Relacionamentos Interpessoais Formal e Informal: Interação das Redes no Ambiente Acadêmico Outros Idiomas

ID:
53590
Resumo:
A literatura acadêmica apresenta conceitos que são explorados pelo seu aspecto formal e informal. Também enfatiza que os relacionamentos interpessoais informais complementam e contribuem de forma sinérgica com os relacionamentos formais que ocorrem nas diversas atividades humanas. Alguns autores estudaram a similaridade entre as partes formal e informal, outros indicaram que se poderia estudar os efeitos conjuntos da interação ou o delineamento dos limites da parte informal pela parte formal ou se ambas apresentariam influências recíprocas. Neste trabalho são comparadas as redes sociais formais e informais de duas turmas distintas de alunos universitários e em momentos diferentes para verificar a existência da interação entre os elementos formais e informais dessas redes. Foi realizado um estudo de campo de caráter exploratório com auxílio da análise de redes sociais por meio do software Ucinet 6.0 e Netdraw. Foram coletadas várias medidas com base na percepção dos alunos e a análise dos dados indicou resultados não condizentes com a literatura, indicando a não ocorrência de relação entre os aspectos formal e informal. Dada a importância dessa interação, cabe aos professores e à instituição de ensino prover meios para que isso ocorra. Os resultados indicam a necessidade de mais estudos científicos a respeito do tema.
Citação ABNT:
LEONARDO, S. B.; FARINA, M. C.; ANDREOLI, T. P.; LIMA, A. P. M. B. Relacionamentos Interpessoais Formal e Informal: Interação das Redes no Ambiente Acadêmico. Revista de Administração Contemporânea, v. 23, n. 3, p. 395-415, 2019.
Citação APA:
Leonardo, S. B., Farina, M. C., Andreoli, T. P., & Lima, A. P. M. B. (2019). Relacionamentos Interpessoais Formal e Informal: Interação das Redes no Ambiente Acadêmico. Revista de Administração Contemporânea, 23(3), 395-415.
DOI:
http://doi.org/10.1590/1982-7849rac2019180045
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53590/relacionamentos-interpessoais-formal-e-informal--interacao-das-redes-no-ambiente-academico/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Azevedo, T. B.; Rodriguez, M. V. R. Y. (2010). Softwares para análise de redes sociais-ARS. Congress Nacional de Excelência em Gestão, Niterói, RJ, Brasil, 6.

Basov, N.; Wuehr, D. (2012). Intra-organizational communication networks and success in innovation projects: Comparing the cases of German mechanical engineering companies. [Working Papers]. Centre for German and European Studies, Bielefeld University, Sankt-Peterburg, Rússia. https://doi.org/10.13140/2.1.2086.7527

Bastos, V. B.; Santos, M. V. (2007). Redes sociais informais e compartilhamento de significados sobre mudança organizacional. Revista de Administração de Empresas, 47(3), 1-13. http://doi.org/10.1590/S0034-75902007000300003

Brandes, U.; Kenis, P.; Raab, J. (2005). La explicación a través de la visualización de redes. REDES: Revista Hispana para el Análisis de Redes Sociales, 9(3), 1-19. https://doi.org/10.5565/rev/redes.75

Burkhardt, M. E. (1994). Social interaction effects following a technological change: A longitudinal investigation. The Academy of Management Journal, 37(4), 869-898. http://doi.org/10.2307/256603

Carlotto, R. C.; Teixeira, M. A. P. T.; Dias, A. C. G. (2015). Adaptação acadêmica e coping em estudantes universitários. Psico-USF, 20(3), 421-432. http://www.scielo.br/pdf/pusf/v20n3/2175-3563-pusf-20-03-00421.pdf

Conde, R de N. C.; Farias, M. C., Filho. (2016). Relações informais influenciadas pela estrutura formal: Uma análise de redes sociais de gestores. Revista de Ciências da Administração, 18(46), 68-80. http://doi.org/10.5007/2175-8077.2016v18n4

Davis, C.; Silva.; M. A. S. S.; Esposito, Y. (1989). Papel e valor das interações sociais em sala de aula.Cadernos de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas, (71), 49-54.

