Influência das Características Políticas e Eleitorais Sobre a Abertura de Créditos Adicionais Outros Idiomas

ID:
53430
Resumo:
OBJETIVO: Analisar a influência das características políticas e eleitorais sobre a abertura de créditos adicionais nos municípios do Paraná, no ciclo político de 2013 a 2016. MÉTODO: utilizou uma metodologia descritiva de abordagem quantitativa a partir de uma regressão linear múltipla, cujos dados foram coletados exclusivamente pela internet no ano de 2017. A amostra deste estudo abrangeu 377 municípios paranaenses cujos dados estavam disponíveis nos anos de 2013 a 2016. ORIGINALIDADE/RELEVÂNCIA: Demonstrar o comportamento dos entes municipais paranaenses na utilização dos créditos adicionais sob a ótica de aspectos teóricos e suas relações com o orçamento. RESULTADOS: A pesquisa concluiu que as variáveis ano eleitoral, mandato eleitoral, ideologia política, alinhamento partidário e o tamanho populacional exercem influência positiva e significativa na abertura de créditos adicionais pelos municípios paranaenses. Já a variável mudança de gestor público influência de forma negativa na abertura de créditos adicionais. CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS/METODOLÓGICAS: O crédito adicional é utilizado em função do calendário eleitoral, justificado pela probabilidade de aumentar suas chances de reeleição para o próximo ano, de modo que o gestor preenche uma lacuna na sua programação inicial ou adapta a alocação de recursos às mudanças nas prioridades políticas. Os políticos recém eleitos buscam sinalizar a sua competência em matéria orçamentária. A abertura de créditos adicionais é maior quando os gestores estão no primeiro mandato eleitoral. CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS/PARA A GESTÃO: Observou-se que o uso dos créditos adicionais varia em função de condições políticas e eleitorais e que a sociedade, como mecanismo de controle social, deve estar atenta.
Citação ABNT:
BALDISSERA, J. F.; COSTA, R. F. S.; DALL'ASTA, D.; FIIRST, C. Influência das Características Políticas e Eleitorais Sobre a Abertura de Créditos Adicionais. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 22, n. 1, p. 101-117, 2019.
Citação APA:
Baldissera, J. F., Costa, R. F. S., Dall'asta, D., & Fiirst, C. (2019). Influência das Características Políticas e Eleitorais Sobre a Abertura de Créditos Adicionais. Contabilidade, Gestão e Governança, 22(1), 101-117.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/1984-3925_2019v22n1a6
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53430/-influencia-das-caracteristicas-politicas-e-eleitorais-sobre-a-abertura-de-creditos-adicionais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alesina, A. (1987). Macroeconomic policy in a two-party system as a repeated game. The Quarterly Journal of Economics, 102(3), 651-678. doi: https://doi.org/10.1590/0034- 76121776

Alesina, A.; Drazen, A. (1991). Why are stabilizations delayed? The American Economic Review, 81(5), 1170-1188. doi: http://www.jstor.org/stable/2006912

Alves, M. A. (2016). O modelo incremental como teoria para o processo orçamentário. Revista Brasileira de Planejamento e Orçamento, 6(1), 124-137.

Anessi-Pessina, E.; Sicilia, M.; Steccolini, I. (2012). Budgeting and rebudgeting in local governments: siamese twins? Public Administration Review, 72(6), 875-884. doi: https://doi.org/10.1111/j.1540-6210.2012.02590.x

Ashworth, J.; Geys, B.; Heyndels, B. (2005). Government weakness and local public debt development in Flemish municipalities. International Tax and Public Finance, 12(4), 395-422. doi: https://doi.org/10.1007/s10797-005-2317-3

Beetsma, R.; Giuliodori, M.; Wierts, P. (2009). Planning to cheat: EU fiscal policy in real time. Economic Policy, 24(60), 753-804. doi: https://doi.org/10.1111/j.1468-0327.2009.00230.x

Bezerra, J. E. Filho. (2013). Orçamento aplicado ao setor público. 2 ed). São Paulo. Atlas.

Brück, T.; Stephan, A. (2006). Do Eurozone countries cheat with their budget deficit forecasts? Kyklos, 59(1), 3-15. doi: https://doi.org/10.1111/j.1467-6435.2006.00317.x

Caiden, N.; Wildavsky, A. B. (1980). Planning and budgeting in poor countries. Transaction Publishers.

Carvalho, F. A. A.; Oliveira, K. V. (2009). A contabilidade governamental e a teoria dos ciclos políticos: uma análise empírica fiscal e contábil sobre os municípios do Estado do Rio de Janeiro - 1998/2006. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 3(1), 46-64. doi: http://dx.doi.org/10.17524/repec.v3i1.40

Downs, A. (1957). An economic theory of political action in a democracy. Journal of Political Economy, 65(2), 135-150. doi: https://doi.org/10.1086/257897

Dubois, E. (2016). Political business cycles 40 years after Nordhaus. Public Choice, 166(1-2), 235-259. doi: https://doi.org/10.1007/s11127-016-0313-z

Fávero, L. P.; Belfiore, P.; Silva, F. D.; Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Fiirst, C.; Cavichioli, D.; Santos, K. P.; Dall´Asta, D. (2017). Determinantes para abertura de créditos adicionais: um estudo com municípios paranaenses. XVII USP - International Conference in Accounting. São Paulo, SP, Brasil.

