Nova República, Novas Práticas: Uma Análise do Processo de Empresarização do Ensino Superior no Brasil (1990-2010) Outros Idiomas

ID:
53635
Resumo:
O objetivo deste texto é discutir como as práticas dos grupos que governaram o Estado brasileiro entre 1990 e 2010 contribuíram para intensificar o processo de empresarização do ensino superior no país. De forma geral, apesar das diferenças político-partidárias, os eventos discursivos selecionados e analisados a partir da metodologia da análise crítica do discurso, carregam certa univocidade e apontam a existência de dois importantes momentos desse processo. O primeiro, marcado pelo empenho em produzir um conjunto de práticas orientadas à compreensão da educação superior a partir das maneiras de agir e de pensar que sustentam a ideia de empresa. E o outro, caracterizado pelo esforço em consolidar métodos empresariais no seio das instituições de ensino com o intuito de estabelecer “boas práticas de gestão” e, consequentemente, maximizar os resultados organizacionais. Somado à ressignificação da noção de autonomia universitária, tudo isso parece contribuir para exaltar, ainda mais, o discurso empresarial nesse espaço.
Citação ABNT:
RODRIGUES, M. S.; SILVA, R. F. C. Nova República, Novas Práticas: Uma Análise do Processo de Empresarização do Ensino Superior no Brasil (1990-2010). Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, v. 6, n. 15, p. 176-218, 2019.
Citação APA:
Rodrigues, M. S., & Silva, R. F. C. (2019). Nova República, Novas Práticas: Uma Análise do Processo de Empresarização do Ensino Superior no Brasil (1990-2010). Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 6(15), 176-218.
DOI:
https://doi.org/10.25113/farol.v6i15.4855
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53635/nova-republica--novas-praticas--uma-analise-do-processo-de-empresarizacao-do-ensino-superior-no-brasil--1990-2010-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abraham, Yves-Marie (2006). L'entreprise est-elle nécessaire? In Sébastien Arcand, Jen-Pierra Dupuis, Joseph Facal, Patrick Pelletier, & Lucie Morissette (Dir.). Sociologie de l'entreprise p. 323-374). Montréal: Gaëtan Morinº

Almeida, Mônica P. (2010). Reformas neoliberais no Brasil: a privatização nos governos Fernando Collor e Fernando Henrique Cardoso. Tese de doutorado, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, Brasil.

Arienti, Wagner L. (2003). Do Estado keynesiano ao Estado Schumpeteriano. Revista de Economia Política, 23(4), 97-113.

Baudrillard, Jean. (1995). Sociedade de consumo. São Paulo: Elfos.

Borges, Maria C. A. (2009). A educação superior numa perspectiva comercial: a visão da Organização Mundial do Comércio. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, 25(1), 83-91.

Braga, Ruy & Bianchi, Álvaro (2015). Entre duas ameaças: a burocracia e a mercantilização da universidade. Margem Esquerda - Ensaios Marxistas, n. 25, 36-42.

Brasil. (1986). I Plano Nacional de Desenvolvimento da Nova República: a retomada do desenvolvimento e o combate à pobreza (1986-1989). Brasília. http://br.vlex.com/vid/diretrizes-primeiro-plano-pnd-periodo-3428013.

Brasil. (1988). Constituição. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm.

Brasil. (1991). Brasil: um projeto de reconstrução nacional. Brasília: Gabinete da Presidência.

Brasil. (1995). Lei 9.131, de 24 de novembro de 1995. Altera dispositivos da Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961, e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9131.htm.

Brasil. (1996). Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Institui a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/tvescola/leis/lein9394.pdf.

Brasil. (2003). Bases para o enfrentamento da crise emergencial das universidades federais e roteiro para a reforma universitária brasileira. Brasília: Grupo de Trabalho Interministerial. http://www.anped.org.br/reformauniversitaria3.pdf.

Brasil. (2004). Lei 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES e dá outras Providências. In: Diário Oficial da União, Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm.

