Inovação, Alimentos e Consumo: Análise da Produção Científica e suas Implicações Outros Idiomas

ID:
53416
Resumo:
Os alimentos são percebidos como fonte de satisfação e de bem-estar físico, mas também de preocupação e estresse, estando as preocupações relacionadas à (in) segurança, origem e saudabilidade dos alimentos. Atualmente, verifica-se que os indivíduos vivem em um constante paradoxo, pois de um lado há o desejo de inovar (neofilia), mas por outro há o receio ou medo do não familiar (neofobia). Destaca-se, também, que a taxa de inovação na indústria brasileira de alimentos está aumentando gradativamente. Frente a esse contexto, objetivou-se analisar a produção científica a respeito das inovações alimentares por meio da técnica de mineração de texto. Para tanto, foram analisados 555 artigos publicados no Web of Sicence entre 2004 e 2014. Os resultados revelaram o aumento das publicações relacionadas a temática a partir de 2009, reforçando sua importância como tema de pesquisa. As áreas do conhecimento que mais se destacaram foram: Tecnologia de Alimentos, Agricultura, Economia e Nutrição. Entre os países que mais publicaram estão os Estados Unidos, Inglaterra, Holanda e Itália. Os conteúdos relacionados à segurança alimentar e alimentos geneticamente modificados apresentaram presença significativa, assim como mudanças climáticas e alegações de saúde. Por outro lado, a expressão “comportamento do consumidor” foi a que apresentou menor frequência. As implicações desses resultados para o mercado são apresentadas no estudo.
Citação ABNT:
DIAS, P. C. S. P.; FINOCCHIO, C. P. S.; CHEUNG, T. L. Inovação, Alimentos e Consumo: Análise da Produção Científica e suas Implicações . Revista Brasileira de Gestão e Inovação, v. 6, n. 3, p. 144-161, 2019.
Citação APA:
Dias, P. C. S. P., Finocchio, C. P. S., & Cheung, T. L. (2019). Inovação, Alimentos e Consumo: Análise da Produção Científica e suas Implicações . Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 6(3), 144-161.
DOI:
10.18226/23190639.v6n3.07
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53416/inovacao--alimentos-e-consumo--analise-da-producao-cientifica-e-suas-implicacoes-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ajzen, I. (2001). Nature and operation of attitudes. Annu. Rev. Psychol, 12(52), 27-58.

Andrade, J. C., Deliza, R., Yamada, E. A., Galvão, M. L., Frewer, L. J. & Beraquet, N. J. (2013). Percepção do consumidor frente a riscos associados aos alimentos, sua segurança e rastreabilidade. Food Technology. 6(3), 184-191.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Beckmann, S. C & Jonas, M.S. (1998). Functional foods: Consumer perceptions in Denmark and England. Center for market surveillance, research and strategy for the food sector. Recuperado em 23.08.2018, de: http://pure.au.dk/portal/en/publications/functional-foodsconsumer-perceptions-in-denmark-and-england(81081e40-5c21-11da-ae64000ea68e967b).html.

Beneito, P., Coscollá-Girona, P., Rochina-Barrachina, M. E., & Sanchis, A. (2015). Competitive pressure and innovation at the firm level. The Journal of industrial economics, 63(3), 422-457.

Bertozzi, L. (1998). Tipicidad alimentaria y dieta mediterránea. In A. Medina, F. Medina, & G. Colesanti (Eds.), El color de la alimentación mediterránea. Elementos sensoriales y culturales de la nutrición, 15-41.

Braga, V. (2004). Cultura Alimentar: contribuições da antropologia da alimentação. Saúde em Revista, 6(13), 37-44.

Carayannis, E. G., Gonzalez, E., & Wetter, J. (2003). The nature and dynamics of discontinuous and disruptive innovations from a learning and knowledge managements perspective. The international handbook of innovation. Oxford: Elsevier Science Ltd.

Carvalho, J. M., & Araújo, L.O. (2017). Inovação na Indústria de Alimentos e sua Interface com o Setor Regulador no Brasil. Cad. Prospec, Salvador, 10(3), 405-415.

