Gestão Sustentável e Capacidade Dinâmica de Inovação de Empresas de Base Tecnológica da Saúde Outros Idiomas

ID:
53458
Periódico:
Resumo:
A criação e operação de empresas de base tecnológica (EBT) são o principal incentivo à inovação nas economias emergentes, especialmente em indústrias que exigem um alto grau de tecnologia, mas que muitas vezes são negligenciadas, como é o caso do setor de saúde. Neste contexto, o objetivo deste trabalho foi verificar como a gestão sustentável dos negócios pode potencializar a capacidade dinâmica de inovação de EBTs da saúde. Especificamente, buscamos: a) identificar os instrumentos de gestão sustentável adotados pelos EBT; b) verificar se os instrumentos de gestão sustentável criam, ampliam ou modificam a base de recursos utilizada pelos EBTs na geração de inovações; c) mapear as contribuições de instrumentos de gestão sustentável para a capacidade dinâmica de inovação de EBTs. O método qualitativo de estudo de caso múltiplo foi utilizado, com base em entrevistas semiestruturadas com os gerentes de duas EBTS, além de dados secundários obtidos por meio de mídia digital e impressa. Após a coleta dos dados, a análise de conteúdo foi realizada com o software Iramuteq foi utilizado. Quanto aos resultados, verificou-se que, a partir do desenvolvimento de capacidades dinâmicas de inovação, as EBTs investigadas instituíram ações de gestão sustentável que melhoraram seus modelos de negócio, gerando inovações com características frugais e disruptivas, o que levou a melhorias contínuas tanto no processo produtivo como nas ações de gestão sustentável.
Citação ABNT:
PRECZEVSKI, S. M.; COSTA, P. R.; FERRAZ, R. R. N.; FREITAS, W. R. S. Gestão Sustentável e Capacidade Dinâmica de Inovação de Empresas de Base Tecnológica da Saúde. Revista de Negócios, v. 23, n. 4, p. 25-46, 2018.
Citação APA:
Preczevski, S. M., Costa, P. R., Ferraz, R. R. N., & Freitas, W. R. S. (2018). Gestão Sustentável e Capacidade Dinâmica de Inovação de Empresas de Base Tecnológica da Saúde. Revista de Negócios, 23(4), 25-46.
DOI:
http://dx.doi.org/10.7867/1980-4431.2018v23n4p25-46
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53458/gestao-sustentavel-e-capacidade-dinamica-de-inovacao-de-empresas-de-base-tecnologica-da-saude/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aligleri, L. M. (2011). A adoção de ferramentas de gestão para a sustentabilidade e a sua relação com os princípios ecológicos nas empresas. (Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-21062011-163621/en.php

Andreeva, T. E.; Chayka, V. A. (2006). Dynamic capabilities: What they need to be dynamic? St. Petersburg State University, Institute of Management. Recuperado de https://dspace.spbu.ru/bitstream/11701/846/1/10(E)_2006.pdf

Andreeva, T. E.; Chayka, V. A. (200). Dynamic capabilities: What they need to be dynamic? (Working Paper). Graduate School of Management, Saint Petersburg State University. https://dspace.spbu.ru/handle/11701/846

Angelo, F. D.; Galina, S. V. R.; Jabbour, C. J. C. (2011). Inovação Ambiental: das imprecisões conceituais a uma definição comum no âmbito da Gestão Ambiental pró-ativa. Gepros: Gestão da Produção, Operações e Sistemas, 6(4), 143.

Barbieri, J. C.; de Vasconcelos, I. F. G.; Andreassi, T.; de Vasconcelos, F. C. (2010). Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições/Innovation and sustainability: new models and propositions/Innovación y sostenibilidad: nuevos modelos y proposiciones. Revista de Administração de Empresas, 50(2), 146.

Bardin, L. (2008). Análise de conteúdo. 4 ed. Lisboa: Edições 70.

Barreto, I. (2010). Dynamic Capabilities: A Review of Past Research and an Agenda for the Future. Journal of Management, 36(1), 256-280. Doi: https://doi.org/10.1177/0149206309350776

Borchardt, P.; dos Santos, G. V. (2014). Gestão de ideias para inovação: transformando a criatividade em soluções práticas. RAI Revista de Administração e Inovação, 11(1), 203-237.