Brasil. (2005). Lei 11.096, de 13 de Janeiro de 2005. Institui o Programa Universidade para Todos - PROUNI, regula a atuação de entidades beneficentes de assistência social no ensino superior; altera a Lei no 10.891, de 9 de julho de 2004, e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/L11096.htm.

Brasil. (2007). Decreto-Lei nº 6.096 de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais - REUNI. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6096.htm.

Brasil. (2007). O plano de desenvolvimento da educação: razões, princípios e programas. http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me004370.pdf.

Brasil. (2007). Programa de Aceleração do Crescimento. http://www.fazenda.gov.br/portugues/releases/2007/r130307.pdf.

Brasil. (2010). Sinopse das ações do Ministério da Educação. Brasília: MEC.

Burawoy, Michael. (2015). Ensino superior em crise: o contexto global. Margem Esquerda - Ensaios Marxistas, 25, 43-51.

Cardoso, Fernando H. (2008). Mãos à obra, Brasil: proposta de governo. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Carvalho, Carlos E. (2003). O fracasso do Plano Collor: erros de execução ou de concepção? Economia, 4(2), 283-331.

Chauí, Marilena. (1999). A universidade operacional. Folha Online São Paulo. http://www1.folha.uol.com.br/fol/brasil500/dc_1_3.htm.

Chauí, Marilena. (2003). Universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, 24, 5-15.

Chauí, Marilena. (2006). Leituras da crise: diálogos sobre o PT, a democracia brasileira e o socialismo. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Chauí, Marilena. (2010). Entrevista Marilena Chauí. Revista Cult. http://revistacult.uol.com.br/home/2010/03/entrevistamarilenachaui/.

Collor, Fernando. (1990). Discurso de posse no Congresso Nacional. http://www.youtube.com/watch?v=GnU-CZySsFE.

Cunha, Luiz A. (1989) A universidade crítica: o ensino superior na república populista. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Cunha, Luiz A. (1990). O ensino superior no plano Collor comentários sobre o plano setorial de educação 1991-1995. Educação & Sociedade, 36, 134-138.

Cunha, Luiz A. (2003). O ensino superior no octênio FHC. Educação & Sociedade, 24(82), 7-22.

Dardot, Pierre & Laval, Christian. (2014) The new way of the world: on neoliberal society. London: Verso Books.

Emirbayer, Mustafa. (1997). Manifesto for a relational sociology. American Journal of Sociology, 103(2), 281-317.

Emirbayer, Mustafa & Mische, Ann. (1998). What is Agency? American Journal of Sociology, 103(4), 962-1023.

Fairclough, Norman. (2001). Discurso e mudança social. Brasília: UnB.

Fairclough, Norman. (2003). Analysing discourse: textual analysis for social research. London: Routledge.

Fávero, Maria L. A. (2006). A universidade no Brasil: das origens à reforma universitária de 1968. Educar, 28, 17-36.

Fernandes, Florestan. (1975). Universidade brasileira: reforma ou revolução? São Paulo: AlfaOmega.

Foucault, Michel. (2008). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, Michel. (2008). O nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes.

Giambiagi, Fábio.; Villela, André.; Castro, Lavínia B.; Hermann, Jennifer. (2005). Economia brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Elsevier.

Hollyday, Ian. (2000). Productivist welfare capitalism: social policy in East Asia. Political Studies, 48(4), 706-723.

Lattman-Weltman, Fernando.; Carneiro, José A. D.; Ramos, Plínio A. (1994). A imprensa faz e desfaz um presidente. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Laval, Christian. (2004). A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Planta.

Leher, Roberto. (2009). ENEM: o que é comodificado é mercadoria. Jornal da ADUFRJSSind, 635.

Leher, Roberto (2015). Crise universitária, crise do capital. Margem Esquerda - Ensaios Marxistas, 25, 27-35.