Diniz, A. Q.; Santana, D. T.; Rodrigues, M. C.(2012). Comunicação organizacional. Anais do Congresso de Pesquisa Científica: Inovação, Ética e Sustentabilidade, Garça, SP, Brasil, 2.

Enyia, D. C.; Eze, O. L. (2016). The role of formal and informal communication in determining employee affective and continuance commitment in oil and gas companies. International Journal of Advanced Academic Research, Social & Management Sciences, 2(9), 33-44.

Fittipaldi, M. A. S.; Donaire, D.; Farina, M. C.; Araújo, M. F. (2014). O uso da análise de redes sociais para identificar a competição em um cluster comercial planejado. Anais do Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, São Paulo, SP, Brasil.

Genoíno, R. K.; Siqueira, J. P. L. (2017). O comprometimento organizacional, a qualidade técnica e o tempo na equipe como antecedentes da centralidade dos atletas nas redes de confiança de equipes esportivas. Contextus, Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 15(2), 86-119.

Giglio, E. M.; Ryngelblum, A. L. (2009). Uma investigação sobre o ator consumidor na rede de pirataria e uma proposta de alternativa de estratégia de combate. Revista de Administração Mackenzie, 10(4), 131-155. http://doi.org/10.1590/S1678-69712009000400007

Hanneman, R. A.; Riddle, M. (2005). Introduction to social network methods. University of California, Riverside. http://faculty.ucr.edu/~hanneman/

Kolaczyk, E. D.; Csárdi, G. (2014). Statistical analysis of network data with R. New York, NY: Springer.

Krackhardt, D.; Hanson, J. (1993). Informal networks: The company behind the chart. Harvard Business Review, 71(4), 104-111.

Lipnack, J.; Stamp, J. (1992). Networks, redes de conexão: Pessoas conectando-se com pessoas. São Paulo: Aquarela.

Macambira, M. O.; Bastos, A. V. B. (2009). Comprometimento organizacional e redes sociais informais: A estrutura das relações interpessoais e o vínculo com a organização. In A. Paredes (Compilador), Redes sociales: Análisis e intervención psicosociales. p. 179-202. https://www.academia.edu/11310589/Universidad_de_Aconcagua_Redes_Sociales_An%C3%A1lisis_e_intervenci%C3%B3n_psicosociales

Maciel, C. O.; Camargo, C. (2015). Conexão Social Intraorganizacional, Suporte no Trabalho e Identificação Organizacional. 3a Edição Especial. Revista de Administração Contemporânea, 3(19), 348-366. http://www.scielo.br/pdf/rac/v19nspe3/1415-6555-rac-19-spe300348.pdf. http://doi.org/10.1590/1982-7849rac20152017

Marques, J. B. V.; Freitas, D. de (2017). Fatores de caracterização da educação não formal: Uma revisão da literatura. Educação e Pesquisa, 43(4), 1087-1110. http://doi.org/10.1590/s15179702201701151678

Marteleto, R. M. (2001). Análise de redes sociais: Aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, 30(1), 71-81. http://doi.org/10.1590/S0100-19652001000100009

McEvily, B.; Soda, G.; Tortoriello, M. (2014). More formally: Rediscovering the missing link between formal organization and informal social structure. The Academy of Management Annals, 8(1), 299-345. https://doi.org/10.1080/19416520.2014.885252

Meirelles, C. L.; Sacomano, J. B.; Telles, R.; Siqueira, J. P. L. (2014). Gestão de pessoas nas pequenas e medias empresas: Mapeamento das redes informais, internas nas organizações, como ferramenta de recursos humanos. Revista Espacios, 35(5), 16.

Meirelles, C. L.; Sacomano, J. B.; Telles, R.; Siqueira, J. P. L. (2014). Gestão do conhecimento: O uso do programa Ucinet 60 como sistema de informação para identificar mudanças organizacionais nas PMEs. Proceedings of the International Conference on Engineering and Technology Education. Guimarães, Portugal, 13.

