'O Estudo É com Você, a Viagem É com a Gente': As Agências de Turismo Especializadas em Viagens a Concursos Públicos no Brasil Outros Idiomas

ID:
53724
Resumo:
Este estudo teve como objetivo compreender como está configurado o perfil das agências de turismo de concursos no Brasil, verificando como elas estão organizadas e identificando os produtos e/ou os serviços específicos ofertados para atender concurseiros viajantes. Para tanto, os procedimentos utilizados, mediante uma abordagem quali-quantitativa e sob uma perspectiva exploratória, se estabeleceram a partir de pesquisas bibliográficas, documentais e de campo. Na extensão da ambiência cibernética da rede social Facebook, enviesadas por uma aproximação à pesquisa netnográfica, foram realizadas incursões investigativas, observações e acompanhamentos de interações, de postagens e de depoimentos entre internautas de grupos de estudo para concursos públicos. Ademais, conceberamse conversas informais (bate-papos) e capturas de tela (Prints Screen), bem como aplicaram-se questionários com cinco empresas, das cinco regiões brasileiras, especializadas em realizar viagens para concursos públicos. Os resultados permitiram compreender que, a amostra da oferta foco desta investigação configura modelos de negócios gestados por pequenos empreendedores ou por empresas tradicionais, que viram nas necessidades de uma demanda, em notório crescimento, uma oportunidade frutífera de ganhos econômicos. São pequenas e médias empresas que planejam, se entre articulam e comercializam produtos e serviços.
Citação ABNT:
LOBATO, F. H. S.; ALBERTO, D. P. S. 'O Estudo É com Você, a Viagem É com a Gente': As Agências de Turismo Especializadas em Viagens a Concursos Públicos no Brasil. Turismo: Visão e Ação, v. 21, n. 2, p. 82-101, 2019.
Citação APA:
Lobato, F. H. S., & Alberto, D. P. S. (2019). 'O Estudo É com Você, a Viagem É com a Gente': As Agências de Turismo Especializadas em Viagens a Concursos Públicos no Brasil. Turismo: Visão e Ação, 21(2), 82-101.
DOI:
10.14210/RTVA,v21,n2,p82-101
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53724/-o-estudo-e-com-voce--a-viagem-e-com-a-gente---as-agencias-de-turismo-especializadas-em-viagens-a-concursos-publicos-no-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aires, J. (2018). A dimensão oferta à luz do radar da inovação: um estudo sobre o desempenho de agências de turismo do Recife-PE no período de 2012 a 2016. Revista Turismo em Análise, 29(1), 89-107.

Alberto, D. P. S. (2010). Políticas públicas, turismo e unidades de conservação municipais: uma experiência em Cancão, Serra do Navio, Amapá. Universidade Federal do Pará, Belém.

Allis, T. (2014). Viajantes, visitantes, turistas... Em busca de conceitos em um mundo urbano. Caderno Virtual de Turismo, 14(1): 23-38

Anjos, E. S. D.; Souza, F. D. P.; Ramos, K. V. (2006). Novas Tecnologias e Turismo: um estudo do site Vai Brasil. Caderno Virtual de Turismo, 6(4), 26-37.

Beni. M. C. (2003). Análise Estrutural do Turismo. Senac, São Paulo.

Bezerra, M. M. D. O. (2005). Turismo e financiamento: o caso brasileiro à luz das experiências internacionais. Papirus, Campinas, SP.

Biz, A; Lohmann, G. (2005) A importância da Internet para as Agências de Viagens Brasileiras utilizadoras do GDS Amadeus. Revista Turismo & Desenvolvimento, 2(2): 73-83.

Braga, A. X. V.; Braga, D. P. G.; Souza, M. A. D. (2010). Desempenho e competitividade de empresas associadas em rede: um estudo em uma rede de agências de viagens e turismo do estado do Rio Grande do Sul – Brasil. Observatório de Inovação do Turismo, 5(2), 1-29.

Braga, D. C. (2008). Agências de viagens e turismo: práticas de mercado. Elsevier, Rio de Janeiro.

Brasil, V. S. (2006). O impacto dos canais de distribuição no comportamento de compra no Turismo: uma análise das relações entre satisfação, valor e lealdade na aquisição de passagens aéreas através de canais interpessoais e canais baseados em tecnologia. Turismo, Visão e Ação, 8(3), 361-378.

Brasil. (1993). Lei nº 8.623, de 28 de janeiro de 1993. Dispõe sobre a profissão de Guia de Turismo e dá outras providências. República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 28 jan.

Brasil. (2008). Lei nº 11.771, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define as atribuições do Governo Federal no planejamento, desenvolvimento e estímulo ao setor turístico. República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 set.

Brasil. (2010). Decreto n° 7.381, de 2 de dezembro de 2010. Regulamenta a Lei no 11.771, de 17 de setembro de 2008, que dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define as atribuições do Governo Federal no planejamento, desenvolvimento e estímulo ao setor turístico, e dá outras providências. República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 03 dez. [b].

