Responsabilidade Social e Aspetos Ambientais em Empresas Familiares: Um Estudo Multicascos no Agronegócio Outros Idiomas

ID:
53459
Periódico:
Resumo:
O conceito de responsabilidade social pode ser definido como a forma de gestão que preza pela relação ética e transparente da empresa com todas as partes interessadas com os quais ela se relaciona. Mesmo que a demanda por ações de cunho sócio- responsável seja evidente, não são todas as organizações que tem capacidade de coloca-las em prática, e quando o assunto são as empresas familiares, esta realidade é a ainda mais distante, visto que muitas destas empresas não sabem como pensar a responsabilidade social estrategicamente. Este trabalho fez um mapeamento das ações de responsabilidade social e iniciativas relacionadas ao meio ambiente, articuladas por empresas familiares atuantes no agronegócio. Foi realizada uma pesquisa aplicada de caráter descritivo e abordagem qualitativa, utilizando como método de pesquisa o estudo multicasos, com oito empresas familiares situadas no interior do estado de São Paulo, Brasil. Os resultados apontaram que a obrigatoriedade legal fomenta grande parte das ações das empresas familiares, em detrimento de ações voluntárias e espontâneas em prol de seus stakeholders.
Citação ABNT:
GALLI, L. C. L. A.; JANONES, A. M.; BATALHÃO, A. C. S.; GALLI, R. A. Responsabilidade Social e Aspetos Ambientais em Empresas Familiares: Um Estudo Multicascos no Agronegócio . Revista de Negócios, v. 23, n. 4, p. 47-69, 2018.
Citação APA:
Galli, L. C. L. A., Janones, A. M., Batalhão, A. C. S., & Galli, R. A. (2018). Responsabilidade Social e Aspetos Ambientais em Empresas Familiares: Um Estudo Multicascos no Agronegócio . Revista de Negócios, 23(4), 47-69.
DOI:
http://dx.doi.org/10.7867/1980-4431.2018v23n4p47-69
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53459/responsabilidade-social-e-aspetos-ambientais-em-empresas-familiares--um-estudo-multicascos-no-agronegocio-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aaker, D.; Kumar, V.; Day, G. (2004). Pesquisa de Marketing. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Agle, B. R.; Mitchell, R. K.; Sonnenfeld, J. A. (1999). Who matters to CEOs?An investigation of stakeholder attributes and salience, corporate performance, and CEO values. Academy of Management Journal, Briarcliff Manor, 42(5), 507-525.

Alves, G. J. S.; Raphaelli, N.; Fangueiro, R. (2006). Desenvolvimento sustentável na indústria têxtil: Estudo de propriedades e características de malhas produzidas com fibras biodegradáveis. In: Congresso Nacional De Técnicos Têxteis, 12.; Fenatêxtil, Recife. Anais... Recife: ABTT.

Alves, L. E. S. (2001). Governança e cidadania empresarial. Revista de Administração de Empresas, 4(4), 78-86.

Araújo, M. R. M. (2006). Exclusão social e responsabilidade social empresarial. Psicologia em Estudo, 11(2), 417-426.

Arrow, K. J.; Dasgupta, P.; Goulder, L. H.; Mumford, K.; Oleson, K. (2012). Sustainability and the measurement of wealth. Environment and Development Economics, 17(3), 317-353.

Bateman, T. S.; Snell, S. A. (2006). Administração: Novo cenário competitivo. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Becker, H. S. The Epistemology of qualitative Research. (1996). In: Jessor, R.; Colby, A.; Shweder, R. A. (Eds.). Ethnography and Human Development. Chicago: University of Chicago Press.

Bendixen, M.; Abratt, R. (2007). Corporate identity, ethics and reputation in supplier-buyer relationships. Journal of Business Ethics, 76(1), 69-82.

Boaventura, J. M. G. (2012). Dominância de stakeholders em empresas brasileiras: Contribuições à teoria dos stakeholders. 117 f. Tese (Livre Docência em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Borges, A. F.; Lescura, C. (2010). Aspectos metodológicos da pesquisa sobre empresas familiares no Brasil. In: Encontro de Estudos sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas - EGEPE, 6.; 2010, Recife. Anais... Recife: ANEGEPE.

Borges, A. F.; Lescura, C.; Oliveira, J. L. (2012). O campo de pesquisas sobre empresas familiares no Brasil: Análise da produção científica no período 1997-2009. Organizações & Sociedade, 19(61), 315-332.

Bueno, L. F.; Siggers, R. (2007). Rede de valor. In: CES/FGV-EAESP; AMCE Negócios Sustentáveis. Fóruns empresariais: Sustentabilidade e responsabilidade corporativa. São Paulo: AMCE. pp. 115-122.

Carrigan, M. (1995). Positive and negative aspects of the societal marketing concept: Stakeholder conflicts for the tobacco industry. Journal of Marketing Management, 11(5), 469- 485.

Carroll, A. B. (1979). A three-dimensional conceptual model of corporate social performance. Academy of Management Review, 4(4), 497-505.