Furtado, S. I. J. (2016). A sobreorçamentação da receita nos municípios portugueses e seus determinantes: uma análise empírica de 2005-2014. (Dissertação de mestrado). Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Giacomoni, J. (1985). Orçamento público. Atlas: São Paulo.

Gujarati, D. (2006). Econometria Básica. 4. ed. São Paulo: Campus.

Hagen, J. von. (2010). Sticking to fiscal plans: the role of institutions. Public Choice, 144(3-4), 487-503. doi: http://dx.doi.org/10.1007/s11127-010-9680-z

Hibbs, D. A. (1977). Political parties and macroeconomic policy. American political science review, 71(4), 1467-1487. doi: https://doi.org/10.1017/S0003055400269712

Hill, C.; Judge, G. G.; Griffiths, W. E. (2010). Econometria. 3 ed). São Paulo: Saraiva.

Klein, F. A.; Sakurai, S. N. (2015). Term limits and political budget cycles at the local level: evidence from a young democracy. European Journal of Political Economy, 37, 21-36. doi: https://doi.org/10.1016/j.ejpoleco.2014.10.008

Kohama, H. (2012). Contabilidade pública: teoria e prática. 12 ed). São Paulo: Ática.

Lindblom, C. E. (1959). The science of muddling through. Public Administration Review 19(1): 79-88. doi: https://doi.org/10.2307/973677

Martins, P.; Correia, L. (2015). Determinantes dos desvios orçamentais nos municípios portugueses. Revista Portuguesa de Estudos Regionais, (39), 41-62.

Meneguin, F. B.; Bugarin, M. S. (2001). Reeleição e política fiscal: um estudo dos efeitos da reeleição nos gastos públicos. Economia Aplicada, 5(3), 601-622.

Nakaguma, M. Y.; Bender, S. (2010). Ciclos políticos e resultados eleitorais: um estudo sobre o comportamento do eleitor brasileiro. Revista Brasileira de Economia, 64(1), 3- 24. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0034-71402010000100001

Nordhaus, W. D. (1975). The political business cycle. The review of economic studies, 42(2), 169-190. doi: https://dx.doi.org/10.2307/2296528

Pardini, D. J.; Amaral, H. F. (1999). A função orçamentária e o ascendente paradigma de final de milênio: o decrementalismo. Revista do Serviço Público, 50(2), 97-114.

Pina, Á. M.; Venes, N. M. (2011). The political economy of EDP fiscal forecasts: an empirical assessment. European Journal of Political Economy, 27(3), 534-546. doi: https://doi.org/10.1016/j.ejpoleco.2011.01.005

Pires, J. B. F. S. (2002). Contabilidade Pública: orçamento público.Lei de responsabilidade fiscal, teoria e prática. 7. ed. Brasília: Franco e Fortes.

Queiroz, D. B. (2015). Composição dos gastos públicos e resultados eleitorais: um estudo nos municípios brasileiros. (Tese de Doutorado). Universidade de Brasília, Universidade Federal da Paraíba e Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasília, DF, Brasil.

Queiroz, D. B. (2017). Influência do ano eleitoral, da mudança de gestor público e do mandato eleitoral sobre mudanças na composição dos gastos públicos nos estados brasileiros. In: XI Congresso Associação Anual de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Queiroz, D. B.; Souza, A. G. S. F.; Morais, L. M. F.; Silva, V. K. R. (2016). Mandatos eleitorais e ciclos políticos orçamentários: evidências dos estados brasileiros. X Congresso Associação Anual de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

Rocha, C. M. C. (2009). Orçamento público no Brasil: um estudo dos créditos adicionais. Contabilidade, Gestão e Governança, 4(2), 135-162.

Rocha, D. G.; Marcelino, G. F.; Santana, C. M. (2013). Orçamento público no Brasil: a utilização do crédito extraordinário como mecanismo de adequação da execução orçamentária brasileira. Revista de Administração, 48(4), 813-827. doi: http://dx.doi.org/10.5700/rausp1123

Rogoff, K. (1990). Equilibrium political budget cycles. The American Economic Review, 80(1), 21-26. doi: http://www.jstor.org/stable/2006731

Sakurai, S. N. (2009). Ciclos políticos nas funções orçamentárias dos municípios brasileiros: uma análise para o período 1990-2005 via dados em painel. Estudos Econômicos, São Paulo, 39(1), 39-58. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-41612009000100002

Sakurai, S. N.; Menezes-Filho, N. (2011). Opportunistic and partisan election cycles in Brazil: new evidence at the municipal level. Public Choice, 148(1), 233-247. doi: 10.1007/s11127-010-9654-1

Silva, V. L. (2012). A nova contabilidade aplicada ao setor público: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas.

Tabellini, G.; Alesina, A. (1990). Voting on the budget deficit. The American Economic Review, 80(1), 37-49. doi: http://www.jstor.org/stable/2006732

Wooldridge, J. M. (2003). Cluster-sample methods in applied econometrics. The American Economic Review, 93(2), 133-138. doi: http://dx.doi.org/10.1257/000282803321946930