Brasil. Ministério do Turismo (2010). Segmentação do turismo e o mercado. Ministério do Turismo, Brasília. [a].

Carvalho, R. G. D. (2014) O controle judicial da discricionariedade técnica nas provas de concursos públicos no Brasil. Revista CEJ, 27(63), 87-99.

Dencker, A. F. M. (2015) Pesquisa de mercado em turismo: identificação de novos segmentos. In: Panosso Netto, A. & Ansarah, M. G. D. R. (Org.). Produtos turísticos e novos segmentos de mercado: planejamento, criação e comercialização. Manole, Barueri, p. 35-54.

Dias, R. (2003). Planejamento do turismo: política e desenvolvimento do turismo no Brasil. Editora Atlas, São Paulo.

Fiuza, M. V. (2015). Paralelo entre o concurso público brasileiro vigente e o concurso público originado na China Antiga: um estudo comparado de história do direito e legislação correspondente. Universidade Estadual do Piauí, Terezina.

Greatti, L. & Senhorini, V. M. (2000) Empreendedorismo: uma visão comportamentalista. Encontro de estudos sobre empreendedorismo e gestão de pequenas empresas, 1., 2000, Maringá. Anais... Maringá: EGEPE.

Lago, R. & Lorenzi Cancellier, E. L. P. D. (2005). Agências de viagens: desafios de um mercado em reestruturação. Turismo: Visão e Ação, 7(3), 507-514.

Lobato, F. H. S. (2016). Concurseiros viajando pelo Brasil: uma nova segmentação do mercado turístico?. Faculdade de Turismo. Universidade Federal do Pará, Belém.

Machado Júnior, A. (2008). Concursos públicos. Atlas.

Machado, D. D. P. N.,Dreher, M. T. & Gorni, P. M. (2009). Inovação em serviços turísticos: a percepção desse processo em agências de viagens. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, 4(1), 02-04.

Marín, A. (2004). Tecnologia da informação nas agências de viagens: em busca da produtividade e do valor agregado. Aleph, São Paulo.

Marsilio, M.; Vianna, S. L. G. (2014). Agências de viagens e turismo e o impacto da Internet: um estudo bibliométrico. Turismo, Visão e Ação, 16(2), 450-476.

Mendes Filho, L. M.; Silva, E. V.; Ferreira, L. V. F. (2014). Análise dos Impactos Causados pela Desintermediação nas Agências de Viagens no Brasil. XI Seminário da Associação Nacional Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, 21(1), 1-20.

Menezes, V. D. O.; Staxhyn, A. P. S. (2011). Consultor de viagens: o profissional do novo mercado turístico. Revista Turismo e Sociedade, 4(2), 381-397.

Minayo, M. C. D. S. (Org.). (1994). Pesquisa social: técnica, método e criatividade. Vozes, Petrópolis, p. 9-29.

Moraes, A. G. D. (2007). Tecnologia da informação nas agências de turismo: uma análise de como as agências estão utilizando esse recurso para se manter competitiva. Pasos,5(2), 163-173.

Noveli, M. (2010). Do off-line para o online: a netnografia como um método de pesquisa ou o que pode acontecer quando tentamos levar a etnografia para a Internet?. Organizações em Contexto, 6(12): 107-133

Petrocchi, M. & Bona, A. (2005). Agências de turismo: planejamento e gestão. Futura.

Porter, M. (2006) Estrategia y ventaja competitiva. Barcelona. Ed. Deusto.

Santos, T. B. D. & Santos, A. C. M. Z. D. (2018). Competências são importantes para agentes de viagem? Um estudo exploratório em agências de Porto Alegre. Turismo: Visão e Ação, 20(1). 29-50.

Schaltegger, S. (2002). A Framework for Ecopreneurship. Greener Management International, Londres, 38(1): 45-58

Shane, S. & Venkataraman, S. (2000). The promise of entrepreneurship as a field of research. Academy of Management Review, 25(1): 217-226.

Souto, C. D. M. R.; Oliveira, L. B. D. (2008). Ter funcionários satisfeitos é ter clientes satisfeitos: realidade ou indícios? Um estudo em agências de viagens. Turismo, Visão e Ação, 10(1), 75-93.

Tomelin, C. A. (2001). Mercado de agências de viagens e turismo: como competir diante das novas tecnologias. Aleph. Universidade de Brasília (2007), Centro de Seleção e Promoção de Eventos. Candidatos realiam concursos em outros estados (Relatório Anual 2006), Unb.

Vareiro, L. M. C. D. & Pinheiro, T. C. D. S. (2017). A influência da crise na escolha pelo consumidor entre agências de viagens ou operadores on-line. Turismo: Visão e Ação, 19(2), 220-243.