Carvalho, L. C.; Veríssimo, P. (2018). Do empreendedorismo social à responsabilidade social corporativa: um estudo de caso. Holos, 34(7), 59-76.

Casillas, J. C.; Moreno‐Menéndez, A. M. (2014). Speed of the Internationalization Process: The Role of Diversity and Depth in Experiential Learning. Journal of International Business Studies, 45(1), 85-101.

Chetty, S.; Agndal, H. (2008). Role of InterOrganizational Networks and Interpersonal Networks in an Industrial District. Regional Studies 42(2), 175- 187.

Coelho, M. F.; Gosling, M. (2012). Competitividade e responsabilidade social corporativa na hotelaria. In: XXXVI Encontro DA ANPAD, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: EnANPAD.

Costa, R. (2002). A contribuição da ciência contábil para a preservação do meio ambiente. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação). Ciências Contábeis. UFSC, Santa Catarina.

D’amário, E. Q.; Soranz, R. F. (2014). A aplicação do modelo de saliência de stakeholders em gestores de bancos de varejo. In: Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, São Paulo. Anais... São Paulo: ENGEMA, 2014.

Desa, G. (2017). Resource mobilization in international social entrepreneurship: bricolage as a mechanism of institutional transformation. Entrepreneurship Theory and Practice, 34(4), 727-751.

Dias, R. (2012). Responsabilidade social: Fundamentos e gestão. São Paulo: Atlas.

Domingues, A. R.; Lozano, R.; Ceulemans, K.; Ramos, T. B. (2017). Sustainability reporting in public sector organisations: Exploring the relation between the reporting process and organizational change management for sustainability. Journal of Environmental Management, 192, 292-301.

Donaldson, T.; Preston, L. E. (1995). The stakeholder theory of the corporation: Concepts, evidence and implications. Academy of Management Review, 20(1), 65-91.

Farinos, J. M. (2015). Environmental responsibility and corporate social responsibility. VITRUVIO - International Journal of Architectural Technology and Sustainability, 1, 87-91.

Fernandez, P. M. S.; Jaen, J. M. S.; Ortiz, M. D. G. (2018). Non-financial information as a transparency tool. Razon Historica - Revista Hispanoamericana de Historias de las ideas, 40, 116-132.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Floriani, O. P.; Rodrigues, L. C. (2000). Sucessão empresarial: Processo sucessório em empresas familiares. In: Encontro De Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão De Pequenas Empresas - EGEPE, 1.; 2000, Maringá. Anais... Maringá: ANEGEPE. pp. 299-312.

Freeman, R. E. (1984). Strategic management: A stakeholder approach. Boston: Pitman.

Gomes, D. V. (2006). Educação para o consumo ético e sustentável. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 16, 18-31.

Gomes, K. N. M. (2004). Responsabilidade social nas empresas: uma nova postura empresarial: O caso CST. In: Instituto ETHOS. Responsabilidade social das empresas: a contribuição das universidades. São Paulo: Editora Peirópolis. pp. 33-73.

Gomes, P. A.; Santos, L. M. L.; Gomes, J. V. (2005). Responsabilidade social: Análise das dimensões sistêmicas nas pequenas e grandes empresas. Revista Capital Científico do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, 3(1), 77-90.

Gonçalves, A.; Desiderio, A.; Gutierrez, G. L. (2006). A responsabilidade social das empresas. ORG & DEMO, 7(1,2), 135-152.

González, M.; Guzmán, A.; Pablo, E.; Trujillo, M. A. (2019). Is board turnover driven by performance in family firms? Research in International Business and Finance, 48, 169-186.

Handy, C. Para que serve uma empresa? (2005). In: Rodriguez, M. V. R. (Org.) Ética e responsabilidade social nas empresas. Rio de Janeiro: Elsevier. pp. 118-133.

Harrison, J. S.; St John, C. H. (1996). Managing and partnering with external stakeholders. Academy of Management Executive, 10(2), 46-60.

Instituto Ethos. (2013). Indicadores Ethos de responsabilidade social empresarial. São Paulo: Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social.

Lee, P. (2008). A review of the theories of corporate social responsibility: Its evolutionary path and the road ahead. International Journal of Management Reviews, 10(1), 53-73.

Lethbridge, E. (1997). Tendências da empresa familiar no mundo. Revista BNDES, 4(7), 1-18.

Lydenberg, S. D. (2005). Corporations and the public interest: Guiding the invisible hand. San Francisco: Berrett-Koehler.

Macêdo, L. F. (2006). Responsabilidade social: a atuação de uma organização pública junto aos seus fornecedores. 147 f. Dissertação(Mestrado em Administração - Gestão Social do Trabalho) - Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentos, Universidade de Brasília, Brasília.

Machado, H. V. (2005). Reflexões sobre concepções de família e empresas familiares. Psicologia em Estudo, 10(2), 317-323.

Manzini, E. J. (1991). A entrevista na pesquisa social. Didática, n. 26/ 27, p. 149-158.

Marins, J. (2002). Elisão tributária e sua regulação. São Paulo: Dialética.

