejia, L. R. (1989). The Decoupling of CEO Pay and Performance: An Agency Theory Perspective. Administrative Science Quarterly, 34(2), 169–189.

Vanti, N. A. P. (2002). Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, Vol. 31, No. 2, 152-162. Retrieved from https://ssrn.com/abstract=2181705.

Viggiano, E., & Mattos, C. O. (2013). Desempenho de estudantes no Enem 2010 em diferentes regiões brasileiras. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94(237), 417–438.