Os Paradoxos do Acolhimento em Minas no Século XIX de Acordo com a Literatura de Viagem: Hospitalidade e Hostilidade Outros Idiomas

ID:
53664
Resumo:
Este estudo, baseado na teoria da dádiva de Mauss (2008), posiciona como determinadas sociedades trocavam entre si e com os que eram considerados forasteiros. A hospitalidade pode ser inserida nesse contexto, ao ser definida como diversas formas e interpretações do ato do acolhimento humano, na relação de trocas com o outro em diferentes tempos e espaços. O objetivo deste trabalho é refletir sobre as práticas de acolhimento no Brasil, no século XIX, especificamente em Minas Gerais, sob a perspectiva dos viajantes naturalistas estrangeiros. A metodologia utilizada consiste na análise de fontes primárias referentes aos relatos presentes na Literatura de Viagem. Os viajantes estrangeiros registraram, sob um olhar eurocêntrico e de forma paradoxal, o processo de afetividade e alteridade em espaços distintos da hospitalidade, tais como no domínio comercial (hospedarias), no ambiente doméstico (casas e fazendas) e nos espaços públicos (vilas e cidades). Conclui-se que a sociedade mineira oitocentista ofereceu dádivas simbólicas aos viajantes estrangeiros em um processo de trocas assimétricas entre anfitriões e hóspedes com relações de hospitalidade e hostilidade.
Citação ABNT:
BRUSADIN, L. B.Os Paradoxos do Acolhimento em Minas no Século XIX de Acordo com a Literatura de Viagem: Hospitalidade e Hostilidade. Caderno Virtual de Turismo, v. 18, n. 3, p. 193-207, 2018.
Citação APA:
Brusadin, L. B.(2018). Os Paradoxos do Acolhimento em Minas no Século XIX de Acordo com a Literatura de Viagem: Hospitalidade e Hostilidade. Caderno Virtual de Turismo, 18(3), 193-207.
DOI:
http://dx.doi.org/10.18472/cvt.18n3.2018.1359
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53664/os-paradoxos-do-acolhimento-em-minas-no-seculo-xix-de-acordo-com-a-literatura-de-viagem--hospitalidade-e-hostilidade/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português