MARTINS, G. A. Estudo de caso: uma reflexão sobre a aplicabilidade em pesquisas no Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações, v.2, n. 2, p.8-18, 2000.

Medina, G.; Santos, A. M. (2017). Curbing enthusiasm for Brazilian agribusiness: The use of actor-specific assessments to transform sustainable development on the ground. Applied Geography, n. 85, p. 101-112.

Melo Neto, F. P.; Froes, C. (1999). Responsabilidade social e cidadania empresarial: A administração do terceiro setor. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Ministério Da Agricultura. (2016). Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário: Sobre o programa. http://www.mda.gov.br/sitemda/secretaria/safmais/sobre-o-programa.

Motta, S. L. S.; Rossi, G. B. (2001). A influência do fator ecológico na decisão de compra de bens de conveniência. Revista de Administração Mackenzie, 2(2), 109-130.

Müler, E. T.; Beuren, I. M. (2010). Estrutura formal e práticas da controladoria em empresas familiares brasileiras. Gestão & Regionalidade, 26(76), 105-120.

Oliveira, D. P. R. (1999). Empresa familiar: como fortalecer o empreendimento e otimizar o processo sucessório. São Paulo: Atlas.

Passador, C. S. (2002). A responsabilidade social no Brasil: uma questão em andamento. In: Congreso internacional del clad sobre la reforma del estado y de la administración pública, 7.; 2002, Lisboa, Portugal. Anais... Lisboa, Portugal, CLAD.

Pereira, L.; Fendrich, L. J. (2009). Políticas e práticas de responsabilidade social corporativa em empresas do interior de Santa Catarina e do Paraná: Referenciais de sustentabilidade. XXXIII. Encontro Da Anpad, São Paulo. Anais... São Paulo: ANPAD.

Pronatec - Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego. (2015). O que é o Jovem Aprendiz. 2015. Retirado de: http://www.pronatec2015.com/o-que-e-o-jovemaprendiz/.

Richardson, R. (1999). Pesquisa Social: Métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Samara, G.; Paul, K. (2018). Justice versus fairness in the family business workplace: A socioemotional wealth approach. Business Ethics: a European Review, 28(2), p.175-184.

Sanches, C. S. (2000). Gestão ambiental proativa. RAE - Revista de Administração de Empresas, 40(1), 76-87.

Serpa, D. A. F. (2006). Efeitos da responsabilidade social corporativa na percepção do consumidor sobre preço e valor: Um estudo experimental. 191 f. Tese(Doutorado em Administração) - Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Serpa, D. A. F.; Fourneau, L. F. (2007). Responsabilidade social corporativa: uma investigação sobre a percepção do consumidor. Revista de Administração Contemporânea, 11(3), 83-103.

SESI - Serviço Social da Indústria. (2014). “Meu Novo Mundo” está no ar. http://www.sesisp.org.br/noticias/site-do-projetomeu-novo-mundo-esta-no-ar.

Sousa, A. C. C. (2006). Responsabilidade social e desenvolvimento sustentável: A incorporações do conceito à estratégia empresarial. 203 f. Dissertação (Mestrando em Ciências em Planejamento Energético) - Coppe, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Souza, M. J. B.; Ferreira, E. (2010). Responsabilidade social em organizações turísticas. In: Philippi Jr, A.; Ruschmann, D. M. (Eds.). Gestão ambiental e sustentabilidade no turismo. Barueri: Manole. pp. 755-773.

Stoner, J.; Freeman, R. E. (1985). Administração. 5. ed. Rio de Janeiro: Prince-Hall do Brasil.

Teodósio, A. S. S.; Barbieri, J. C.; Csillag, J. M. (2006). Sustentabilidade e competitividade: Novas fronteiras a partir da gestão ambiental. Revistas Gerenciais, 5(1), 37-49.

Thurow, L. (1997). O futuro do capitalismo: Como as forças econômicas moldam o mundo do amanhã. Rio de Janeiro: Rocco.

Venkatraman, S.; Venkatraman, R. (2019). Communities of Practice Approach for Knowledge Management Systems. Systems, 6(4), 36.

Werner, R. (2004). Família e negócios: Um caminho para o sucesso. São Paulo: Manole.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: Planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman Companhia.

Zaccariotto, C. C.; Chiarinotti, F.; Carvalho, L. S. (2015). Fases da Responsabilidade Social Corporativa(RSC): A Evolução do Conceito de RSC. Caderno Profissional de Administração - UNIMEP, 5(2), 103-118.

Zahra, S. A.; George, G. (2002). International Entrepreneurship: The Current Status of the Field and Future Research Agenda. In: Strategic Entrepreneurship: Creating a New Mindset. (Eds.) M. A. Hitt, R. D. Hisrich, M. Camp, and D. L. Sexton. Malden, MA: Blackwell, pp. 255- 288.

Zhou, L.; Wu, W.; Luo, X. (2007). Internationalization and the Performance of BornGlobal SMEs: The Mediating Role of Social Networks. Journal of International Business Studies 38(4), 673- 690.