'Smart Grid' na América Latina: Caso Ampla de Inovação no Setor Elétrico Outros Idiomas

ID:
53591
Resumo:
Este caso apresenta o dilema vivido por Ramon Gonzales, engenheiro de telecomunicações do setor de Pesquisa e Desenvolvimento da AMPLA, uma das maiores distribuidoras de energia elétrica do Rio de Janeiro. O caso se passa no ano de 2010 quando os executivos da empresa enfrentavam diversos desafios relacionados à distribuição de energia ao mesmo tempo em que implantavam o projeto que tornaria Búzios uma cidade inteligente no que tange à energia elétrica, a chamada Smart Grid. Esse caso é indicado para sessões que tratem sobre o tema da Inovação em disciplinas como Gestão Estratégica de Tecnologia e ainda Inovação. Espera-se que os alunos discutam os conceitos de Inovação, tais como barreiras, facilidades na adoção, tipos, graus, inputs, vantagens e desafios. Além disso, mediante a discussão do caso, é possível abordar também aspectos relacionados à participação colaborativa e outros fatores intervenientes que transcendem os aspectos tecnológicos para a implantação de Cidades Inteligentes.
Citação ABNT:
CAVALCANTE, N. W. F.; FRANCO, C.; ALMEIDA, V.; FREITAS, F. D.; TAVARES, E. 'Smart Grid' na América Latina: Caso Ampla de Inovação no Setor Elétrico. Revista de Administração Contemporânea, v. 23, n. 3, p. 416-435, 2019.
Citação APA:
Cavalcante, N. W. F., Franco, C., Almeida, V., Freitas, F. D., & Tavares, E. (2019). 'Smart Grid' na América Latina: Caso Ampla de Inovação no Setor Elétrico. Revista de Administração Contemporânea, 23(3), 416-435.
DOI:
http://doi.org/10.1590/1982-7849rac2019170128
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53591/-smart-grid--na-america-latina--caso-ampla-de-inovacao-no-setor-eletrico/i/pt-br
Tipo de documento:
Caso de Ensino
Idioma:
Português
Referências:
ABB no Brasil. (2009). ABB and Fortum to develop large-scale smart grid for sustainable city project. http://www.abb.com.br/cawp/seitp202/466d98448638db07c125766d00206461.aspx

Achelhi, H.; Lagziri, N.; Bennouna, M.; Truchot, P. (2016). Barriers to innovation in morocco: The case of tangier & tetouan region. International Journal of Social Sciences and Education Research, 2(2), 592-612. http://doi.org/10.24289/ijsser.279070

Amato, J.; Neto (2000). Redes de cooperação produtiva e clusters regionais. São Paulo: Atlas.

Anthopoulos, L.; Janssen, M.; Weerakkody, V. (2015). Comparing smart cities with different modeling approaches. Proceedings of the International World Wilde Web Conference Committee, Florence, Italy, 24. http://doi.org/10.1145/2740908.2743920

Atalay, M.; Anafarta, N.; Sarvan, F. (2013). The relationship between innovation and firm performance: An empirical evidence from Turkish automotive supplier industry. Procedia - Social and Behavioral Sciences, 75, 226-235. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2013.04.026

Balestrin, A.; Verschoore, J. R.; Reyes, E. (2010). O Campo de Estudo sobre Redes de Cooperação Interorganizacional no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 14(3), 458-477. http://www.scielo.br/pdf/rac/v14n3/v14n3a05.pdf. https://doi.org/10.1590/S1415-65552010000300005

Bessant, J.; Tid, J. (2009). Inovação e empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman.

Boulos, M. N.; Tsouros, A. G.; Holopainen, A. (2014). Social, innovative and smart cities are happy and resilient: Insights from the WHO EURO 2014. International Healthy Cities Conference, 14(3), 1-9. https://doi.org/10.1186/1476-072X-14-3

Chesbrough, H. W. (2003). Open innovation: The new imperative for creating and profiting from technology. Boston. MA: Harvard Business School Press.

Chourabi, H.; Nam, T.; Walker, S.; Gil-Garcia, J. R.; Mellouli, S.; Nahon, K.; Pardo, T. A.; Scholl, H. J. (2012). Understanding smart cities: An integrative framework. Proceedings of the Hawaii International Conference on System Sciences, Washington, DC, USA, 45.

Dosi, G. (1988). Sources, procedures and microeconomic effects of innovation. Journal of Economic Literature, 26(3), 1120-1171.

Dutta, S.; Lanvin, B.; Wunsch-Vincent, S. (2014). The global innovation index 2014: The human factor in innovation. https://www.globalinnovationindex.org/userfiles/file/reportpdf/GII-2014-v5.pdf

Franco, C.; Câmara, S. F.; Parente, R. C. (2015). Formação de redes, desenvolvimento de projetos de P&D e comportamento de subsidiárias em um país hospedeiro. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Belo Horizonte, MG, Brasil, 39.

Freeman, C. (1982). The economics of industrial innovation. 2 ed. London: Frances Pinter.

Freeman, C. (1988). Japan: A new national system of innovation? In G. Dosi, C. Freeman, R. R. Nelson, G. Silverberg.; L. Soete (Eds.), Technical change and economic theory. p. 330-348. London: Printer.

Grupo Enel. (n.d.). Quem somos. https://www.enel.com.br/pt/quemsomos.html

Herzog, A. L. (2013). O Brasil na onda das smart grids. Revista Exame, abril 29. https://exame.abril.com.br/revista-exame/o-brasil-na-onda-das-smart-grids/

LasagniI, A. (2012). How can external relationships enhance innovation in SMEs?New evidence for Europe. Journal of Small Business Management, 50(2), 310- 339. https://doi.org/10.1111/j.1540627X.2012.00355.x

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico. (2005). Manual de Oslo: Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3 ed. Paris: Autor.

Pavitt, K. (1990). What we know about the strategic management of technology. California Management Review, 32(3), 17-26. https://doi.org/10.2307/41166614

Rivera, R.; Esposito, A. S.; Teixeira, I. Redes elétricas inteligentes (smart grid): oportunidade para adensamento produtivo e tecnológico local. Revista do BNDES 40, dezembro de 2013. http://www.provedor.nuca.ie.ufrj.br/eletrobras/estudos/rivera1.pdf

Schumpeter, J. (1942). Capitalism, socialism and democracy. New York: Harper.

Selada , C.; Silva, C. (2014). As cidades inteligentes na agenda Europeia: Oportunidades para Portugal smart cities in the European agenda: Opportunities for Portugal. II Conferência de PRU, VIII ENPLAN e XVIII Workshop APDR: “Europa 2020: retórica, discursos, política e prática”.

Tigre, P. B. (2006). Gestão da inovação: A economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier.

Vilaça, N. M.; Figueiredo, V. N.; B.; O. L.; Ferreira, V. H.; Fortes, M. Z.; Correia, W. F.; Pacheco, O. L. (2014). Smart city - Caso da implantação em Buzios - RJ. Revista Sodebras, 9(98), 16-22. https://doi.org/10.13140/2.1.3362.2083

Vonortas, N.; Zirulia, L. (2015). Strategic technology alliances and networks. Economics of Innovation and New Technology, 24(5), 1-20. https://doi.org/10.1080/10438599.2014.988517