Miranda, M. G. C.; Liboreiro, K. R.; Borges, R. (2017). Socializar para adequar-se: Como redes sociais intraorganizacionais podem influenciar a adequação indivíduo-organização. Revista de Administração Contemporânea, 21(5), 666-684. http://www.scielo.br/pdf/rac/v21n5/1415-6555-rac-21-05-00666.pdf. http://doi.org/10.1590/1982-7849rac2017160189

Mohammadi, H.; Hosseinzadeh, M.; Kazemi, A. (2012). Women’s position in intra organizational informal relationship networks: An application of network analysis approach.Procedia - Social and Behavioral Sciences, 41, 485- 491. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2012.04.059

Nishi, J. M. (2014). Estrutura formal e redes sociais informais: Um estudo comparativo entre organização pública e privada. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências Sociais e Humanas, Programa de Pós-graduação em Administração, Santa Maria, RS, Brasil.

Nishi, J. M.; Lobler, M. L.; Costa, V. M. F.; Lopes, L. F. D. (2014). Redes sociais e configurações de poder: Estudo de caso em uma escola pública. Anais do Congresso Nacional de Excelência em Gestão, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 10. http://www.inovarse.org/sites/default/files/T14_0379_5.pdf

Pascotto, M. P.; Farina, M. C.; Rodrigues, T. H. P. T.; Dugo, J. C. (2013). Análise de rede social para mensuração das estruturas formais e informais. Revista de Administração da UFSM, 6, 179-194. http://doi.org/10.5902/198346598808

Petterson, A. R.; Castro, M. (2016). Estruturas de redes de cooperação interorganizacional: O caso da feira do produtor. Revista Espacios, 37(20), 8-8.

Ribeiro, L. C.; Rodriguez, M. V. R. Y, (2016). Informal social network and thechnical knowledge in R&D. Revista Eletrônica de Administração, 22(3), 280-311. http://www.scielo.br/pdf/read/v22n3/1413-2311-read-22-3-0280.pdf. http://doi.org/10.1590/1413-2311.02814.50197

Schneider, H. N. (2002). A escola como uma organização de aprendizagem interativa informatizada. Anais do Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, São Leopoldo, RS, Brasil, 13.

Silva, A. F. da, Costa, V. M. F.; Zamberlan, C. O.; Costa, V. F. (2011). Análise de redes sociais informais -ferramenta para o compartilhamento do conhecimento organizacional. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 35.

Soda, G.; Zaheer, A. (2012). A network perspective on organizational architecture: Performance effects of the interplay of formal and informal organization. Strategic Management Journal, 33(6), 751-771. https://doi.org/10.1002/smj.1966

Teixeira, M. A. P.; Dias, A. C. G.; Wottrich, S. H.; Oliveira, A. M. (2008). Adaptação à universidade em jovens calouros. Psicologia Escolar e Educacional, 12(1), 185-202. http://doi.org/10.1590/S1413-85572008000100013

Teixeira, M. R. F. (2011). Redes de conhecimento em ciências e o compartilhamento do conhecimento. (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Porto Alegre, RS, Brasil.

Teixeira, M. T.; Reis, M. F. (2012). A organização do espaço em sala de aula e as suas implicações na aprendizagem cooperativa. Revista Meta: Avaliação, 4(11), 162-187. http://doi.org/10.22347/2175-2753v4i11.138

Vieira, S. R. F.; Neiva, E. R. (2009). Redes sociais no contexto de mudança organizacional. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração. São Paulo, SP, Brasil, 33.

Waldstrom, C. (2001). Formal and informal interpersonal relationships: Interaction of networks in the academic environment. [Working Papers nº 2001-4]. Aarhus V., Denmark. https://econpapers.repec.org/paper/hhbaardom/2001_5f004.htm

Wasserman, S.; Faust, K. (1994). Social network analysis: Methods and applications. New York: Cambridge University Press.

Zanini, M. T.; Migueles, C. P.; Colmerauer, M.; Mansur, J. (2013). Os elementos de coordenação informal em uma unidade policial de operações especiais. Revista de Administração Contemporânea, 17(1), 106-125. http://www.scielo.br/pdf/rac/v17n1/v17n1a07.pdf. http://doi.org/10.1590/S141565552013000100007