Brasil. (2010). Ministério da Ciência e Tecnologia. Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação: principais resultados e avanços: 2007-2010. http://livroaberto.ibict.br/handle/1/676>.

Brasil. (2014). Tribunal de Contas da União - TCU. Relatório Sistêmico de Fiscalização da Saúde. file:///C:/Users/Priscila/Downloads/26789 67.PDF

Camargo, B. V.; Justo, A. M. (2013). IRAMUTEQ: um software gratuito para análisede dados textuais. Temas em Psicologia, 21(2), 513-518.

Cavusgil, S. T.; Ghauri, P. N.; Akcal, A. A. (2012). Doing Business in Emerging Markets. Sage Publication India Pvt Ltd. https://books.google.com/books/about/Doing_Business_in_Emerging_Markets.html?id=dtTGQ9I8RDYC

Claro, P. B.; Claro, D. P. (2014). Sustentabilidade estratégica: existe retorno no longo prazo? Revista de Administração, 49(2), 429-440.

Collis, D. J. (1994). Research note: how valuable are organizational capabilities? Strategic management journal, 15(S1), 143-152.

Corrêa, D. A.; Neto, M. S.; Spers, V. R. E.; Giuliani, A. C. (2010). Inovação, sustentabilidade e responsabilidade social: análise da experiência de uma empresa de equipamentos pesados. Revista de Gestão Social e Ambiental, 4(3), 90-105.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. In Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. São Paulo: Artmed. http://bases.bireme.br/cgibin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang =p&nextAction=lnk&exprSearch=695513 &indexSearch=ID

da Costa, P. R.; Porto, G. S. (2014). Governança tecnológica e cooperabilidade nas multinacionais brasileiras. RAE-Revista de Administração de Empresas, 54(2), 201- 221.

de Oliveira, S. M.; da Silva Rubin, L.; Dias, M. F. P.; da Silva, T. N. (2011). Redes interorganizacionais como promotoras da inovação sustentável no setor coureiro gaúcho. Gestão Contemporânea, 7(7), 33-58.

Eisenhardt, K. M.; Martin, J. A. (2000). Dynamic Capabilities: What Are They? Strategic Management Journal, 21(10/11), 1105-1121. http://www.jstor.org/stable/3094429

Fernandes, A. C.; Côrtes, M. R.; Pinho, M. (2004). Caracterização das pequenas e médias empresas de base tecnológica em São Paulo: uma análise preliminar. Economia e Sociedade, 13(1), 151-173.

Fiates, G. G. S.; Fiates, J. E. A.; Serra, F. A. R.; Ferreira, M. P. (2010). Innovation environment in small technology-based companies. Journal of technology management & innovation, 5(3), 81-95.

Gallego-Alvarez, I.; Lorenzo, J. M. P.; García Sánchez, I.-M. (2011). Corporate social responsibility and innovation: a resource based theory. Management Decision, 49(10), 1709-1727.

Gerard, J. A. (2009). Theory of organizational routines: development of a topology and identification of contextual determinants. (Tese Doutorado)). Ann Arbor, Michigan.

Godoi, C. K.; Bandeira de Melo, R.; Silva, A. da. (2006). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. (Vol. 2). São Paulo: Saraiva.

Helfat, C. E.; Peteraf, M. A. (2009). Understanding dynamic capabilities: progress along a developmental path. Sage publications Sage UK: London, England. http://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.117 7/1476127008100133

Júnior, P. P. A. (2012). Análise por agrupamento de fatores de desempenho de empresas de base tecnológica em incubadoras: estudo das incubadoras do Estado de Santa Catarina. Revista Produção Online, 12(1), 205-228.

Mazza, C.; Isidro-Filho, A.; Hoffmann, V. E. (2014). Capacidades dinâmicas e inovação em serviços envolvidas na implementação e manutenção de práticas de sustentabilidade empresarial. RAI - Revista de Administração e Inovação, 11(3), 345- 371.

Mazza, C L de S. (2013). Capacidades dinâmicas e inovação em serviços: um estudo de caso das práticas de sustentabilidade empresarial do Laboratório Sabin (Dissertação-Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília. http://repositorio.unb.br/handle/10482/134 47

McKelvie, A.; Davidsson, P. (2009). From Resource Base to Dynamic Capabilities: an Investigation of New Firms. British Journal of Management, 20(s1). Doi: https://doi.org/10.1111/j.14678551.2008.00613.x

Meirelles, D. S.; Camargo, Á. A. B. (2014). Capacidades Dinâmicas: o que são e como identificá-las? RAC-Revista de Administração Contemporânea, 18(3), 41- 64.