Chambers, E., & Smith, E. A. (1991). The uses of qualitative research in product research and development. IFT Basic Symposium Series, Marcel Dekker, Inc., New York.

Decesaro, L., Savero, E. A., Guimarães, J. C., & Girardi, G. (2018). A influência da geração X e Y na inovação de produto e processo na indústria metalúrgica do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 5(2), 30-58. European Food Information Council. (2014)

EUFIC. EU Project Connection: Connecting key players in the food innovation process to improve consumer acceptance of new products. Recuperdo em: 23.10.2015, de www.eufic.org/article/en/healthandlifestyle/foodchoice/artid/Connecting_key_players_in_the _food_innovation_process_t_improve_consumer_acceptance_of_new_products.

Fischler, C. L. (1990). Homnivore. Barcelona: Anagrama.

Food Agriculture and Organization – FAO. (2017). The State of Food and Agriculture: Leveraging Food Systems for Inclusive Rural Transformation. Recuperado em 28.07.2018, de http://www.fao.org/3/a-I7658e.pdf.

Frewer, L. J., Howard, C., & Aaron, I. (1998). Consumers acceptance of transgenic crops. Pesticide Science, 52 (4), 388-393.

Grunert, K. G., Lahteenmaki, L., Nielsen, N. A., Poulsen, J. B., Ueland, O. & Astrom, A. (2001). Consumer perceptions of food products involving genetic modification results from a qualitative study in four Nordic countries. Food Quality and Preference, 12(8), 527-542.

Henson, S. (1995). Demand-side constraints on the introduction of new food technologies: the case of food irradiation. Food Policy, 20(2), 111–127.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2014). Pesquisa de Inovação: PINTEC 2014. Rio de Janeiro. Recuperado em 17.09.2018, de https://www.ibge.gov.br/estatisticasnovoportal/multidominio/ciencia-tecnologia-e-inovacao/9141-pesquisa-deinovacao.html?=&t=o-que-e.

Ji, M. F., & Wood, W. (2007). Purchase and consumption habits: not necessarily what you intend. Journal of Consumer Psychology, 17(4), 261-276.

Jordana, J. (2000). Traditional foods: challenges facing the European food industry. Food Research International, 33(3),147-152. Organização das Nações Unidas ONU. (2015). 17 objetivos para transformar nosso mundo. Recuperado em 02.05.2015, de https://nacoesunidas.org/pos2015/

Ormenese, R. C., Faria, E. V., Lemos, A. L., & Miyagusku, L. (2009). Os riscos e perigo dos alimentos na percepção dos consumidores. Brazilian Journal of Food Technology. Recuperado em 12.05.2018, de http://bjft.ital.sp.gov.br/artigos/especiais/especial_2009/v11_edesp_10.pdf.

Poulain, J. P. (2004). Sociologias da alimentação. Florianópolis: UFSC.

Ronteltap, A., Van Trijp, J. C. M., Renes, R. J., & Frewer, L. J. (2007). Consumer acceptance of technology-based food innovations: lessons for the future of nutrigenomics. Appetite, 49(1), 1-17.

Rozin, P., Fishler, C., Imada, S., Sarubin, A., & Wrzesniewski, A. (1999). Attitudes to food and the role of food in life in the U.S.A., Japan, Flemish Belgium and France: possible implications for the diet–health debate. Appetite, 33(2), 163–180.

Spanhol-Finocchio, C. P., & Dewes, H. (2016). Expression of Science in Public Policies and Media Reports Related to Obesity in the United States. Food and Public Health, 6(5), 140148.

Talamini, E., & Dewes, H. (2009). O governo e a mídia na configuração do macroambiente para os biocombustíveis líquidos no Brasil. Revista de Administração Pública, 43(2), 415-44.

Vázquez-Casielles, R., Perez, S., José, M., Lanza, R. (2002). La actitud y el processo de eleccion de compra: uma aplicacion em um produto de alimentacion. Cuadernos Aragoneses de Economia, 12(1),15-46.

Winger, R., & Wall, G. (2006). Food product innovation: A background paper. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations. Recuperado em 28.07.2018, de http://www.fao.org/docrep/016/j7193e/j7193e.pdf.