Lima, Kátia R. S. (2003). Organismos internacionais e política de educação superior na periferia do capitalismo. Anais da Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Caxambu, MG, Brasil, 26.

Lima, Kátia R. S. (2011). O Banco Mundial e a educação superior brasileira na primeira década do novo século. Revista Katálysis, 14(1), 86-94.

Lipovetsky, Gilles. (1989). O império do efêmero. São Paulo: Companhia das Letras.

Magalhães, Luiz A. (2005). A mídia, o medo e o governo Lula. Margem Esquerda - Ensaios Marxistas, 6, s/p.

Mancebo, Deise. (2004). Universidade para todos: a privatização em questão. Pro-Posições, 15(3), 75-90.

Mattei, Lauro & Magalhães, Luis F. (2011). A política econômica durante o governo Lula: cenários, resultados e perspectivas. In M. Paula. Nunca antes na história desse país...?Um balanço das políticas do governo Lula. p. 134-151). Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll.

Meneghel, Stela M. (2001). A crise da universidade moderna no Brasil. Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Neves, Maria L. W. (2002). Rumos históricos da organização privatista. In: Maria L. W. Neves. (Org.). O empresariamento da educação: novos contornos do ensino superior no Brasil dos anos 1990. p. 179-220). São Paulo: Xamã.

Quijano, Aníbal. (2000). El fantasma del desarrollo en América Latina. Revista Venezoelana de Economía y Ciencias Sociales, 6(2), 73-90.

Reis, Daniel A. (2007). O Partido dos Trabalhadores: trajetória, metamorfoses, perspectivas. In J. Ferreira (Org). As esquerdas no Brasil. Revolução e democracia. v. 3. p. 53-72). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Rothen, José C. & Schulz, Almiro. (2005). SINAES: do documento original à legislação. Anais da Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 28.

Sader, Emir. (1991). A transição no Brasil. Da ditadura à democracia. São Paulo: Atual.

Sennett, Richard. (2004). A corrosão do caráter - consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record.

Sguissardi, Valdemar. (1993). Universidade, fundação e autoritarismo: o caso da UFSCar. São Paulo: Estação Liberdade.

Sguissardi, Valdemar. (2005). Universidade pública estatal: entre o público e o privado/mercantil. Educação & Sociedade, 26(90), 191-222.

Sguissardi, Valdemar. (2007). Pós-graduação no Brasil: conformismo, neoprofissionalismo, heteronomia e competitividade. Anais da Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Caxambu, MG, Brasil, 30.

Sguissardi, Valdemar. (2009). Universidade brasileira no século XXI. São Paulo: Cortez.

Silva, Luiz I. L. (2002, junho). Carta ao povo brasileiro. http://www2.fpa.org.br/carta-ao-povo-brasileiro-por-luiz-inacio-lula-dasilva.

Solé, Andreu. (2004). ¿Qué es una empresa?Construcción de un idealtipo transdisciplinario. Paris: Working Paper.

Solé, Andreu. (2008). L'enterprisation du monde. In Jacques Chauze, & Félix Torres (Dir.). Repenser l'entreprise: Saisir ce qui commence, vingt regards sur une idée neuve p. 27-54). Paris: Le Cherche Midi.

Teixeira, Anísio S. (1989). Ensino superior no Brasil: análise e interpretação de sua evolução até 1969. Rio de Janeiro: FGV.

Teixeira, Anísio S. (1998). Educação e universidade. Rio de Janeiro: UFRJ.

Tragtenberg, Maurício. (1974). Burocracia e ideologia. São Paulo: Ática.

Van Dijk, Teun A. (2008). Discurso e poder. São Paulo: Contexto.

Weber, Max. (2004). A ética protestante e o espírito do capitalismo: texto integral. São Paulo: Martin Claret.

Weber, Max. (2004). Economia e sociedade. Brasília: UnB.

World Bank. (1995). Priorities and strategies for education: a World Bank review. Washington: World Bank