OEDC. (1997). Organization for Economic Cooperation and Development. Manual de Oslo. 3 ed.

Pitassi, C. (2012). Inovação aberta na perspectiva das empresas de economias emergentes: proposta de articulação conceitual. RAI - Revista de Administração e Inovação, 9(3), 77-102.

Rapini, M. S. (2007). Interação universidadeempresa no Brasil: evidências do Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq. Estudos Econômicos (São Paulo), 37(1), 211-233. Doi: https://doi.org/10.1590/S010141612007000100008

Ratinaud, P.; Déjean, S. (2009). IRaMuTeQ: implémentation de la méthode ALCESTE d’analyse de texte dans un logiciel libre. Modélisation Appliquée aux Sciences Humaines et Sociales MASHS, 8-9.

Reichert, F. M.; Camboim, G. F.; Zawislak, P. A. (2015). Capacidades e trajetórias de inovação de empresas brasileiras. RAM - Revista de Administração Mackenzie, 16(5), 161-194.

Reuter, C.; Foerstl, K. A. I.; Hartmann, E. V. I.; Blome, C. (2010). Sustainable global supplier management: the role of dynamic capabilities in achieving competitive advantage. Journal of Supply Chain Management, 46(2), 45-63.

Santana, N. B.; Mariano, E. B.; Camioto, F. de C.; Rebelatto, D A do N. (2015). National innovative capacity as determinant in sustainable development: a comparison between the BRICS and G7 countries. International Journal of Innovation and Sustainable Development, 9(3-4), 384- 405.

Schaltegger, S.; Lüdeke-Freund, F.; Hansen, E. G. (2012). Business cases for sustainability: the role of business model innovation for corporate sustainability. International Journal of Innovation and Sustainable Development, 6(2), 95-119.

Schenini, P. (2005). Gestão empresarial sustentável. In Gestão empresarial sócio ambiental. p. 11-34. Florianópolis: Gráfica Nova Letra. http://bases.bireme.br/cgibin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=601648 &indexSearch=ID

Slomski, V.; Slomski, V. G.; Kassai, J. R.; Megliorini, E. (2012). Sustentabilidade nas organizações: a internalização dos gastos com o descarte do produto e/ou embalagem aos custos de produção. Revista de Administração, 47(2), 275-289.

Teece, D. J. (1986). Profiting from technological innovation: Implications for integration, collaboration, licensing and public policy. Research policy, 15(6), 285-305.

Teece, D. J. (2007). Explicating dynamic capabilities: the nature and microfoundations of (sustainable) enterprise performance. Strategic Management Journal, 28(13), 1319-1350. Doi: https://doi.org/10.1002/smj.640

Teece, D. J. (2009). Dynamic capabilities and strategic management: Organizing for innovation and growth. Oxford University Press on Demand. https://books.google.com.br/books?hl=ptBR&lr=&id=88EUDAAAQBAJ&oi=fnd&pg=PP1&dq=Dynamic+capabilities+and+strategic+management:+Organizing+for+innovation+and+growth.&ots=Sjh6fqTvp5 &sig=gfutyuKkwCVkjoDUv9_VFA8khr0

Teece, D. J. (2014). A dynamic capabilities-based entrepreneurial theory of the multinational enterprise. Journal of International Business Studies, 45(1), 8-37.

Teece, D. J.; Pisano, G.; Shuen, A. (1997). Dynamic Capabilities and Strategic Management. Strategic Management Journal, 18(7), 509-533. http://www.jstor.org/stable/3088148

Wang, C. L.; Ahmed, P. K. (2007). Dynamic capabilities: A review and research agenda. International Journal of Management Reviews, 9(1), 31-51. Doi: https://doi.org/10.1111/j.14682370.2007.00201.x

Winter, S. G. (2003). Understanding dynamic capabilities. Strategic Management Journal, 24(10), 991-995. Doi: https://doi.org/10.1002/smj.318

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso. 5 d. Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman Editora.

Zollo, M.; Winter, S. G. (2002). Deliberate Learning and the Evolution of Dynamic Capabilities. Organization Science, 13(3), 339-351. Doi: https://doi.org/10.1287/orsc.13.3.339.2780