Inovação, Sobrevivência e Ecologia Organizacional: Possibilidades de Relação Outros Idiomas

ID:
53715
Resumo:
Com o objetivo de analisar as relações entre inovação, sobrevivência e ecologia organizacional, foi realizado um levantamento bibliográfico em sete bases de dados: Spell, Capes, Scielo, Anpad, Scopus, Diadorim and Emerald, não havendo restrição de período. O processo de análise de dados se deu em duas etapas, a primeira utilizando a análise bibliométrica dos artigos encontrados, baseando-se na lei de Zipf (1949) e na lei de Bradford (1934), e a segunda etapa utilizando a análise documental nos estudos empíricos. As relações propostas neste artigo demonstram uma aproximação das temáticas que embasam a construção do ambiente organizacional, no qual as empresas se modificam para sobreviver e adaptarem-se à uma dinâmica própria de mercado.
Citação ABNT:
SILVA, M. R. R.; SANTOS, A. S. L.; MACEDO, A. C. M. Inovação, Sobrevivência e Ecologia Organizacional: Possibilidades de Relação. Revista Administração em Diálogo, v. 21, n. 2, p. 148-163, 2019.
Citação APA:
Silva, M. R. R., Santos, A. S. L., & Macedo, A. C. M. (2019). Inovação, Sobrevivência e Ecologia Organizacional: Possibilidades de Relação. Revista Administração em Diálogo, 21(2), 148-163.
DOI:
http://dx.doi.org/10.23925/2178-0080.2019v21i2.39164
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53715/inovacao--sobrevivencia-e-ecologia-organizacional--possibilidades-de-relacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Acevedo, C. R., & Nohara, J. J. (2006). Monografia no curso de Administração: Guia completo de conteúdo e forma (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Aldrich, H. E., & Pfeffer, J. (1976). Environments of organizations. Annual Review of Sociology, 2(1), 79-105.

Bradford, S. C. (1934). Sources of information on scientific subjects. Engineering, 137(3550), 85-86.

Carroll, G. R. (1987). Publish and perish: The organizational ecology of newspaper industries. Greenwich: Jai Press.

Christensen, C. M. (1997). The innovator’s dilemma: When new technologies cause great firms to fail. Boston: Harvard Business School Press.

Cunha, M. P. (1993). Organizações, recursos e a luta pela sobrevivência: Análise aos níveis organizacionais e ecológico. Revista de Administração de Empresas, 33(5), 34-47.

Dimaggio, P. J., & Powell, W. W. (1983). The iron cage revisited: Institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, 48(2), 147160.

Hannan, M. T., & Freeman, J. (1977). The population ecology of organizations. American Journal of Sociology, 82(5), 924-964.

Hannan, M. T., & Freeman, J. (2005). Ecologia populacional das organizações. Revista de Administração de Empresas, 45(3), 70-91.

Kanter, R. M. (2002). A business mind who has keenly measured the dimensions of change. In T. Brown, S. Crainer, D. Dearlove, & J. N. Rodrigues (Orgs.), Business Minds. (pp. 107-114). Londres: Pearson Education.

Machado, D. D. P. N., & Barzotto, L. C. (2012). Ambiente de inovação em instituição hospitalar. Revista de Administração e Inovação, 9(1), 51-80.

Meirelles, D. S., & Thomaz, J. C. (2016). Sobrevivência organizacional das administradoras de consórcio no Brasil: Uma abordagem evolucionária. Revista Alcance Eletrônica, 23(2), 170-188.

Meirelles, D. S., Yoshida, E. C., & Palmaka, R. P. (2011). Formas organizacionais no setor de intermediação financeira. Revista Pretexto, 12(1), 70-83.

Minayo, M. C. S. (2001). Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Morgan, G. (1996). Imagens da organização. São Paulo: Atlas.

Nelson, R., & Winter, S. (1982). An evolutionary theory of economic change. Cambridge: Harvard University Press.

Pfeffer, J., & Salancik, G. R. (1978). The external control of organizations: A resource dependence perspective. New York: Harper and Row.

Prahalad, C. K., & Hamel, G. (2005). Competindo pelo futuro: Estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã (19a ed.). Rio de Janeiro: Editora Campus.

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, P. B. (2013). Metodologia de pesquisa(5a ed.). São Paulo: McGraw-Hill.

Santos, J. V. P. (2014). Caso de ensino sobre o Hotelzinho Doce Encanto: O lado não tão doce da relação entre estrutura, estratégia e sobrevivência organizacional. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 3(3), 211-223.

Silva, G., & Heber, F. (2014). Ecologia organizacional e teoria de redes: Uma análise contemporânea da formação de APLS. Gestão & Regionalidade, 30(88), 34-48.

Silva, L. F., Figueiredo, J. S., & Santos, B. Q. (2015). O ecossistema das bancas de jornal: Um estudo sobre uma espécie em extinção. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia, 19(1), 80-95.

Silva, L. F., Lopes, M. S., & Oliveira, P. S. G. (2013). A mudança no mercado de videolocadoras sob a perspectiva da ecologia das populações organizacionais. Revista Ciências Sociais em Perspectiva, 12(22), 1-19.

Silva, M. E., Sousa, I. G., & Freitas, L. S. (2012). Processo de inovação: Um estudo no setor moveleiro de Campina Grande – PB. Revista de Administração e Inovação, 9(1), 257-279.

Stefanovitz, J. P., & Nagano, M. S. (2014). Gestão da inovação de produto: Proposição de um modelo integrado. Production, 24(2), 462-476.

Tidd, J., & Bessant, J. (2015). Gestão da inovação. São Paulo: Bookman.

Tolbert, P. S., & Hall, R. H. (2015). Organizations: Structures, processes and outcomes (10nd ed.). Routledge: Taylor & Francis Group.

Townsend, C. R., Begon, M., & Harper, J. L. (2006). Fundamentos em ecologia (2a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Zipf, G. K. (1949). Human behavior and the principle of least effort. Cambridge: Addison Wesley.